Daily Archives: 2013/07/13

Democracia Líquida e a sua interpretação pelo “Partido da Internet” espanhol

No modelo de Democracia Participativa conhecido como Democracia Líquida, cada cidadão tem a capacidade de votar diretamente em todas as decisoes e de apresentar propostas concretas. Mas neste modelo, é também possível que um cidadão delegue o seu voto num outro cidadão, escolhendo assim exercer o seu direito de voto de uma forma indireta ou intermediada, consoante a sua própria disponibilidade ou conhecimento sobre os assuntos em análise.

Na Democracia Líquida, um grupo de cidadãos pode criar um “proxy virtual” que pode anunciar publicamente o sentido do seu voto. Desta forma, os cidadãos não têm que esperar quatro anos antes de escolherem os seus representantes e podem – a qualquer momento – retirar o seu voto daqueles “proxies” que escolheram representa-los em votações, exercendo o direito de “revogação” do delegado ou “proxy”.

Aplicando os conceitos da Democracia Líquida ou Delegativa, é possível ainda que a qualquer momento:
1. um cidadão decida votar diretamente numa dada proposta (suspendendo provisoriamente o voto por “proxy”)
2. Um cidadão pode juntar-se a outros numa “assembleia virtual” temática e votar proposta a proposta.
3. Retirar o seu voto de um “proxy” e transferi-lo para outro.

Assembleia Virtual:
Todos os cidadãos podem ter assento nesta assembleia ou parlamento virtual, podendo aqui apresentar as suas propostas, votar ou escolher um “proxy”. O voto será exercido com elevados níveis de segurança a partir das funções criptograficas e de autenticacao presentes ja hoje no Cartao do Cidadão. Um grupo de voluntarios espanhóis está atualmente a trabalhar numa plataforma cibernética capaz de ser o esteio deste sistema em torno do AgoraOnRails e do “Agora Ciudadana”.

Esta plataforma será utilizada pelo “Partido da Internet” espanhol que tem a originalidade de não ter uma ideologia própria, mas o único objetivo de criar um “Parlamento Virtual” que possa receber por transferencia essa capacidade de voto.

Fonte Principal:
http://www.democracialiquida.org/

Anúncios
Categories: Democracia Participativa | Deixe um comentário

Breve Retrato do estado dos Orçamentos Participativos em Portugal

“A crise económica e financeira, as sucessivas restrições à capacidade de investimento das autarquias, os níveis incipientes de participação cívica e até o facto de este ser um ano de eleições autárquicas: nada disto parecia fazer muito pelo sucesso das experiências portuguesas de Orçamento Participativo, essa forma de democracia direta em que a população é chamada a pronunciar-se sobre o destino de uma parte do orçamento da autarquia.”

– ou talvez não. Um recente estudo académico suíço demonstrou que a democracia directa neste país da Europa central produziu um nível de despesa mais baixo que a média europeia. A muitas vezes invocada “armadilha populista” como um risco da democracia direta não se concretizou no caso suíço.

“De 2011 para 2012, o OP de Lisboa caiu para metade, de cinco para 2.5 milhões de euros, mas são mais os casos de municípios em que a dotação do OP até cresceu no ano passado. E outras formas de democracia deliberativa começam a germinar.
(…)
Atualmente há cerca de trinta OPs em Portugal, praticamente os mesmos de 2012.
(…)
Desde 2002, esta ideia implementada pela primeira vez em 1989 na prefeitura de Porto Alegre, no Brasil, já conheceu 71 aplicações no país, contando já com os de Guimarães e Oliveira do Hospital, acabados de chegar: 45 foram municipais, 19 de freguesia, e sete setoriais (dedicados aos jovens em municípios e freguesias). Ao longo de uma década, 54 dos OP portugueses foram consultivos e 17 deliberativos. Estes últimos geriram qualquer coisa como 35 milhões de euros, valor que deve chegar aos 45 milhões no final de 2013. Calcula-se que existam no mundo cerca de 2700 OP ativos, com os polacos a liderar na União Europeia.
(…)
Há uma primeira vaga, de 2002 a 2008, de câmaras comunistas, com OP consultivos, sem equipas técnicas nem montantes definidos à partida. E uma segunda vaga desde então, que aposta cada vez mais em orçamentos deliberativos, com proposta e decisão na mão dos cidadãos, com equipas técnicas que fazem o crive da exequibilidade e asseguram a execução dos projectos e montantes definidos por projeto.”

– ao longo dos anos, os Orçamentos Participativos têm caminhado desde formatos consultivos, sem equipas técnicas, até formatos mais deliberativos e participativos onde a presença dos cidadãos tem assumido um papel crescente. A tendência existe e demonstra uma forte apetência dos cidadãos para participarem mais ativamente na vida das suas comunidades (municípios e freguesias) e merece uma reflexão: os políticos profissionais queixam-se frequentemente dos baixos índices de participação cívica dos seus eleitores, mas os OPs, os relativamente altos níveis de participação parecem demonstrar que quando é dada ocasião aos cidadãos para participarem nos processos de decisão, eles não rejeitam fazê-lo, fazem-no bem e com racionalidade e com intensidade. Os OPs devem continuar a expandir-se e o infeliz caso de Lisboa (com a redução para metade) tem que ser excepcional: se queremos renovar a democracia, teremos que a renovar pela via participativa e direta e os Orçamentos Participativos são uma das ferramentas ao dispor desta via. Na verdade, os OPs não se devem limitar ao meio autárquica, podendo até estender-se (primeiro num regime limitado e experimental) ao próprio orçamento geral de Estado…

Categories: Democracia Participativa, MaisLisboa.org | Etiquetas: | 1 Comentário

Create a free website or blog at WordPress.com.

Eleitores de Portugal (Associação Cívica)

Associação dedicada à divulgação e promoção da participação eleitoral e política dos cidadãos

Vizinhos em Lisboa

A Vizinhos em Lisboa tem em vista a representação e defesa dos interesses dos moradores residentes nas áreas, freguesias, bairros do concelho de Lisboa nas áreas de planeamento, urbanismo, valorização do património edificado, mobilidade, equipamentos, bem-estar, educação, defesa do património, ambiente e qualidade de vida.

Vizinhos do Areeiro

Núcleo do Areeiro da associação Vizinhos em Lisboa: Movimento de Vizinhos de causas locais e cidadania activa

Vizinhos do Bairro de São Miguel

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos

TRAVÃO ao Alojamento Local

O Alojamento Local, o Uniplaces e a Gentrificação de Lisboa e Porto estão a destruir as cidades

Não aos Serviços de Valor Acrescentado nas Facturas de Comunicações !

Movimento informal de cidadãos contra os abusos dos SVA em facturas de operadores de comunicações

Vizinhos de Alvalade

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos de Alvalade

anExplica

aprender e aprendendo

Subscrição Pública

Plataforma independente de participação cívica

Rede Vida

Just another WordPress.com weblog

Vizinhos do Areeiro

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos do Areeiro

MDP: Movimento pela Democratização dos Partidos Políticos

Movimento apartidário e transpartidário de reforma da democracia interna nos partidos políticos portugueses

Operadores Marítimo-Turísticos de Cascais

Actividade dos Operadores Marítimo Turísticos de Cascais

MaisLisboa

Núcleo MaisDemocracia.org na Área Metropolitana de Lisboa

THE UNIVERSAL LANGUAGE UNITES AND CREATES EQUALITY

A new world with universal laws to own and to govern all with a universal language, a common civilsation and e-democratic culture.

looking beyond borders

foreign policy and global economy

O Futuro é a Liberdade

Discussões sobre Software Livre e Sociedade