Posts Tagged With: Gás Natural

Petróleo, Gás Natural e o seu Pico de Produção e… algumas vantagens do aumento do preço do petróleo


(Instalação no Brasil de rede de gasodutos in http://www.camposgeraisemais.com.br)

“A produção de gás natural da Europa deverá atingir o seu ponto de viragem este ano. Para muitos analistas é um primeiro sinal de mais um choque energético no futuro. Por ora, menos mediático que o petrolífero.”

(…)

“A situação começa a ser preocupante em 2015, o que já não está muito distante. Segundo um estudo da AT Kearney, as importações entre 2005 e 2020 vão crescer quase 100%, enquanto que a produção europeia cairá 43%. Ou seja, em quinze anos, de um lado da balança temos uma duplicação, e do outro quase uma quebra para metade!”

(…)

“A Rússia exporta apenas 1/3 da sua produção, e o principal destinatário é a Europa. Os seus principais campos de produção na Sibéria estão em declínio, pelo que os analistas duvidam que a Rússia possa “salvar” a Europa, tanto mais que o seu próprio consumo interno está a aumentar, num ambiente geral de ineficiência energética.”

(…)

“As importações de gás pela Rússia aumentaram mais de 200%.”

Jorge Nascimento Rodrigues

Expresso, 5 de Janeiro de 2008

 

Ou seja, o gás natural, tido por muitos como a grande salvaguarda para quando a partir de 2010-2030 o petróleo começar a entrar em força na sua curva descendente (já adivinhada hoje), não pode sequer ser considerado como alternativa ao petróleo, porque ele próprio está também a entrar em Pico de produção! E nem a Rússia, que no petróleo é também a grande salvaguarda para o declínio da produção (juntamente com a mítica “capacidade de reserva” saudita) poderá acudir já que o seu consumo interno está em ascendente – fruto da melhoria sensível das condições de vida, e logo, dos padrões de consumo – e que ela própria está a começar a importar gás natural do estrangeiro.

E o problema não é apenas europeu, já que o consumo mundial cresce a um ritmo de 5% ao ano (comparativamente o consumo de petróleo cresce a “apenas” 2,25%/ano). Uma das soluções para este esgotamento iminente poderia ser reduzir o desperdício de cerca de 9% na produção e no processo de transporte da produção, um problema especialmente agudo na Federação Russa… Ainda que as reservas russas possam ascender ou não (é uma questão polémica a 30% do total das reservas mundiais de gás) este é um valor impressionante… a verdade é que ao ritmo a que o consumo interno russo sobe cada vez haverá menos gás natural disponível para exportação. Será então persistir nesta crença absurda da infinitude do gás russo e fazer depender a política energética das grandes nações europeias desta fonte? Portugal também tem os seus problemas… O nosso gás vem da Argélia, não da Rússia, mas este é um dos países mais instáveis do Norte de África… A rede de gasodutos é extensa e pode ser sabotada em muitos sítios semidesérticos e a… Al Qaeda parece ter transformado o norte de África na sua nova frente de combate contra os “Cruzados”… As reservas argelinas são as oitavas do mundo e este país é hoje o quarto maior exportador mundial, o que dá segurança a Portugal no contexto da escolha estratégica feita a partir de 1997, tornando o Gás Natural a segunda fonte de energia primária, cujo aumento de importação tem efectivamente satisfeito quase totalmente o aumento de consumo verificado desde 1997. Mas o aumento do preço do Gás desde 2000 está a afectar ainda mais a competitividade da economia portuguesa, ao aumentar os seus custos de produção.

A própria ligação – cada vez mais forte – entre os preços do petróleo e os do gás natural (tradicionalmente indexados) implica que o gás natural não poderá ser nunca uma verdadeira alternativa ao petróleo.

Embora este aumento dos preços do gás natural e do petróleo possam ter apenas uma faceta negativa, na verdade não é assim!

1. O aumento destes preços cria condições para a necessária redução de consumos (Portugal, por exemplo, aumentos em mais de 260% o consumo energético entre 1995 e 2004, quando o PIB cresceu nesse período apenas uma fracção desse valor)

2. Criar condições para o aumento da eficiência energética. Um grande problema português, especialmente no consumo doméstico, e no grande produtor de gás russo… que além de grande produtor é também o campeão mundial da ineficiência energética.

3. O aumento dos preços dos combustíveis sólidos propicia também a que as energias alternativas, mais limpas e com menor impacto para o Aquecimento Global sejam mais rentáveis que as energias convencionais. O preço por Watt dos painéis solares da nanosolar, por exemplo, já é inferior ao preço de produção de electricidade por queima de carvão, por exemplo…

4. Os preços elevados facilitarão assim a transição para um novo paradigma energética: com padrões de maior eficiência, maior ecologia e menor dependência de alguns dos pontos mais instáveis do globo (Golfo do México com um crescente número de furacões e Médio Oriente com o rastilho do islamismo militante).

5. Os preços elevados vão a prazo reduzir as importações de produtos petrolíferos da Rússia e do Médio Oriente e, logo, estancar o aumento da despesa militar russa e dos países do Médio Oriente.

