Gastronomia Portuguesa: Parte integrante do património cultural português

Não há dúvidas de que o setor do Turismo é um dos maiores exportadores de capital portugueses, pelo afluxo que produz em divisas estrangeiras e pelas despesas realizadas por turistas estrangeiros na nossa economia. A importância do setor é muito elevada, oscilando (consoante os métodos e os anos) entre os 12 e os 18% do PIB. Componente essencial do setor, a restauração é aqui um elemento de importância estratégica e não de somenos importância numa economia onde nas últimas décadas, sucessivos governos fizeram gala em desmantelar o setor produtivo nacional em troca de subsídios a “fundo perdido”.

Ora um fator crucial de sucesso quer na cativação de turistas estrangeiros, quer no suporte de certos níveis de qualidade, é a gastronomia. A Registada enquanto Património Cultural nas instâncias internacionais devidamente capacitadas para tal. Este registo não foi um percurso sem escolhos, pela complexidade que decorre do registo de bens culturais… em 2000, por Resolução do Conselho de Ministros, a Gastronomia Portuguesa era reconhecida como “parte integrante do património cultural português”, publicada em Diário da República, uma nota explicativa acrescentava que “entendendo-se como necessária a intensificação das medidas de prevenção, valorização e divulgação do receituário tradicional português, assente, designadamente, em matérias-primas de fauna e flora utilizadas ao nível nacional, regional e local, bem como em produtos agro-alimentares produzidos em Portugal”.

De forma decorrente, criaram-se estruturas e comissões que começaram a inventariar esse património cultural, mas mudanças nos titulares das pastas ministeriais colocariam todo o processo (que visava a produção de uma base de dados do receituário nacional) congelado. Desde 2005, contudo, pouco mais se avançou nesta frente perdendo-se assim o impulso para um processo que poderia constituir-se como um pilar do aumento do peso do setor (exportador) do Turismo na recuperação da economia nacional.

Fonte Principal:
http://www.virgiliogomes.com/cronicas/280-gastronomia-patrimonio-cultural

Anúncios
Categories: Economia, Portugal | 1 Comentário

Navegação de artigos

One thought on “Gastronomia Portuguesa: Parte integrante do património cultural português

  1. Uma observação e uma pergunta:

    01) Não esquecer do setor vinícola, inportantíssimo no turismo

    02) A entrada para a UE fez com que Portugal desmantelasse setores produtivos/econômicos ? Por que e para que ?

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Site no WordPress.com.

Eleitores de Portugal (Associação Cívica)

Associação dedicada à divulgação e promoção da participação eleitoral e política dos cidadãos

Vizinhos em Lisboa

A Vizinhos em Lisboa tem em vista a representação e defesa dos interesses dos moradores residentes nas áreas, freguesias, bairros do concelho de Lisboa nas áreas de planeamento, urbanismo, valorização do património edificado, mobilidade, equipamentos, bem-estar, educação, defesa do património, ambiente e qualidade de vida.

Vizinhos do Areeiro

Núcleo do Areeiro da associação Vizinhos em Lisboa: Movimento de Vizinhos de causas locais e cidadania activa

Vizinhos do Bairro de São Miguel

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos

TRAVÃO ao Alojamento Local

O Alojamento Local, o Uniplaces e a Gentrificação de Lisboa e Porto estão a destruir as cidades

Não aos Serviços de Valor Acrescentado nas Facturas de Comunicações !

Movimento informal de cidadãos contra os abusos dos SVA em facturas de operadores de comunicações

Vizinhos de Alvalade

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos de Alvalade

anExplica

aprender e aprendendo

Subscrição Pública

Plataforma independente de participação cívica

Rede Vida

Just another WordPress.com weblog

Vizinhos do Areeiro

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos do Areeiro

MDP: Movimento pela Democratização dos Partidos Políticos

Movimento apartidário e transpartidário de reforma da democracia interna nos partidos políticos portugueses

Operadores Marítimo-Turísticos de Cascais

Actividade dos Operadores Marítimo Turísticos de Cascais

MaisLisboa

Núcleo MaisDemocracia.org na Área Metropolitana de Lisboa

THE UNIVERSAL LANGUAGE UNITES AND CREATES EQUALITY

A new world with universal laws to own and to govern all with a universal language, a common civilsation and e-democratic culture.

looking beyond borders

foreign policy and global economy

O Futuro é a Liberdade

Discussões sobre Software Livre e Sociedade

%d bloggers like this: