O Pacto Social

“A democracia representativa convencional, em que os muitos elegem os poucos, assenta num pacto entre eleitores e governo: nós votamos, eles agem; nós prosseguimos com as nossas vidas, eles protegem-nos. Este é o pacto em que um pai deve inscrever o filho aquando do seu nascimento. Prolonga-se até à morte. Este pacto raramente é examinado e, além disso, não se encontra inscrito em parte alguma, de forma clara e completa, raramente é admitido, embora os seus efeitos sejam profundos.
O pacto tem várias camadas. Na mais fundamental, o pacto implica que o governo protegera os seus cidadãos e garantira a sua seguranca. Em troca, os cidadãos concordam em limitar alguma da sua liberdade: aceitar o governo da lei e, com ele, as diversas restrições impostas ao seu comportamento. Ao governo são reservados alguns poderes e direitos extremos, negados aos restantes. Entre eles inclui-se o poder de negar a liberdade dos outros, de encarcerar e punir. Em alguns países, como os Estados Unidos, inclui ainda o poder de matar em nome da justiça.”

Carne Ross, A Revolução Sem Líder

Este Contrato Social está agora, nas sociedades contemporaneas a ser quebrado: por todo o lado assiste-se ao recuo severo do Estado Social e ao aumento brutal de impostos para suportar o que resta. Um recuo e o outro avanço procuram compensar a descida brutal dos impostos pagos pelos mais ricos e pelas multinacionais, grandes beneficiarios da especulacao bolsista e utilizadores dos offshores.

Com esta evaporacao do Estado Social é a própria natureza do Estado que é questionada. Com um desemprego crónico que se instala em valores crescentes, cresce a sensação que o Estado não serve os propósitos da comunidade e que essa brutal carga fiscal é desproporcionada em função dos benefícios obtidos.

Urge realizar uma Revolução. Uma Revolução Participativa que devolva aoos cidadãos o controlo democratico das suas próprias vidas e das comunidades que integram (sejam elas a família, a rua, o bairro, o municipio ou o país), que expulse do Poder político os torpes mega-interresses que o sequestraram (grande finança, especulação financeira, norte da europa, globalistas, etc.) E que retorne a Local aquilo que se tornou Global (Emprego, riqueza, regulação financeira, etc). Esta Revolução Tranquila, não-violenta deve começar de baixo para cima: das pequenas comunidades onde todos estamos de alguma forma inseridos e ir ascendendo nos degraus do poder até se tornar municipal, primeiro, e depois nacional.

Categories: Democracia Participativa, maisdemocracia.org, MaisLisboa.org | Deixe um comentário

Navegação de artigos

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Site no WordPress.com.

Eleitores de Portugal (Associação Cívica)

Associação dedicada à divulgação e promoção da participação eleitoral e política dos cidadãos

Vizinhos em Lisboa

A Vizinhos em Lisboa tem em vista a representação e defesa dos interesses dos moradores residentes nas áreas, freguesias, bairros do concelho de Lisboa nas áreas de planeamento, urbanismo, valorização do património edificado, mobilidade, equipamentos, bem-estar, educação, defesa do património, ambiente e qualidade de vida.

Vizinhos do Areeiro

Núcleo do Areeiro da associação Vizinhos em Lisboa: Movimento de Vizinhos de causas locais e cidadania activa

Vizinhos do Bairro de São Miguel

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos

TRAVÃO ao Alojamento Local

O Alojamento Local, o Uniplaces e a Gentrificação de Lisboa e Porto estão a destruir as cidades

Não aos Serviços de Valor Acrescentado nas Facturas de Comunicações !

Movimento informal de cidadãos contra os abusos dos SVA em facturas de operadores de comunicações

Vizinhos de Alvalade

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos de Alvalade

anExplica

PEDAÇOS DE SABER

Subscrição Pública

Plataforma independente de participação cívica

Rede Vida

Just another WordPress.com weblog

Vizinhos do Areeiro

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos do Areeiro

MDP: Movimento pela Democratização dos Partidos Políticos

Movimento apartidário e transpartidário de reforma da democracia interna nos partidos políticos portugueses

Operadores Marítimo-Turísticos de Cascais

Actividade dos Operadores Marítimo Turísticos de Cascais

MaisLisboa

Núcleo MaisDemocracia.org na Área Metropolitana de Lisboa

THE UNIVERSAL LANGUAGE UNITES AND CREATES EQUALITY

A new world with universal laws to own and to govern all with a universal language, a common civilsation and e-democratic culture.

looking beyond borders

foreign policy and global economy

<span>%d</span> bloggers like this: