Não ao Federalismo Europeu

“Se rumar para a Europa – esta Europa tão do agrado dos tecnocratas – Portugal perderá a independência de novo, chegará a mais curto ou a mais longo prazo à situação de 1580. Na Europa do Mercado Comum, e numa futura, hipotética, Europa política, a economia dos grandes espaços forjara uma Península Ibérica unificada, e seguramente com a capital económica em Madrid, que de capital económica se transformara, a mais curto ou a mais longo prazo, em capital política.ora este seria um resultado contra natureza, na medida em que nunca existiu, nem existe, uma unidade de civilização na Península Ibérica.
Assim, perante a encruzilhada a Europa ou o Atlântico, como única condição para que Portugal reencontre a sua individualidade, a sua especificidade, a sua genuidade, medieva e renascentista. Ora esta opção passa forçosamente pela formação de uma autêntica Comunidade Luso-Brasileira.
(…)
Propomos portanto a criação de uma autêntica Comunidade Luso-Brasileira, e, se possível, uma futura Comunidade Luso-Afro-Brasileira. Nela todas as partes se reencontrariam na mais genuína individualidade linguística e civilizacional.
(…)
Na historia, existem uma curta, uma média e uma longa durações. Isto é: os regimes políticos, e até os sociais, ficam.”

Joaquim Barradas de Carvalho,
Rumo de Portugal, a Europa ou o Atlântico?, 1979.

Portugal não pode, não deve, ter lugar numa europa (com “e” pequeno) que exige o seu brutal empobrecimento e que aplica sobre a sociedade doses massivas de austeridade vindicativa e imposta apenas para agradar ao cruel e ignorante eleitorado germânico. Esta não é a nossa europa. Não é aquela Europa solidária a que aderimos nos idos de Oitenta e não é certamente aquela Europa que estava nos espírito dos pais fundadores do projeto europeu do pós-guerra.

Esta europa não interessa. Mas a “nova” europa que se forja hoje nas chancelarias do norte, uma europa federal, regida e comandada a partir do norte ainda será pior: imaginem uma democracia limitada, cerceada por “instituições europeias” não democráticas ou controladas pelas maiorias racistas do norte da europa, impondo um estatuto permanente de menoridade e protetorado aos povos do sul? É esta a “solução federal” que querem para resolver as múltiplas doenças da europa de hoje?

Anúncios
Categories: Economia, Europa e União Europeia, Política Internacional, Política Nacional, Portugal | 5 comentários

Navegação de artigos

5 thoughts on “Não ao Federalismo Europeu

  1. -> Não é com um partido nacionalista que Portugal vai conseguir SOBREVIVER!…
    -> Para sobreviver Portugal precisa de um Movimento Nacionalista que ‘corte’ (SEPARATISMO-50-50) com os «portugueses-do-prego» (leia-se, os portugueses que estão a colocar Portugal no prego).
    .
    De facto:
    – os portugueses-do-prego não defendem uma estratégia de renovação demográfica – média de 2.1 filhos por mulher; [nota: os portugueses-do-prego gostam de se armar em parvinhos-à-sérvia… vide Kosovo]
    – os portugueses-do-prego falam em despesa NÃO ENQUADRADA na riqueza produzida… e depois:
    1- vendem recursos estratégicos para a soberania… à alta-finança/capital-global;
    2- depois de conduzirem o país em direcção à bancarrota… começam a proclamar federalismo, federalismo (leia-se, implosão da soberania).
    .
    .
    .
    P.S.1:
    Uma NAÇÃO é uma comunidade duma mesma matriz racial onde existe partilha laços de sangue, com um património etno-cultural comum. Uma PÁTRIA é a realização de uma Nação num espaço.
    .
    P.S.2.
    Os ‘globalization-lovers’/(anti-sobrevivência de Identidades Autóctones) são uns nazis do piorio:
    – veja-se o que os ‘globalization-lovers’/(anti-sobrevivência de Identidades Autóctones) fizeram aos nativos norte-americanos: houve Identidades Autóctones que sofreram um Holocausto Massivo;
    – veja-se o que os ‘globalization-lovers’/(anti-sobrevivência de Identidades Autóctones) estão a fazer no Brasil aos nativos da Amazónia;
    – etc.
    Mais, para os ‘globalization-lovers’ made-in-USA as causas suficientes para desencadear uma guerra são quase infinitas!…
    .
    P.S.3.
    Nazismo não é o ser ‘alto e louro’… mas sim a busca de pretextos com o objectivo de negar o Direito à Sobrevivência de outros!…
    Os NAZIS ‘globalization-lovers’/(anti-sobrevivência de Identidades Autóctones) andam numa busca incessante de pretextos… para negar o Direito à sobrevivência das Identidades Autóctones.
    Os SEPARATISTAS-50-50 não têm um discurso de negação de Direito à sobrevivência… os separatistas-50-50 apenas reivindicam o Direito à Sobrevivência da sua Identidade: leia-se, os ‘globalization-lovers’ que fiquem na sua… desde que respeitem os Direitos dos outros… e vice-versa.

  2. Using a tet to communicate that expresses youjr remorsefulness wioll make your ex boy frikend consider forgiving you.
    Not all models and makes will work, but if it’s not just
    a smart phone you will not get it to be effective at all.
    The result of this political and economic disintegration could be that none
    with the states were prepared for any common market undertakings because they lacked perhaps tthe most common
    political ground while at the same time no stte was
    sufficiently strong enough to coerce its neighbors into adopting itts
    political ideology.

  3. perfect product in perfect condition. fast shipper and great seller.
    Louis Vuitton bag Fake http://www.boatinsuranceboatinsurance.com/

  4. Howdy! I could have sworn I’ve been to this blog before
    but after browsing through some of the post I realized it’s
    new to me. Anyways, I’m definitely glad I found it and I’ll be book-marking and checking back often!

  5. Hey There. I found your blog using msn. This is a really well written article.

    I will make sure to bookmark it and return to read more of your
    useful information. Thanks for the post. I will certainly return.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Site no WordPress.com.

Eleitores de Portugal (Associação Cívica)

Associação dedicada à divulgação e promoção da participação eleitoral e política dos cidadãos

Vizinhos em Lisboa

A Vizinhos em Lisboa tem em vista a representação e defesa dos interesses dos moradores residentes nas áreas, freguesias, bairros do concelho de Lisboa nas áreas de planeamento, urbanismo, valorização do património edificado, mobilidade, equipamentos, bem-estar, educação, defesa do património, ambiente e qualidade de vida.

Vizinhos do Areeiro

Núcleo do Areeiro da associação Vizinhos em Lisboa: Movimento de Vizinhos de causas locais e cidadania activa

Vizinhos do Bairro de São Miguel

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos

TRAVÃO ao Alojamento Local

O Alojamento Local, o Uniplaces e a Gentrificação de Lisboa e Porto estão a destruir as cidades

Não aos Serviços de Valor Acrescentado nas Facturas de Comunicações !

Movimento informal de cidadãos contra os abusos dos SVA em facturas de operadores de comunicações

Vizinhos de Alvalade

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos de Alvalade

anExplica

aprender e aprendendo

Subscrição Pública

Plataforma independente de participação cívica

Rede Vida

Just another WordPress.com weblog

Vizinhos do Areeiro

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos do Areeiro

MDP: Movimento pela Democratização dos Partidos Políticos

Movimento apartidário e transpartidário de reforma da democracia interna nos partidos políticos portugueses

Operadores Marítimo-Turísticos de Cascais

Actividade dos Operadores Marítimo Turísticos de Cascais

MaisLisboa

Núcleo MaisDemocracia.org na Área Metropolitana de Lisboa

THE UNIVERSAL LANGUAGE UNITES AND CREATES EQUALITY

A new world with universal laws to own and to govern all with a universal language, a common civilsation and e-democratic culture.

looking beyond borders

foreign policy and global economy

O Futuro é a Liberdade

Discussões sobre Software Livre e Sociedade

%d bloggers like this: