“Um mundo de loucos”

“Talvez seja tempo de juntar pessoas que pensem em novas palavras, novos modelos, novos países e também novos cidadãos. Tempo de criar uma ideologia revolucionaria de futuro que seja um aprofundamento da democracia e não uma metástase de fascismos à direita e à esquerda. Uma ideologia moral e não amoral. Uma civilização que se saiba proteger da barbárie de nós próprios, da ambição desmedida e sobretudo que nos salve de um mundo sem controlo onde os mercados têm o verdadeiro poder e não os Estados. Mercados que não são controlados por ninguém. Um mundo de loucos.”
Luís Osório, Sol de 5 de junho de 2014

Essa “ideologia de futuro” já existe. Mas não é exatamente uma “ideologia”, mas mais uma “metodologia”, um conjunto de técnicas, métodos e processos de refundação da democracia representativa conhecido como “democracia participativa”. O objetivo, o vetor e o impulso é o de introduzir de forma gradual, a democracia semidireta na atual bloqueada, desacreditada e, pior ainda, corrompida, democracia representativa.

Existem duas formas de concretizar esta “revolução tranquila”: formando partidos novos, de matriz participativa ou reformando, por dentro, os partidos existentes. A primeira via pode parecer mais “pura” ou simples, mas dadas as limitações impostas pela Lei dos Partidos, a crónica insuficiência de recursos financeiros numa organização deste tipo (excepto quando aparece um “Beppe Grillo”….) e a falta de cobertura mediática, leva-nos a crer que essa via está barrada. Resta, até por exclusão de partes, a via da reforma partidária, a partir de dentro, em correntes de opinião ou tendências (nos partidos que as permitem) e introduzir pouco a pouco, de forma gradual, paciente mas decidida os princípios, métodos e ferramentas da democracia participativa.

Não vai ser fácil reformar, a partir de dentro, os partidos políticos. Especialmente aqueles que se têm alternado, num malfado “ciclo eterno” no poder, naquilo a que nos finais do século XIX se designava de “rotativismo democrático”: as teias de interesses (financiamentos, troca de favores e empregos, corrupção) são densas. A distância entre os aparelhos semiprofissionais e os militantes de base enorme. A crise de representatividade enorme, como indiciam os esmagadores (e crescentes) números da abstenção. Não vai ser fácil vencer todos estes obstáculos, mas é possível. Apesar de toda a canga que se desenvolveu e fez carreira desde as “jotas” nos partidos, continua a existir uma maioria de militantes e até de dirigentes (em todos!) que genuinamente acredita em fazer o melhor pelo país, que o seu trabalho é um serviço e que se conduz por aquilo que crê ser o melhor interesse público. Mas apesar de maioritários, esses militantes são proporcionalmente muito menos influentes que os elementos corrompidos (não necessariamente “corruptos”) pela Situação. Tal bloqueio pode ser vencido. Insuflando novos militantes, reorganizando os militantes em novas forças internas que defendam os valor da participação e da cidadania e renovando, por dentro, os partidos políticos.

Precisamos de uma Democracia 2.0. E essa democracia é possível. Assim o queiramos que seja. Dentro dos partidos (se tal for mesmo possível!) Ou fora, criando novos.

Anúncios
Categories: Democracia Participativa, Política Nacional, Portugal | 1 Comentário

Navegação de artigos

One thought on ““Um mundo de loucos”

  1. É mesmo um mundo de loucos.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

Site no WordPress.com.

TRAVÃO ao Alojamento Local

O Alojamento Local, o Uniplaces e a Gentrificação de Lisboa e Porto estão a destruir as cidades

Não aos Serviços de Valor Acrescentado nas Facturas de Comunicações !

Movimento informal de cidadãos contra os abusos dos SVA em facturas de operadores de comunicações

Vizinhos de Alvalade

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos de Alvalade

anExplica

aprender e aprendendo

Subscrição Pública

Plataforma independente de participação cívica

Rede Vida

Just another WordPress.com weblog

Vizinhos do Areeiro

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos do Areeiro

Moradores do Areeiro

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Moradores do Areeiro

AMAA

Associação de Moradores e Amigos do Areeiro

MDP: Movimento pela Democratização dos Partidos Políticos

Movimento apartidário e transpartidário de reforma da democracia interna nos partidos políticos portugueses

Operadores Marítimo-Turísticos de Cascais

Actividade dos Operadores Marítimo Turísticos de Cascais

MaisLisboa

Núcleo MaisDemocracia.org na Área Metropolitana de Lisboa

THE UNIVERSAL LANGUAGE UNITES AND CREATES EQUALITY

A new world with universal laws to own and to govern all with a universal language, a common civilsation and e-democratic culture.

looking beyond borders

foreign policy and global economy

O Futuro é a Liberdade

Discussões sobre Software Livre e Sociedade

Parece piada... fatos incríveis, estórias bizarras e outros micos

Tem cada coisa neste mundo... e todo dia surge uma nova!

O Vigia

O blog retrata os meus pensamentos do dia a dia e as minhas paixões, o FLOSS, a política especialmente a dos EUA, casos mal explicados, a fotografia e a cultura Japonesa e leitura, muita leitura sobre tudo um pouco, mas a maior paixão é mesmo divulgação científica, textos antigos e os tais casos ;)

%d bloggers like this: