Daily Archives: 2013/03/11

Vai avançar a exploração de gás na costa algarvia

“Este governo desbloqueou o processo de exploração de gás natural no mar, junto à costa algarvia, que estava parado desde o primeiro governo de José Sócrates. E foi há pouco mais de um mês que a portuguesa Galp se associou à canadiana Mohave para a exploração de petro e gás natural na zona de Aljubarrota. Só aqui o investimento ascende a 230 milhões de euros e serão criados 250 empregos diretos, a que se juntarão outros 1700 de forma indireta.”

Express 12 dezembro 2012

O problema está em que ter plataformas petrolíferas à vista das praias algarvias pode ter um impacto severo no turismo, um dos mais importantes recursos nacionais. Especialmente, se ocorrer algum desastre como aquele que ainda não há muito tempo destruiu a indústria turística de muitas zonas do sul dos EUA…

Mas dada a profundidade da crise em que estamos imersos, o risco terá que compensar. Resta esperar que exista gás em grandes quantidades e que o Governo da República saiba fiscalizar devidamente a segurança da exploração e garantir para Portugal contratos vantajosos (o passado não tem dado estas lições) e a geração de Emprego sustentável e de qualidade.

Anúncios
Categories: Economia, Portugal | Deixe um comentário

O Mundo da Ascensão

Depois de décadas de uma Globalização voraz e que se estendeu a praticamente todas as esferas do comportamento humano (cultura, língua, economia, finanças, economia, etc) estamos hoje na antecâmara de uma crise sistémica de proporções ainda hoje difíceis de avaliar. Com efeito, a “crise da dívida” vivida de forma especialmente aguda nos países do sul da europa, mas que se estende – com variações locais – a praticamente todos os países da OCDE, é apenas um epifenómeno: uma primeira fase de uma Crise global que não deixará nada como estava antes da sua erupção. Esta Crise resulta da confluência de vários fatores, que se intensificam mutuamente e que contribuem de forma cruzada e cúmplice para uma transformação civilizacional que talvez encontre paralelo apenas no momento em que se deu o colapso da estrutura mais perene da História europeia: o Império romano do século V d.C.

Como aquando da queda do Império Romano, este fenómeno de transição civilizacional não será rápido. Mesmo neste mundo imediatista e acelerado de hoje, o processo de declínio, crise e ascensão de um novo modelo civilizacional leva décadas a desenvolver-se. No final da Idade Clássica, Roma vegetou num lento declínio que demorou quase duzentos anos. Neste “tempo rápido” de hoje, propiciado pela tecnologia e pela ciência, o processo é mais célere: não é agora medido em “séculos”, mas em “décadas”. Mas estamos já bem imersos neste período de transição… entrando agora em força no período de Crise, após o qual (também com inédita rapidez) se seguirá o período de Ascensão. E que Ascensão será esta? Será a tomada do lugar cimeiro global enquanto poder de influência mundial da China e das outras ditas “potências emergentes”, Rússia, Índia e Brasil?

Não é essa a nossa convicção. A China é um gigante com muitos pés de barro: não é uma entidade nacional coesa, contém em si muitas forças centrífugas que apenas se mantêm agregadas no Estado chinês devido ao caráter autoritário, colonial, censório e violento do mesmo: nacionalismos arreigados (no Tibete e Xinjiang), acumulação de níveis de corrupção apenas suportáveis devido a uma censura férrea e global, um descontrolo ambiental e ecológico que potencia uma sucessão de catástrofes locais e globais que levarão ao descontentamento das massas contra os responsáveis corporativos e governamentais. A China de amanhã será pouco semelhante a esse gigante global, coeso e uniforme que hoje conhecemos: a ascensão da classe média, com acesso crescente à informação e cultura, aos modelos democráticos ocidentais e cada vez mais crítica de um regime corrupto, venial, autocrático e profundamente danoso para o ambiente, vai levar a um aumento da exigência de controlos democráticos e logo, ao colapso a curto prazo do regime comunista chinês. Sem a autocracia, o gigante não se conseguira manter unificado, e como sucedeu com a União Soviética na década de 1990 e assistiremos a uma divisão do Estado chinês numa multiplicidade de Estados, perdendo assim a China a capacidade para se afirmar como uma super-potencia global, una e coesa.

Dos restantes BRIC, não vemos também quem esteja em condições de assumir esse protagonismo global, roubando-o aos EUA ou mesmo a uma cada vez mais desunida Europa: a Rússia tem em mãos uma catástrofe demográfica de grandes proporções (especialmente no seu extremo oriente); a Índia padece de uma gigantesca massa populacional que vive em extrema pobreza de uma forma crónica e duradoura e é consumida por um gigantesco gasto em Defesa devido a uma tensão permanente com o seu vizinho nuclear paquistanês e com a sua própria população islâmica. O Brasil tem dado sinais encorajadores de robustez no seu sistema democrático e judicial, assim como na saída sustentada de largos milhões dos seus cidadãos da miséria mais extrema, mas continua tendo um grande problema educacional por resolver, forças armadas muito aquém das necessidades de uma potência de âmbito mundial e, sobretudo, padece de uma atitude diplomática provinciana e tacanha, sendo incapaz atualmente (e no futuro próximo) de influenciar decisivamente a condução dos destinos mundiais mais além do que as suas fronteiras nacionais imediatas.

Este mundo futuro, o do próximo período de Ascensão, não será tão simples como desenham alguns geoestrategas: não será uma deslocação simples de eixo do Atlântico (EUA-Europa) para um mundo centrado na China ou para um mundo multipolar (Rússia, China, Índia e Brasil), dadas as fragilidades e contradições acima listadas destas novas potencias. O mundo da Ascensão, será ainda mais complexo, imprevisível e disperso em centros de poder e influência que o antevisto pelos teóricos do multipolarismo: será um mundo onde o papel do Local, da Comunidade e do Cidadão será extrapolado até um patamar difícil hoje de vislumbrar com clareza, mas em que a tecnologia, o desenvolvimento das comunicações, das redes colaborativas e da ciência permitem hoje antecipar de uma forma mais ou menos clara: depois da ditadura Global imposta pelos Grandes Interesses financeiros e das megacorporações multinacionais, teremos um mundo Local, num movimento pendular que devolverá aos cidadãos uma parte da sua liberdade sequestrada por estes Grandes Interesses e pelo asfixiante processo da Globalização neoliberal em que hoje vivemos.

Neste mundo da Ascensão, as formas de Democracia Participativa serão comuns, fruto deste movimento pendular que transformou a Democracia Representativa num dócil e formal instrumento do poder dos Grandes Interesses. Neste mundo, a importância das grandes megapoles será menor, não só porque estas se tenderão a dividir em entidades administrativas menores (“small is beautiful”), mas porque o iminente colapso dos sistemas de distribuição de água, alimentos e energia colocara em questão a capacidades dos Estados para suportarem essas grandes cidades com milhões de habitantes. De facto, as grandes crises de produção de alimentos que se anteveem hoje, de esgotamento dos recursos aquíferos em muitos países do mundo e o próprio alcançamento do Pico Petrolífero levarão a um recuo demográfico global sem precedentes na História mundial, a um refluxo demográfico para o mundo rural e a uma dispersão das massas humanas por pequenas comunidades rurais economicamente mais sustentáveis, autónomas e menos interdependentes que as grandes moles urbanas da atualidade.

O futuro é Local. O mundo da Ascensão que se seguirá a esta fase de Crise que agora está apenas a começar é mais Local que Global, menos megaurbano, e mais rural, menos de escala e mais do cidadão. Não será necessariamente um mundo melhor, mas será necessariamente mais humano que a realidade alienada e desumana que hoje vivemos.

Categories: Política Internacional, Política Nacional | Deixe um comentário

Create a free website or blog at WordPress.com.

Eleitores de Portugal (Associação Cívica)

Associação dedicada à divulgação e promoção da participação eleitoral e política dos cidadãos

Vizinhos em Lisboa

A Vizinhos em Lisboa tem em vista a representação e defesa dos interesses dos moradores residentes nas áreas, freguesias, bairros do concelho de Lisboa nas áreas de planeamento, urbanismo, valorização do património edificado, mobilidade, equipamentos, bem-estar, educação, defesa do património, ambiente e qualidade de vida.

Vizinhos do Areeiro

Núcleo do Areeiro da associação Vizinhos em Lisboa: Movimento de Vizinhos de causas locais e cidadania activa

Vizinhos do Bairro de São Miguel

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos

TRAVÃO ao Alojamento Local

O Alojamento Local, o Uniplaces e a Gentrificação de Lisboa e Porto estão a destruir as cidades

Não aos Serviços de Valor Acrescentado nas Facturas de Comunicações !

Movimento informal de cidadãos contra os abusos dos SVA em facturas de operadores de comunicações

Vizinhos de Alvalade

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos de Alvalade

anExplica

aprender e aprendendo

Subscrição Pública

Plataforma independente de participação cívica

Rede Vida

Just another WordPress.com weblog

Vizinhos do Areeiro

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos do Areeiro

MDP: Movimento pela Democratização dos Partidos Políticos

Movimento apartidário e transpartidário de reforma da democracia interna nos partidos políticos portugueses

Operadores Marítimo-Turísticos de Cascais

Actividade dos Operadores Marítimo Turísticos de Cascais

MaisLisboa

Núcleo MaisDemocracia.org na Área Metropolitana de Lisboa

THE UNIVERSAL LANGUAGE UNITES AND CREATES EQUALITY

A new world with universal laws to own and to govern all with a universal language, a common civilsation and e-democratic culture.

looking beyond borders

foreign policy and global economy

O Futuro é a Liberdade

Discussões sobre Software Livre e Sociedade