Daily Archives: 2015/10/15

“Portugal tem tido aumentos significativos da abstenção nestes 30 anos de democracia”

“Portugal tem tido aumentos significativos da abstenção nestes 30 anos de democracia. Em 1980, 16% do eleitorado absteve-se. Em 2005, esse valor tinha mais que duplicado, atingindo 36% do eleitorado”
Alcidio Torres e Maria Amélia Antunes, O Regresso dos Partidos

A abstenção é a grande doença da democracia ocidental. Mas falta precisão nesta frase. Concedamos então alguma desta omissão precisão e acrescentemos:
“A abstenção CRONICA é a grande doença da nossa democracia”. E com efeito, eleições passadas realizadas em Portugal e eleições recentes levadas a cabo noutros países da Europa indicam um facto curioso: o mercado eleitoral dos novos partidos, partidos emergentes ou puros “partidos de protesto” não tem sido nunca a abstenção mas sim o eleitorado que – por hábito pessoal ou familiar – vota nos partidos tradicionais.

Este crescimento sustentado da abstenção indica que o problema fundamental não está nem nos partidos, nem nas suas propostas ou programas, mas que é sistémico e se prende com a própria forma como a democracia é exercida em Portugal: Uma forma partidocrática, fechada aos cidadãos e à sua participação. A solução para quebrar este fenómeno da abstenção (que a prazo se arrisca a colocar em causa a própria viabilidade da democracia) passa assim unicamente por criar novos partidos ou reformar os partidos tradicionais. A solução tem que ser (nos partidos tradicionais) lutar por reformas internas (nas eleições e democracia internas) e externas (nas eleições nacionais, locais e no sistema democrático em geral) que aumentem a escala e influencia dos cidadãos na definição e implementação das politicas que a todos dizem respeito. Com mais, melhores e mais eficazes ferramentas de participação, os cidadãos participarão mais e irão abster-se cada vez menos: nos partidos tradicionais ou nos partidos emergentes.

A principal missão, assim, de todos os reformistas, de todos os cidadãos que escutam o apelo para salvar e renovar a democracia deve ser no sentido de mais e melhor democracia, não somente num, mas em todos os partidos e, nomeadamente, naquele onde melhor se revirem em pensamento e ação.

Categories: Democracia Participativa | 1 Comentário

Create a free website or blog at WordPress.com.

Eleitores de Portugal (Associação Cívica)

Associação dedicada à divulgação e promoção da participação eleitoral e política dos cidadãos

Vizinhos em Lisboa

A Vizinhos em Lisboa tem em vista a representação e defesa dos interesses dos moradores residentes nas áreas, freguesias, bairros do concelho de Lisboa nas áreas de planeamento, urbanismo, valorização do património edificado, mobilidade, equipamentos, bem-estar, educação, defesa do património, ambiente e qualidade de vida.

Vizinhos do Areeiro

Núcleo do Areeiro da associação Vizinhos em Lisboa: Movimento de Vizinhos de causas locais e cidadania activa

Vizinhos do Bairro de São Miguel

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos

TRAVÃO ao Alojamento Local

O Alojamento Local, o Uniplaces e a Gentrificação de Lisboa e Porto estão a destruir as cidades

Não aos Serviços de Valor Acrescentado nas Facturas de Comunicações !

Movimento informal de cidadãos contra os abusos dos SVA em facturas de operadores de comunicações

Vizinhos de Alvalade

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos de Alvalade

anExplica

aprender e aprendendo

Subscrição Pública

Plataforma independente de participação cívica

Rede Vida

Just another WordPress.com weblog

Vizinhos do Areeiro

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos do Areeiro

MDP: Movimento pela Democratização dos Partidos Políticos

Movimento apartidário e transpartidário de reforma da democracia interna nos partidos políticos portugueses

Operadores Marítimo-Turísticos de Cascais

Actividade dos Operadores Marítimo Turísticos de Cascais

MaisLisboa

Núcleo MaisDemocracia.org na Área Metropolitana de Lisboa

THE UNIVERSAL LANGUAGE UNITES AND CREATES EQUALITY

A new world with universal laws to own and to govern all with a universal language, a common civilsation and e-democratic culture.

looking beyond borders

foreign policy and global economy

O Futuro é a Liberdade

Discussões sobre Software Livre e Sociedade