Daily Archives: 2013/10/24

Mosteiro dos Jerónimos: um roteiro simbólico e secreto

 

1- Uma das várias “mãos de Deus” da Igreja dos Jerónimos, parte de um ritual de iniciação em que os futuros navegadores deviam procurar a coluna com a “mão de Deus”, que deviam tocar (o que explica o desgaste que se observa no motivo).
2. No Claustro do Mosteiro dos Jerónimos encontramos um ouroboros no tecto. Símbolo de eternidade, renovação alquímica da matéria e unidade do cosmos e do infinito a serpente que morde a sua própria causa é um símbolo que se repete (várias vezes) no claustro da Sé Catedral de Lisboa e que também surge no Convento da Madre de Deus (no Claustrim).

3. No painel central do grandioso pórtico sul do Mosteiro dos Jerónimos encontramos o Infante Dom Henrique. A posição onde se encontra a sua estátua está carregada de valor simbólico, estando no eixo que separa o “céu” da “terra” (Nossa Senhora dos Reis Magos e Arcanjo São Miguel). Dom Henrique é aqui tanto mais invulgar, porque é o único “homem comum” representado nesta fachada, o de evidencia a sua importância para o projeto quinto imperial que então Portugal estava a construir.

4. O Infante Dom Henrique designava a região onde se viria a construir o Mosteiro dos Jerónimos como “Beth-Lehem”, isto é, a “casa do pão” em hebraico. Esta poderia ser uma alusão ao local onde esperava – no seu magistral plano quintoimperial – lançar as bases do novo Homem, iniciado em Cristo e no Império, novo Cristo que partiria a desbravar e a evangelizar o mundo.

5. Antes do Mosteiro dos Jerónimos ser construído existia neste local uma Capela da Ordem de Cristo que prestava “apoio espiritual” aos navegadores que destas praias (então ainda a poucos metros da atual fachada do mosteiro) partiam para as Descobertas. Seria nesta capela que se desenrolavam as cerimonias de iniciação que depois foram transferidas para o interior do mosteiro, e nomeadamente para a Igreja dos Jerónimos.
6. No pórtico sul do Mosteiro dos Jerónimos podemos observar representações do Sol e da Lua, assim como dois medalhões com as efígies do rei e da rainha. Um e outro símbolo aludem à dualidade sexual (Enxofre-Mercúrio) da matéria e à conjugação harmoniosa que o Adepto tem que cumprir na Grande Obra para alcançar o Rubedo e o consequente sucesso.
7. Num medalhão do Claustro do Mosteiro dos Jerónimos encontramos uma rosa solar aberta (valendo pela “vida”) sobre a cruz do calvário (morte), numa clara alusão ao Renascimento e à Regeneração que se pode alcançar pela Pedra dos Filósofos e pela rectidão de percurso na Grande Obra.
8. No friso do pórtico sul do Mosteiro dos Jerónimos podemos observar os símbolos da corda, da seta de cupido e do ovo filosófico (matrás alquímico). A corda – motivo templário – vale pela união entre Iniciados que se cumpria nesta local que iniciação que era o mosteiro; o Ovo representa o recipiente onde decorre a evolução da Materia Prima até ao estado mais puro e iluminado (a Pedra Filosofal, que aqui pode ser tanto uma expressão de Alquimia Espiritual, como de Material). A seta de Cupido, por fim, refere-se ao Amor, referido na Sé de Lisboa pelos vários “pássaros que se beijam” e que liga à ideologia dos trovadores e jograis de finais da Idade Média, verdadeiros porta-vozes da Igreja de João e do Templarismo.
9. No pórtico sul do Mosteiro dos Jerónimos encontramos também (como na Sé de Lisboa), o Arcanjo São Miguel, guardião de Portugal e do mundo e que – pela sua espada flamejante – alude ao Mercúrio dos Filósofos, o dissolvente que tudo mistura e que tem um papel determinante no sucesso da Obra de Hermes.
10. Na Igreja de Santa Maria de Belém podemos encontrar o Rectângulo de Ouro ou Secção de Ouro, aqui colocado pelo grande arquiteto dos Jerónimos, Mestre Boitaca. Símbolo da expressão do Logos de João e do Fogo, elemento que anima a matéria morta e a conduz ao desenvolvimento pleno.
11. A ocidente do Claustro do Mosteiro dos Jerónimos, Boitaca concebeu um caminho iniciático que começa no local onde encontramos um X num medalhao. Este símbolo vale aqui por Cristo e pelo Fogo (como a Secção de Ouro da planta da igreja). O caminho iniciático termina num Sol antropomorfizado que vale pela ascensão do iniciado a esse novel patamar. Ao longo deste caminho, dispõem-se vinte medalhões e oito quadros esculpidos, um por cada passo de iniciação que o neófito tem que saber vencer até conseguir alcançar o Sol, o seu objetivo final.
Anúncios
Categories: História, maisdemocracia.org, MaisLisboa.org, Mitos e Mistérios | Deixe um comentário

Pequeno Glossário do Românico

Abside: parte da igreja situada na cabeceira e onde se encontra o altar-mor.

Aduela: pedra ou silhar em forma de cunha que, justaposta, se emprega para a construção de arcos e abóbadas. O número de aduelas é sempre ímpar e a do centro tem o nome de chave.

Arco: o arco característico do românico é o de volta perfeita, isto é, semicircular.

Arcatura: motivo arquitetónico característico do românico, formado por uma série de pequenos arcos de volta perfeita, abertos ou cegas.

Claustro: elemento formado por uma galeria aberta que rodeia um espaço aberto, destinado a ligar a igreja aos outros locais do conjunto: sala do capitulo, refeitório, celas, etc.

Clerestório: parte superior das paredes, onde se rasgaram janelas, entre o tecto da nave principal e o das colaterais.

Cripta: do grego “kryptos” (oculto), uma pequena capela sob o altar-mor,  que acolhe relíquias (e que acolheu o Graal na Sé Catedral?)

Deambulatório: corredor que prolonga as naves colaterais, rodeando o coro de uma igreja.

Nervura: elemento em forma de moldura que absorve ou recebe a carga exercida por uma parte da estrutura.

Pilar: elemento de sustentação, geralmente mais robusto que a coluna. Do românico, é caraterístico o pilar cruciforme e o pilar polistilo, com oito ou mais colunas adossadas.

Categories: História | Deixe um comentário

A Torre de Belém: Simbolismo e Esoterismo

1. A Torre de Belém está construída naquele que é um dos melhores exemplos do estilo gótico manuelino. Trata-se de um baluarte em que a torre é composta por quatro andares, um por cada um dos Quatro Elementos da matéria na visão alquímica do mundo.

2. A capela da Torre de Belém apresenta o chão composto por um xadrez que recorda o chão da cripta neotemplária da Quinta da Regaleira. No seu centro, encontramos um octógono, outro símbolo templário que simboliza a regeneração espiritual pela comunicação entre a Terra (quadrado) e o Céu (círculo).

3. Na sala da capela da Torre de Belém encontramos uma cabeça, no canto a noroeste, a aproximadamente um metro de altura. Sob esta cabeça (bafomética?) Encontramos uma suástica de cinco braços no centro de uma estrela de seis pontas. Sobre a cabeça surge o Fogo, como se o movimento circular e solar da suástica (símbolo do Sol) regenera-se o indivíduo que aqui era iniciado (porque este era um local de Iniciação neotemplária). Recordemos ainda que o Cinco é o símbolo do Todo (soma do primeiro número par, o feminino Dois e do primeiro número ímpar, o masculino três) e das Cinco Chagas de Cristo.

Ver Mais: https://www.facebook.com/MysteriesLisbon?ref=stream

Categories: História, MaisLisboa.org, Mitos e Mistérios | Deixe um comentário

Site no WordPress.com.

Eleitores de Portugal (Associação Cívica)

Associação dedicada à divulgação e promoção da participação eleitoral e política dos cidadãos

Vizinhos em Lisboa

A Vizinhos em Lisboa tem em vista a representação e defesa dos interesses dos moradores residentes nas áreas, freguesias, bairros do concelho de Lisboa nas áreas de planeamento, urbanismo, valorização do património edificado, mobilidade, equipamentos, bem-estar, educação, defesa do património, ambiente e qualidade de vida.

Vizinhos do Areeiro

Núcleo do Areeiro da associação Vizinhos em Lisboa: Movimento de Vizinhos de causas locais e cidadania activa

Vizinhos do Bairro de São Miguel

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos

TRAVÃO ao Alojamento Local

O Alojamento Local, o Uniplaces e a Gentrificação de Lisboa e Porto estão a destruir as cidades

Não aos Serviços de Valor Acrescentado nas Facturas de Comunicações !

Movimento informal de cidadãos contra os abusos dos SVA em facturas de operadores de comunicações

Vizinhos de Alvalade

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos de Alvalade

anExplica

aprender e aprendendo

Subscrição Pública

Plataforma independente de participação cívica

Rede Vida

Just another WordPress.com weblog

Vizinhos do Areeiro

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos do Areeiro

MDP: Movimento pela Democratização dos Partidos Políticos

Movimento apartidário e transpartidário de reforma da democracia interna nos partidos políticos portugueses

Operadores Marítimo-Turísticos de Cascais

Actividade dos Operadores Marítimo Turísticos de Cascais

MaisLisboa

Núcleo MaisDemocracia.org na Área Metropolitana de Lisboa

THE UNIVERSAL LANGUAGE UNITES AND CREATES EQUALITY

A new world with universal laws to own and to govern all with a universal language, a common civilsation and e-democratic culture.

looking beyond borders

foreign policy and global economy

O Futuro é a Liberdade

Discussões sobre Software Livre e Sociedade