Daily Archives: 2014/09/18

Está tudo feito?

Tem-se falado muito (e escrito ainda mais) sobre as confusões de Braga e Coimbra, com pagamento de quotas a militantes (vivos e mortos, parece…) implicitamente, chovem críticas diretas e indirectas à liderança de José Seguro. Injustas.

Injustas porque foi José Seguro que impôs um conjunto de alterações que vieram aumentar a credibilidade e o rigor na democracia interna no Partido Socialista. Foi com Seguro, e desde 2012, que se tornou obrigatório no ato de Inscrição de um novo militante a apresentação de uma cópia de um documento de identificação e de um comprovativo de residência. Assim se impediu a inscrição dos falsos militantes, que eram antes possíveis de inscrever. E até no pagamento de quotas a se realizaram aperfeiçoamentos, impedindo o pagamentos de quotas até ao dias das eleições.

Está tudo feito? Eu claro que não. Desde logo, há que reflectir na necessidade de se pagar quotas. E se se pagasse apenas quando se vota numa eleição interna (como ocorreu nas Primárias francesas e no PSOE espanhol) ou quando um militante pretende concorrer a um cargo electivo remunerado (mas não aos gratuitos). De facto, num partido que recebe subvenções estatais – como o PS – e que não mantenha despesas de campanha absurdas e imorais (o que nem sempre tem acontecido…) estas devem ser suficientes como forma de rendimento. Se não forem, têm que passar a ser. O rigor dos tempos assim o exige, assim como a constatação (que devia ser em já evidente para todos) de que não são as campanhas de marketing político que ganham eleições: mas a qualidade das propostas e a credibilidade dos candidatos.

Anúncios
Categories: Política Nacional, Portugal | Deixe um comentário

Sobre a redução do número de deputados na Assembleia da República

Bem sei que a causa não é popular. Bem sei até que faz parte da agenda reformista da atual direcção do PS (com que me identifico) mas não concordo com a redução do número de deputados.
Vários estudos indicam que o número de deputados é adequado à nossa população, comparando com outros países europeus. Além do mais, reduzir o número de deputados teria consequências: a representação territorial seria afetada, já que muitas regiões ficariam com ainda menos deputados do que aqueles que hoje possuem. Por outro lado, esta redução levaria a uma perda da proporcionalidade na representação política no parlamento uma vez que com menos deputados, seria ainda mais difícil aos pequenos partidos elegerem deputados e o sistema precisa de mais pluralidade, não de menos…   É certo que poderiam ser criados mecanismos de compensação, tais como círculos nacionais uninominais, mas estariam criadas as condições para um bipartidarismo artificial e para o aumento da abstenção.

A redução do número de deputados não contribuiu para o aumento da participação dos cidadãos na política. Pode ser popular, mas é perigosa e não deve ser incluída em qualquer pacote de medidas de desenvolvimento e promoção de uma democracia mais participada e participativa.

Categories: Democracia Participativa, Política Nacional, Portugal | Deixe um comentário

Create a free website or blog at WordPress.com.

Eleitores de Portugal (Associação Cívica)

Associação dedicada à divulgação e promoção da participação eleitoral e política dos cidadãos

Vizinhos em Lisboa

A Vizinhos em Lisboa tem em vista a representação e defesa dos interesses dos moradores residentes nas áreas, freguesias, bairros do concelho de Lisboa nas áreas de planeamento, urbanismo, valorização do património edificado, mobilidade, equipamentos, bem-estar, educação, defesa do património, ambiente e qualidade de vida.

Vizinhos do Areeiro

Núcleo do Areeiro da associação Vizinhos em Lisboa: Movimento de Vizinhos de causas locais e cidadania activa

Vizinhos do Bairro de São Miguel

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos

TRAVÃO ao Alojamento Local

O Alojamento Local, o Uniplaces e a Gentrificação de Lisboa e Porto estão a destruir as cidades

Não aos Serviços de Valor Acrescentado nas Facturas de Comunicações !

Movimento informal de cidadãos contra os abusos dos SVA em facturas de operadores de comunicações

Vizinhos de Alvalade

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos de Alvalade

anExplica

aprender e aprendendo

Subscrição Pública

Plataforma independente de participação cívica

Rede Vida

Just another WordPress.com weblog

Vizinhos do Areeiro

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos do Areeiro

MDP: Movimento pela Democratização dos Partidos Políticos

Movimento apartidário e transpartidário de reforma da democracia interna nos partidos políticos portugueses

Operadores Marítimo-Turísticos de Cascais

Actividade dos Operadores Marítimo Turísticos de Cascais

MaisLisboa

Núcleo MaisDemocracia.org na Área Metropolitana de Lisboa

THE UNIVERSAL LANGUAGE UNITES AND CREATES EQUALITY

A new world with universal laws to own and to govern all with a universal language, a common civilsation and e-democratic culture.

looking beyond borders

foreign policy and global economy

O Futuro é a Liberdade

Discussões sobre Software Livre e Sociedade