Futebol e Corrupção

Carta Aberta à Embaixada da República Federal da Alemanha

O grupo de cidadãos que entregou na PGR a Carta Aberta contra o Arquivamento do Caso dos Submarinos
http://peticaopublica.com/pview.aspx?pi=Portugueses
Vai entregar, em Maio, na Embaixada da República Federal da Alemanha, em Lisboa, a seguinte lista de perguntas sobre i envolvimento de empresas e do governo germânicos no “Caso dos Submarinos” e questionando este país da União Europeia sobre a falta de cooperação das suas autoridades judiciais na investigação portuguesa deste processo.
1ª pergunta
Porque é a justiça alemã recusou colaborar na investigação do processo dos submarinos, não fornecendo os elementos que foram pedidos em várias ocasiões, nomeadamente informações bancárias sobre indivíduos ou empresas que intervieram no processo negocial? Quem beneficiou com esta recusa? Que motivos teve a Alemanha para não colaborar?
Carta Aberta à Embaixada da República Federal da Alemanha, com uma lista de perguntas sobre o envolvimento de empresas e do governo germânicos no “Caso dos Submarinos” e questionando este país da União Europeia sobre a falta de cooperação das suas autoridades judiciais na investigação portuguesa deste processo.
Se concorda, subscreva!
http://peticaopublica.com/pview.aspx?pi=PT77003
2ª pergunta
O cônsul honorário de Portugal em Munique, Jürgen Adolff (condenado na Alemanha por ter sido “contratado” pela Ferrostaal para promover encontros com decisores políticos portugueses a troco de uma comissão) ficou com o dinheiro das “luvas” para si próprio ou dividiu-o com mais alguém? É verdade que a sentença que condenou Adolff, na Alemanha, no caso dos submarinos, dá como provada uma “conversa a quatro olhos, a sós” entre o referido cônsul e Paulo Portas?
Carta Aberta à Embaixada da República Federal da Alemanha, com uma lista de perguntas sobre o envolvimento de empresas e do governo germânicos no “Caso dos Submarinos” e questionando este país da União Europeia sobre a falta de cooperação das suas autoridades judiciais na investigação portuguesa deste processo.
Se concorda, subscreva!
http://peticaopublica.com/pview.aspx?pi=PT77003
3ª pergunta
Onde estão os 27 milhões de euros que a Ferrostaal assumiu ter pago, relativos a contratos com a ESCOM Limited, e que se perderam numa miríade de fundos e offshores? O que sabe a Justiça alemã destes fluxos? Partilhou esta informação com a Justiça portuguesa? Se não, porquê?

Carta Aberta à Embaixada da República Federal da Alemanha, com uma lista de perguntas sobre o envolvimento de empresas e do governo germânicos no “Caso dos Submarinos” e questionando este país da União Europeia sobre a falta de cooperação das suas autoridades judiciais na investigação portuguesa deste processo.
Se concorda, subscreva!
http://peticaopublica.com/pview.aspx?pi=PT77003

4ª pergunta

Porque é que os submarinos do consórcio alemão foram subindo de classificação nas preferências da Marinha e do Ministério – primeiro estavam em último lugar, depois em segundo – até serem, finalmente, escolhidos?

Carta Aberta à Embaixada da República Federal da Alemanha, com uma lista de perguntas sobre o envolvimento de empresas e do governo germânicos no “Caso dos Submarinos” e questionando este país da União Europeia sobre a falta de cooperação das suas autoridades judiciais na investigação portuguesa deste processo.
Se concorda, subscreva!
http://peticaopublica.com/pview.aspx?pi=PT77003
5ª pergunta

Porque razão a investigação às contrapartidas da compra dos submarinos e depois de DEZ buscas a vários escritórios de advogados (3 alemães e 7 portugueses) produziu ZERO condenações de burla qualificada e falsificação de documentos? Estes advogados alemães também não foram julgados e condenados na Alemanha?

Carta Aberta à Embaixada da República Federal da Alemanha, com uma lista de perguntas sobre o envolvimento de empresas e do governo germânicos no “Caso dos Submarinos” e questionando este país da União Europeia sobre a falta de cooperação das suas autoridades judiciais na investigação portuguesa deste processo.
Se concorda, subscreva!
http://peticaopublica.com/pview.aspx?pi=PT77003
6ª pergunta

Na Alemanha, dois ex-gestores da Ferrostaal – Johann-Friedrich Haun e Hans-Peter Muehlenbeck – foram julgados e condenados por suborno de funcionários públicos estrangeiros, na venda de submarinos U-209PN a Portugal e à Grécia: Os próprios admitiram ao tribunal terem pago “luvas” e o ex-cônsul honorário Jürgen Adolff, foi um dos beneficiários (1,6 milhões de euros), isto segundo a sentença do Tribunal de Essen. Quanto deste dinheiro chegou a portugueses? E se chegou quem são eles?

Carta Aberta à Embaixada da República Federal da Alemanha, com uma lista de perguntas sobre o envolvimento de empresas e do governo germânicos no “Caso dos Submarinos” e questionando este país da União Europeia sobre a falta de cooperação das suas autoridades judiciais na investigação portuguesa deste processo.
Se concorda, subscreva!
http://peticaopublica.com/pview.aspx?pi=PT77003

7ª pergunta

Brevemente, o grupo de cidadãos que entregou na PGR a Carta Aberta contra o Arquivamento do Caso dos Submarinos vai entregar, em mãos, esta pergunta (em anexo) a esta Carta Aberta, na Embaixada alemã:
Porque é os tribunais alemães nunca deram à investigação portuguesa a “documentação que lhes foi rogada e que era indispensável à reconstituição dos circuitos financeiros dos eventuais pagamentos de luvas” (despacho de arquivamento da PGR)? É verdade que esta documentação foi produzida por uma equipa conjunta de procuradores alemães e portugueses trabalhando durante semanas nas instalações da Ferrostaal?

Categories: Futebol e Corrupção | Deixe um comentário

A corrupção é um dos grandes males dos tempos modernos

A corrupção é um dos grandes males dos tempos modernos e algo que a moderna democracia representativa ainda não soube resolver. Essa incapacidade é bem notória quando se observa que no Índice de Percepção da Corrupção da Transparência Internacional, mais de dois terços dos 177 países analisados apresentam resultados negativos.
Este grande mal tem, contudo, um grande remédio. Não uma panaceia, que sara subitamente, mas uma via e essa via é a da transparência fiscal e politica e da governação aberta…

Categories: Futebol e Corrupção | Deixe um comentário

Citações de João Cravinho

“Estamos à beira da judicializaçäo do problema da corrupção, como sucedeu em Itália.”
João Cravinho
“O excesso de legislação avulsa que vamos produzindo e um problema que não ajuda a ninguém”
João Cravinho
“Eu não sou partidário do enriquecimento ilícito, mas do enriquecimento não justificado, não transparente, que é um atentando às instituições democráticas, um crime na esfera politica e ética.”
João Cravinho
“Discordo totalmente da inversão do ónus da prova num âmbito fiscal”
João Cravinho
Categories: Futebol e Corrupção | Deixe um comentário

“Em Portugal, a percepção da corrupção é elevada, segundo todos os indicadores, mas não há aproveitamento politico.”

“Em Portugal, a percepção da corrupção é elevada, segundo todos os indicadores, mas não há aproveitamento politico. Isso deve-se, em parte ao papel do PCP, que consegue parlamentarizar as atitudes mais anti-sistémicas”
Marco Lisi (Professor da Nova de Lisboa)

E contudo, a corrupção, fenómeno que terá desviado 2% do OGE durante dez anos consecutivos, não faz parte do cerne das propostas de nenhum dos partidos tradicionais. De facto, a palavra nem consta da moção de António Costa ao Congresso do PS (o mesmo, felizmente, não ocorre com “transparência”) nem está no centro das preocupações dos partidos da direita ou do PCP.

