Daily Archives: 2015/02/28

“A política de primeira linha atrai o tipo errado de pessoas”

“A política de primeira linha atrai o tipo errado de pessoas: Desde o começo do século XXI que parece provável que a maior parte das pessoas que decidem começar uma carreira politica sejam levadas mais por uma busca de poder ou, ainda mais deprimente, por uma combinação de ambição e por uma falta de alternativas remuneradas de carreira comparáveis, do que por um apelo genuíno aos ideais do serviço público. (…) Há duas alternativas: Aqueles que hoje em dia se juntam a um partido politico de poder e que se devotam a subir os seus degraus internos são motivados por um sentimento urgente de serviço público. Isto, contudo, não parece muito provável. Uma explicação parece mais plausível: que o auto-interesse e um desejo por poder sejam de facto aquilo que os leva a entrar na politica.”
Rebooting Democracy
Manuel Arriaga

A profissionalização da politica, juntamente com a capacidade de um partido para, uma vez no poder fazer nomeações diretas e indiretas em empresas públicas ou semi-públicas, representam alguns dos maiores riscos atuais para a democracia.

Para os combater, há que começar por extinguir as juventudes partidárias, esse verdadeiro caldo de cultura de maus hábitos, de carreirismo e oportunismo politico, fazer o mesmo com as estruturas femininas e transformar tudo isso e mais alem em quotas etárias e de sexo nas listas internas, nacionais e autárquicas no partido.

Depois dessas extinções administrativas há que instituir, nos partidos, na República e nas autarquias (todos os escalões) referendos de iniciativa cidadã, simples mas eficientes, mecanismos cidadãos de revogação de mandatos, normas e leis, uma governação aberta e transparente, votações electrónicas e ubíquas (móveis e a partir do lar) para todo o tipo de sufrágios.

Acima de tudo isto, importa “amadorizar” a politica e desprofissionalizá-la: abrir os partidos políticos aos cidadãos, determinando que as eleições primárias, com listas abertas em voto preferencial, são a regra, não a excepção, aumentar a capacidade das organizações da Sociedade Civil e a sua influencia junto do poder politico e procurar que os partidos se tornem cada vez menos “aparelhos” e maquinas de ganhar eleições e de conservação do poder e cada vez mais aglomerados de cidadãos eleitores, sem militância explicitamente inscrita, voluntariado como regra (e sem funcionalismos), com direcções não profissionalizadas, nem estruturas pesadas e físicas desajustadas ao tempo da Internet e das Redes Sociais e que acabam consumindo uma grande parcela dos orçamentos partidários.

Anúncios
Categories: Democracia Participativa | Deixe um comentário

“Este senhor Salazar É feito de sal e azar”

“Este senhor Salazar
É feito de sal e azar.
Se um dia chove,
A agua dissolve
O sal,
E sob o céu
Fica só azar, é natural.
Oh, c’os diabos!
Parece que já choveu…”
Fernando Pessoa

Categories: Fernando Pessoa, História | Deixe um comentário

Os gregos têm razão quando dizem que o programa da troika falhou

Os gregos têm razão quando dizem que o programa da troika falhou: aquando da assinatura do primeiro memorando, em 2010, os credores estimavam que a Grécia sofresse dois anos de recessão (2011 e 2012), uma queda do PIB nunca superior a 6% e o disparo do desemprego para 15%.
Nada disso aconteceu. Todas estas previsões foram muito mais graves e a duração da crise ultrapassou em muito todas as previsões dos credores.
Não é também verdade dizer que os gregos não se esforçaram tanto como os irlandeses ou os portugueses. Pelo contrario, a austeridade foi muito mais forte em Atenas do que em Dublin ou em Lisboa, levando a que o saldo estrutural (corrigido do ciclo e sem medidas extraordinárias) tivesse na Grécia uma melhoria de 15.5% contra 6% em Portugal e 4.5% na Irlanda.

Categories: Economia, grécia | Deixe um comentário

Create a free website or blog at WordPress.com.

Eleitores de Portugal (Associação Cívica)

Associação dedicada à divulgação e promoção da participação eleitoral e política dos cidadãos

Vizinhos em Lisboa

A Vizinhos em Lisboa tem em vista a representação e defesa dos interesses dos moradores residentes nas áreas, freguesias, bairros do concelho de Lisboa nas áreas de planeamento, urbanismo, valorização do património edificado, mobilidade, equipamentos, bem-estar, educação, defesa do património, ambiente e qualidade de vida.

Vizinhos do Areeiro

Núcleo do Areeiro da associação Vizinhos em Lisboa: Movimento de Vizinhos de causas locais e cidadania activa

Vizinhos do Bairro de São Miguel

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos

TRAVÃO ao Alojamento Local

O Alojamento Local, o Uniplaces e a Gentrificação de Lisboa e Porto estão a destruir as cidades

Não aos Serviços de Valor Acrescentado nas Facturas de Comunicações !

Movimento informal de cidadãos contra os abusos dos SVA em facturas de operadores de comunicações

Vizinhos de Alvalade

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos de Alvalade

anExplica

aprender e aprendendo

Subscrição Pública

Plataforma independente de participação cívica

Rede Vida

Just another WordPress.com weblog

Vizinhos do Areeiro

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos do Areeiro

MDP: Movimento pela Democratização dos Partidos Políticos

Movimento apartidário e transpartidário de reforma da democracia interna nos partidos políticos portugueses

Operadores Marítimo-Turísticos de Cascais

Actividade dos Operadores Marítimo Turísticos de Cascais

MaisLisboa

Núcleo MaisDemocracia.org na Área Metropolitana de Lisboa

THE UNIVERSAL LANGUAGE UNITES AND CREATES EQUALITY

A new world with universal laws to own and to govern all with a universal language, a common civilsation and e-democratic culture.

looking beyond borders

foreign policy and global economy

O Futuro é a Liberdade

Discussões sobre Software Livre e Sociedade