Daily Archives: 2015/04/21

“O caso português está a fugir da tendência de ruptura na Europa do Sul”

“O caso português está a fugir da tendência de ruptura na Europa do Sul. Aqui, coexistem dois tipos de tendências: um líder que consegue estruturar uma mensagem, para alem das questões conjunturais, como Pablo Iglesias, em Espanha, ou Beppe Grillo, em Itália; e uma enorme descrença em relação à elite política, criada pelos grandes escândalos de corrupção como os que sucederam em Espanha e na Grécia.”
Marco Lisi (Professor da Universidade Nova de Lisboa)

Faltam em Portugal Iglesias e Grillos, mas temos a crise de confiança nos partidos… Nos tradicionais, como demonstram os números esmagadores da abstenção e nos emergentes, como demonstra a sua incapacidade para descolarem das sondagens ou para se tornarem em reais desafiantes dos partidos tradicionais (como sucede em toda a Europa).

De facto, em Portugal, o maior desafiante aos partidos tradicionais não são os partidos emergentes, mas a abstenção. Esta constatação é um risco porque cria descontentamento não focado no desempenho de uns quantos partidos, mas descontentamento em relação a todo o sistema democrático abrindo assim a porta a populismos que o podem tomar de assalto (como sucede, de resto em França, Áustria, Hungria e no Reino Unido).

Temos assim uma oportunidade para transformar este descontentamento difuso (que se expressa pela via da abstenção) em algo de útil e produtivo. Não através de ideologias, mas através de metodologias, novas em Portugal, mas amplamente ensaiadas em países desenvolvidos como a Suíça, os EUA, a Austrália, a Finlândia e outros países do norte da Europa. Falo de uma reforma democrática, suave mas decidida: abrindo a democracia aos cidadãos e os partidos aos militantes e simpatizantes.

As ferramentas desta abertura já existem: são as armas da democracia direta e semidireta: referendos revogatórios e impositivos, Petições, iniciativas legislativas de cidadãos, revogação de normas, leis e mandatos, primárias, diretas, listas abertas, voto preferencial, democracia electrónica, etc, etc. As opções estão ai. Podem ser usadas para combater a abstenção e temos o dever de as usar. Para salvar a Democracia. Para salvar Portugal. Hoje.

Categories: Democracia Participativa | Deixe um comentário

Site no WordPress.com.

Eleitores de Portugal (Associação Cívica)

Associação dedicada à divulgação e promoção da participação eleitoral e política dos cidadãos

Vizinhos em Lisboa

A Vizinhos em Lisboa tem em vista a representação e defesa dos interesses dos moradores residentes nas áreas, freguesias, bairros do concelho de Lisboa nas áreas de planeamento, urbanismo, valorização do património edificado, mobilidade, equipamentos, bem-estar, educação, defesa do património, ambiente e qualidade de vida.

Vizinhos do Areeiro

Núcleo do Areeiro da associação Vizinhos em Lisboa: Movimento de Vizinhos de causas locais e cidadania activa

Vizinhos do Bairro de São Miguel

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos

TRAVÃO ao Alojamento Local

O Alojamento Local, o Uniplaces e a Gentrificação de Lisboa e Porto estão a destruir as cidades

Não aos Serviços de Valor Acrescentado nas Facturas de Comunicações !

Movimento informal de cidadãos contra os abusos dos SVA em facturas de operadores de comunicações

Vizinhos de Alvalade

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos de Alvalade

anExplica

PEDAÇOS DE SABER

Subscrição Pública

Plataforma independente de participação cívica

Rede Vida

Just another WordPress.com weblog

Vizinhos do Areeiro

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos do Areeiro

MDP: Movimento pela Democratização dos Partidos Políticos

Movimento apartidário e transpartidário de reforma da democracia interna nos partidos políticos portugueses

Operadores Marítimo-Turísticos de Cascais

Actividade dos Operadores Marítimo Turísticos de Cascais

MaisLisboa

Núcleo MaisDemocracia.org na Área Metropolitana de Lisboa

THE UNIVERSAL LANGUAGE UNITES AND CREATES EQUALITY

A new world with universal laws to own and to govern all with a universal language, a common civilsation and e-democratic culture.

looking beyond borders

foreign policy and global economy