Levantar a bunda do sofá é preciso, mas isso não vai acontecer.

Já o disse, mas nunca na quantidade suficiente: se chegamos até ao ponto de quase morte de uma nação milenar isso não é da responsabilidade de uma classe política inepta ou de uma elite social, económica e inteletual irresponsável, corrupta e arrogante. Isso deve-se fundamentalmente à responsabilidade dos cidadãos – anónimos – de Portugal.

Foram estes cidadãos que num silencio ou passividade cronicas levaram Portugal ao ponto de quase-morte. Os mesmos cidadãos que “não têm tempo” para pensar, para levantarem os seus gordos rabos dos sofás e irem votar, participar na vida associativa e cívica das suas associações e comunidades locais, inscreverem-se em partidos e muda-los por dentro e que preferem gastar quatro ou cinco horas a falar inconsequentemente de política nos seus locais de trabalho. São estes cidadãos que nunca estão disponíveis para nada, porque “não têm tempo”, mas que depois deixam provas nos seus murais de facebook de que afinal têm tempo, e de sobra, para publicarem correntes e mais correntes e infindas fotografias de gatos ou outras vacuidades copiadas a terceiros.

Chegamos à beira do fim por culpa desta atual de portugueses. De portugueses jovens que julgando-se a “geração mais preparada” de sempre, do alto dos seus inúteis canudos de mestrados em marketing social ou doutoramentos em engenharia de golfe ou em artes interpretativas, exigem “emprego”, recusam sair de casa dos pais antes dos cinquenta e têm uma aversão doentia ao risco e imaginação zero. De portugueses lentos, medrosos e anafados que tudo fazem para eleger a comida e intermináveis narrações das suas aventuras em restaurantes como o ponto focal de todos os encontros sociais, ad nausea. De reformados dourados que passeiam os seus rabos gordos e enrugados pelas mesas dos cafés e restaurantes das avenidas novas, sugando a sua generosa parcela dos descontos ao trabalho a que “têm direito” devido às suas carreiras contributivas (tantas vezes obtidas de forma obscura) ou a generosas reformas antecipadas aos 55 anos.

Não culpem os políticos: culpem esta geração que hoje vive, de todas as idades, pelo ponto onde chegamos. Foram eles que deixaram as elites em roda viva e se demitiu das suas responsabilidades e deveres perante todo um milenar rol de gerações passadas.

Anúncios
Categories: Portugal | 5 comentários

Navegação de artigos

5 thoughts on “Levantar a bunda do sofá é preciso, mas isso não vai acontecer.

  1. josé

    alix07 (seguir utilizador), 2 pontos , ontem às 16:04
    Primeiro foi a industria , a agricultura , as pescas no tempo de Cavaco , com os grandes capitalistas nacionais a refugiarem-se debaixo da teta do estado , no sector dos bens transaccionaveis e dos serviços para fugirem à concorrência de mercado aberta com a nossa adesão à CEE.

    Agora que esse modelo se tornou insustentavel e que foi o motor do nosso grande endividamento , esses grandes capitalistas querem dar um novo salto e fugir desses sectores responsaveis pelo endividamento e que estão presos na armadilha da divida , o dos bens não transaccionaveis e o dos serviços , para um novo sector que eles pensam que estarão definitivamente protegidos.

    O sector das funções sociais do estado que querem-se apoderar , a educação , a saúde , a segurança social , que como no caso anterior dos bens não transaccionaveis e dos serviços , lhes darão lucros chorudos e certos , já que toda a gente precisa de educação , saúde e de segurança social.

    Só que se esquecem de uma coisa , revelando só vistas curtas , é que para sustentar esse sistema seria preciso uma classe media forte , e a nossa está a ser esmifrada com tendencia para desaparecer com estas politicas destruídoras da economia e tambem com a emigração dos mais novos , com o fraco poder de compra que esteve na base da inviabilização do anterior modelo e do recurso ao endividamento , tambem inviabilizará este , só que com uma consequência nefasta , o caos social que isso trará.

  2. Pelos vistos acontece a todos onde o capitalismo resolve actuar! Não me diga que vai culpar os cidadãos da ex URSS pela sua queda, não me diga que vai culpar os líbios ou egípcios. ou até a América do Sul. Antes de passarem destroem as bases da sociedade e depois actuam e não se esqueça, dos pactos de Soares e de Cavaco com a CIA no tempo de Reagan!… naqueles verdes anos em que estiveram no poder. Traidores, estes tipos traíram-nos. Aliás, não somos mais que os outros desgraçados onde o capitalismo actua. Isto foi preparado com muita antecedência e a CEE mais o seu euro, foram a armadilha das feras para nos aprisionarem. Pergunto: quem são os responsáveis pela completa deterioração do pilar base de um povo, a educação?!

    Um beijo Clavis

    • Os portugueses. Os abstencionistas, os demissionarios, os que tem Medo para sairem a rua e se organizarem.
      Os portugueses “criaram” a classe politica e deixaram-se enganar numa era em que a informacao é tudo menos rara.
      Basta querer saber e eles (nós) nao quiseram.

  3. Fenix

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Site no WordPress.com.

Eleitores de Portugal (Associação Cívica)

Associação dedicada à divulgação e promoção da participação eleitoral e política dos cidadãos

Vizinhos em Lisboa

A Vizinhos em Lisboa tem em vista a representação e defesa dos interesses dos moradores residentes nas áreas, freguesias, bairros do concelho de Lisboa nas áreas de planeamento, urbanismo, valorização do património edificado, mobilidade, equipamentos, bem-estar, educação, defesa do património, ambiente e qualidade de vida.

Vizinhos do Areeiro

Núcleo do Areeiro da associação Vizinhos em Lisboa: Movimento de Vizinhos de causas locais e cidadania activa

Vizinhos do Bairro de São Miguel

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos

TRAVÃO ao Alojamento Local

O Alojamento Local, o Uniplaces e a Gentrificação de Lisboa e Porto estão a destruir as cidades

Não aos Serviços de Valor Acrescentado nas Facturas de Comunicações !

Movimento informal de cidadãos contra os abusos dos SVA em facturas de operadores de comunicações

Vizinhos de Alvalade

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos de Alvalade

anExplica

aprender e aprendendo

Subscrição Pública

Plataforma independente de participação cívica

Rede Vida

Just another WordPress.com weblog

Vizinhos do Areeiro

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos do Areeiro

MDP: Movimento pela Democratização dos Partidos Políticos

Movimento apartidário e transpartidário de reforma da democracia interna nos partidos políticos portugueses

Operadores Marítimo-Turísticos de Cascais

Actividade dos Operadores Marítimo Turísticos de Cascais

MaisLisboa

Núcleo MaisDemocracia.org na Área Metropolitana de Lisboa

THE UNIVERSAL LANGUAGE UNITES AND CREATES EQUALITY

A new world with universal laws to own and to govern all with a universal language, a common civilsation and e-democratic culture.

looking beyond borders

foreign policy and global economy

O Futuro é a Liberdade

Discussões sobre Software Livre e Sociedade

%d bloggers like this: