Posts Tagged With: Lost S05

Lost S05E08 “LaFleur”: Comentários

1. Numa das viagens temporais, o grupo de sobreviventes composto por Sawyer, Jin, Juliet e Miles que está no local onde ainda não foi construída a Estação Orquídea observam a estátua, cujo pé de seis dedos foi visto no iate pilotado por Sayd no final da Temporada 3. Em ruínas… Logo, como nesta cena a estátua está intacta, isso quer dizer que o grupo viajou para a época da estátua. Esta é vista de longe, e de costas. Mas tem um vago aspecto egípcio, como muitas “antiguidades” da Ilha e terá (a tese é minha) sido construída pela civilização que deixou todos estes vestígios na Ilha: Mu.

2. Locke consegue alinhar a Roda com o seu eixo. Provocando uma viagem temporal mais intensa do que as outras. A luz da viagem é branca em vez de púrpura, como as outras. Ao ajustar a roda, Locke deve obviamente ter feito a “agulha” percorrer no “disco” (termos usados por Daniel Faraday) um espaço maior, daí a diferença da viagem e a… Permanência dos seus efeitos.

3. O grupo de Sawyer e Juliet encontra dois Outros que ameaçam uma mulher e que parecem ter interrompido um pacífico piquenique e morto o companheiro dessa mulher. Não é difícil presumir que são dois membros da Dharma Initiative que saíram do perímetro das Barracas, violando o território acordado entre a Dharma e os Outros e provocando assim a ira destes.

4. Horace Goodspeed, que parece ser o líder da Dharma Initiative, afirma a Sawyer que ele e o seu grupo não são “material Dharma”. De novo, uma referencia a algum tipo de “qualidade moral”, contida na própria designação “Dharma” (o “Caminho” no Budismo), qualidade que o grupo de Sawyer não tem… Compreensível tendo em conta o currículo mais que imperfeito de qualquer um deles, incluindo Sawyer. Recordemo-nos que logo no final da Temporada 3 os outros sobreviventes do voo, aparecem na Hydra, associados aos Outros os quais têm na mão uma lista de nomes, aparentemente com aqueles sobreviventes do Oceanic 815 que têm um padrão moral (Karma) superior ao do grupo de Sawyer.

5. Os Outros – nesta época liderados por Richard Alpert – exigem o corpo o marido de Amy, Paul. Esta acaba por aceder, em nome da trégua entre a Dharma initiative e os Outros (os “nativos”), mas retira-lhe antes do colar um “ankh”, um símbolo egípcio do “amor sexual”, ou seja, mais uma alusão à civilização do Egipto faraónico em Lost… O Ankh é também um símbolo da vida eterna, algo que nos remete para a aparente imortalidade de Richard Alpert. De recordar também que o signo aparece nos hieróglifos do “evento” na Estacão Cisne e que a estátua gigante que o grupo de Sawyer observa numa viagem temporal junto do poço da Estação Orquídea parece também segurar um Ankh em cada mão… Um motivo escultórico muito comum no Império Novo.

6. Na cena na “central de segurança” da Dharma, dois elementos desta reference-se a LaFleur (Sawyer) como sendo o chefe da segurança. Pouco depois percebe-se que Miles cumpre funções também nesta área. Aparentemente, o grupo está agora (1977) plenamente integrado na Dharma.

7. Sawyer chama a Daniel Faraday, “Platão”… Ora Platão é precisamente o autor da melhor fonte de informações sobre a desaparecida civilização mítica da Atlântida, no seu “Timeu e Crítias”. Será esta uma alusão indireta à relação entre este civilização (ligada a Mu) e aos numerosos e basilares testemunhos arqueológicos na Ilha, cuja guarda cabe a Cerberus, o “sistema de segurança do Templo”, mais conhecido como o “monstro de fumo”?


Anúncios
Categories: LOST (Perdidos) | Etiquetas: | 7 comentários

Lost S05E06 “316”: Comentários

wereback

(Evangeline Lilly e dois outros tipos, neste episódio)

1. Logo no começo deste episódio ficamos a conhecer a primeira Estação Dharma situada no exterior da Ilha, na cave da igreja protestante (?) onde parece oficiar Eloise Hawking. A Estação está protegida por uma porta à prova de explosões, o que nos recorda um “vídeo de orientação” da Dharma, exposto logo na primeira temporada onde se dizia que a Dharma acreditava que o seu maior objetivo era encontrar a forma de aplicar a equação de Valenzeti à salvação do mundo. Assim, a presença desta porta blindada seria uma forma da Dharma Initiative proteger a sua única (?) Estação, de nome “Posto da Lâmpada”, no exterior do fim-do-mundo nuclear que julgavam estar eminente.

2. Hurley, no hospício, aparece a ler o comic book  “The Last Man Vol. 3: One Small Step”. Ora esta serie é da lavra de Brian K. Vaughan, precisamente um dos argumentistas de Lost e versa sobre o ultimo sobrevivente da raça humana após uma praga ter eliminado toda a nossa espécie. O fundo apocalíptico é comum a Lost, onde Desmond acreditava haver uma “praga” e tendo em conta que a missão da Dharma Initiative era precisamente a de salvar o globo do apocalipse.

3. Teria sido através desta Estação Dharma que a organização teria encontrado a Ilha, ora como Benjamin diz que os Outros não conheciam a existência desta Estação, então Eloise não é claramente uma “Outra”. Será então uma espécie de sobrevivente da Dharma, já que conhecia e tinha acesso a esta Estação. Com o colapso da Dharma Initiative teria ficado para trás na última Estação Dharma ainda sob o controlo da Dharma, ou mais especificamente de Eloise Hawking.

