Sobre a Obsolescência Generalizada dos meios de patrulha da Armada e o cancelamento de seis dos oito NPO2000

Fragata Bartolomeu Dias (http://www.areamilitar.net)

Fragata Bartolomeu Dias (http://www.areamilitar.net)

Portugal está prestes a ver reconhecido o alargamento da sua área de jurisdição no Atlântico, resulta assim irónico e paradigmático que seja precisamente agora que o Governo tenha anunciado o congelamento dos programas de re-equipamento da Armada que eram essenciais ao cumprimento das suas missões.

A desculpa é – como sempre – a questão financeira e a solução “temporária” parece ser o “aproveitamento de sinergias com entidades internacionais (NATO?) E outros países (Espanha?)”.

Comparativamente com os outros ramos, e apesar das duas fragatas Bartolomeu Dias e das três Vasco da Gama, a Marinha tem meios de patrulha muito abaixo (em quantidade, capacidade e modernidade) àquilo que corresponde a exigência imposta pela extensão da zona marítima nacional: o recente cancelamento da construção de seis dois oito navios de patrulha oceânica que deviam tomar os lugar dos mais obsoletos patrulhas e corvetas da Armada vem agravar este desequilibro entre o Deve e o Haver.

Estamos em vésperas de alargar a Plataforma Continental dos atuais 1,7 milhões de quilómetros quadrados para os 3,8 milhões de quilómetros quadrados e tenha-se em conta que mesmo com “só” 1.7 milhões já tínhamos a 11 maior região marítima de águas jurisdicionais! Sem patrulhas nem corvetas dignas desse nome, como assumir a responsabilidade por uma região por onde passa 53% de todo o comércio externo da União Europeia? E não, usar as cinco fragatas e os dois submarinos não é opção: simplesmente não são meios economicamente eficazes para essas missões de patrulhamento e vigilância. Nem são em quantidade suficiente para tais missões numa área jurisdicional tão extensa, de resto.

Fonte:
http://www.publico.pt/Pol%EDtica/serie-mar-portugues-tanto-mar-para-tao-pouca-marinha-1566092

Categories: DefenseNewsPt, Defesa Nacional, Política Nacional, Portugal | 4 comentários

Navegação de artigos

4 thoughts on “Sobre a Obsolescência Generalizada dos meios de patrulha da Armada e o cancelamento de seis dos oito NPO2000

  1. HSMW

    Mas à missão de patrulhamento devemos somar as capacidades da Força Aérea, com 5 P-3C e também C-295 Persuader.

    Utilizar 5 navios de guerra e dois submarinos para policiamento marítimo parece-me desadequado.
    Comparo essa situação a utilizar um carro de combate para policiamento de Lisboa.

    Mas realmente é o que há mas porque permitiram que assim fosse
    Por razões politicas.

    • É verdade: boa comparacao: e não sei qual será a escala de custos entre usar patrulhas e essas fragatas e submarinos mas apos que anda nas bandas do um para dez…

  2. Pedro

    O patrulhamento dessa tamanha área marítima deve ter três vertentes simultâneas, satélite e aérea para sinalização e depois a marinha para intersecção, creio que seria mais barato a Portugal investir num satélite e mandá-lo para o espaço através dos russos do que comprar aviões com especifidade para tal por exemplo, aliás nem sei o que andará a fazer o tal satélite que mandamos para lá talvez já tenha colidido com lixo cósmico ou então os chineses já trataram de o desativar à distância :).
    A fase importante deste processo de fiscalização de uma área tão grande é realmente a sinalização e saber exactamente quantas são as embarcações que estão nas nossas águas e sua proveniência, que tipo de carga transportam, etc, e depois sim ter navios de pratulha oceânica rápidos.
    Na questão do espaço aéreo o caso já muda de figura porque para uma área tão grande teremos forçosamente que ter na Madeira e Açores bases aéreas para se cruzar as três autonomias de voo insulares e continentais, pois qualquer avião que sai de Montereal ou Montijo o mais que pode ir é até meio dessa área e voltar isto falando de caças de intersecção ar-ar.

    • O nosso posat nao tinha capacidades de vigilancia e era apenas capaz de realizar comunicacoes de radio… alem de que ja deve estar desativado à muito.
      Mas compreendo o conceito e é o razoável, mas dado o aperto e a urgencia do momento nacional está fora de questao lancar um tal satelite.
      Se a UE funcionasse esse satelite, alias, seria parte de uma rede europeia, partilhada e mantida por varios paises no ambito da ESA. Se funcionasse.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Create a free website or blog at WordPress.com.

Eleitores de Portugal (Associação Cívica)

Associação dedicada à divulgação e promoção da participação eleitoral e política dos cidadãos

Vizinhos em Lisboa

A Vizinhos em Lisboa tem em vista a representação e defesa dos interesses dos moradores residentes nas áreas, freguesias, bairros do concelho de Lisboa nas áreas de planeamento, urbanismo, valorização do património edificado, mobilidade, equipamentos, bem-estar, educação, defesa do património, ambiente e qualidade de vida.

Vizinhos do Areeiro

Núcleo do Areeiro da associação Vizinhos em Lisboa: Movimento de Vizinhos de causas locais e cidadania activa

Vizinhos do Bairro de São Miguel

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos

TRAVÃO ao Alojamento Local

O Alojamento Local, o Uniplaces e a Gentrificação de Lisboa e Porto estão a destruir as cidades

Não aos Serviços de Valor Acrescentado nas Facturas de Comunicações !

Movimento informal de cidadãos contra os abusos dos SVA em facturas de operadores de comunicações

Vizinhos de Alvalade

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos de Alvalade

anExplica

PEDAÇOS DE SABER

Subscrição Pública

Plataforma independente de participação cívica

Rede Vida

Just another WordPress.com weblog

Vizinhos do Areeiro

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos do Areeiro

MDP: Movimento pela Democratização dos Partidos Políticos

Movimento apartidário e transpartidário de reforma da democracia interna nos partidos políticos portugueses

Operadores Marítimo-Turísticos de Cascais

Actividade dos Operadores Marítimo Turísticos de Cascais

MaisLisboa

Núcleo MaisDemocracia.org na Área Metropolitana de Lisboa

THE UNIVERSAL LANGUAGE UNITES AND CREATES EQUALITY

A new world with universal laws to own and to govern all with a universal language, a common civilsation and e-democratic culture.

looking beyond borders

foreign policy and global economy

<span>%d</span> bloggers like this: