Comentário a Entrevista a Joam Evans Prim (Partido da Terra – Galiza)

Joam Evans Prim

Joam Evans Prim

” Esquerda ou direita?
Os dous formam parte da concepção parlamentar da política. Na visão assemblear da democracia direta somos as pessoas as que deliberamos e decidimos sobre cada questão em particular. A experiência vital ou a bagagem de ideias de cada pessoa podem fazer com que optemos por certas posturas e não por outras, mas a rigidez e a ortodoxia próprias da partitocracia carecem de sentido no contexto da assembleia, mesmo porque não são prescritivas em relação à imensa maioria dos problemas que poderiam surgir, por exemplo, num concelho aberto paroquial ou de bairro, onde, a longo prazo, é mais adequada a lógica de procurar o máximo consenso.”

– não temos dúvidas, também, de que a dicotomia clássica Esquerda-Direita está esgotada. E esgotou-se pela simples incapacidade de quando no poder, se afirmarem as verdadeiras diferença entre ambas as tendências e pela cristalização nos “extremos ingovernáveis” das alas mais radicais desse maniqueísmo partidário. Como Joam, não acreditamos que a renovação da Democracia se possa cumprir pela ascensão ao poder de um novo partido (de Esquerda ou Direita), mas pelo desenvolvimento de mecanismos de democracia direta e participativa, capaz de devolver aos cidadãos o mundo cívico e político e a eficácia da governação. A crise da democracia na Europa é, com efeito, a crise da democracia representativa e da partidocracia que sequestrou o sistema. E a sua resolução só pode passar pela dinamização da vida cívica, pela maior participação dos cidadãos na vida política e pela reaproximação entre os eleitos e os eleitores.

(…)
Mas um partido é o instrumento certo?
Com a abstenção apenas, mesmo que seja ativa, não conseguimos (por enquanto) deslegitimar a política profissional. Deslegitimar a “política” e os “políticos” profissionais é uma estratégia essencial para a recuperação da soberania e a nossa condição de pessoas políticas. O PT assume essa estratégia de deslegitimação como uma constante, uma “guerrilha política” (não violenta, é claro) se se quer ver assim. A criação de zonas autónomas com aspiração de permanência onde as fissuras do sistema o permitam, como assembleias paroquiais ou de bairro com a máxima soberania possível, não é utópico. Existindo a vontade é algo que pode ser feito em qualquer município, desprofissionalizando e “desestatalizando” de facto estas estruturas. Acho que o desejo das pessoas que estamos no PT é que este possa ser dissolvido no prazo mais breve possível, pois não há lugar para os partidos na democracia direta e todos temos, com certeza, outras paixões na vida.”

– a forma de “partido político” é de facto aquela que – à luz do quadro legal atual – melhor permite potenciar a intervenção social e política de um grupo de cidadãos. As formas de “associação” e de “movimento informal” têm as suas virtualidades, mas dadas as suas limitações legais tornam mais difícil a sua capacidade de intervenção e de fazer realmente a diferença. A prazo, contudo, e num momento fundacional, de elaboração de pensamentos e princípios, de implantação nacional e de experimentação de mecanismos de democracia participativa interna e de construção organizacional, estas formas intermédias podem ser as mais adequadas. E essa foi – por enquanto – a opção do +D. O Partido da Terra galego está já num outro patamar e as suas experimentações com assembleias populares ou de paroquia são atentamente seguidas em Portugal.

Fonte:
http://www.partidodaterra.net/peteiras/joam-evans/

Categories: Democracia Participativa, Galiza, maisdemocracia.org, Política Internacional, Política Nacional, Portugal | Deixe um comentário

Navegação de artigos

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Create a free website or blog at WordPress.com.

Eleitores de Portugal (Associação Cívica)

Associação dedicada à divulgação e promoção da participação eleitoral e política dos cidadãos

Vizinhos em Lisboa

A Vizinhos em Lisboa tem em vista a representação e defesa dos interesses dos moradores residentes nas áreas, freguesias, bairros do concelho de Lisboa nas áreas de planeamento, urbanismo, valorização do património edificado, mobilidade, equipamentos, bem-estar, educação, defesa do património, ambiente e qualidade de vida.

Vizinhos do Areeiro

Núcleo do Areeiro da associação Vizinhos em Lisboa: Movimento de Vizinhos de causas locais e cidadania activa

Vizinhos do Bairro de São Miguel

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos

TRAVÃO ao Alojamento Local

O Alojamento Local, o Uniplaces e a Gentrificação de Lisboa e Porto estão a destruir as cidades

Não aos Serviços de Valor Acrescentado nas Facturas de Comunicações !

Movimento informal de cidadãos contra os abusos dos SVA em facturas de operadores de comunicações

Vizinhos de Alvalade

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos de Alvalade

anExplica

PEDAÇOS DE SABER

Subscrição Pública

Plataforma independente de participação cívica

Rede Vida

Just another WordPress.com weblog

Vizinhos do Areeiro

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos do Areeiro

MDP: Movimento pela Democratização dos Partidos Políticos

Movimento apartidário e transpartidário de reforma da democracia interna nos partidos políticos portugueses

Operadores Marítimo-Turísticos de Cascais

Actividade dos Operadores Marítimo Turísticos de Cascais

MaisLisboa

Núcleo MaisDemocracia.org na Área Metropolitana de Lisboa

THE UNIVERSAL LANGUAGE UNITES AND CREATES EQUALITY

A new world with universal laws to own and to govern all with a universal language, a common civilsation and e-democratic culture.

looking beyond borders

foreign policy and global economy

<span>%d</span> bloggers like this: