SpaceNewsPt

Dia 9 de dezembro poderia ter sido, não o Fim do Mundo, mas o dia de uma grande catástrofe meteórica

Não seria o fim do mundo, não apareceu em nenhum canal de televisão (ao contrário de Ronaldo e Pinto da Costa que aparecem todos os dias) mas se no passado dia nove de dezembro um asteroide descoberto In Extremis por um grupo de astrónomos tivesse caído na Terra faria um grande estrago. E foi mesmo In Extremis já que o objeto passou a menos de metade da distância Terra-Lua. O asteroide – de nome 2012 XE54 – foi descoberto apenas dois dias antes da passagem de raspão, ou seja, se fosse mesmo para colidir não haveria tempo para fazer nada…

O 2012 XE54 tem apenas trinta metros de diâmetro, mas o seu impacto equivaleria a 13 Bombas de Hiroshima, ou seja, suficiente para provocar uma grande catástrofe se caísse perto de uma grande cidade como Paris ou Roma.

Com perigos destes é incompreensível porque não existe ainda um verdadeiro sistema de aviso e rastreamento de riscos globais e um sistema de resposta a estas ameaças já em órbita e pronto para ser usado quando necessário. Infelizmente, contudo e tendo em conta aquilo que é o espírito humano um tal sistema dual (deteção-reação) só será muito provavelmente instalado depois do primeiro grande desastre provocado por um destes meteoritos..

Fonte:
http://meiobit.com.feedsportal.com/c/33490/f/584803/s/26a46989/l/0Lmeiobit0N0C112920A0Ccomo0Equase0Emorremos0Edia0E110Ede0Edezembro0E20C/story01.htm

Anúncios
Categories: SpaceNewsPt | 1 Comentário

A JAXA está a desenvolver um novo lançador de satélites: o Epsilon

Motor do foguetão nipónico Éplison (http://www.jaxa.jp)

Motor do foguetão nipónico Éplison (http://www.jaxa.jp)

O Japão está a desenvolver um novo lançador de satélites designado por Epsilon que deverá voar até ao verão de 2013. O objetivo da JAXA deverá ser um veículo de baixo custo que vai substituir o atual lançador M-5 que entre 1997 e 2006 realizou sete lançamentos sempre com sucesso. A grande diferença será no preço, 70 milhões de dólares por lançamento versus 48 com o Epsilon.

Para manter os custos baixos o Epsilon vai reutilizar o máximo de componentes do M-5 e do H-2A, sendo o primeiro estádio do Epsilon baseado no H-2A e encontrando-se os motores do M-5 nos segundo e terceiro estádios do novo foguetão, ou seja, motores de combustível sólido.

O desenvolvimento do Epsilon deverá custar à agência espacial nipónica JAXA cerca de 250 milhões de euros.

Fonte:
http://www.space-travel.com/reports/Japan_Plans_to_Launch_New_Carrier_Rocket_in_2013_999.html
http://www.jaxa.jp/projects/rockets/epsilon/index_e.html

Categories: SpaceNewsPt | Etiquetas: , | Deixe um comentário

A Rússia vai lançar em 2015 uma missão robótica para a Lua

A Rússia vai lançar uma missão lunar não tripulada em 2015 que terá como principal objetivo… provar que o país ainda tem a capacidade técnica de lançar uma sonda interplanetária e de a fazer aterrar… sendo que um tal “imodesto” objetivo já diz muito do estado de desnorte atual do programa espacial russo.

Simultaneamente, a Rússia continua a trabalhar numa nova nave espacial tripulável capaz de realizar viagens até ao nosso satélite natural e que deverá realizar o primeiro voo de testes em 2015. Para lançar esta nave a Rússia está também a trabalhar num novo tipo de lançador pesado que deverá estar pronto dentro de três anos.

Estas duas missões são parte de uma estratégia para o Espaço desenhada pela agência espacial russa Roscosmos até 2030 e que inclui a cooperação da Lavochkin com a ESA para a missão marciana robótica de 2018.

Fonte:
http://www.moondaily.com/reports/Russia_to_launch_lunar_mission_in_2015_999.html

Categories: SpaceNewsPt | Etiquetas: | Deixe um comentário

Um segundo Curiosity para Marte?

A NASA aprovou o enviou de um segundo Rover Curiosity para Marte. O rover será enviado em 2020 e será construido em torno do atual Rover mas receberá novos instrumentos. Rover deverá custar cerca 1.5 mil milhões de dólares, mas o valor ainda tem que ser aprovado pelo Congresso.

Num processo que tem muito de democracia participativa, a NASA já pediu à comunidade científica que sugerisse novos instrumentos para o Rover. Um deles poderá vir a ser um pequeno contentor para acolher amostras interessantes que uma futura missão possa analisar em mais detalhe ou enviar para Terra.

O custo deste segundo Rover pode contudo ser um problema… o primeiro Rover custou mais de 2.5 mil milhões e há quem acredite que é melhor concentrar esforços no sistema joviano ou saturnino onde se sabe existir água no estado líquido.

Fonte:
http://www.wired.com/wiredscience/2012/12/curiosity-rover-twin/

Categories: SpaceNewsPt | Deixe um comentário

O rover Curiosity encontrou Carbono em Marte

O Rover marciano Curiosity que a NASA colocou em Marte encontrou vestígios de Carbono em várias amostras do solo. Existe uma possibilidade de que se trate de uma contaminação trazida da Terra ou por algum asteroide ou cometa (alguns destes astros são ricos em compostos orgânicos), mas se for indígena, então estamos perante um indício atual ou passado de atividade biológica.

Este foi o comunicado de John Grotzinger, o geólogo chefe da missão que era esperado há dias com tanta ansiedade por muitos. A descoberta de carbono não prova a existência de vida, presente ou passada.

Fonte:
http://news.discovery.com/space/curiosity-hints-at-mars-organics-perchlorate-121203.html#mkcpgn=rssnws1

Categories: SpaceNewsPt | Deixe um comentário

Afinal, será mesmo possível construir um motor Warp?…

Quem seguia religiosamente a série Star Trek há de se recordar que a Enterprise se movia entre os sistemas estelares durante a sua viagem de cinco anos usando uma certa “propulsão Warp”.

A partir desta inspiração alguns físicos desenvolveram teorias no sentido de criar as bases teóricas para sistemas de propulsão espacial mais rápidos que a velocidade da luz. O primeiro terá sido o físico mexicano Miguel Alcubierre, que através da criação de um sistema capaz de distorcer o espaço-tempo e levar assim a nave espacial até velocidades super-lumínicas. O problema era de que esse conceito exigia energias – literalmente – astronómicas, e logo, era impraticável.

Um motor Alcubierre implicaria uma nave oval com um grande anel rodeando-a. O anel faria com que o espaço-tempo em torno da nave contraísse na sua vanguarda e expandisse à sua retaguarda, levando assim a nave até velocidades acima da velocidade da luz. No meio, a nave estaria numa região sem perturbações. O problema com este conceito é mesmo a energia requerida para fazer estas contrações e distensões do tecido do Espaço-Tempo: a conversão total em energia de uma massa equivalente ao planeta Júpiter. Algo que, manifestamente, não é fácil de conseguir…

Mas cálculos recentes vieram baixar radicalmente esta estimativa inicial: aparentemente, se em vez de um anel estivermos perante um donut arredondado, disposto também em torno da nave a propulsar, então, os requisitos energéticos caem abruptamente, mais exactamente para pouco mais de 700 kg! Estes cálculos teóricos foram apresentados recentemente numa conferência internacional pelo cientista da NASA Harold White e decorrem já testes em laboratório sobre este conceito naquilo a que a equipa de White designou por “White-Juday Warp Field Interferometer” no Johnson Space Center, procurando apurar se é possível perturbar o espaço-tempo em minúsculas frações, de uma parte em dez milhões.

Fonte:
http://news.discovery.com/space/warp-drive-possible-nasa-tests-100yss-120917.html#mkcpgn=rssnws1

Categories: Ciência e Tecnologia, SpaceNewsPt | Deixe um comentário

As empresas russas NPO Molniya e Myasischev estão a conceber um avião espacial

 

 Myasischev M-55 Geofizika (http://cdn-www.airliners.net)

Myasischev M-55 Geofizika (http://cdn-www.airliners.net)

As empresas russas NPO Molniya e Myasischev estão a conceber um avião espacial para voos sub-orbitais turísticos e que seja igualmente capaz de lançar pequenos satélites.

O avião espacial será lançado a partir de um avião-mãe sub-sónico, possivelmente o Myasischev M-55 Geofizika, uma variante científica do conhecido bombardeiro Myasischev M-4 da década de 1950. O M-55 irá descolar com o avião espacial e transporta-lo até uma altitude de entre os 105 e os 120 Kms. Então dar-se-á a separação e um foguete de combustível sólido levará o aparelho até aos limites do Espaço.

Os turistas poderão então experimentar entre três a cinco minutos de ausência de peso e poderão observar a superfície terrestre através de um conjunto de janelas. Finda essa fase do voo, o avião regressa ao solo e aterra como um avião normal. Poderão ser transportados até 14 passageiros, na variante de turismo espacial, na variante de lançador de satélites, um satélite e um foguetão adicional serão instalados no porão do avião espacial.

Fonte:
http://www.space-travel.com/reports/Russian_Companies_Design_Space_Tour_Plane_999.html

Categories: SpaceNewsPt | Deixe um comentário

Na luta Ariane 5ME/Ariane 6 vencem (por ora…) os alemães

Elon Musk, o CEO da norte-americana SpaceX avisou os europeus que se querem que a Ariane Espace continue a existir têm que abandonar o Ariane 5 e construir um seu sucessor capaz de competir com o Falcon 9 da SpaceX. Musk é certamente parte interessada, mas a sua declaração de que “os custos de produção do atual foguetão irão matar a Ariane como uma entidade comercial” está completamente correta.

Elon Musk desafia os europeus – que por estes dias decidem os próximos projetos da sua agência espacial, a ESA – a avançarem para o Ariane 6 e a deixarem para trás o Ariane 5, um foguetão extremamente fiavel (atualmente com 50 lançamentos bem sucedidos seguidos) e preciso, mas muito dispendioso de fabricar e que apenas permanece competitivo no mercado internacional de satélites graças a subsídios por parte das nações da ESA que ascenderam a mais de 217 milhões de euros entre 2011 e 2012. Atualmente, cada lançamento da atual geração Falcon 9 custa 60 milhões de dólares por lançamento, um preço muito mais baixo que o de um Ariane 5 e este preço ainda vai descer mais na próxima geração de Falcon 9…

O problema é que os Estados da ESA não parecem muito convictos quanto à forma de manter a Europa no muito agressivo (e agora mais que nunca) mercado comercial de lançamento de satélites… como com a crise do euro e dos países periféricos, os países do norte não têm uma visão comum e concreta para o futuro do continente no Espaço: a França continua a fazer pressão junto dos seus pares para o desenvolvimento do Ariane 6, um foguetão com métodos de fabricação e componentes mais baratos. O problema está em que a Alemanha (sempre a Alemanha…) está a bloquear a ESA, insistindo numa ótica mesquinha e sem visão de futuro que a ESA deve continuar a desenvolver o Ariane 5. A aprovação do orçamento quinquenal da ESA provou que a Alemanha é também aqui preponderante, tendo a tese francesa sido derrotada, ou na melhor das hipóteses adiada. A proposta alemã eleva ainda mais os elevados custos do Ariane 5 pelo desenvolvimento de uma nova versão, o Ariane 5ME (mid-life) com um estádio superior mais poderoso e a capacidade para o desligar e ligar.

Em teoria, com o Ariane 5ME a funcionar será mais económico desenvolver o Ariane 6, porque algumas das suas tecnologias serão criadas já com o 5ME… Na prática: logo se verá. Os projetos aeroespaciais tendem a ultrapassar os seus orçamentos…

Fonte:
http://www.bbc.co.uk/news/science-environment-20389148

Categories: SpaceNewsPt | 1 Comentário

A ESA aprova o orçamento para os próximos cinco anos (ExoMars, Ariane 5ME e Orion MPCV)

Ariane 5ME (http://www.cnes.fr)

Ariane 5ME (http://www.cnes.fr)

Os países membros da Agência Espacial Europeia (ESA) e o Canadá acordaram o orçamento da agência para os próximos cinco anos.

Entre os assuntos que estavam sobre a mesa destacavam-se o rover marciano ExoMars, a modernização do lançador Ariane 5 e a nave Orion da NASA. Além destes projetos, uma verba de doze mil milhões de euros estava também em discussão.

Em primeiro lugar, o ExoMars foi aprovado e com ele a participação russa no projeto (esperemos que não seja de mau agouro, dada a “maldição” russa em Marte). A Roskosmos vai contribuir com vários instrumentos, com o módulo de descida e com um lançador Proton para uma primeira fase, numa segunda fase (em 2018) o rover Pasteur será colocado no solo marciano por outro foguetão russo Proton.

A outra grande questão era o sucessor do Ariane 5, um foguetão extremamente fiável, mas caro e que agora está comercialmente ameaçado por uma série de lançadores indianos, chineses e privados (como os da SpaceX). A opção era criar um novo foguetão, mais barato (o Ariane 6) ou… não. E venceu a Alemanha, que preferia (ao contrário de França) uma melhoramento do Ariane 5 em vez de um novo engenho, o Ariane 6. Assim, em vez de um novo foguetão, a ESA vai desenvolver o Ariane 5ME a partir de 2008 e que deverá realizar a sua primeira missão entre 2012 e 2018.

As nações da ESA decidiram também continuar a suportar a ISS até pelo menos 2020 e contribuir para a concepção da cápsula Orion MPCV da NASA, a cápsula de reabastecimento norte-americana da ISS.

Fonte:

Voice of Russia

Categories: SpaceNewsPt | Deixe um comentário

A NASA vai lançar em 2016 um novo Lander para Marte

Missão InSight (http://i.space.com)

Missão InSight (http://i.space.com)

A NASA vai lançar em 2016 um novo Lander para Marte. A missão tem a designação de “InSight” e terá como objetivo estudar o solo do Planeta Vermelho procurando determinar se o núcleo do planeta é sólido ou líquido e confirmar as observações recentes que apontam para a existência de tectónica de placas, tornando assim Marte o segundo planeta no Sistema Solar com essa caraterística.

Sendo um Lander, a missão não será tão espetacular como rover “Curiosity” mas confirma a posição de Marte como uma das prioridades da exploração espacial conduzida pela agência espacial norte-americana e que na década de 2030 se há de materializar no envio de uma missão tripulada ao Planeta Vermelho.

Fonte:

http://www.dn.pt/inicio/ciencia/interior.aspx?content_id=2728735&seccao=Tecnologia

Categories: SpaceNewsPt | Etiquetas: | Deixe um comentário

A USAF cancelou os fundos para o desenvolvimento do “Reusable Booster System” (RBS)

Reusable Booster System (RBS) (http://www.parabolicarc.com)

Reusable Booster System (RBS) (http://www.parabolicarc.com)

A Força Aérea dos EUA (USAF) cancelou os fundos para o desenvolvimento do “Reusable Booster System” (RBS), que deveria vir a substituir os atuais lançadores da USAF. O cancelamento decorre de recentes reduções orcamentais.

Vários contratos de desenvolvimento tinham sido assinados com empresas aeroespaciais (Boeing, Lockheed Martin e Andrews Space Systems) para criarem sistemas para o RBS e para que a vencedora criasse um demonstrador à escala do engenho.

O RBS deveria ser um lançador de satélites reutilizável, de descolagem vertical e aterragem horizontal por asas no primeiro estágio, mas tendo o segundo dispensável. O foguetão deveria usar o máximo possível de componentes dos foguetões Delta IV e Atlas V, devendo ser capaz de operar com apenas metade dos seus custos.

Fonte:
http://www.flightglobal.com/news/articles/us-air-force-cancels-reusable-booster-system-377869/

Categories: DefenseNewsPt, SpaceNewsPt | Deixe um comentário

A NASA está a avaliar uma missão a Enceladus

Um dos geisers de Enceladus (http://apod.nasa.gov)

Um dos geisers de Enceladus (http://apod.nasa.gov)

O foco das últimas missões científicas em busca de vida ou de sinais de vida no Sistema Solar tem sido Marte. Mas a verdade é que indícios recentes colocaram Marte não no topo, mas no meio da tabela dessa lista de melhores candidatos. No topo, estão alguns satélites de Júpiter e Saturno e, nomeadamente, do último planeta gigante, Saturno: Enceladus…

Um cientista da NASA, Chris McKay, está a trabalhar numa proposta para uma missão robótica ao satélite saturnino. O que está a fascinar os cientistas em Enceladus é um geiser no polo sul do satélite que está a levar para a superfície a água do oceano subterrâneo e os componentes orgânicos que este contém. Enceladus tem assim os quatro componentes essenciais à vida: água líquida, energia, carbono e. nitrogénio.

O problema está em que colocar uma sonda no solo de Enceladus será extremamente difícil… colocar uma sonda em Enceladus demoraria pelo menos quinze anos, contando com a ida, recolha de amostras e regresso à Terra. Obviamente, o local favorito para colocar a sonda é nas imediações desse geiser, já que qualquer eventual vestígio de vida nesse oceano subterrâneo acabará por ser arremessado nesses jatos de água para a superfície sem que se tenha que escavar e navegar num mar submerso como se teria que fazer noutro excelente candidato para esta demanda: o satélite joviano Europa.

Fonte:
http://www.npr.org/2012/08/05/158170844/life-on-mars-try-one-of-saturn-s-moons-instead?ft=1&f=1007

Categories: Ciência e Tecnologia, SpaceNewsPt | 1 Comentário

A Rússia está a desenvolver um sistema espacial parcialmente reutilizável

A Rússia está a desenvolver um sistema espacial parcialmente reutilizável. O primeiro booster deste tipo deve ser testado pela primeira vez em 2020 e recebeu a designação de “Re-entry Rocket Module” (RRM), indo integrar o novo lançador espacial “Reusable Integrated Launch Vehicle” (RILV) onde fornecera impulsão ao primeiro andar.

O RRM deverá ser capaz de ser lançado pelo menos cem vezes, sendo que os seus quatro motores a combustível liquido (oxigenio líquido e metano/querosene) poderão ser usado entre 10 a 25 vezes antes de terem que ser substituídos.

A conceção teórica do RRM cabe ao Centro de Pesquisa Espacial Kkrunichev e deverá estar concluída até finais de 2013.

O sistema está a ser concebido desde o principio para ser muito redundante com a capacidade suportar a falha total de um dos motores compensando-a com o incremento da potencia dos restantes a 130%.

O custo do sistema será mantido baixo, não somente através da reutilização de boosters e de motores mas também através da utilização de componentes padrão de aviação e do recurso a componentes de outros – já existentes – foguetões sempre que tal for possível.

Ao contrário dos boosters do agora retirado Space Shuttle norte-americano o RRM vai regressar a terra voando graças a um par de asas e a um grupo de motores a reação instalados no seu nariz.

Fonte:
http://www.space.com/18046-russia-reusable-rockets-2020.html

Categories: SpaceNewsPt | Etiquetas: | Deixe um comentário

A segunda cápsula Dragon da SpaceX amarou com sucesso

Cápsula Dragon da SpaceX (http://i.space.com)

Cápsula Dragon da SpaceX (http://i.space.com)

A segunda cápsula Dragon da SpaceX amarou com sucesso depois de ter a primeira carga comercial de sempre na Estação Espacial Internacional (ISS).

Esta foi a primeira missão de uma série de doze contratualizadas entre a SpaceX e a NASA por 1.6 mil milhões de dólares.

Esta Dragon transportou cerca de 450 kg de mantimentos e trouxe de volta para Terra 758 kg de equipamento. No passado domingo um astronauta a bordo da ISS separou a Dragon da Estação através de um braço robótico.

O próximo voo de uma Dragon vai ocorrer a janeiro de 2013 tendo a SpaceX já planeados 50 voos da sua cápsula, entre voos para a NASA e para missões completamente comerciais, num total de quatro mil milhões de dólares.

Nos próximo três a quatro anos, a SpaceX vai desenvolver uma versão tripulável da Dragon capaz de transportar astronautas de e para a ISS.

Fonte:
http://www.space-travel.com/reports/SpaceX_capsule_completes_successful_first_mission_999.html

Categories: SpaceNewsPt | Deixe um comentário

A SpaceX está a desenvolver um lançador pesado, o Falcon X

A SpaceX está a trabalhar num novo motor para um novo lançador, o Falcon X, – ainda maior que o atual Falcon 9 – e que será o lançador mais pesado na companhia criada por Elon Musk, um dos fundadores da PayPal.

O novo motor não será baseado no atual Merlim 1 do Falcon 9 (e que teve uma falha no lançamento da segunda Dragon), mas criado de raiz. O motor receberá a designação de MCT e será várias vezes mais potente que o Merlim devendo estar operacional daqui a um a três anos.

O próximo lançador pesado da SpaceX será assim propulsado pelo MCT e não por uma acumulação de Merlim 1 (como sucede atualmente com o Falcon 9, que tem 9 motores Merlim).

O primeiro Falcon 9 Heavy – ainda com motores Merlim – será lançado no início de 2013 e será capaz de colocar 53 toneladas em órbita baixa, ou seja, o dobro da capacidade do Delta IV Heavy (o lançador mais pesado atualmente à disposição da NASA). Este novo lançador será capaz de lançar ate 200 toneladas, o que o tornaria num dos mais poderosos lançadores da História da Astronáutica.

Fonte:
http://www.flightglobal.com/news/articles/spacex-aims-big-with-massive-new-rocket-377687/

Categories: SpaceNewsPt | Etiquetas: | Deixe um comentário

A Rússia vai lançar astronautas com o Angara A5

Embora poucos falados no Ocidente, os planos russos para renovar o seu sistema de lancamentos espaciais prosseguem… o primeiro voo da nova cápsula espacial capaz de transportar até seis cosmonautas deverá ter lugar em 2018, mas usando não o foguetão inicialmente pensado, o Rus-M, mas o Angara A5.

O novo veículo tripulado russo tem agora a designacao “Veículo Avançado Tripulado” (em russo…) conseguira transportar até seis cosmonautas, meia tonelada de carga e será capaz de realizar voos até à Lua ou a um asteróide. Como as atuais cápsulas Soyuz, será capaz de aterrar apenas em terra, recorrendo para tal a retro-foguetes de combustível sólido.

O A5 é a versão pesada do foguetao Angara. Toda utiliza o mesmo motor a oxigenio líquido e querosene, mas o A5 possui cinco desses motores. Este motor é utilizado pelo lançador sul-coreano “Korea Space Launch Vehicle” (KSLV) no seu primeiro estágio e foi utilizado pela primeira vez em 2009. O primeiro voo de um Angara terá lugar em 2013, materializando um atraso que carateriza de forma sistematica este programa desde o seu arranque em 2009.

Fonte:
http://www.msnbc.msn.com/id/48266154/ns/technology_and_science-space/#.UAss5xWieBs

Categories: SpaceNewsPt | Etiquetas: | 4 comentários

Naro: A Coreia do Sul vai tentar mais um lançamento do seu foguetão orbital

A Coreia do Sul prepara-se para realizar no final de outubro mais uma tentativa para lançar o seu foguetão KSLV-1. Depois de dois falhanços, em 2009 e 2010, a pressão é agora muito grande e não são somente os coreanos que estão sob pressão… são também os russos que desenvolveram o engenho em parceria com os sul coreanos e cuja competência técnica e prestígio internacionais são hoje questionados devido a uma sucessão de falhanços e desaires espaciais.

A Rússia desenvolveu o propulsor a combustível liquido do primeiro andar do foguetão sul coreano, cabendo a este país asiático a responsabilidade pelo propulsor do segundo andar, a combustível sólido e tendo no topo um satélite, também fabricado na Coreia do Sul.

O primeiro lançamento de um foguetão deste tipo, o Naro-1, teve lugar em 2009, e foi um “quase sucesso” tendo falhado apenas a libertação do satélite e a sua decorrente colocação em órbita. Já a segunda tentativa correu bem pior, com a explosão do foguetão depois de apenas dois minutos de voo devido a um “problema elétrico”.

Se esta terceira tentativa de lançamento de um Naro for bem sucedida, a Coreia vai concentrar-se no desenvolvimento de um lançador inteiramente novo, o KSLV-2, que implicará o desenvolvimento de um novo propulsor, veículo que deverá estar pronto até 2018.

Fonte:
http://info.abril.com.br/noticias/tecnologias-verdes/coreia-do-sul-fara-3-tentativa-de-lancar-foguete-11092012-26.shl

Categories: SpaceNewsPt | 2 comentários

A Indústria Espacial Russa está em “Crise Sistemética”?

Foguetão russo Proton (http://cache.gizmodo.com)

Foguetão russo Proton (http://cache.gizmodo.com)

Apesar da negação por parte do Governo russo, é manifesto que existem sérios problemas na industria espacial russa. Os mais altos responsáveis russos negam e renegam, mas é evidente que existe uma crise sistémica na industria espacial russa.

Os problemas parecem mais graves em algumas empresas do complexo industrial espacial russo que noutras e decorrem de problemas de tecnologia, de falta de pessoal devidamente qualificado e disciplina, como se admite, na Rússia, ainda que negando sempre essa “crise sistémica”.

Os problemas com lançamentos comerciais, com os anteriormente fiáveis Proton, sucedem-se. Até as muito fiáveis e seguras cápsulas Soyuz têm apresentado problemas graves nos últimos lançamentos e, cumulando toda esta humilhante serie de fiascos, temos o maior de todos: o fracasso clamoroso da sonda marciana Phobos-Grunt, especialmente notável numa época em que a NASA acumula sucesso atrás de sucesso no difícil e “amaldiçoado” Planeta Vermelho. É certo que a “maldição” de Marte parece especialmente forte nos russos que falharam 17 em 17 missões marcianas, enquanto que no ainda mais agreste Vénus acumularam sucesso atrás de sucesso, mas ainda assim, o fracasso do Phobos-Grunt e agora, mais recentemente, de uma sucessão de lançadores Proton provam que algo vai mal (e muito) na indústria espacial russa.

Fonte:
http://www.spacedaily.com/reports/Russia_Denies_Systemic_Crisis_in_Space_Industry_999.html

Categories: SpaceNewsPt | Etiquetas: | 3 comentários

Será que o “disco voador” do Báltico afinal de contas é apenas…

A anomalia do Báltico (http://truthfall.com)

A anomalia do Báltico (http://truthfall.com)

Uma das descobertas mais entusiasmantes do ano passado foi, sem dúvida, a descoberta daquilo que parecia ser um “disco voador” no fundo do Mar Báltico… a empresa que tinha localizado a “anomalia”, a sueca Ocean X parecia convicta da natureza alienígena do objeto e multiplicou as declarações mais ou menos crípticas sobre a sua natureza, contribuindo para um mistério que se foi avolumando.

Peter Lindberg, da Ocean X, afirmou que o objeto “tinha uma estranha formação em forma de escada” e que “se foi construido, tem que o ter sido dezenas de milhar de anos antes da Idade do Gelo”, ou seja, há mais de vinte mil anos atrás. O sueco chegou mesmo a dizer “se isto for Atlantis, então isso seria mesmo espetacular”. Mas o seu registo nem sempre anda em linhas tão esotéricas, admitindo que pode ser uma formação natural, um meteorito ou um vulcão submarino.

O local exato onde se encontra o objeto é conhecido apenas pela Ocean X que está agora a trabalhar num documentário televisivo sobre o achado, pelo que brevemente poderemos conhecer mais alguns detalhes sobre o “disco”. Mas já se sabe que afinal de contas existe uma grande possibilidade que se trate mesmo de uma formação natural: Volker Brüchert, professor de Geologia da Universidade de Estocolmo recebeu algum do material recolhido do local pela Ocean X e constatou que se tratava de algumas rochas vulcânicas, com algumas dezenas de milhar de anos e uma maioria de rochas sedimentares. Em suma, precisamente aquilo que seria de esperar encontrar no fundo do Báltico. As rochas vulcânicas, especula o geólogo, poderão estar aqui apenas pela ação dos glaciares que na Idade do Gelo esculpiram as feições geográficas que hoje apresenta o Mar Báltico.

Fonte:
http://www.lifeslittlemysteries.com/2839-baltic-sea-object-glacial-deposit.html

Categories: Mitos e Mistérios, OVNIs, SpaceNewsPt | 4 comentários

A Agência Espacial Russa Roscosmos lançou um concurso para um novo modelo de foguetão

A Agência Espacial Russa (Roscosmos) lançou um concurso de 240 milhões de euros para financiar as primeiras fases do desenvolvimento de um novo foguetão pesado que seja capaz de transportar naves espaciais tripuladas para a Lua e mais além. As propostas devem ser submetidas até 28 de agosto e terão que detalhar o novo modelo de foguetão, assim como os necessários sistemas terrestres de apoio. A Roscosmos requer igualmente que o projeto esteja terminado até 31 de maio de 2013.
Este concurso interno russo visa certamente dar resposta à intenção expressa em meados de julho deste ano por parte de Vladimir Popovkin, o responsável máximo pela Roscosmos de devolver à Rússia parte do perdido brilho espacial da União Soviética e colocar um astronauta russo na Lua antes do final de 2018… Obviamente, quando estiver terminado, o mesmo lançador substituirá os atuais muito fiáveis e conhecidos foguetões Soyuz também nos voos para a Estação Espacial Internacional, que sem grandes alterações são lançados desde 1966. Sendo os foguetões Soyuz não um modelo desenvolvido diretamente do zero, mas a partir do Voskhod (e este da geração de foguetões R-7) este novo lançador pesado será não somente o primeiro a usar o novo cósmodromo de Vostochny, na região de Amur, no Extremo Oriente russo, mas também o primeiro foguetão pesado construído totalmente de raiz em muitas décadas…
O principal candidato a vencer este concurso é a “RKK Energia Space Corporation” que já tinha vencido um concurso semelhante em 2009.
Categories: SpaceNewsPt | Etiquetas: | 2 comentários

A Catalunha vai para a Lua!

Um grupo catalão que está a participar no Google Lunar X Prize assinou um contrato com uma empresa chinesa para lançar o seu rover lunar em 2014. A equipa, baseada em Barcelona, assinou com os chineses um contrato de trinta milhões de euros e mostra assim que está na vanguarda para vencer esta competição. A equipa catalã vai usar um foguetão Longa Marcha 2C, com um estádio superior CTS2 por forma a garantir a viagem até à Lua.
A equipa, designada por “Barcelona Moon Team” é de facto um consórcio de empresas, liderado pela “Galactic Suite Moorace” e que envolve a EAQDS e a Thales Alenia.

A equipa catalã parece atualmente a mais bem posicionada das vinte e cinco equipas (uma portuguesa) no concurso e aquela que está mais perto de construir um rover e de o lançar para a Lua estando a equipa a oferecer até 25 g de carga para payload científico a quem quiser realizar experiências durante a missão.

Para vencer o “Google Lunar X PRIZE” há que construir e enviar para a Lua um Rover capaz de viajar pelo menos 500 metros no solo lunar e enviar para a Terra imagens de alta definição. A primeira equipa a conseguir tal feito ganha 20 milhões de dólares, com quantias inferiores disponíveis para os classificados logo abaixo do vencedor. O objetivo é desenvolver um sistema robótico de exploração espacial fiável e de baixo custo.

Além deste concurso lunar, a empresa desenha atualmente um hotel espacial designado como “Galactic Suite Experience”, uma pequena estação orbital não permanente em órbita baixa LEO para alojar turistas espaciais. A hotel terá 16 janelas e um desenho modular. A sua arquitetura resulta de uma parceria com a EADS Astrium que permite a incorporação de tecnologia do ATV que hoje abastece a Estação Espacial Internacional. Na sua primeira fase, terá um só módulo e permitirá para dois turistas e um tripulante numa presença que não deverá exceder os seis dias e que serão servidos por naves russa Soyuz. Posteriormente, o hotel receberá mais quatro módulos e poderá ser servido por outras naves espaciais, com mais capacidade como a Dragon da SpaceX.

Fontes:
http://www.wired.com/autopia/2012/08/china-x-prize-robot/?utm_source=feedburner&utm_medium=feed&utm_campaign=Feed%3A+wired%2Findex+%28Wired%3A+Top+Stories%29
http://en.wikipedia.org/wiki/Long_March_2C
http://www.googlelunarxprize.org/
http://www.galacticsuitegroup.com/galactic-suite-moonrace-eng/

Categories: SpaceNewsPt | Deixe um comentário

O projeto de uma colónia marciana privada Mars One

Colónia Mars One (http://digitaljournal.com)

Colónia Mars One (http://digitaljournal.com)

O projeto Mars One é uma iniciativa do empresário holandês Bas Lansdorp que visa a constituição de uma base permanente em Marte. O projeto foi apresentado à imprensa em junho de 2012 e terá a sua primeira fase cumprida com o envio de um satélite de comunicações para Marte, seguindo-se depois várias fases até chegar ao ponto em que os quatro primeiros colonos serão enviados para o Planeta Vermelho em 2023 inaugurando então uma instalação permanente a um custo estimado de seis mil milhões de dólares. Depois de 2023, o plano é enviar mais um grupo de colonos a cada dois anos.

Todo o projeto Mars One se baseia em tecnologias já disponíveis hoje em dia. Em 2016 a Mar One espera enviar uma carga com abastecimentos para o solo marciano e um Rover dois anos depois. Ambas as missões serão realizadas através do mesmo “Mars Lander”.

Neste momento, a Mars One está a reunir apoiantes e financiadores, assim como interessados em participar nessa colonização fazendo assentar a sustentação financeira do projeto no facto de se tratarem apenas de missões de ida (sem volta) o que reduz substancialmente os custos astronómicos que as agências espaciais atribuem a uma missão tripulada a Marte.

Em termos tecnológicos, o projeto Mars One assenta no foguetão Falcon Heavy atualmente em desenvolvimento pela SpaceX, engenho que será testado pela primeira vez entre finais de 2012 ou começos de 2013. A outra peça essencial do projeto será o supracitado “Mars Lander”. Desenvolvido também pela SpaceX, trata-se de uma variante da cápsula Dragon, já testada em 2010, mas maior e concebido para suportar cinco configurações diferentes: Unidade de Abastecimentos, Unidade de Vida, Unidade de Suporte de Vida, Lander para os astronautas e ainda, Lander para o Rover. As primeiras variantes serão parte essencial da colónia marciana, ligadas entre si por passagens estanques.

A energia para a colónia será fornecida painéis solares extrafinos levados para Marte em densos rolos que depois serão estendido pela superfície, ao lado da base marciana. A produção de água doce estará a cargo de um sistema que recebe cerca de 60 kg de solo e extrai a agua aqui contida e, posteriormente, o oxigénio. A recolha e transporte desse solo será a tarefa principal do Rover. O sistema deverá ter a capacidade de recolher 1500 litros de água e 120 kg de oxigénio, que serão armazenados no “Mars Lander” configurado como “Unidade de Suporte de Vida” onde a filtragem do azoto e do árgon e injeção no ar da base será também realizada.

