Daily Archives: 2015/02/20

Na evolução politico-partidária na Grécia há um facto ao qual não tem sido dada a devida relevância: em apenas cinco o conjunto Nova Democracia-PASOK (centro-direita e centro-esquerda) passou de dois terços do eleitorado para menos de um terço.

Na evolução politico-partidária na Grécia há um facto ao qual não tem sido dada a devida relevância: em apenas cinco o conjunto Nova Democracia-PASOK (centro-direita e centro-esquerda) passou de dois terços do eleitorado para menos de um terço.
Ou seja, metade do eleitorado do centro rotativista evaporou-se.
E não se sublimou para a abstenção.
Sublimou-se para uma alternativa de Governo à Esquerda.
A situação parecia impossível ainda há menos de 6 anos, mas agora está aí, para quem a quiser ver…
E a quebra da alternância advém do reconhecimento popular do esgotamento desse modelo e do preço pago pelo servilismo bacoco aos ditames do norte da Europa.
Aliás, a reacção popular contra o rotativismo helénico é uma reacção contra a Comissão Europeia, o BCE e o FMI, que governavam em Atenas usando o governo de bloco central como “proxy”.
Daqui devem tirar-se duas lições:
1. coligações de Bloco Central em períodos de soberania limitada são fatais para os coligados e insuflam os extremos no voto de protesto contra essa limitação (nunca referendada…) de soberania.
2. Este é o tempo do “tempo rápido”… Realidades tidas como estáticas e asseguradas durante décadas são hoje obsoletas e a imprevisibilidade dos resultados eleitorais é maior do que nunca, já não tendo o fenómeno da fidelização do voto o mesmo tempo que tinha há apenas cinco anos.

Os tempos mudaram.
Os gregos já perceberam.
Os portugueses vão percebendo…
Mas aqueles que no PS defendem coligações à direita, ainda não.

Categories: Partido Socialista, Política Nacional | Deixe um comentário

“Quando os cidadãos são questionados sobre as razões pelas quais eles acham que os políticos falham na satisfação das suas exceptativas, a corrupção aparece de forma proeminente na maioria dos inquéritos.”

“Quando os cidadãos são questionados sobre as razões pelas quais eles acham que os políticos falham na satisfação das suas exceptativas, a corrupção aparece de forma proeminente na maioria dos inquéritos.”
Manuel Arriaga, Rebooting Democracy

A corrupção é de facto o fenómeno que, isolado, mais danifica a credibilidade de uma governação e a confiança dos cidadãos na classe politica. A corrupção distorce a meritocracia que deve estar na base da ascensão e sustentação da progressão de alguém numa carreira politica ou nos mais elevados escalões do funcionalismo público. Se o Exemplo dado por pessoas em posição de liderança for negativo, se uma Justiça lenta e ineficiente compactuar com estas situações, criar-se-á na sociedade uma percepção generalizada que o Esforço, o Trabalho, a Criativa e a Qualificação não são determinantes para a ascensão socio-económica de alguém, mas sim, a sua disponibilidade para ceder a tentações nepóticas, de fraude e corrupção.

Por outro lado, e como demonstra o exemplo grego, a disseminação de fenómenos da dita “pequena corrupção” (subornos generalizados a funcionários públicos, fuga generalizada de impostos e economia subterrânea predominante) mostra a necessidade de criar um corpo totalmente independente de investigação e Justiça deste tipo de fenómenos, seguindo os bons exemplos de Singapura e Hong-Kong. De igual modo, na Administração central e autárquica há que lançar um plano nacional de simplificação legislativa e administrativa que reduza o espaço da arbitrariedade das decisões e reduza os corpos legislativos por forma a reduzir a superfície de exposição do Estado a estes fenómenos. Combater a corrupção é também uma forma de estimular a economia, pela via da redução do desperdício e da carga fiscal que assim pode ser reduzida e desviada para fins socialmente mais úteis.

Categories: COTS: Corrente de Opinião Transparência Socialista | Deixe um comentário

Site no WordPress.com.

Eleitores de Portugal (Associação Cívica)

Associação dedicada à divulgação e promoção da participação eleitoral e política dos cidadãos

Vizinhos em Lisboa

A Vizinhos em Lisboa tem em vista a representação e defesa dos interesses dos moradores residentes nas áreas, freguesias, bairros do concelho de Lisboa nas áreas de planeamento, urbanismo, valorização do património edificado, mobilidade, equipamentos, bem-estar, educação, defesa do património, ambiente e qualidade de vida.

Vizinhos do Areeiro

Núcleo do Areeiro da associação Vizinhos em Lisboa: Movimento de Vizinhos de causas locais e cidadania activa

Vizinhos do Bairro de São Miguel

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos

TRAVÃO ao Alojamento Local

O Alojamento Local, o Uniplaces e a Gentrificação de Lisboa e Porto estão a destruir as cidades

Não aos Serviços de Valor Acrescentado nas Facturas de Comunicações !

Movimento informal de cidadãos contra os abusos dos SVA em facturas de operadores de comunicações

Vizinhos de Alvalade

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos de Alvalade

anExplica

PEDAÇOS DE SABER

Subscrição Pública

Plataforma independente de participação cívica

Rede Vida

Just another WordPress.com weblog

Vizinhos do Areeiro

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos do Areeiro

MDP: Movimento pela Democratização dos Partidos Políticos

Movimento apartidário e transpartidário de reforma da democracia interna nos partidos políticos portugueses

Operadores Marítimo-Turísticos de Cascais

Actividade dos Operadores Marítimo Turísticos de Cascais

MaisLisboa

Núcleo MaisDemocracia.org na Área Metropolitana de Lisboa

THE UNIVERSAL LANGUAGE UNITES AND CREATES EQUALITY

A new world with universal laws to own and to govern all with a universal language, a common civilsation and e-democratic culture.

looking beyond borders

foreign policy and global economy