Posts Tagged With: Opel

Sobre as ajudas ao sector automóvel na Europa, o colapso da GM e as dificuldades da Toyota no Japão

Fábrica alemã da Opel em http://www.hebig.org

Fábrica alemã da Opel em http://www.hebig.org

O Proteccionismo estende as suas asas paulatinamente um pouco por todo o mundo… A China reinstaurou os subsídios às exportações. Nos EUA, o governo federal injecta biliões de dólares numa indústria automóvel à beira do colapso e com passivos babilónicos. Até no Japão, país que sempre liderou neste campo, o governo nipónico se prepara para ajudar a Toyota, a empresa que ainda há pouco menos de um ano, ultrapassava a gigantesca GM como a maior construtora mundial e exigia padrões de saúde financeira invejáveis.

O Japão irá agora injectar até quatro mil milhões de euros, respondendo assim ao apelo da construtora que tem um peso tão elevado nas exportações japonesas.

Na Europa, a Opel, adquirida pela colapsante GM no passado, tenta libertar-se do peso opressivo do fracasso da casa-mãe. A GM, intensamente auxiliada pelo governo dos EUA não encara as suas operações europeias como prioritárias e ameaça encerrá-las se os governos europeus não injectarem capital na sua subsidiária Opel, à semelhança do que está acontecer nos EUA. Se a Opel estourar, leva consigo 30 mil empregos um pouco por toda a Europa… Mas não já em Portugal, já que a empresa encerrou em 2006 deixando 1200 desempregados e uma produção deslocalizada para Espanha. A GM europeia pede 3,3 mil milhões de euros ao governo alemão e também está a pressionar os governos britânico, espanhol e polaco pedindo outras verbas, mas não especificadas.

Estas ajudas governamentais são uma prova evidente do colapso dos mecanismos da sã concorrência. Se uns governos estão a injetar biliões de dólares nas suas construtoras nacionais, isso não irá colocar automaticamente em desvantagem os países que não seguem idêntica conduta e aqueles que o não podem fazer em idênticos volumes de ajuda? E onde ficará Portugal – onde esse sector tem um peso tão importante nas exportações – se o nosso Governo não fôr capaz de acompanhar as ajudas que EUA, França, Espanha, Polónia, etc estão a dar aos construtores instalados nos seus territórios? Que motivação terá a Wolkswagen, a PSA, a fábrica remanescente da Opel, etc, para manterem as suas operações em Portugal se forem cumuladas com chuvas de ajudas estatais noutros países da UE? Obviamente que estas ajudas deviam ser coordenadas internacionalmente, para não distorcerem ainda mais os mecanismos de concorrência e prejudicarem ainda mais os países cujos Estados têm menos capacidade de resposta financeira. Mas isso não está a suceder… Em França, por exemplo, Sarkozy está a vestir o fato “do nacionalismo económico” sem grandes pudores… e a Alemanha, prepara-se para fazer outro tanto com as suas construtoras. De facto, estas atitudes isoladas e desconcertadas são contra-produtivas e se a Comissão Europeia não fosse gerida por esse cherne incerto que é Fujão Barroso, já teria agido, banido essas ajudas nacionais e implementado um programa europeu, concertado, paritário e uniforme que abrangesse todas as fábricas automóveis europeias. Mas para isso… Fujão Barroso, teria que ser outro e a UE teria que ser mais do que uma mera repartição de finanças à escala europeia…

Quem parece estar a ficar para trás… enredado ainda nas ajudas ao sistema financeiro, é Portugal…
Para mal das construtoras instaladas em Portugal, dos empregos que elas mantêm e das nossas exportações.
E não me falem da linha de crédito para o sector automóvel, com os seus 200 milhões… valor ínfimo (e ainda não totalizado) das verbas que estão sobre a mesa.

Fontes:
http://ultimahora.publico.clix.pt/noticia.aspx?id=1367619

http://www.businessweek.com/bwdaily/dnflash/content/oct2008/db20081028_593234.htm?campaign_id=rss_daily

http://diarioeconomico.sapo.pt/edicion/diarioeconomico/nacional/economia/pt/desarrollo/721118.html

http://diario.iol.pt/economia/portugal-bancos-automovel-carros-industria-acap/1043185-4058.html


Categories: Economia, Política Nacional, Portugal | Etiquetas: , , | 6 comentários

Create a free website or blog at WordPress.com.

Eleitores de Portugal (Associação Cívica)

Associação dedicada à divulgação e promoção da participação eleitoral e política dos cidadãos

Vizinhos em Lisboa

A Vizinhos em Lisboa tem em vista a representação e defesa dos interesses dos moradores residentes nas áreas, freguesias, bairros do concelho de Lisboa nas áreas de planeamento, urbanismo, valorização do património edificado, mobilidade, equipamentos, bem-estar, educação, defesa do património, ambiente e qualidade de vida.

Vizinhos do Areeiro

Núcleo do Areeiro da associação Vizinhos em Lisboa: Movimento de Vizinhos de causas locais e cidadania activa

Vizinhos do Bairro de São Miguel

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos

TRAVÃO ao Alojamento Local

O Alojamento Local, o Uniplaces e a Gentrificação de Lisboa e Porto estão a destruir as cidades

Não aos Serviços de Valor Acrescentado nas Facturas de Comunicações !

Movimento informal de cidadãos contra os abusos dos SVA em facturas de operadores de comunicações

Vizinhos de Alvalade

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos de Alvalade

anExplica

PEDAÇOS DE SABER

Subscrição Pública

Plataforma independente de participação cívica

Rede Vida

Just another WordPress.com weblog

Vizinhos do Areeiro

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos do Areeiro

MDP: Movimento pela Democratização dos Partidos Políticos

Movimento apartidário e transpartidário de reforma da democracia interna nos partidos políticos portugueses

Operadores Marítimo-Turísticos de Cascais

Actividade dos Operadores Marítimo Turísticos de Cascais

MaisLisboa

Núcleo MaisDemocracia.org na Área Metropolitana de Lisboa

THE UNIVERSAL LANGUAGE UNITES AND CREATES EQUALITY

A new world with universal laws to own and to govern all with a universal language, a common civilsation and e-democratic culture.

looking beyond borders

foreign policy and global economy