 

 

Fonte:

Energy Bulletin

 

Categories: Ecologia, Economia | Etiquetas: , , | Deixe um comentário

A cidade solar do Abu Dhabi (Masdar Sustainable City)


(A “Masdar Sustainable City“, um projecto para uma “cidade verde” no Abu Dhabi in http://www.inhabitat.com)

Um dos países mais dinâmicos do mundo… nem sequer é um país, já que se encontra inserido nos “Emirados Árabes Unidos“, mas é neste, o maior geográficamente e financeiramente, tendo também a sua capital homónima a sede dos Emirados. Abu Dhabi é provavelmente o local onde mais e mais depressa se constrói por metro quadrado, tendo a cidade duplicado a sua linha de costa por meio de grandes obras de engenharia, fruto de uma injecção massiva de dinheiro do petróleo, mas também de um ambiente de desregulação ambiental e laboral (a última área conheceu as primeiras leis apenas em 2005). Local em franca explosão económica, o emirado anunciou recentemente a intenção de começar a utilizar energias limpas para suportar esse seu crescimento e o emir Shaikh Khalifa ibn Zaid al-Nahayan vai disponibilizar 15 biliões de dólares para financiar programas locais de desenvolvimento de energias alternativas durante cinco anos.

O valor anunciado – a aplicar em apenas cinco anos – é o mais ambicioso alguma vez anunciado por qualquer governo do mundo, e inclui os custos de construção da maior fábrica de hidrogénio do mundo e também os custos de construção de uma “cidade verde” (Masdar Sustainable City) capaz de albergar mais de cinquenta mil habitantes, mas que não vai emitir gases de efeito de estufa e que não vai ter… automóveis. A cidade terá o grosso da sua energia fornecida por painéis solares fotovoltaicos, estima-se. Por seu lado, a fábrica de hidrogénio utilizará gás natural (abundante no emirado), mas produzirá além de hidrogénio, também… CO2, o que é um contrasenso resultante do estado ainda embrionário da tecnologia actual e pode indicar que tal construção poderá ser – no mínimo – prematura… Ou seja, será este o momento adequado para construir uma fábrica, quando a tecnologia que pretende dispensar a emissão de CO2, ela própria o produz? Diz-se que o CO2 resultante será injectado no subsolo, o que é interessante, porque poderá ser uma alternativa à injecção actual de água em poços de petróleo onde a pressão desceu bastante e que – a médio prazo – compromete a próprio extracção, ainda mesmo antes que o poço tenha menos de 50% de petróleo (um problema grave que afecta já os maiores campos sauditas). Assim, o projecto já começa a fazer algum sentido… Mas não existe conhecimento sobre os efeitos ou necessidades técnicas da injecção de CO2 em campos petrolíferos, e falta aqui algum trabalho de investigação, que, pelo menos… no Abu Dhabi pode ser facilmente financiado com os tais 15 biliões de dólares.

Mas mesmo que o CO2 possa ser injectado no subsolo, resta outro problema… É que a geração por electrólise de hidrogénio (o processo actual) implica o consumo de combustíveis fósseis (gás natural, neste caso), eles próprios já perto do Pico de produção, e logo, num processo de custos altos e crescentes a muito curto prazo. Por isso… Não ficamos particularmente entusiasmados. Embora a injecção de tal verba na investigação científica possa de facto contribuir para avanços tecnológicos inéditos a muito curto prazo.

Fonte:

BBC

Categories: Ciência e Tecnologia, Ecologia, Economia, Política Internacional | Etiquetas: , , , | 1 Comentário

Create a free website or blog at WordPress.com.

Eleitores de Portugal (Associação Cívica)

Associação dedicada à divulgação e promoção da participação eleitoral e política dos cidadãos

Vizinhos em Lisboa

A Vizinhos em Lisboa tem em vista a representação e defesa dos interesses dos moradores residentes nas áreas, freguesias, bairros do concelho de Lisboa nas áreas de planeamento, urbanismo, valorização do património edificado, mobilidade, equipamentos, bem-estar, educação, defesa do património, ambiente e qualidade de vida.

Vizinhos do Areeiro

Núcleo do Areeiro da associação Vizinhos em Lisboa: Movimento de Vizinhos de causas locais e cidadania activa

Vizinhos do Bairro de São Miguel

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos

TRAVÃO ao Alojamento Local

O Alojamento Local, o Uniplaces e a Gentrificação de Lisboa e Porto estão a destruir as cidades

Não aos Serviços de Valor Acrescentado nas Facturas de Comunicações !

Movimento informal de cidadãos contra os abusos dos SVA em facturas de operadores de comunicações

Vizinhos de Alvalade

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos de Alvalade

anExplica

PEDAÇOS DE SABER

Subscrição Pública

Plataforma independente de participação cívica

Rede Vida

Just another WordPress.com weblog

Vizinhos do Areeiro

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos do Areeiro

MDP: Movimento pela Democratização dos Partidos Políticos

Movimento apartidário e transpartidário de reforma da democracia interna nos partidos políticos portugueses

Operadores Marítimo-Turísticos de Cascais

Actividade dos Operadores Marítimo Turísticos de Cascais

MaisLisboa

Núcleo MaisDemocracia.org na Área Metropolitana de Lisboa

THE UNIVERSAL LANGUAGE UNITES AND CREATES EQUALITY

A new world with universal laws to own and to govern all with a universal language, a common civilsation and e-democratic culture.

looking beyond borders

foreign policy and global economy