4. Eloise explica que esta Estação foi construída sobre uma “bolsa de energia eletromagnética” que estaria ligada a outras bolsas semelhantes um pouco por todo o mundo. O que nos leva ao túnel de wormhole que existe entre o subterrâneo da Estação Orquídea e o deserto tunisino, e já agora, entre a costa nigeriana e a Ilha, já que essa seria a região onde voava o avião do irmão de Mr. Eko. De novo, o papel do eletromagnetismo nos mistérios da Ilha parece central… Será que existem vários microburacos negros sob a superfícies terrestre, unidos por túneis de wormhole que possibilitam o teletransporte entre as extremidades desses túneis? Essa parece ser pelo menos a tese dos produtores de Lost…

5. Explica-se aqui, também, pela boca de Eloise porque é que os sobreviventes do Oceanic 815 e todos os outros de outros navios e aviões que aí foram deixados nunca foram salvos… A Ilha nunca foi localizada, porque se move, saltando de coordenada em coordenada, eludindo sempre a localização. Com excepção do começo da década de 50 quando parece ter ficado no mesmo local o tempo suficiente para receber um grupo de militares norte-americanos que pretendiam ensaiar aqui um engenho termonuclear. Alias, isso mesmo é recordado pela presença nessa Estação de uma fotografia com a legenda “”9/23/54 – U.S. Army – OP 264- Top Secret – Eyes Only”.

Havendo uma rede de túneis unindo as tais “bolsas electromagnéticas” de Eloise, não deve ser difícil de imaginar que os locais onde a Ilha se materializa seguem os mesmos eixos.

6. O comandante do voo onde segue o grupo de Jack revela ser Frank J. Lapidus. É como se algo – o Destino – contribuísse para devolver à Ilha todos aqueles que uma vez lá tenham estado. Este fenómeno também ocorrera com Michael em Nova Iorque e é um elemento sobrenatural que não pode ser descartado em Lost… Este aparente Determinismo pode contudo ter uma explicação racional, numa espécie de reposição de um equilíbrio termodinâmico, como se houvesse uma força pseudogravitacional que empurrasse os sobreviventes de volta para a Ilha, talvez algo relacionado com os miniburacos negros que parecem estar no cerne dos mistérios desta Ilha.

7. Quando Benjamim lê o livro Ulysses, de James Joyce, Jack pergunta-lhe como consegue ler, naquela situação de crash eminente. Benjamin responde que “foi a minha mãe que me ensinou”, mas Benjamin Linus nunca conheceu a sua mãe… Então será que se refere a outra personagem da série? Eloise Hawkings, com quem parece ter uma relação tão dúbia, misto de respeito e temor?

8. Jack, Kate e Hurley materializam-se na Ilha, depois de uma turbulência e de um clarão azul, um fenómeno que está geralmente associado em Lost a teleportações. No Espaço e no Tempo (naturalmente, algo que se conhece desde a Lei da Relatividade Geral de Einstein). Parece que o avião atravessou a bolha de “energia electromagnética” que circula a Ilha e, no processo, fez com que aqueles que já tinham estado nela fossem atraídos para o seu solo. Os demais ficaram no avião, que eventualmente se acabaria por despenhar perto da Ilha, na Hydra.

9. O pequeno grupo de Jack, Kate e Hurley encontra Jin, num fato Dharma, novo e conduzindo uma carrinha Wolkswaggen impecável.. E fica imediatamente evidente que estão algures no final da década de setenta.

Aj.

Categories: LOST (Perdidos) | Etiquetas: | 5 comentários

Site no WordPress.com.

Eleitores de Portugal (Associação Cívica)

Associação dedicada à divulgação e promoção da participação eleitoral e política dos cidadãos

Vizinhos em Lisboa

A Vizinhos em Lisboa tem em vista a representação e defesa dos interesses dos moradores residentes nas áreas, freguesias, bairros do concelho de Lisboa nas áreas de planeamento, urbanismo, valorização do património edificado, mobilidade, equipamentos, bem-estar, educação, defesa do património, ambiente e qualidade de vida.

Vizinhos do Areeiro

Núcleo do Areeiro da associação Vizinhos em Lisboa: Movimento de Vizinhos de causas locais e cidadania activa

Vizinhos do Bairro de São Miguel

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos

TRAVÃO ao Alojamento Local

O Alojamento Local, o Uniplaces e a Gentrificação de Lisboa e Porto estão a destruir as cidades

Não aos Serviços de Valor Acrescentado nas Facturas de Comunicações !

Movimento informal de cidadãos contra os abusos dos SVA em facturas de operadores de comunicações

Vizinhos de Alvalade

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos de Alvalade

anExplica

aprender e aprendendo

Subscrição Pública

Plataforma independente de participação cívica

Rede Vida

Just another WordPress.com weblog

Vizinhos do Areeiro

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos do Areeiro

MDP: Movimento pela Democratização dos Partidos Políticos

Movimento apartidário e transpartidário de reforma da democracia interna nos partidos políticos portugueses

Operadores Marítimo-Turísticos de Cascais

Actividade dos Operadores Marítimo Turísticos de Cascais

MaisLisboa

Núcleo MaisDemocracia.org na Área Metropolitana de Lisboa

THE UNIVERSAL LANGUAGE UNITES AND CREATES EQUALITY

A new world with universal laws to own and to govern all with a universal language, a common civilsation and e-democratic culture.

looking beyond borders

foreign policy and global economy

O Futuro é a Liberdade

Discussões sobre Software Livre e Sociedade