Daily Archives: 2015/01/07

Alguns factos sobre o problema das “Casas Vazias” em Portugal e as dívidas imobiliárias

Existem em Portugal Dois milhões de casas vazias. Em Lisboa há cerca de 18 mil.
Crédito mal parado colossal. Quase 200 mil famílias em incumprimento. Famílias que em quatro anos ou menos perderam todas as poupanças. Os bancos não executam mais porque estão saturados de património.
As prestações ao crédito de habitação são a última coisa que os portugueses deixam de pagar.
Estes é um dos problemas que abordaremos em:
https://www.facebook.com/events/894077907271360/
Participe!
O total das dividas em Portugal, por cobrar, ascende a mais de 332 milhões de euros
Estes é um dos problemas que abordaremos em:
https://www.facebook.com/events/894077907271360/
Participe!
A maioria da habitação depreciou 40%
Estes são alguns dos problemas que abordaremos em:
https://www.facebook.com/events/894077907271360/
Participe!
Não há mercado de arrendamento. Os preços ou são muito altos, ou muito baixos, especialmente em Lisboa e nas grandes cidades.
Estes é um dos problemas que abordaremos em:
https://www.facebook.com/events/894077907271360/
Participe!
Grande parte dos dois milhões de casas pertencem a fundos de investimento imobiliário isentos de IMI e IMT.
Estes é um dos problemas que abordaremos em:
https://www.facebook.com/events/894077907271360/
Participe!
As execuções – feitas agora por solicitadores – são feitas pelos mesmos agentes, em todas as fases do processo. Isso torna-o permeável a erros e abusos diversos. Estes solicitadores concentram demasiados poderes: são responsáveis por todas as fases do processo e podem penhorar salários, créditos e contas, penhorar e vender bens, aceder ao sistema da segurança, levantar o sigilo bancário e executar despejos, tudo a troca de comissões percentuais e pagamentos à unidade. Sem supervisão judicial.
Estes é um dos problemas que abordaremos em:
https://www.facebook.com/events/894077907271360/
Participe!
Nos processos de execução, a prioridade cabe, por ordem: às Finanças, à Segurança Social e aos Bancos. Só depois vêem todos os outros, PMEs e particulares, nomeadamente.
Estes é um dos problemas que abordaremos em:
https://www.facebook.com/events/894077907271360/
Participe!
Um número crescente de execuções e penhoras está a ser feito sobre os fiadores, muitos dos quais pensionistas com os rendimentos severamente reduzidos nos últimos anos, sem forma de obterem novos rendimentos e que fiaram as dividas dos seus filhos.
Estes é um dos problemas que abordaremos em:
https://www.facebook.com/events/894077907271360/
Participe!
As casas penhoradas são leiloadas em tribunal em carta fechada. Na maior parte dos casos, são os bancos que as compram.
Estes é um dos problemas que abordaremos em:
https://www.facebook.com/events/894077907271360/
Participe!
Os processos de execução – antes demasiado lentas, demorando dez anos em média – agora, são rápidos demais, demorando um ou dois anos.
Estes é um dos problemas que abordaremos em:
https://www.facebook.com/events/894077907271360/
Participe!
A maioria dos processos de execução, em 2008 e 2012 eram bem sucedidos. Agora, a maioria são pouco mais que um castigo para os devedores e um custo para os credores pela simples razão que hoje em dia a maioria destes devedores já não têm rendimentos ou pensões que os possam ajudar a recuperar as suas dívidas.
Estes é um dos problemas que abordaremos em:
https://www.facebook.com/events/894077907271360/
Participe!
Existem penhoras e vendas de casas quando estas resultam de dividas de IMI.
Estes é um dos problemas que abordaremos em:
https://www.facebook.com/events/894077907271360/
Participe!
O crédito fácil à habitação elevou os níveis de endividamento acima do sustentável. Os bancos emprestaram indiscriminadamente, mas com a quebra dos salários (20% em apenas 3 anos), o desemprego e a redução das pensões, o incumprimento subiu.
Estes é um dos problemas que abordaremos em:
https://www.facebook.com/events/894077907271360/
Participe!
Num inquérito da DECO, concluiu-se que 10% das famílias já não conseguiam pagar a habitação, nem os serviços essenciais, nem as despesas de saúde. Dois quintos dos inquiridos terminavam cada mês com um saldo negativo de 300 euros.
Estes é um dos problemas que abordaremos em:
https://www.facebook.com/events/894077907271360/
Participe!
Portugal é um dos países europeus onde mais famílias habitam em casa própria. Mas o modelo “compra” e de financeirização da habitação não serve os interesses e necessidades dos cidadãos de menores rendimentos.
Estes é um dos problemas que abordaremos em:
https://www.facebook.com/events/894077907271360/
Participe!
Em 2013, as Finanças penhoraram e venderam 40 mil casas. O ritmo das execuções das finanças é de agora 12 por hora ou quase 100 mil, a maioria são salários penhorados.
Estes é um dos problemas que abordaremos em:
https://www.facebook.com/events/894077907271360/
Participe!
A maioria dos bens penhorados são leiloados em carta fechada e acabam sendo comprados pelo próprio banco que as hipotecou.
Estes é um dos problemas que abordaremos em:
https://www.facebook.com/events/894077907271360/
Participe!
Entre todas as dívidas, as prestações das casas são as últimas que os portugueses deixam de pagar.
Estes é um dos problemas que abordaremos em:
https://www.facebook.com/events/894077907271360/
Participe!
Perder a casa é perder a identidade, a emancipação e a autonomia como indivíduo.
Estes é um dos problemas que abordaremos em:
https://www.facebook.com/events/894077907271360/
Participe!
As dividas provocam as emoções mais agressivas de todas: vergonha, culpa e medo. Estas emoções impedem o confronto com as situações, sem confronto, não há reacção nem solução, nem pensamento criativo ou divergente.
Estes é um dos problemas que abordaremos em:
https://www.facebook.com/events/894077907271360/
Participe!
Um juiz em Portalegre emitiu uma sentença que pode fazer jurisprudência. Nesse caso, o banco ofereceu a um cliente que não conseguia pagar a casa por 70% do valor patrimonial, que era de 117 mil euros. O banco quis comprar a casa por 82 mil e queria que o cliente pagasse a diferença. O juiz decidiu que o cliente não deveria pagar mais que os 117 mil euros. Para o juiz, o banco não pode no momento em que compra, avaliar o imóvel por menos que a avaliação inicial que serviu de base ao empréstimo, sob pena de incorrer no delito de enriquecimento sem causa.
Estes é um dos problemas que abordaremos em:
https://www.facebook.com/events/894077907271360/
Participe!
Em Espanha, os principais bancos (que foram resgatados com dinheiro europeu) decidiram cancelar por dois anos os despejos aos devedores “mais necessitados”
Estes é um dos problemas que abordaremos em:
https://www.facebook.com/events/894077907271360/
Participe!
Muitas famílias foram atraídas a creditos impossíveis de pagar com zero de prestação inicial e aumento progressivo de prestações. Com a crise, sem emprego ou com menos rendimentos, muitos deixaram de poder pagar esses empréstimos.
Estes é um dos problemas que abordaremos em:
https://www.facebook.com/events/894077907271360/
Participe!
A maior parte das hipotecas executada são a imóveis de pequeno valor, ou seja é a população mais pobre que é a mais afetada.
Estes é um dos problemas que abordaremos em:
https://www.facebook.com/events/894077907271360/
Participe!
25% da população espanhola é devedora e está em incumprimento.
Anúncios
Categories: maisdemocracia.org, Sociedade Portuguesa | 1 Comentário

A organização interna do Podemos espanhol

Cinco aspectos originais da organização interna do Podemos (aprender com):

1. A figura do “militante online” é o ponto central de tomada de decisões, estas serão assim tomadas na maioria das ocasiões de forma não presencial.
2. O órgão de representação mais importante do partido será a “Assembleia Cidadã” em que qualquer militante pode assistir às suas reuniões, que se realização uma vez em cada três anos. Esta assembleia assumirá as funções que tradicionalmente estão reservadas aos “Congressos” nos partidos mais convencionais que o Podemos. Qualquer militante poderá assistir a estas reuniões.
3. Entre as Assembleias Cidadãs, o órgão máximo será o “Conselho Cidadão”. Composto por 80 membros e com competências para criar as listas eleitorais e com delegação de atribuições para negociar alianças e coligações pós e pré-eleitorais. O “Conselho Cidadão” reúne-se, pelo menos, uma vez por semestre e é reeleito de três em três anos em listas abertas entre todos os militantes do partido através de uma votação electrónica.
4. As decisões urgentes são tomadas por um grupo intitulado “Conselho de Coordenação” e terá entre 10 a 15 elementos, dirigido por um porta-voz, o qual responderá diretamente perante o “Conselho de Coordenação”. Este Conselho é eleito pelo Conselho Cidadão, sob proposta do Porta-voz do Podemos, que o apresenta em Lista Fechada.
5. O Porta-Voz do Podemos é, na prática, o líder do partido e é eleito em votação electrónica de três em três anos. Juntamente com o “Conselho de Coordenação” assume as funções executivas no partido, mas pode perder o seu cargo, por revogação de mandato num referendo que pode ser convocado pelos militantes e que exige 30% dos militantes como subscritores para pode ser levado a cabo.

Militância:
1. O Podemos não cobra quotas aos seus militantes
2. Cada militante, no acto da inscrição recebe uma chave para poder exercer o seu direito de voto via Internet, a usar nas eleições regulares dos órgãos ou sempre que a direção queira lançar um referendo aos militantes. Desta forma, o Podemos abandona o seu sistema de votos por SMS, que era considerado caro e complexo de gerir.

Organização Territorial:
1. Em termos de distribuição de poder regional, o Podemos distribui a sua representação não por quotas territoriais, como fazem os partidos tradicionais, mas passando completamente ao lado desta forma tradicional de organização. Com efeito, as estruturas internas do Podemos no “Conselho Cidadão” dividem-se por áreas temáticas e não pelo território ou geografia. Assim, se prioriza a cidadania e se combate o poder dos aparelhos locais. Isto contudo, não impede a existência dos “Círculos” que são, frequentemente, de natureza geográfica, aqui se tomando as decisões que afectam especificamente a comunidade desse círculo.

Categories: Democracia Participativa, espanha, Política Internacional | Deixe um comentário

Create a free website or blog at WordPress.com.

Eleitores de Portugal (Associação Cívica)

Associação dedicada à divulgação e promoção da participação eleitoral e política dos cidadãos

Vizinhos em Lisboa

A Vizinhos em Lisboa tem em vista a representação e defesa dos interesses dos moradores residentes nas áreas, freguesias, bairros do concelho de Lisboa nas áreas de planeamento, urbanismo, valorização do património edificado, mobilidade, equipamentos, bem-estar, educação, defesa do património, ambiente e qualidade de vida.

Vizinhos do Areeiro

Núcleo do Areeiro da associação Vizinhos em Lisboa: Movimento de Vizinhos de causas locais e cidadania activa

Vizinhos do Bairro de São Miguel

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos

TRAVÃO ao Alojamento Local

O Alojamento Local, o Uniplaces e a Gentrificação de Lisboa e Porto estão a destruir as cidades

Não aos Serviços de Valor Acrescentado nas Facturas de Comunicações !

Movimento informal de cidadãos contra os abusos dos SVA em facturas de operadores de comunicações

Vizinhos de Alvalade

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos de Alvalade

anExplica

aprender e aprendendo

Subscrição Pública

Plataforma independente de participação cívica

Rede Vida

Just another WordPress.com weblog

Vizinhos do Areeiro

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos do Areeiro

MDP: Movimento pela Democratização dos Partidos Políticos

Movimento apartidário e transpartidário de reforma da democracia interna nos partidos políticos portugueses

Operadores Marítimo-Turísticos de Cascais

Actividade dos Operadores Marítimo Turísticos de Cascais

MaisLisboa

Núcleo MaisDemocracia.org na Área Metropolitana de Lisboa

THE UNIVERSAL LANGUAGE UNITES AND CREATES EQUALITY

A new world with universal laws to own and to govern all with a universal language, a common civilsation and e-democratic culture.

looking beyond borders

foreign policy and global economy

O Futuro é a Liberdade

Discussões sobre Software Livre e Sociedade