Daily Archives: 2014/08/14

Sobre as supostas vantagens para Portugal e para a economia portuguesa do tratado TTIP (“parceria transatlântica”)

Recentemente, foram publicadas nos Meios de Comunicação Social algumas notícias que listavam supostas vantagens para Portugal e para a economia portuguesa do tratado TTIP (“parceria transatlântica”), atualmente em negociações entre a União Europeia, o Canadá e os EUA. As notícias citam um estudo encomendado (pago) pelo governo português a uma organização designada pelas siglas CEPR ou “Centre for Economic Policy Research”.
O MaisDemocracia.org é uma das associações e organizações que em Portugal, a partir de meados de setembro vai apoiar e promover a subscrição pelos cidadãos de uma Iniciativa de Cidadania Europeia que visa levar a Comissão Europeia a parar com estas negociações e a bloquear os graves danos que elas trarão ao nosso país (ver http://movv.org/2014/07/26/ok-sobre-os-tribunais-arbitrais-do-no-capitulo-investor-state-dispute-settlement-isds-do-ttip-do-capitulo-investor-state-dispute-settlement-isds/). Após a publicitação deste estudo, o MaisDemocracia procurou saber o que era a CEPR por forma a compreender porque foi esta organização escolhida para conduzir um estudo académico deste tipo. É uma organização imparcial? Desligada dos interesses e das multinacionais financeiras que estão a fazer lobby a favor do TTIP? Quem a financia? Quem influencia as conclusões dos estudos que conduz?
O “Centre for Economic Policy Research” (CEPR), lista entre os seus apoiantes entidades muito conhecidas como o Alfa Bank, o BNP Paribas, o Citigroup, o Credit Suisse, o Grupo Santander, o Itau Unibanco S.A., o JP Morgan, a KPMG, o Lloyds Banking Group, o La Caixa, a UBS e “hedgefunds” especulativos como o Commonwealth Opportunity Capital e o o britânico Wadhwani Asset Management. Estas entidades têm todas elas interesses diretos na conclusão destas negociações, já que um dos seus capítulos é precisamente a desregulação financeira entre os dois lados do Atlântico. Boa parte delas tem um currículo ético e criminal muito pesado, como o banco suíço UBS, recentemente multado por fraude fiscal (http://www.sol.pt/noticia/111205), a KPMG, empresa que auditava as contas (escuras e plenas de crime e fraude fiscal) do BES e que recentemente, em janeiro deste ano entrou em acordo com o Estado holandês, pagando 7 milhões de euros a título de compensação por ter ajudado um seu cliente do ramo da construção civil a “esconder pagamentos suspeitos”.http://www.fcpablog.com/blog/2014/1/13/kpmgpays-7-million-to-settledutchbriberycase.html#. Por outro lado, o próprio fundador da CEPR, o economista britânico Richard Porter, é conhecido por ter recebido amplos financiamentos de bancos islandeses (http://blogs.reuters.com/great-debate/2010/10/12/whyeconomists-are-partoftheproblem/) que depois, compreensivelmente, veio defender posteriormente em vários artigos na imprensa especializada.
A conclusão a que chegamos é que o CEPR não é uma entidade imparcial para ser capaz de produzir um estudo que possa servir ao governo português para tomar uma decisão quanto a apoiar ou não estas negociações. O CEPR é uma entidade composta por peritos que gravitam em torno de financiamentos das mesmas entidades que estão a fazer um intenso lobby junto dos Media e das instituições europeias por forma a que estas aceitem os termos que os norte-americanos estão a impor à Europa e que passam por desregulações massivas nas áreas ambientais, laborais, de saúde pública e de privatização de serviços públicos essenciais. A escolha desta entidade pelo Governo Passos-Portas é reveladora das conclusões que se pretendem obter e da necessidade de termos Meios de Comunicação Social atentos e dispostos a investigarem as notícias que lhes são entregues para publicação. Estejamos atentos: a pressão de lobby vai intensificar-se nos próximos dias e semanas, dando como inevitável a subscrição deste acordo pelo Parlamento Europeu, em nome de vantagens muito ilusórias e pouco substanciais, que pouco mais farão que enriquecer os já muito ricos e reforçarem, no processo, o predomínio monopolístico das grandes empresas multinacionais sobre as economias ocidentais.

 

Categories: Economia, maisdemocracia.org, Política Internacional, Política Nacional, Portugal | Deixe um comentário

Site no WordPress.com.

Eleitores de Portugal (Associação Cívica)

Associação dedicada à divulgação e promoção da participação eleitoral e política dos cidadãos

Vizinhos em Lisboa

A Vizinhos em Lisboa tem em vista a representação e defesa dos interesses dos moradores residentes nas áreas, freguesias, bairros do concelho de Lisboa nas áreas de planeamento, urbanismo, valorização do património edificado, mobilidade, equipamentos, bem-estar, educação, defesa do património, ambiente e qualidade de vida.

Vizinhos do Areeiro

Núcleo do Areeiro da associação Vizinhos em Lisboa: Movimento de Vizinhos de causas locais e cidadania activa

Vizinhos do Bairro de São Miguel

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos

TRAVÃO ao Alojamento Local

O Alojamento Local, o Uniplaces e a Gentrificação de Lisboa e Porto estão a destruir as cidades

Não aos Serviços de Valor Acrescentado nas Facturas de Comunicações !

Movimento informal de cidadãos contra os abusos dos SVA em facturas de operadores de comunicações

Vizinhos de Alvalade

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos de Alvalade

anExplica

PEDAÇOS DE SABER

Subscrição Pública

Plataforma independente de participação cívica

Rede Vida

Just another WordPress.com weblog

Vizinhos do Areeiro

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos do Areeiro

MDP: Movimento pela Democratização dos Partidos Políticos

Movimento apartidário e transpartidário de reforma da democracia interna nos partidos políticos portugueses

Operadores Marítimo-Turísticos de Cascais

Actividade dos Operadores Marítimo Turísticos de Cascais

MaisLisboa

Núcleo MaisDemocracia.org na Área Metropolitana de Lisboa

THE UNIVERSAL LANGUAGE UNITES AND CREATES EQUALITY

A new world with universal laws to own and to govern all with a universal language, a common civilsation and e-democratic culture.

looking beyond borders

foreign policy and global economy