Esta lacuna abre espaço de intervenção e discurso aos partidos emergentes que, como o PDR, Agir e o MJP, o estão a procurar preencher. Ora há que colmatar este hiato e construir propostas criativas, originais e outras já amplamente ensaiadas no estrangeiro. Estas propostas podem ser apresentadas (dentro em breve) ao programa aberto e colaborativo que o PS está a preparar para as Legislativas. Reflictamos e preparemos a nossa resposta.

Categories: COTS: Corrente de Opinião Transparência Socialista, Futebol e Corrupção | Deixe um comentário

“corrupção não está no centro da crise. Que não é o mais importante. Que é apenas uma consequência secundária.”

Um destes dias, um catedratizado dizia-me que a “corrupção não está no centro da crise. Que não é o mais importante. Que é apenas uma consequência secundária.”
É claro que este catedratizado estava ENGANADO.
A Corrupção é e está no centro da Crise.
No centro de mais de 10 anos de desvio de 2 a 3% do OGE para Corrupção (Paulo Morais)
No centro de uma erosão da confiança entre Eleitos e Eleitores que derivou nesta Partidocracia que ora nos rege.
No centro de uma queda abrupta dos padrões éticos e morais de quem nos rege.
No centro de uma “elite” intelectual, que paira nas Universidades e nas Cátedras e que, na melhor das hipóteses, foi incapaz de ver o grau de degradação a que estava a chegar a República. E que na pior, foi cúmplice na decadência que agora ameaça a Democracia e abre a porta a toda a forma de Extremismos e Populismos.

Categories: Futebol e Corrupção | Deixe um comentário

Vicente Moura: “Eu troquei 14 milhões de euros por uma medalha de prata”

Vicente Moura (http://www.record.xl.pt)

Vicente Moura (http://www.record.xl.pt)

Depois de ter sido o responsável por mais uma prestação anémica de Portugal nuns Jogos Olímpicos seria de esperar que o presidente do Comité Olímpico de Portugal, um certo Vicente Moura, se metesse debaixo de alguma pedra muito grande e de lá não saísse nas próximas duas ou três décadas. Mas não foi assim.

Este portento do desperdício – responsável pelos 14 milhões de euros que um país falido fez trocar por uma medalha de prata – vem agora propor que :

«Se queremos 10 ou 11 medalhas, rápidas, então temos de mudar de caminho. Há muitos atletas africanos que querem vir para a Europa e as medalhas aparecem. 30 por cento dos atletas da Espanha não nasceram no território, são estrangeiros»

Notável. Portanto, e se bem entendo (hão-de desculpar as minhas modestas capacidades de entendimento) este “génio” em vez de apostar no desporto escolar, na diversificação das atividades desportivas dos “grandes” clubes ou até na evidentemente necessária “desbolificação” da sociedade portuguesa, acha que o grande segredo para uma prestação olímpica no Rio de Janeiro é a importação massiva de imigrantes “desportivos”. A qualidade deste pensamento diz muito porque é que Portugal entre 906 medalhas só conseguiu uma (e mesmo assim de prata).

Fonte:
http://www.abola.pt/nnh/ver.aspx?id=346452

Categories: Economia, Futebol e Corrupção, Política Nacional, Portugal | Deixe um comentário

A Câmara de Sintra destrói o Megalito de Pego Longo, em Sintra

Espantosamente e de uma que só podemos classificar de criminosa, o megalito de Pego Longo, em Belas foi parcialmente destruído por retro-escavadoras da Câmara de inefável acumular de tachos e panelas e reputado comentador da Bola Fernando Seara.

Este crime hediondo contra o património histórico nacional cometido pelos funcionários de Fernando Seara foi cometido durante uma recolha de blocos de pedra na zona onde se encontrava o megalito por forma a construir um muro para um edifício municipal. A ignorância animalesca dos funcionários e – sobretudo – a incompetência grosseira de Fernando Seara e dos carimbadores da Câmara de Sintra foram assim responsáveis pela destruição deste importante megalito. Apanhados em plena destruição, os funcionários da Câmara tentaram recolocar as pedras, o que seria ainda pior ja que descaracterizaria ainda mais o que resta do monumento…

Segundo a Lei, o que se passou em Belas é Crime, Crime contra o património cultural. E resultada não somente da ignorância dos funcionários camarários, mas também da inexistência de acompanhamento da obra por um técnico da Câmara de Sintra e até do desleixo criminoso do seu presidente que nunca tratou de proteger o monumento, rodeando-o de um recinto e informação de contexto adequada. Talvez se Fernando Seara estivesse menos atento ao futebol e aos seus comentários bolísticos na televisão este crime contra ao património não tivesse acontecido.

Obviamente, iremos apresentar uma queixa formal na PSP acusando a Câmara de Sintra e muito particularmente o seu presidente de Crime contra o Património Cultural.

Fonte:
http://www.rtp.pt/noticias/index.php?article=535713&tm=8&layout=121&visual=49

Categories: Futebol e Corrupção, História, Política Nacional, Portugal | Deixe um comentário

O Mundo da Bola não quer pagar os Impostos que deve ao Estado (a nós!)

Em plena recessão económica e durante aquela que já é a maior crise financeira dos últimos cem anos é notável a desfaçatez dos clubes da Bola que empurram para o Estado (nós!) a responsabilidade de pagar as dívidas ao Estado (nós!) que o “totonegócio” não conseguiu pagar. A Bola parece acreditar que – como o Banco de Portugal e Cavaco – vive num mundo à parte, completamente distinto de um país já com um milhão de desempregados e onde a austeridade se abate sobre (quase) todos, onda após onda.

O mundo da Bola tem-se conseguido furtar ao “longo” braço da Justiça, usando cumplicidades várias e muita inépcia e ao Fisco, ameaçando com os milhões de votos de fanáticos bolistas com que caninamente conta. Os jogadores e treinadores milionários, os “empresários” e dirigentes são remunerados como se Portugal fosse um dos mais ricos países do mundo.

Os clubes da Bola estão todos praticamente na bancarrota. Os clubes mais pequenos estão todos na bancarrota e sobrevivem não se sabe muito bem como, os maiores viviam do crédito fácil e barato, torneira que agora secou. Obviamente, todos (grandes e pequenos) gastam muito mais que ganham. Durante dez anos conseguiram tapar a diferença com crédito, mas agora, sem esse socorro (que de resto por crowding out roubava investimento à economia real) está no limite e ainda por cima encostado à parede pelo fisco.

Não podemos estar mais de acordo com a decisão de execuções fiscais contra a Liga e a FPF. Mas duvidamos da sua eficácia… Desde logo, os grandes clubes conseguem mobilizar milhares de arruaceiros e milhões de votos, depois, porque existem muitos políticos judiciosamente inseridos no mundo cinzento dos dirigentes da Bola a partir de onde exercerão o seu tráfico de influências…

Fonte:
http://www.jornaldenegocios.pt/home.php?template=SHOWNEWS_V2&id=534543&pn=1

Categories: Futebol e Corrupção, Justiça, Portugal | 2 comentários

De onde vem o dinheiro de Cavaco?

 

Os três mosqueteiros da trafulhice (http://aventadores.files.wordpress.com)

Os três mosqueteiros da trafulhice (http://aventadores.files.wordpress.com)

Já muito se falou e escreveu sobre as tristes palavras de Cavaco Silva em que o presidente se lamuriava das suas “miseráveis” reformas de mais de dez mil euros mensais. Não falou, contudo, sobre os detalhes da sua reforma como professor de economia (que o país bem que gostaria de conhecer), nem sobre a reforma inusitada e inexplicável da cavaca, mas enfim. Falou. E falou sem ler papéis escritos pelos seus 20 assessores e, como seria de esperar, asneirou. Na verdade, não gostaria de ser assessor deste presidente. Imagino os seus suores frios cada vez que um jornalista apanha cavaco sem discurso escrito, à entrada ou saída de cada evento… E a pensar na próxima asneirada que cavaco vai botar cá para fora.

Quanto aos dinheiros de Cavaco muito se escreveu em campanha, mas nada explicou a origem da fortuna acumulada por alguém que foi politico profissional durante toda a vida. Nada explica até hoje a origem dos 560 mil euros depositados a prazo e dos 56 mil euros à ordem. Nem dos fundos de investimento e ações:  BPI, BCP, Brisa, Comundo (Consórcio Mundial de Importação e Exportação, SA), EDP, Jerónimo Martins, PT, SAG, Sonaecom e ZON. Nem das propriedades em Boliqueime, Quarteira ou Lisboa. De onde veio todo este dinheiro?…

Fonte:
http://www.publico.pt/Pol%EDtica/cavaco-silva-declarou-mais-de-140-mil-euros-de-pensoes-em-2009-1530008

Categories: Futebol e Corrupção, Política Nacional, Portugal, Sociedade Portuguesa | Deixe um comentário

Quanto custa ao Estado a segurança policial de um “grande jogo de futebol”?

“Quanto custa à PSP e ao Estado o policiamento de um jogo de futebol de grande dimensão? É preciso analisar de uma vez por todas o esforço que o Estado e os contribuintes têm de pagar as despesas diretas e indiretas destes eventos, mas também os prejuízos causados à Polícia na gestão de recursos humanos”. (…) “O que os clubes pagam, será sempre uma gota de água no contexto da despesa global, desde a programação à execução do jogo.”

“Em causa está o facto de os clubes pagarem apenas o efetivo que a PSP destaca para o interior do recinto e acessos – entre 200 a 300 elementos num jogo de alto risco – deixando todas as operações no exterior a cargo da Polícia.” (…) “É preciso rever os valores, os clubes devem pagar o mesmo que qualquer empresa. (…) E muitas vezes são fruto de declarações conflituosas trocadas entre os responsáveis dos clubes, que instigam a violência das claques”. (…) “Só uma escolta às claques feita pelo Corpo de Intervenção que pode envolver perto de 300 elementos custaria cerca de 28 mil euros por jogo. (…) fora do estádio, os 300 elementos nada mais recebem, pois estão no período normal de serviço. (…) muitos deixam de ter fins-de-semana (…) um jogo prepara-se 15 dias antes. Gasta-se muito tempo e dinheiro na recolha de informação, em vigilância, combustível e viaturas. E é também o Estado que paga os danos provocados em veículos, se ninguém for identificado”.

Sol 6 de maio de 2010

Numa época em que 800 mil crianças perdem o abono de família e que os mais pobres vêm severamente reduzidas as suas contribuições sociais este tipo de desperdícios de ESCASSOS recursos públicos para o corrupto, turvo e maléfico “Mundo da Bola” são absolutamente escandalosos. Não é possível compreender como é que têm que ser os nossos impostos a sustentar estas máfias do futebol e a pagar os polícias (desviados, de resto, de atividades socialmente mais úteis) que são obrigados a manter estes claques compostas de criminosos, perigosos indivíduos e (escandalosamente) financiadas quase sempre pelos próprios presidentes dessas autênticas organizações mafiosas que são os grandes clubes de futebol.

Nem mais um polícia para estes jogos de futebol. Nem pais um cêntimo dos meus impostos para a segurança destes jogos. Impõe-se moralidade na despesa, nestes tempos difíceis em que vivemos e gastar dinheiro desta forma com clubes milionários que pagam salários babilónicos aos seus jogadores não devia ser uma prioridade, mesmo se o grosso da população (imbecilizada pelos media e pelas paixões clubísticas) não se escandaliza com este desbarato de recursos dos seus impostos.

As claques devem ser proibidas. Os presidentes dos clubes detidos sempre que pelas suas palavras acirrarem a confrontos ou à destruição de propriedade pública ou privada. Em cada nova perturbação da ordem pública os responsáveis pela mesma (e os dirigentes) devem ser detidos e responsabilizados pelos saques, destruições e violências diversas que praticam com tanta frequência e impunidade. A doce complacência das autoridades policiais tem que cessar e um período de responsabilidade tem que começar recuperando a ordem pública, o espírito social e cívico e a Lei onde elas rareiam: o Mundo da Bola.

Categories: Futebol e Corrupção, Política Nacional, Portugal | 4 comentários

Catalina Pestana: “Os espetadores de futebol, organizados em seitas, são bandos perigosos, armados e financiados não se sabe por quem”

Catalina Pestana (http://dossiers.publico.pt)

Catalina Pestana (http://dossiers.publico.pt)

“Os espectadores de futebol, organizados em seitas, são bandos perigosos, armados e financiados não se sabe por quem.
Parte da claque do Benfica, seguida em direto por todos os canais, começou a apedrejar a polícia e os órgãos de comunicação social, obrigando uns e outros a recuarem estrategicamente.
Destruíram carros, levantaram a calçada, atiraram garrafas e paralelepípedos, tudo isto de cara descoberta, como se estivessem a exercer um direito cívico.
Algumas dezenas deles podem ser identificados.”
Catalina Pestana
Sol 8 de abril de 2011

Não se sabe quem financia as claques? Ora… Sabe-se e até muito bem: são os Clubes de Futebol que usam as Claques como Guardas Pretorianas para ameaçarem as populações, as polícias e o próprio sistema judicial, como bem se viu no patético (para a Justiça) episódio da detenção do arquipapa negro da Bola, Pinto da Costa.

As claques são impunes. Nas polícias, todos sabem quem eles são, o que fazem, fizeram e farão. Mas também sabem que existem ordens explícitas dos governos civis, do comando e dos presidentes dos clubes para não tocarem na “guarda pretoriana”, porque se o fizerem o presidente do clube aparece em público com duzentas mil câmaras e microfones de televisão a dizer mal do Governo, apelando aos seus seguidores bizantinos fanáticos vermelhos, azuis ou verdes para saírem para a rua, saquearem lojas, arrancarem pavimentos, destruírem propriedade pública e privada e zás, o Governo cai.

Por alguma razão os presidentes dos clubes enquanto estão nesses cargos exibem aquela carta do Monopólio “Pode sair da Prisão” (ver Vale e Azevedo, detido apenas DEPOIS de deixar o Benfica, ou Pinto da Costa, vitalício do FCP só-pelo-sim-pelo-não). A Bola (não confundir com Futebol) está isenta da Lei. Podem saquear, agredir a polícia, roubar, corromper, forçar à construção de estádios faraónicos, pagar ordenados babilónicos sem impostos, podem fazer tudo, que a polícia não lhes pode tocar.

Santa Bola e Boçal País este que deixa que assim seja!

Categories: Futebol e Corrupção, Justiça, Política Nacional, Portugal, Sociedade Portuguesa | 10 comentários

Sobre as despesas sumptuárias em Estádios de Futebol dos CTT

CTT (http://www.spacioshopping.pt)

CTT (www.spacioshopping.pt)

“O conselho de Administração dos CTT não cortou as despesas de aluguer de 3 camarotes empresariais de que é titular nos estádios do Benfica, FC Porto e Sporting. (…) Trata-se de uma despesa que representa um custo de 415 mil euros anuais aos cofres dos Correios (…) a Administração dos CTT convidou António Mendonça, ministro das Obras Públicas e Paulo Campos, secretario de Estado das Obras Públicas para assistirem ao jogo no camarote”

Sol 8 de abril de 2011

Uma empresa pública não deve ser o recinto onde nababos torram fundos dos impostos em nababarias repugnantes. Se esta pandilha não sabe nortear a administração dos necessariamente sempre escassos fundos públicos com parcimónia e a devida sisudez que se exige a todos os gestores da Res Publica então ou devem ser demitidos ou devem ser criados os mecanismos que impeçam tamanhos desmandos.

