Posts Tagged With: Elevador Espacial

A empresa japonesa Obayashi Corporation quer construir um Elevador Espacial até 2050

Uma grande empresa japonesa, ligada ao ramo da construção civil, anunciou que lançou um projeto para a construção de um Elevador Espacial que estará operacional antes de 2050.

A empresa é a Obayashi Corporation, sediada em Tóquio e o seu projeto consiste na colocação em orbita de uma estação orbital a uma altitude de 36 mil quilometros ligada a terra por um conjunto de cabos de alta resistência de nano-tubos de carbono, um material vinte vezes mais resistente que o aço

Os nano-tubos de carbono já não pertencem ao campo da ficção cientifica e andam por ai desde a década de 90, e o projeto do elevador espacial existe desde a década de 60, nos EUA.

Este projeto consiste num cabo de 96 mil quilómetros, ou seja, um quarto da distancia entre a Terra e a Lua, ligado num extremo a uma Estação Espacial com laboratórios e espaço habitacional. O transporte pelo cabo será assegurado por um elevador capaz de transportar até 30 pessoas a 200 km/h. Ou seja seria preciso um pouco mais que uma semana para chegar à Estação. A propulsão seria magnética, segundo a Obayashi e os dínamos seriam alimentados, na Estação, por painéis solares eletrovoltaicos.

Até ao momento, o grande obstáculo que falta ainda vencer é o custo dos nano-tubos de carbono, que tem que cair ainda muito antes que este projeto seja viável… De qualquer forma, a tecnologia para construir um elevador espacial está hoje ao alcance, faltando financiamento e uma descida do preço deste material. Se essas barreiras forem vencidas, o ser humano terá ao seu alcance uma forma de colocar humanos e cargas no Espaço a uma fração do custo atual e assim portas nunca antes antevistas se abrirão… E uma viagem à Lua ou a Marte tornam-se alcançáveis e financeiramente suportáveis.

Fonte:
http://www.yomiuri.co.jp/dy/national/T120221004421.htm

Categories: SpaceNewsPt | Etiquetas: , | Deixe um comentário

O que é o “Elevador Espacial”?

Elevador Espacial (http://webecoist.com)

Elevador Espacial (http://webecoist.com)

Um sistema que promete reduzir radicalmente os custos de lançamento de cargas úteis para o Espaço e que promete passar dos atuais 22 mil dólares por quilograma para uma fração deste valor.

A concepção desta solução é descrita pela expressão “elevador espacial”. Num dos mais recentes modelos propostos, o Elevador poderia transportar até aos limites do Espaço perto de 13 toneladas de carga útil, empurrados por raios laser projetados para espelhos refletores montados numa plataforma ligada a um feixe de cabos de nano-tubos de carbono. A base do Elevador Espacial estaria ancorada a uma plataforma petrolífera desativada, o ponto mais extremo de um feixe de cablagens com mais de 100 mil km de comprimento, ligado no outro extremo a um grande satélite geoestacionário.

O sistema permitia colocar cargas úteis no Espaço a uma fracção do preço atual, entre os 200 e os 800 dólares por kg.

A praticabilidade de todo o conceito depende dos nano-tubos de carbono, os quais com apenas alguns centímetros de largura têm uma força e resistência absolutamente únicas entre todos os materiais conhecidos pelo Homem. Descobertos em 1991, os nano-tubos de carbono podem teoricamente ser cem vezes mais fortes que o aço e são tão flexíveis como o plástico.

Atualmente ainda não é possível construir cabos de nano-tubos com mais de alguns milímetros de extensão. Por outro lado, há problemas como os trovões a altas altitudes, turbulências atmosféricas e até o problema básico de propulsar a plataforma com carga até órbita que impedem que o conceito passe à prática. Apesar destas barreiras, há nos EUA vários grupos de entusiastas muito ativos que organizam uma conferencia anual e varias “start-ups” que estão nesta área. No Japão, o governo acordou recentemente a cedência de verbas para desenvolver um projeto idêntico. Em suma, há neste campo uma grande promessa a realizar… Não se sabe é quando.

Nota:
Os cem mil km de extensão deste cabo são muito acima dos 200 a 600 km a que o Space Shuttle costuma orbitar, correspondendo de facto a um quarto da distância Terra-Lua.

Fonte:
http://ciencia.hsw.uol.com.br/elevadores-espaciais.htm

Categories: Ciência e Tecnologia, SpaceNewsPt | Etiquetas: | 2 comentários

O Japão investe num projeto do “Elevador Espacial”

Já por várias ocasiões referimos aquele que julgamos poder ser um dos mais promissores projetos de sempre: o “Elevador Espacial”. O conceito em si é o de colocar cargas e pessoas no Espaço não recorrendo aos grandes, caros e “sujos” foguetões, mas usando um cabo extremamente longo e resistente que une o solo a um satélite em órbita geoestacionária. A ideia foi apresentada pela primeira vez pelo escritor Arthur C. Clarke.

Os desafios tecnológicos envolvidos são tremendos. Os cabos têm que ser mais fortes e leves do que alguma coisa jamais concebida pelo Homem. Os próprios elevadores – que percorrem os cabos para cima e para baixo os cabos – têm que ser desenvolvidos de raiz. Estes elevadores poderiam transportar pessoas, satélites, carga para estações espaciais, etc. Tudo o que atualmente custa pelo menos cem vezes mais colocar em órbita utilizando foguetões.

Em vários países decorrem projetos de investigação semelhantes. Mas entre todos, é o Japão que está mais avançado. O custo total é avaliado não exceder os 5,5 biliões de euros e envolve o trabalho de várias disciplinas, desde a química até à física e à engenharia, todas áreas onde o domínio nipónico é bem conhecido, pelo que se esperam importantes desenvolvimentos, que depois poderão facilmente ser propagados até outras aplicações das descobertas feitas do decurso deste projeto.

O projeto japonês está a ser liderado pela “Japan Space Elevator Association”, dirigida por pelo professor Yoshio Aoki da “Nihon University”.

No projeto de desenvolver um “Elevador Espacial”, o maior obstáculo são, naturalmente, os cabos… Desde logo, pela sua extensão, já que o cabo que transporta o elevador desde o solo até ao satélite tem que ser acompanhado por uma extensão de cabo idêntica, com o contrapeso. Depois, o cabo tem que ser extraordinariamente leve, de facto, mais leve que qualquer outra coisa concebida pelo Homem, e forte… imensamente forte para suportar as gigantescas tensões (vento, pressões da deslocação orbital do satélite, peso a transportar e claro… o seu próprio peso). Estas necessidades apontam para um caminho: nanotubos de carbono. Precisamente o tipo de tecnologia onde hoje a indústria têxtil japonesa é líder destacado e onde têm surgido diversas aplicações como a utilização de células de combustível com nanotubos de carbono para alimentar… telefones móveis e oferecer-lhes 20 horas de uso ativo. Os dados conhecidos estimam que será necessário um cabo que terá que ser 4 vezes mais forte do que qualquer fibra de nanotubos de carbono atual, ou seja, 180 mais forte do que o aço… É certo que têm sido realizados enormes progressos neste campo.

Outro problema será o de propulsar os elevadores pelo cabo… O professor Aoki sugere o uso das propriedades de condução de eletricidade dos nanotubos, pelo que a alimentação elétrica poderá ser fornecida ao elevador através de um segundo cabo.

A segurança é um aspecto que merece aqui atenção… As consequências de uma ruptura e da queda sobre a Terra de alguns cabos com centenas de quilómetros de extensão seriam tudo menos desprezíveis e tem que ser montado um sistema de segurança adequado para anular essa ameaça. Outra questão seria a necessidade de manter a tensão dos cabos, talvez recorrendo a foguetes convencionais instalados no satélite e disparados regularmente. Apesar das enormes dificuldades, as vantagens são tremendas… O Espaço ficaria aberto para usos hoje impensáveis e seria possível, por exemplo, colocar painéis solar em orbita, por custos baixos e enviar a energia assim captada, para Terra sob a forma de microondas.

Fontes:
http://www.timesonline.co.uk/tol/news/uk/science/article4799369.ece
http://www.photon.t.u-tokyo.ac.jp/~maruyama/nanotube.html
http://nanotube.msu.edu/
http://www.highbeam.com/doc/1G1-80206583.html
http://jsea.jp/en
http://en.wikipedia.org/wiki/Space_elevator

Categories: Ciência e Tecnologia, SpaceNewsPt | Etiquetas: , | 7 comentários

Site no WordPress.com.

Eleitores de Portugal (Associação Cívica)

Associação dedicada à divulgação e promoção da participação eleitoral e política dos cidadãos

Vizinhos em Lisboa

A Vizinhos em Lisboa tem em vista a representação e defesa dos interesses dos moradores residentes nas áreas, freguesias, bairros do concelho de Lisboa nas áreas de planeamento, urbanismo, valorização do património edificado, mobilidade, equipamentos, bem-estar, educação, defesa do património, ambiente e qualidade de vida.

Vizinhos do Areeiro

Núcleo do Areeiro da associação Vizinhos em Lisboa: Movimento de Vizinhos de causas locais e cidadania activa

Vizinhos do Bairro de São Miguel

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos

TRAVÃO ao Alojamento Local

O Alojamento Local, o Uniplaces e a Gentrificação de Lisboa e Porto estão a destruir as cidades

Não aos Serviços de Valor Acrescentado nas Facturas de Comunicações !

Movimento informal de cidadãos contra os abusos dos SVA em facturas de operadores de comunicações

Vizinhos de Alvalade

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos de Alvalade

anExplica

PEDAÇOS DE SABER

Subscrição Pública

Plataforma independente de participação cívica

Rede Vida

Just another WordPress.com weblog

Vizinhos do Areeiro

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos do Areeiro

MDP: Movimento pela Democratização dos Partidos Políticos

Movimento apartidário e transpartidário de reforma da democracia interna nos partidos políticos portugueses

Operadores Marítimo-Turísticos de Cascais

Actividade dos Operadores Marítimo Turísticos de Cascais

MaisLisboa

Núcleo MaisDemocracia.org na Área Metropolitana de Lisboa

THE UNIVERSAL LANGUAGE UNITES AND CREATES EQUALITY

A new world with universal laws to own and to govern all with a universal language, a common civilsation and e-democratic culture.

looking beyond borders

foreign policy and global economy