Daily Archives: 2014/09/02

Tonicostismo e rui-rionismo

Existe na matriz cultural e sociológica do português uma poderosa inclinação para o autoritarismo. Não importa aqui procurar detalhar as suas origens, mas sim as formas através das quais está inclinação se manifesta nos dias de hoje. E manifesta-se através da erupção súbita, e frequentemente inesperada, de líderes “providenciais”, de conductators iluminados, que arrastam hordas de seguidores semifanatizados e são arrastados mais pelo carisma do seu líder, do que pelas suas ideias (que globalmente desconhecem) e por uma convicção pseudo-religiosa na sua infalibilidade e numa vaga “capacidade de liderança”.
Ao longo da nossa História recente tem sido observar a aparição súbita, e logo desmentida pela crua realidade dos factos, deste tipo de líderes providenciais. Desde Salazar, o “Pai do Estado”, que tudo sabia e geria, até Cavaco Silva (com o mito artificial “homem simples” que é eleito “sem qualquer intenção” e quando “fazia a rodagem do carro até à Figueira da Foz”). Este é o mito do “líder providencial” que em Portugal sempre se soube desenvolver com grande facilidade e que parece encontrar algum tipo de eco muito particular na sensibilidade portuguesa.
E, de novo, encontramos sinais dessa construção mítica em curso no ambiente messiânico que rodeia alguns candidatos a líderes partidários nacionais: no PSD, essa figura, do “líder secreto” ou do “líder que virá” está mais embrionária na sua maturação do que no PS, mas existem notáveis paralelismos no constructo mental que se está a erguer em torno de Rui Rio, pelo PSD e de António Costa, pelo PS: ambas as figuras (não confundir com as pessoas) se construíram em torno de um mandato autárquico numa grande capital, dando assim “provas” de capacidade de gestão de um “mini-estado” como o são as grandes autarquias portuguesas. Ambas as figuras se souberam posicionar ao longo dos anos como putativos candidatos à liderança partidária, nunca assumindo uma posição de ruptura total ou radical com a liderança actual (Costa apenas muito recentemente, se abalançou a tal desafio). Ambas as figuras mantêm oculto atrás de um tapete de fumo a verdadeira profundidade e amplitude diferencial em relação aos seus adversários locais. Ambas as figuras, fazem assentar o essencial da sua construção mediática num bom registo oratório e numa ampla e muito generosa cobertura mediática. Ambos, são criações dos Media, que, no essencial, ainda não provaram (ainda?) estar à altura da sua fama ou aura mediática de absoluta sabedoria.
Ambos são perigosos… Constructos mediáticos que são, são artificias e, logo superficiais. Ninguém sabe, de facto, o que lhes vai na mente e do que serão efetivamente capazes… De Costa, sabe-se que nas suas duas passagens ministeriais não deixou nenhum rasgo de ousadia ou criatividade. O mesmo se pode dizer da sua passagem na Câmara de Lisboa, onde, contudo, teve o grande mérito de não se aventurar em nenhum projeto faraónico que arruinasse (ainda mais) o erário municipal… Rio, no Porto, teve a coragem de enfrentar o poderoso Lobby do FCP, e contou pontos a nível nacional nessa sua luta (perdendo-os porventura em alguns segmentos do norte…), mas nunca teve responsabilidades a nível nacional ou de um ministério.
Ambos são, de facto, duas certezas e duas incógnitas. Duas certezas, porque ambos são protegidos dos Media. Duas incógnitas, porque, para além de alguns lugares comuns e genéricas vacuidades, pouco se sabe do que, de facto, pensam.
Categories: Economia, Política Nacional, Portugal | Deixe um comentário

Sobre a “insustentabilidade” das contas da Segurança Social

Passos  Coelho fala ciclicamente, da “insustentabilidade” das contas da Segurança Social. E avisou que – na sua leitura – a sustentabilidade tem que passar, apenas, por cortes. Não é assim: a segurança social é sustentável se o meio milhão de portugueses que perderam o trabalho na última década voltarem a ter trabalho e a descontarem para o sistema e se, sobretudo, Portugal estiver na minha da frente daqueles que reclamam o fim dos offshores, locais onde está hoje a maioria da riqueza nacional e mundial, livres de impostos e de contribuições para a segurança social. E alguns estão bem perto de nós… Gibraltar, Holanda, Reino Unido, Luxemburgo e Suíça, são alguns dos locais onde estão os recursos que foram desviados pelos mais ricos da economia real e produtiva, com o beneplácito ou passividade cúmplice dos políticos. É aqui que estão os recursos que faltam agora à segurança social, não nos bolsos rotos dos pensionistas.

Categories: Política Nacional, Portugal | Deixe um comentário

Do verdadeiro risco ao Estado Social

Ele há um discurso de direita, papagueado pelos Media (sempre subserviente à narrativa neoliberal) que proclama que “o Estado Social é insustentável”. Mas este discurso omite – intencionalmente – que as dificuldades actuais de financiamento do Estado Social advém do facto de, devido a uma política de austeridade imposta pela Alemanha a Portugal e dócilmente aceite pela Direita, a economia recuou em apenas 2 anos até valores de finais do século passado. De permeio, perderam-se meio milhão de empregos e outro meio milhão de portugueses foi forçada a emigrar. Ambos os grupos deixar de contribuir para a segurança social. O efeito imediato, foi um declínio nas suas receitas. O risco e a ameaça ao Estado Social e à sua sustentabilidade estão assim no na explosão das contribuições, pensões e subsídios, mas na compressão radical das receitas, devido a uma austeridade dogmática, cega e imposta pela Europa (Alemanha), a apelos reiterados e sucessivos à emigração dos portugueses por parte do actual Governo e à perda de perspectivas de futuro criadas pelo desemprego, pela precariedade e pelos baixos salários.

Categories: Economia, Política Nacional, Portugal | Deixe um comentário

Create a free website or blog at WordPress.com.

Eleitores de Portugal (Associação Cívica)

Associação dedicada à divulgação e promoção da participação eleitoral e política dos cidadãos

Vizinhos em Lisboa

A Vizinhos em Lisboa tem em vista a representação e defesa dos interesses dos moradores residentes nas áreas, freguesias, bairros do concelho de Lisboa nas áreas de planeamento, urbanismo, valorização do património edificado, mobilidade, equipamentos, bem-estar, educação, defesa do património, ambiente e qualidade de vida.

Vizinhos do Areeiro

Núcleo do Areeiro da associação Vizinhos em Lisboa: Movimento de Vizinhos de causas locais e cidadania activa

Vizinhos do Bairro de São Miguel

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos

TRAVÃO ao Alojamento Local

O Alojamento Local, o Uniplaces e a Gentrificação de Lisboa e Porto estão a destruir as cidades

Não aos Serviços de Valor Acrescentado nas Facturas de Comunicações !

Movimento informal de cidadãos contra os abusos dos SVA em facturas de operadores de comunicações

Vizinhos de Alvalade

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos de Alvalade

anExplica

PEDAÇOS DE SABER

Subscrição Pública

Plataforma independente de participação cívica

Rede Vida

Just another WordPress.com weblog

Vizinhos do Areeiro

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos do Areeiro

MDP: Movimento pela Democratização dos Partidos Políticos

Movimento apartidário e transpartidário de reforma da democracia interna nos partidos políticos portugueses

Operadores Marítimo-Turísticos de Cascais

Actividade dos Operadores Marítimo Turísticos de Cascais

MaisLisboa

Núcleo MaisDemocracia.org na Área Metropolitana de Lisboa

THE UNIVERSAL LANGUAGE UNITES AND CREATES EQUALITY

A new world with universal laws to own and to govern all with a universal language, a common civilsation and e-democratic culture.

looking beyond borders

foreign policy and global economy