As Empresas Públicas existem para cumprirem Serviços Públicos não para oferecerem camarotes em catedrais de corrupção e violência (desportiva e salarial) a amigos e políticos.

Categories: Economia, Futebol e Corrupção, Política Nacional, Portugal | 2 comentários

Fernando Seara: De novo, em “dedicação total” ao seu Ego. E nem tanto a Sintra, nem aqueles que o elegeram

 

Fernando Seara

Fernando Seara

 

“Fernando Seara, presidente da Câmara de Sintra, é actualmente o pseudo-candidato melhor colocado. Tem o apoio do Benfica, Madaíl não negaria integrar a sua lista na Assembleia geral, e já tem quem lhe trate da imagem e da comunicação.”

Diário de Notícias
25 de setembro de 2010

Vamos aqui fazer um breve exercício de memória: quem era o candidato autárquico que nas últimas Eleições Autárquicas mantinha um site na Internet chamado http://www.dedicacaototal.com? A escolha do URL havia então sido muito judiciosa, já que toda a gente sabia que Seara acumulava a sua “dedicação” ao cargos para que a população o elegera, com ordenados de Professor (de questionável assiduidade, diga-se), de comentador desportivo regular nas televisões, com interesses na casta dirigente desse turvo e corrupto “Mundo da Bola”.

Seara agora vem tornar a sacar a “cartada mediática” que adquiriu através da produção de alguns arrotos inconsistentes na televisão, para grande gáudio e euforia dos mais bouçais e que solidificou pela via casória. Esta cartada de Seara poderá garantir-lhe a eleição para o cargo de Madaíl que assim se poderá concentrar inteiramente às suas aventuras gastronómicas. Se Seara ganhar irá acumular em “www.dedicacaototal.com” o seu cargo federativo com o município de Sintra? E os sintrenses? Irão recordar-se desta promessa (nunca cumprida) e puni-lo nas próximas eleições ou deixar-se-ão manipular – de novo – por este torpe personagem?

Categories: Futebol e Corrupção, Política Nacional, Portugal | 3 comentários

“O futebol é hoje um negócio que gera 1.3 mil milhões de euros por ano, o equivalente a 0.8% da riqueza produzida no país em 2009” mas “o impacto nas cidades onde os clubes estão sedeados não é muito relevante do ponto de vista do seu desenvolvimento”

“O futebol é hoje um negócio que gera 1.3 mil milhões de euros por ano, o equivalente a 0.8% da riqueza produzida no país em 2009” mas “o impacto nas cidades onde os clubes estão sedeados não é muito relevante do ponto de vista do seu desenvolvimento”

Ou seja, apesar de serem responsáveis por quase 1% do PIB a maioria de nós não sente qualquer impacto da riqueza assim gerada. Dizem que o Futebol dá emprego a perto de 80 mil portugueses, mas se compararmos tal taxa de emprego com a enormidade do PIB a que corresponde apercebemos-nos que poucas atividades que movimentem tanto dinheiro (1,3 mil milhões de euros!) geram tão pouco emprego… por outro lado, uma vez que as atividades correlacionadas com o Futebol envolvem verbas tão avultadas e em circuito fechado, os benefícios reais e concretos para as comunidades locais que rodeiam as (tantas vezes faustosas) instalações desportivas dos grandes clubes estão isoladas e não contribuem significativamente para o desenvolvimento local: a formação desportiva da juventude (a custo zero ou controlado) é quase nula, a partilha dos espaços desportivos para uso dos cidadãos é reduzida e as exigências às autarquias, em terrenos, verbas e facilidades várias, crescentes. Especialmente em tempo de eleições…

“os clubes e SADs afetos às competições profissionais pagam cerca de 80 milhões de euros de impostos, anualmente”

Espera! Isso quer dizer que o “mundo da Bola”, o mesmo que movimenta 1.3 mil milhões de euros, paga APENAS 80 milhões de euros? Isso significa que a esmagadora maioria das quantias geradas no Futebol escapam ao filtro fiscal, de uma forma legal ou ilegal. Perante um Estado cada vez mais ávido pelos rendimentos de todos os portugueses, desde os cidadãos comuns, às empresas, escapando apenas os mais ricos, que conseguem contratar exércitos de mercenários travestidos de advogados e assim escapar à rede fiscal, é escandaloso que o Futebol pague tão poucos impostos. Tal isenção efetiva demonstra várias coisas: desde logo a presença de uma efetiva cumplicidade torpe entre políticos e Futebol, com personalidades a passarem frequentemente de um mundo para outro, e vice-versa. Demonstra também a aspiração dos políticos da partidocracia em captarem o máximo número de votos de adeptos de futebol, cujo votado é comandado pelas corruptas e imorais chefias mafiosas deste mundo. Tal “evasão” fiscal (entre aspas porque é consentida pelo Estado) demonstra enfim que estamos já muito para além do Estado Mínimo ou Minarquia sonhados pelos neoliberais e que entrámos já claramente naquilo a que Adriano Moreira chama de “Estado Exíguo”, um Estado fraco, manipulado por elites anti-democráticas, sem visão nem estratégia de fundo e reduzido à sua mais baixa expressão de captador de impostos e alimentador de máquinas burocráticas de carimbadores profissionais e bois e bóias partidárias.

Sol 20 de agosto de 2010

Categories: Futebol e Corrupção, Política Nacional, Portugal | 4 comentários

Eu odeio a Vuvuzela…

…e aparentemente este repórter também. Não há leis contra a Poluição Sonora neste país de Bananas e Bananeiras? Porque é que temos todos que gramar com estes zurridos inventados por uns quaiqueres asnos do Marketing da GALP?Sugetão: Reunamos uma hoste de anti-vuvuzeleiros e vaíamos todos zurrar nas ditas para a porta da direção da GALP, a ver se gostam.Vamos nisso?

Categories: Futebol e Corrupção, Sociedade Portuguesa | 2 comentários

Vuvuzelas: Toque, Toque, a sua Vuvuzela e tome a sua dose diária de ópio (Bola. Não confundir com Futebol)

Querem dormir? azar. Querem não ter que gramar com aqueles zurridos? Azar. A Bola está acima de tudo e não gostar da Seleção é Não Gostar de Portugal, ser Traidor da Pátria. Não amar Ronaldo-o-Babado e demais Bestas é não Amar Portugal. A Pátria-Bufa da Treta que os doseadores de Ópio da Partidocracia e dos Media (seus criados) querem que todos nós sejamos: o PortuGolo (não confundir com PortuGral). Por isso é que Vuvuzar e Opiar rimam. Circo e Pão. Circo já temos. Falta o pão.

Categories: Futebol e Corrupção, Política Nacional, Portugal | 9 comentários

4 de Junho de 2010: Grande dia para os Corruptos deste País: Os 16 árbitros acusados de corrupção safam-se todos

A Bola segue sendo um mundo onde a corrupção e a ilegalidade ficam sempre impunes. Seja lá porque razão for, a Justiça e os Juízes revelam uma consistente e persistente complacência cega perante todos os crimes cometidos nesse turvo e imensamente corrupto “mundo da Bola”.
É inaceitável que processo atrás de processo contra a corrupção na Bola redundem em esvaziados arrotos de de irrelevância. Seja por causa de simpatias clubísticas por parte dos agentes judiciais, seja pelo laxismo e displicência cronicamente instalados no sistema judicial português, ou pela sagacidade dos corruptores e pela escassez de meios (intencional?) da Investigação, o certo é que a Bola continua a ser o mundo da Corrupção e da Impunidade.
Categories: Futebol e Corrupção, Justiça, Política Nacional, Portugal, Sociedade Portuguesa | 1 Comentário

Candidatura ibérica ao Mundial de 2018: Como o lúguebre e ávido “Mundo da Bola” se prepara para afincar os dentes de novo nos nossos impostos…

"Digam lá se não parece mesmo um mafioso?" (http://iva.caoazul.com)

A palhaçada orgástica da Bola com os dinheiros dos nossos impostos continua: o próximo episódio é – já se sabe – a última ideia arrotada por esse primor dejetivo da intelectualidade bolística portuguesa chamado Madaíl, sempre fértil em congeminar esquemas para esvaziar os cofres públicos. Os políticos do Bi-Partido, obviamente exultam, sonhando já com votinhos conquistados em fugazes aparições mercenárias nos Estádios de Futebol.

De permeio, os madaílistas desencantaram um logótipo para a candidatura ibérica ao Mundial de 2018 e que simbolizará a “vontade única de Portugal e Espanha chegarem a Dezembro de 2010 como vencedores da seleção do país vencedor”. Dizem. Ou melhor, dizem entre outras coisas bem menos pacíficas:

“Este logotipo transmite uma ideia de união, de vontade, entre dois países que estão também entrelaçados, além das bandeiras, da cultura, das relações, pela sua história. Este era o símbolo que mais força podia dar à candidatura.”

Muito bem. Senhor Madaíl (sejamos claros: “senhor” é apenas um artifício retórico), se o quer “unir-se” a Espanha, faça-o no doce embalo dos lençóis do presidente da Federação Espanhola, Angel María Villar, com quem se escolheu deitar. Mas não misture Portugal nesse discurso menorizante e saramugiano da “união ibérica”. As bandeiras de Portugal e Espanha não só não estão entrelaçadas mais dois países unidos por tanta amizade, por tantas “relações” não tem entre si – a separá-los – um genocídio neocolonialista cultural e linguístico em curso na Galiza e um já praticamente efetivado na Olivença e nos seus três concelhos ocupados ilegalmente por Madrid.

Um tal de Carlos Queiroz – criatura de méritos bolísticos muito discutíveis – também já se juntou ao coro de madalístas apregoando que a candidatura “ibérica” (termo orgástico para os espanhóis unionistas) tem que ser um “um desiderato nacional” e que “Temos de ter o melhor logotipo, a melhor organização, o melhor empenhamento, os melhores programas, os melhores campos, os melhores jogadores, os melhores treinadores, o melhor público. Temos de puxar todos para o mesmo lado”. Dando a entender aquilo que já se sabe: mais dinheiro, mais desperdício de impostos, mais babaquismo medíatico e ronaldismos sem fim. Era mesmo que estávamos a precisar.

Poder-se-ía pensar que tamanho “logotipo unionista” poderia ser da forja de um bom e fiel súbdito castelhano. Nada disso. É de um madaílista que dá pelo nome de Eugénio Chorão de uma chafarica anti-portuguesa intitulada “Euro RSCG Design & Arquitectura” que acrescenta o “conceito” submerso sob tão arguto logo: “É uma fusão das duas bandeiras, que formam o mundo. Esta ideia representa a fusão de dois países através da paixão que têm pelo desporto”. Outro que se devia ir fundir para outro lado qualquer e deixar o dinheiro dos nossos impostos para melhores usos que o derrame estéril sobre o turvo, corrupto e imoral “mundo da Bola”.

A qualidade gráfica do logotipo é também imensamente discutível, como asseguram alguns especialistas na área que o classificam como medíocre revelando “confusão visual e sem pregnância, a qualidade gráfica das “pinceladas” revela-se numa falta de veracidade e coerência” (ver fonte). Mas mais grave é ainda o que ele representa: uma competição desportiva internacionał dupla, em que dois países soberanos apresentam uma candidatura conjunta, mas em que um dos dois possui a parte de leão dos jogos e dos estádios em competição. Tal é um erro de repercussões na imagem internacional do país grave, já que apresenta Portugal como “inferior” a Espanha. Ou há recursos para uma candidatura nacional (e não os há) ou não se deve desperdiçar os escassos que existem a promover uma “Ibéria” que só serve aos recalcados desejos espanholistas de saramugianos e castelhanos.

Fontes:
http://jn.sapo.pt/PaginaInicial/Desporto/Interior.aspx?content_id=1404867
http://logotipo.pt/blog/logotipo-da-candidatura-iberica-ao-mundial-de-futebol

Categories: Futebol e Corrupção, Portugal, Sociedade Portuguesa | Deixe um comentário

Madaíl agora quer o Mundial 2018 e… mais dinheiro dos nossos impostos

O delírio futebolista continua em Portugal… Depois do feito que foi construir dez estádios (dos quais hoje metade não é usada), a famigerada Federação Portuguesa de Futebol, com o seu cabecilha de quadrilha Gilberto Madaíl, meteu agora o país – em plena recessão – na mais recente doideira, desta feita nada mais na menos do que o Mundial Ibérico de 2018.

Portugal deverá incluir 3 estádios nesta proposta, implicando um novo investimento não-produtivo num setor que tanto esforço público tem cativado nos últimos anos, mercê da tremenda influencia do lobby “da Bola” e da inesgotável sofreguidão dos dirigentes e claques do Futebol pelos nossos impostos e pelos artigos que encontram “gratuitamente” nas cidades que visitam, perante a complacência cúmplice da polícia…

A própria candidatura é uma completa palhaçada: “candidatura ibérica”? Madaíl ignorara que Madrid usa e abusa do termo “ibérico” como sinónimo de “Espanha”? Associar e deixar associar Portugal a uma “candidatura ibérica” onde Espanha aparece com a parte de leão da proposta é deixar que Portugal ocupe um lugar menor e secundário que não prestigia um país com mais de mil anos de História e que sempre soube às manobras e golpes que Espanha lhe deitou para o anexar e suprimir, colonizando-o como faz hoje com o País Basco, a Catalunha e a nossa irmã lusófona, a oprimida Galiza.

Esperemos que as circunstancias gorem os planos deste abutre fiscal encartado chamado Madaíl e que o Mundial2018 seja entregue a um país em melhores condições para o financiar e que a Federação não obtenha assim uma forma de receber ainda mais financiamentos públicos – tão precisos para áreas produtivas da Economia – e de simultaneamente fazer aparecer o país nos fóruns internacionais como um parceiro menor e subalterno da “grande Espanha”.

Fonte:
http://desporto.publico.clix.pt/noticia.aspx?id=1405864

Categories: Futebol e Corrupção, Portugal, Sociedade Portuguesa | Deixe um comentário

OCDE: Futebol = Corrupção

Um relatório do Grupo de Acção Financeira (FAFT-GAFI) da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE) reconheceu recentemente aquilo que já toda a gente minimamente informada sabe: os clubes de futebol são “veículos perfeitos para a lavagem de dinheiro” por parte de máfias criminosas.

Segundo este relatório da OCDE, a lavagem de dinheiro no Futebol passa pelo investimento direto nos clubes, por transferências de jogadores, pela indústria ilegal de apostas e até tem tentáculos nos patrocínios e na publicidade. Aparentemente, todos os aspectos do turvo fenómeno futebolístico estão infetados e são hoje um dos principais canais de branqueamento de capitais depois do esforço global contra os Paraísos Fiscais que decorreu do quase colapso financeiro de 2008.

Esta infiltração mafiosa explica o volume do dinheiro envolvido nas transferências de jogadores como Cristiano Ronaldo as quais, acreditam muitos, nunca se poderão recuperar, mas se houver um branqueamento de milhões de dólares, tornam-se perfeitamente compreensíveis.

O relatório alerta para que o estatuto de “impunidade” que rodeia os presidentes de clubes de futebol (veja-se Pinto da Costa, avisado por alguém de dentro do sistema judicial ou Vale e Azevedo, detido apenas de deixar o Benfica) poderá atrair líderes mafiosos a serem dirigentes clubísticos.