O “Mars Lander” configurado “Unidade de Vida” terá um anexo insuflável com uma comporta que permitirá o acesso aos colonos. Será o Rover que montara esta estrutura que depois será preenchida pela atmosfera produzida na unidade dedicada. No Lander ficarão estruturas como a cozinha e a casa-de-banho.

Um componente crucial deste projeto será o “Mars Transit Vehicle”, uma estação espacial compacta e que levará os quatro astronautas até Marte numa viagem com sete meses de duração. O veículo será montado em órbita terrestre a partir de vários componentes dispersos: dois estádios de propelente, um módulo de vida e um Lander.

Se tudo correr como o planeado e especialmente se o financiamento ambicionado for almejado em 2033 a Mar One espera ter vinte colonos em Marte em 2033. Um grande “se”.

Fontes:
http://en.wikipedia.org/wiki/Mars_One
http://mars-one.com/en/

Categories: SpaceNewsPt | 10 comentários

O primeiro voo do avião espacial Lynx da XCOR Aerospace já com turistas espaciais irá ter lugar a partir da ilha de Curacao, uma ilha das Caraíbas em 2014

 

O avião espacial Lynx da XCOR Aerospace (http://www.apolo11.com)

O avião espacial Lynx da XCOR Aerospace (http://www.apolo11.com)

O primeiro voo do avião espacial Lynx da XCOR Aerospace já com turistas espaciais irá ter lugar a partir da ilha de Curacao, uma ilha das Caraíbas em 2014. O Lynx irá alcançar uma altitude máxima de 100 Km. O avião terá dois lugares, um para o piloto, o outro para o passageiro e poderá realizar até quatro voos por dia, sempre a partir de uma pista de aviação convencional. Cada viagem no Lynx vai custar cerca de 95 mil dólares, incluindo o treino do turista, ou seja, um preço muito abaixo dos 200 mil dólares da Virgin Galactic… ainda que esta deva começar a operar um ano antes, já em 2013.

Fontes:
http://www.space.com/16044-xcor-lynx-space-plane-pictures.html
http://www.space.com/16071-xcor-lynx-spacecraft-space-tourism.html

Categories: SpaceNewsPt | Deixe um comentário

Que Sistema Operativo corre no Rover marciano Curiosity?…

Depois das notícias sobre a remoção do software instalado no Rover marciano Curiosity (dedicado à fase de aterragem) e a sua substituição por software especializado nas operações de exploração no solo, há que colocar a questão: mas este software corre sobre que Sistema Operativo? Não… não é nem Windows 7, nem uma variante obtusa do Linux, mas algo muito mais simples, robusto e flexível. Trata-se de um dos sistemas operativos “RTOS: Real Time Operation System” mais antigos no mercado e conhecido por “vxWorks” e que corre também nos outros dois Rovers que a NASA opera atualmente em Marte (Spirit e Opportunity).

O vxWorks tem já mais de 27 anos tendo sido lançado em 1987 e foi criado pela “Wind River Systems”, que a Intel comprou em 2009. Concebido para ser usado em sistems embebidos, o sistema incorpora multitarefa, é um sistema nativo de 64 bits sobre arquitetura Interl X86, com execução isolada de aplicações e proteção do kernel. Suporta três tipos de file systems: High Reliability File System (HRFS), o velho e muito conhecido FAT-based file system (DOSFS), e o Network File System (NFS) mais conhecido no mundo Unix. Em termos de protocolo de rede, é usado o IPv6. Existem várias versões para vários processadores, como a já mencionada família x86, mas também MIPS, PowerPC, Intel i960, SPARC, Freescale ColdFire, Fujitsu FR-V, SH-4, ARM, StrongARM e xScale. Todo o desenvolvimento para vxWorks é realizado num computador com um IDE (“integrated development environment”) sendo o software compilado aqui e copiado para o sistema alvo correndo o vxWorks. Alguns exemplos de aparelhos ou sistemas correndo vxWorks: Airbus A400M, Apache Longbow, vários satelites, sondas planetárias e Rovers marcianos (Deep Space, Mars Reconnaissance Orbiter, Phoenix Mars Lander, Deep Impact, Networking and communication components. Curiosamente, o sistema corre também nos router WRT54G da Linksys e nas impressoras Xerox Phaser!

O software no Curiosity que foi atualizado este domingo tem cerca de 2.5 milhões de linhas de código, dos quais 700 mil que agora foram substituídas. Tudo em… linguagem C. Por comparação, a Apollo tinha 145 mil linhas, o Windows XP tem nada mais nada menos que 45 milhões de linhas e o “modesto” Android que agora uso para escrever este text, pouco mais de 12 milhões.

Fontes:
http://meiobit.com.feedsportal.com/c/33490/f/584803/s/2249f7f2/l/0Lmeiobit0N0C10A73260Cno0Eo0Esistema0Eoperacional0Eda0Ecuriosity0Eno0Elinux0Emas0Evoc0Eprovavelmente0Ej0Eo0Eusou0C/story01.htm
http://en.wikipedia.org/wiki/VxWorks

Categories: Informática, SpaceNewsPt | Deixe um comentário

Os entusiastas amadores da dinamarquesa “Copenhagem Suborbitals” conseguiram lançar um foguetão SMARAGD-1

Os entusiastas amadores da dinamarquesa “Copenhagem Suborbitals” conseguiram lançar um foguetão a 27 de julho. O teste foi bem sucedido e serviu para testar algumas tecnologias que serão usadas no seu primeiro voo tripulado.  O foguetão testado tem a designacao de SMARAGD-1 e tem dois estágios. Lançado a partir de uma plataforma flutuante no Mar Báltico. Os equipamentos testados foram o sistema de comunicacoes a longas distância, o sistema de separação do segundo estágio e outros equipamentos. O foguetão terá a capacidade para uma altitude máxima de vinte quilometros, mas intencionalmente terá alcançado menos, uma vez que o objetivo era o de testar equipamentos, não alcançar a altitude máxima.

Em 2011 a “Copenhagem Suborbitals” testou o foguetão HEAT-1X. Atualmente, estes amadores dinamarqueses estão a trabalhar numa cápsula espacial para um único tripulante.

Brevemente, a Copenhagen Suborbitals vai lançar três foguetoes dos quais um segundo SMARAG e dois foguetoes guiados com a designacao Sapphire.

Fonte:
http://www.space.com/16800-copenhagen-suborbitals-private-rocket-launch.html

Categories: SpaceNewsPt | Deixe um comentário

A China vai lançar um rover nuclear para a Lua em 2013

A China declarou o envio de um Rover lunar alimentado a energia nuclear já em 2013. O Rover manterá a designacao das anteriores missões lunares chinesas e intitular-se-á Chang’e 3.

Esta terceira missão assume-se como mais um passo para preparar uma missão tripulada à Lua e a tecnologia usada será de resto semelhante à dessa primeira missão tripulada com retrofoguetes de alunagem.

A Chang’e 3 será assim em 2013 o primeiro engenho enviado pelo Homem para a Lua, numa descida controlada desde que a soviética Luna 24 realizou tal feito em 1976, o que dá uma boa medida da confiança e ambição do programa espacial português.

Fonte:
http://news.discovery.com/space/china-to-launch-nuclear-moon-rover-dnews-nuggets-120726.html#mkcpgn=rssnws1

Categories: China, SpaceNewsPt | 2 comentários

A NASA selecionou os vencedores do seu programa “Commercial Crew”

O avião espacial proposto pela Sierra Nevada Corp (http://www1.pcmag.com)

O avião espacial proposto pela Sierra Nevada Corp (http://www1.pcmag.com)

A NASA selecionou os vencedores do seu programa “Commercial Crew”. As empresas vencedoras irão receber mil milhões de dólares nos próximos 21 meses por forma a desenvolverem as suas propostas de construirem naves espaciais capazes de transportar astronautas até à Estação Espacial Internacional (ISS). A Boeing irá receber 460 milhões de dólares para terminar o desenvolvimento da sua cápsula CST-100 que será lançada por um foguetão Atlas V da “United Launch Alliance” (uma parceria entre a Boeing e a Lockheed Martin), por seu lado, a SpaceX vai receber 440 milhões para concluir o desenvolvimento de uma versão tripulada da já lançada (por duas vezes) cápsula Dragon. Além destas duas empresas mais conhecidas, também uma terceira – menos mediática, mas aparentemente igualmente credível para a NASA – a “Sierra Nevada Corp” receberá 212.5 milhões de dólares para prosseguir os seus trabalhos no Dream Chaser, um avião espacial a lançar (também) do Atlas V e que ainda não realizou nenhum voo de teste.

Fontes:
http://www.reuters.com/article/2012/08/03/us-space-spaceships-idUSBRE8720SC20120803
http://www.nasa.gov/offices/c3po/home/

Categories: SpaceNewsPt | 2 comentários

A Rússia quer voltar à Lua

O Lander soviético que nunca chegou a ser lançado na década de 60 (http://lh6.ggpht.com)

O Lander soviético que nunca chegou a ser lançado na década de 60 (http://lh6.ggpht.com)

A Agência Espacial russa Roscosmos está empenhada em regressar de forma permanente à Lua. A ambição russa é a de estabelecer bases permanentes no nosso satélite natural e colocar o seu primeiro astronauta na Lua até 2030. A revelação foi feita numa conferencia pública, a “Global Space Exploration Conference” onde a agência espacial japonesa Jaxa informou que também tenciona colocar astronautas nipónicos na Lua.

Fonte:
http://www.dailymail.co.uk/sciencetech/article-2149240/The-new-space-race-heats-Russia-plans-permanent-bases-moon.html#ixzz1vnjoNjr0

Categories: SpaceNewsPt | Deixe um comentário

Site no WordPress.com.

Eleitores de Portugal (Associação Cívica)

Associação dedicada à divulgação e promoção da participação eleitoral e política dos cidadãos

Vizinhos em Lisboa

A Vizinhos em Lisboa tem em vista a representação e defesa dos interesses dos moradores residentes nas áreas, freguesias, bairros do concelho de Lisboa nas áreas de planeamento, urbanismo, valorização do património edificado, mobilidade, equipamentos, bem-estar, educação, defesa do património, ambiente e qualidade de vida.

Vizinhos do Areeiro

Núcleo do Areeiro da associação Vizinhos em Lisboa: Movimento de Vizinhos de causas locais e cidadania activa

Vizinhos do Bairro de São Miguel

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos

TRAVÃO ao Alojamento Local

O Alojamento Local, o Uniplaces e a Gentrificação de Lisboa e Porto estão a destruir as cidades

Não aos Serviços de Valor Acrescentado nas Facturas de Comunicações !

Movimento informal de cidadãos contra os abusos dos SVA em facturas de operadores de comunicações

Vizinhos de Alvalade

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos de Alvalade

anExplica

aprender e aprendendo

Subscrição Pública

Plataforma independente de participação cívica

Rede Vida

Just another WordPress.com weblog

Vizinhos do Areeiro

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos do Areeiro

MDP: Movimento pela Democratização dos Partidos Políticos

Movimento apartidário e transpartidário de reforma da democracia interna nos partidos políticos portugueses

Operadores Marítimo-Turísticos de Cascais

Actividade dos Operadores Marítimo Turísticos de Cascais

MaisLisboa

Núcleo MaisDemocracia.org na Área Metropolitana de Lisboa

THE UNIVERSAL LANGUAGE UNITES AND CREATES EQUALITY

A new world with universal laws to own and to govern all with a universal language, a common civilsation and e-democratic culture.

looking beyond borders

foreign policy and global economy

O Futuro é a Liberdade

Discussões sobre Software Livre e Sociedade