Poderão dizer que a nossa continuada “cruzada” contra o torpe, corrupto e gerador de desperdícios faraónicos, “mundo da Bola” é uma perseguição pessoal, mas pelo menos agora a OCDE concorda comigo…

Fonte:
http://desporto.publico.clix.pt/noticia.aspx?id=1389760

Categories: Futebol e Corrupção, Política Nacional, Portugal | 1 Comentário

Seara quer Caneira como Presidente de Junta de Freguesia

Caneira preparando a sua carreira como Presidente da Junta (www.centenariosporting.com)

Caneira preparando a sua carreira como Presidente da Junta (www.centenariosporting.com)

A notícia segundo a qual um tal de “Caneira”, dizem que jogador de Bola de um qualquer Clube falido e dependente dos meus Impostos, foi escolhido por um dos maiores tachistas do país, José Seara (comentador de futebol, advogado, professor e até presidente de Câmara) para a Junta de Freguesia de Almargem do Bispo. Digo “foi escolhido”, porque certamente que agora Seara escolheu Caneira o povo sintrense que vê o seu multifacetado líder e sábio da Bola escolher um Bolista irá acorrer em massa e caninamente às mesas de voto para botar o seu boto na urna que leva Caneira a um cargo para o qual apresenta um currículo tão adequado.

Sejamos claros: se Caneira for eleito, então a nossa Democracia bateu no fundo. Já basta termos à frente de uma das maiores Câmaras do país um açambarcador de tachos (num pais com mais de meio milhão de desempregados) cujo maior feito foi o de mandar umas bocas inconsequentes sobre Bola em Prime Time, agora, se também elegerem um jogado, então é porque batemos no fundo – enquanto País – e porque para ser eleito basta ter um nome conhecido, seja lá ele qual for e que currículo, capacidades ou preparação tiver.

Teremos mesmo um povo tão acéfalo? Ainda me recuso a crer em tal. Apesar das sucessivas reeleições de Seara em Sintra (uma das Câmaras mais mal geridas do país) me insistirem em dizer o contrário.

Categories: Futebol e Corrupção, Política Nacional, Portugal | 3 comentários

Cristiano Ronaldo e a “ronaldite aguda”

Sei que já foi há uns bons dias. Mas a imagem daquela recepção eufórica a Cristiano Ronaldo no estádio do Real Madrid ainda me está na cabeça. É impossível não sentir algum desconforto quando se assiste a uma devoção absoluta e completamente acéfala por um jovem que resume os seus feitos a correr por um campo de futebol e a pontapear bolas.

O homem será – sem dúvida – um grande jogador, de acordo. Mas a discrição das suas prestações quando joga na Selecção Nacional é suspeita e faz-me pensar se esse “fenómeno” que dizem ser Ronaldo não é será mais do que um mercenário hiper-remunerado.

Mas bem mais importante do que aquilo que Ronaldo é, será sem dúvida saber aquilo que somos, enquanto país e entidade coletiva para adorar de forma tão absoluta e boçal tal criatura. E sejamos claros: esta “ronaldite aguda”, a inflamação doentia e excessiva na alma coletiva provocada por sobre-exposição mediática a Cristiano Ronaldo, não é nosso exclusivo. Antes fosse. A facilidade com que 80 mil madrilhenos invadiram o estádio é sinal da contaminação patente até Castela dessa grave doença…

O fenómeno mediático chamado “Cristiano Ronaldo” é notável, sob vários aspectos. Existe um evidente e concertado esforço por parte de uma poderosa máquina de Marketing para vender o “produto Ronaldo”. E estas agências são as mesmas que têm contratos publicitários com a imprensa e com as televisões que exibem qualquer imagem, qualquer boato, qualquer coisa que envolva, ainda que superficialmente Ronaldo. Só assim se pode explicar a abertura de telejornais na televisão estatal (custeada com o dinheiros dos meus impostos) apenas porque Ronaldo está a passar férias no Algarve, ultrapassando em “importância” essa notícia, a recessão mundial, o aquecimento global, o desemprego que não pára de subir ou um governo cada vez mais desnorteado e desmoralizado. Não. Nada é mais importante do que uma “não-notícia” que mostra Ronaldo a sair do Ferrari a caminho de um anónimo Hotel ou no haal de entrada de uma qualquer “socialite” hiltoniana.

O problema é com estes tremendos píncaros de fama de um jogador como Ronaldo, as crianças e os jovens estão a alterar os seus modelos, os seus objetivos de vida e carreira e fazem tudo para irem apenas passando de ano enquanto se inscrevem nas “escolas de futebol” se se multiplicam por todo o lado, como cogumelos, tentando dar origem a uma geração de clones de Ronaldo: maus alunos certos que sacrificam o seu futuro procurando emular o sucesso ronaldiano.

Como consequência, hoje mais do que nunca, há menos crianças e jovens que querem ser cientistas, físicos, astrónomos, músicos, pintores, escritores, médicos, etc.

Sejamos claros: Cristiano Ronaldo é provavelmente o melhor jogador de futebol da atualidade e merece uma parte deste foco mediático atual. Mas tanto, tão obsessivo é doentia e reflete uma sociedade em estado terminal e agonizando em ondas sucessivas e gigantescas de idiotia coletiva.

Fonte:
http://desporto.publico.clix.pt/noticia.aspx?id=1390540

Categories: Futebol e Corrupção, Portugal, Sociedade Portuguesa | 13 comentários

Banca espanhola: Sem dinheiro para as empresas e para a Economia Real, mas sempre disponível para o mundo da Bola…

http://wehavekaosinthegarden.blogspot.com

wehavekaosinthegarden.blogspot.com Tudo Bons Rapazes...

Em plena Crise de Crédito, causa alguma estranheza que dois dos maiores bancos espanhóis (e do mundo) ou seja, o Santander e a Caja Madrid, encontrem com aparente facilidade capitais suficientes para financiar as contratações multimilionárias que o Real Madrid anda a fazer: de Cristiano Ronaldo e de Kaká… De facto, o total da aquisição parece ter sido suportado por um empréstimo destas duas instituições ao Real Madrid num total de 150 milhões de euros. A esta verba somou-se recentemente um outro empréstimo de 60 milhões de euros do banco La Caixa para que o atual presidente do clube conquistasse a presidência.

As garantias deste empréstimo (a dividir em duas metades, pelos dois bancos) serão provenientes das receitas dos direitos televisivos do clube. E, ao contrário do que constou nalguns meios de comunicação, nenhum destes bancos poderá usufruir da imagem publicitária de Cristiano Ronaldo, uma vez que estes direitos são detidos em exclusividade, para a Península Ibérica pelo banco português BES, banco que tem também agências em Espanha.

Este sustento bancário às lides dos clubes de futebol não é novo… Em Espanha, tem sido o BBVA que se tem especializado mais nesta área, concedendo vários e fáceis empréstimos a diversos clubes espanhóis para financiamento de contratações milionárias como as supracitadas. Mas agora, que até o Santander entre neste “mercado”, coloca-se com muita justiça a questão: Estes bancos que receberam aváis do Estado para não irem à falência – como foram os bancos da crise de 1929 – e agora, usam essas verbas (indiretamente, seja, mas usam) para financiar o torpe e frequentemente corrupto e profundamente imoral (pelas verbas astronómicas que mobiliza) fenómeno do Futebol? A “Economia da Bola” é mais importante que a Economia Real que gera empregos, riqueza e desenvolvimento económico e humano???

A Banca espanhola, tenhamos presente na memória, foi das que mais sofreu com o Crash de meados do ano passado, tendo sido forçada a pedir a Madrid um “fundo de resgate” de mais de 90 biliões de euros, para além do “fundo de ajuda” anterior, de 9 biliões.

http://www.estadao.com.br/noticias/economia,moodys-rebaixa-30-bancos-da-espanha-santander-e-poupado,388128,0.htm

Categories: Economia, Futebol e Corrupção | 4 comentários

Sobre os salários babilónicos dos jogadores de futebol e do seu desfasamento com a realidade portuguesa

Na época futebolística de 2007/2008 Ricardo Quaresma, recebeu dois milhões de euros , Nuno Gomes, quase o mesmo valor e Lucho e Liedson perto de mil e seiscentos milhões. No total, os dez futebolistas da Liga receberam mais de 15 milhões de euros. Ou seja, mais do que o orçamento anual de qualquer clube de futebol além dos ditos “três grandes”.

Isto no contexto de um país onde o salário médio é dos mais baixos da União Europeia, as empresas sobrevivem com dificuldades ou desaparecem em massa há quase dez anos consecutivos e muitos portugueses se arrastam todos os dias com rendimentos pouco superiores ao salário mínimo nacional. Num tal país haverá realmente lugar para salários desta grandeza, talvez possíveis num Reino Unido ou num Luxemburgo mas profundamente desfasados naquele que é ainda hoje um dos mais pobre países da União Europeia???

Categories: Futebol e Corrupção, Portugal | Deixe um comentário

Cavaco: o filósofo da Bola e o Mudo da crise da Greve dos Camionistas

(O caso do “bolo-rei”: o mais famoso episódio de “fuga às perguntas incómodas” de Cavaco Silva)

“O Presidente da República considerou hoje que a Selecção Nacional está a fazer um “excelente” Euro’2008, manifestando-se “optimista” no desempenho da equipa treinada por Luiz Felipe Scolari, que, no seu entender, pode “ir longe”. “Estou optimista, sobretudo depois daquilo que vi nos jogos com a República Checa e com a Turquia. Acho que podemos ir longe, mas é preciso ter sorte. A sorte é muito importante no futebol”, afirmou Cavaco Silva, à margem da inauguração do pavilhão de Portugal na Expo’2008, em Saragoça, Espanha.

O Chefe de Estado respondia à pergunta de um jornalista sobre uma sondagem de um canal de televisão, que concluiu que os espanhóis preferem a selecção portuguesa à espanhola, o que levou Cavaco Silva a soltar um sorriso. “Quer a selecção espanhola, quer a portuguesa estão a fazer um excelente Campeonato da Europa. Penso que há uma boa relação hoje no campo desportivo entre Portugal e Espanha. Treinadores de Espanha estão às vezes em Portugal, jogadores portugueses estão às vezes em Espanha. Penso que esse intercâmbio é positivo”, afirmou o Presidente da República.”

Ora bem. Vamos a ver se compreendo. Esta longa e filosófica declaração sobre os andamentos do campeonato europeu de futebol contrasta vivamente com o patético episódio de há apenas dois dias de fuga aos repórteres que lhe buscavam a declaração sobre a mais grave crise nacional de que tenho memória, provocada pela greve dos camionistas. Uma crise que parou o país, esvaziou a maioria das bombas de gasolina, exasperou os agricultores, preocupou bombeiros e serviços de socorro médico, ameaçou parar a própria polícia e que mereceu do próprio Sócrates expressões de receio perante a fragilidade assim exposta do país, a Cavaco não merece mais do que uma fuga para a frente e uma gaffe “hoje temos que sublinhar a raça, o dia da raça”, mas perante o Futebol, já tem verno bastante para discorrer desta forma?

É para isto que precisamos de um Presidente da República?

Para fugir para debaixo do tapete (como o governo) em épocas de crise e ressurgir à superfície para filosofar sobre a natureza do jogo da Bola?

Se para o outro “esta não era a sua polícia”, para mim, este não é certamente “o meu presidente”…

Fonte:

http://euro2008.sapo.pt/sportmm/artigo/2173a0da888531d927b1e392af48cae9.html

Categories: Futebol e Corrupção, Política Nacional, Portugal, Sociedade Portuguesa | Etiquetas: | 3 comentários

Da Saída de Scolari da Seleção da FPF e algumas derivações a partir desse tema

(http://newsimg.bbc.co.uk)

Por norma, os assuntos da “Bola” não são abordados aqui no Quintus, como saberão aqueles que por aqui mais vão passando, mas por vezes, há que dizer qualquer coisa. Não sobre a prestação desportiva da seleção da federação portuguesa de futebol, que para isso já temos espaço mediático mais do que suficiente, cobrindo cada aspeto da atividade fisiológica dos jogadores e esparramando-se em detalhadas biografias vazias de cada jogador. Vamos abordar aqui uma questão que nos parece relevante no contexto que por aqui são tratados e que se trata da forma como Luiz Felipe Scolari abandonou a dita seleção e as condições em que o fez.

No que respeita aos meus princípios, nada me agradou mais do que ver um brasileiro comandando a seleção da fpf, e nela, comandando vários brasileiros naturalizados portugueses. São detalhes pequenos como estes que introduzem no espírito popular a possibilidade da união dos nossos dois povos e este é, como saberão, um dos pontos de honra mais defendidos por aqui. O estilo de Scolari, contudo, não facilitava esta defesa… arrogante, presumido, mesmo aquando do rotundo falhanço com a medíocre seleção grega e muito pouco capaz de reconher o erro próprio e totalmente incapaz de lidar com críticas, o selecionador não era uma defesa simples…

Mas agora, com a sua saída para o Chelsea, tornou-se praticamente impossível defender o homem. Que consistência moral tem um “capitão de homens” que exigia na semana passada que Cristiano Ronaldo não abordasse mais o tema da sua eventual saída do Manchester e que na semana seguinte anunciava a sua própria saída para o Chelsea? Este volte-face empurrado pelo amor-próprio não afeta a sua autoridade junto do grupo que ainda lidera?

E aqueles que diziam que o anúncio do Chelsea, fora “uma indiscrição, não planeada por Scolari” sabem agora que não foi assim… O seu assessor, Acaz Felleger já esclareceu que o momento do comunicado era “o momento oportuno, com Portugal qualificado como primeiro no Grupo”, deixando bem claro que este é apenas o objetivo de primeiro grau do selecionador que ficará portanto satisfeito se o próximo jogo se consumar numa rotunda derrota… sobretudo agora que já tem a retaguarda assegurada.

Quanto às declarações do guarda-redes Ricardo, segundo o qual haveriam jornalistas que não estavam a “defender Portugal” e que havia “profetas da desgraça em Portugal”, Ricardo parece esquecer que a sua seleção não é a de todos. Não é a minha certamente, já que não o elegi para nenhum cargo público, nem a Scolari, nem a ninguém da fpf, e que estes representam antes do mais os seus próprios interesses e os interesses de um lobby que nos deixou um país povoado de estádios mastodônticos pagos com o dinheiro dos meus impostos e bastamente visitados por moscas e outras animálias do género. Não apoiar esta seleção não é a mesma coisa que “não apoiar Portugal”, tanto mais que Scolari provou que os interesses que a movem são antes do mais financeiros e que a projeção que os jogadores logram obter nestes campeonatos compensa largamente todo o seu esforço, pelos chorudos contratos que depois assinam. Pudessemos todos fazer recompensar o nosso esforço profissional com o mesmo rendimento… E se Ricardo teme alguém capaz de “destabilizar a equipa”, então não o deve procurar no exterior, mas olhar para o seu próprio selecionador, que cumpriu já essa tarefa com excelente desempenho.

A deserção do treinador vai afetar inevitavelmente o rendimento da equipa. A irritação mal disfarçada dos jogadores perante as naturais perguntas dos jornalistas é aliás sinal disso mesmo: de uma quebra na consistência da equipa… Os resultados seguintes serão aferidos em função desta deserção, antes de tudo o mais e isso irá cair muito mal no currículo de quem deixou a meio a sua anterior função e que ingressou num clube de cujo rendimento o seu patrão tanto espera, depois da saída de Mourinho.

Fonte:
http://relvado.aeiou.pt/gen.pl?p=stories&op=view&fokey=rv.stories/72191

Categories: Futebol e Corrupção, Portugal, Sociedade Portuguesa | 15 comentários

A PSP e a Claque do Benfica: Dualidade de Critérios

(http://www.rr.pt)

Porque é que quando alguns cidadãos se juntam e fazem uma manifestação de apoio à causa tibetana, de professores no Porto ou contra a política do governo Sócrates aparecem logo uns prestáveis agentes da PSP a identificarem todos os cidadãos e…

…porque é que quando um grupo de 40 energúmenos – apoiantes do Benfica – atiram pedras ao autocarro da equipa e verylights para dentro do campo de estágios a PSP não identifica nenhum destes arruaceiros alegando que “não agrediram ninguém“? E as pedras? E a tocha? Não existiram? A PSP não estava lá? Não viu?

Porque é que persiste esta escandalosa dualidade de critérios e esta isenção permanente da Lei para o turvo, corrupto e pérfido “mundo da Bola”?

Fontes:

http://www.tsf.pt/online/desporto/interior.asp?id_artigo=TSF191009

http://sic.aeiou.pt/online/noticias/desporto/20080419+Autocarro+do+Benfica+apedrejado.htm

http://www.tvnet.pt/noticias/detalhes.php?id=23547

http://www.esquerda.net/index.php?option=com_content&task=view&id=4211&Itemid=125

Categories: CurtasLinhas, Futebol e Corrupção, Portugal, Sociedade Portuguesa | Etiquetas: , | 9 comentários

Agostinho da Silva: Apaziguar o Corpo, Capitalismo, Contemplar o Mundo e o Futebol

Conversas Vadias
CD1 parte 3
Adelino Gomes, jornalista do Público

“Vieira diz que se deviam usar outros métodos (para apaziguar o Corpo), eram os métodos que se usavam na Companhia (de Jesus): as recitações dos textos sagrados, os jejuns, as chibatadas (…) para que realmente da mesma maneira a cabeça se torne limpa e nós possamos ouvir – diz agora o Vieira – a “voz de Deus” e que me vai fazer ultrapassar o tempo e o espaço, se ha liberdade e destino.

“O grande feito do Camões foi contar o que se passava na Ilha dos Amores e não tirar conclusão nenhuma. Nenhuma! (…) Ele não diz o que fizeram esses marinheiros depois de terem aquela experiência extraordinária de terem vivido na Ilha dos Amores. Chegaram a Lisboa, o que é que fizeram? Não se sabe nada. Camões estava cansado? O Vieira não aconteceu assim. Quando ele pensou assim uma Ilha doa Amores, afora isso deve ser dito para o mundo inteiro. Homem porque o Homem deve apaziguar o seu corpo e ouvir o que já não a voz da Deusa, mas a voz do Universo, pensar a sua essência.”

“Para que essa Ilha dos Amores possa existir, que o Homem possa entender que o Capitalismo existe não para ficar continuamente, ter mais lucro, descontando mais juros e pagando mais dívidas ou pedindo mais dinheiro emprestado mas para terminar num ponto em que a Economia desapareça completamente, em que haja tudo para todos, primeiro ponto.”

“Segundo ponto: que aí o Homem possa passar à sua verdadeira vida, que é a de contemplar o Mundo, de ser poeta do mundo, de tal forma que ninguém se preocupe por fazer tal e tal obra, mas por ser tal ou tal objecto no mundo. Por ser único no mundo, entre os tais biliões que existem. E isso aí é algo que muita gente hoje pode ter como ideal. (…) E que talvez um dia tome conta de todo o Mundo. E quando o nosso amigo diz “Quinto Império” ele está-se a referir aos quatro que desabaram e aquele Império é o Quinto, mas não há Sexto, é aquilo que ficará para todo o sempre.”

“No século em que ele (Vieira) viveu não havia muita coisa que hoje. Nem havia esse tipo de Economia que hoje há. As primeiras pessoas que têm o tempo livre, que talvez nunca mais trabalhem, são as que chamamos “desempregados”, como se houvesse emprego para eles. E nós temos que resolver esse problema de alimentar e de instruir, e educar os Homens de tempo livre para que eles sejam plenamente os tais “poetas à solta”

“O Futebol, o Jogo dos Bancos, dos políticos que não se entendem entre si, em lugar de se ajudarem uns aos outros nessa tarefa difícil que é administrar um País, em que se que ao mesmo tempo de olhar o presente e ter a maior confiança no que se pode fazer ao Futuro.”

“Quanto ao Futebol, o que aconteceu é que tem como origem o gosto do Homem de desenvolver, de tornar poderoso o seu Corpo, desde os Gregos. Simplesmente o Desporto foi invadido pelo Capitalismo, como aconteceu com muitas outras coisas. Não podemos por de parte a ideia de que o Capitalismo domina hoje a nossa vida e tem que dominar, porque só uma Economia Capitalista pode chegar até ao desenvolvimento pleno do Mundo, acabar essa guerra contra a carência que vem de tão longe e chegar a um ponto em que toda a Economia desaparecerá, em que será uma recordação do passado, como queriam os tais portugueses do século XIII. É curioso, a melhor maneira de ser revolucionário em Portugal é a de ser Conservador do Século XIII, porque eles queriam apenas que as crianças pudessem crescer, desenvolver-se e chegar a adultas, sem nós os adultos perdermos a criança que há dentro de nós. Que a criança se desenvolvesse sem nenhuma pressão deformante, plenamente à sua vontade, tudo aquilo a que nós podemos chamar “Liberdade”. Queriam que a vida se tornasse gratuita. Não que se tornasse mais barata do que era, que se tornasse gratuita.”

“Terceira coisa: que as cadeias desaparecessem para sempre, um monumento de um Passado que nem recordado seria.”

“Se isto foi uma discussão, foi uma coisa boa, no sentido etimológico da palavra, que é sacudir. Já que abanar as cabeças é bom, para saber se existir dentro delas alguma coisa.”

Categories: Brasil, Educação, Futebol e Corrupção, Movimento Internacional Lusófono, Política Nacional, Portugal | 7 comentários

Site no WordPress.com.

TRAVÃO ao Alojamento Local

O Alojamento Local, o Uniplaces e a Gentrificação de Lisboa e Porto estão a destruir as cidades

Não aos Serviços de Valor Acrescentado nas Facturas de Comunicações !

Movimento informal de cidadãos contra os abusos dos SVA em facturas de operadores de comunicações

Vizinhos de Alvalade

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos de Alvalade

anExplica

aprender e aprendendo

Subscrição Pública

Plataforma independente de participação cívica

Rede Vida

Just another WordPress.com weblog

Vizinhos do Areeiro

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos do Areeiro

Moradores do Areeiro

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Moradores do Areeiro

AMAA

Associação de Moradores e Amigos do Areeiro

MDP: Movimento pela Democratização dos Partidos Políticos

Movimento apartidário e transpartidário de reforma da democracia interna nos partidos políticos portugueses

Operadores Marítimo-Turísticos de Cascais

Actividade dos Operadores Marítimo Turísticos de Cascais

MaisLisboa

Núcleo MaisDemocracia.org na Área Metropolitana de Lisboa

THE UNIVERSAL LANGUAGE UNITES AND CREATES EQUALITY

A new world with universal laws to own and to govern everything with a universal language, a common civilsation and e-democratic culture.

looking beyond borders

foreign policy and global economy

O Futuro é a Liberdade

Discussões sobre Software Livre e Sociedade

Parece piada... fatos incríveis, estórias bizarras e outros micos

Tem cada coisa neste mundo... e todo dia surge uma nova!

O Vigia

O blog retrata os meus pensamentos do dia a dia e as minhas paixões, o FLOSS, a política especialmente a dos EUA, casos mal explicados, a fotografia e a cultura Japonesa e leitura, muita leitura sobre tudo um pouco, mas a maior paixão é mesmo divulgação científica, textos antigos e os tais casos ;)