Da crise de representatividade dos partidos políticos portugueses

Os partidos políticos portugueses atravessam hoje uma grave crise de representatividade junto dos cidadãos da República. Não havendo (como nos EUA) eleições primárias abertas a não-militantes, isso significa que os putativos candidatos a Primeiro-Ministro, que são sempre os Secretário-geral são eleitos por uma massa de vinte mil (PS) ou de apenas quarenta mil (PSD) militantes. Dado o fechamento interno destas eleições, isso significa que um Primeiro-Ministro pode ascender à função apenas por ter sido escolhido para tal por pouco menos de vinte mil portugueses e descartando assim todos os demais milhões que não estão filiados em nenhum partido. Abrir assim – por sistema e com sustentação legal – estas primárias seria uma forma de estimular o dinamismo da sociedade civil e de potenciar o tipo de cidadania ativa que Portugal merece.

Contudo, não são apenas os partidos que se devem regenerar (por exemplo abrindo as primárias aos não-militantes) são também os cidadãos que devem sair da sua atitude passiva e acorrerem em massa aos partidos com quem melhor se identificam procurando regenera-los por dentro e influindo diretamente na sua conduta.

Anúncios
Categories: Política Nacional, Portugal, Sociedade Civil | 7 comentários

Navegação de artigos

7 thoughts on “Da crise de representatividade dos partidos políticos portugueses

  1. o mesmo fenomeno se faz presente deste lado do atlantico

    • Em todo o lado: a crise da democracia é global, assim como a sua tomada de assalto (silenciosa e com a ccumplicidade dos media) pelos grandes interesses economicos e financeiros.

      • eu imagino os efeito nocivos que tal crise venha a causar em 20 ou trinta anos para as sociedades democráticas em geral

        • Se nada mudar, a tendência num período de tempo desses é que a democracia nao passe de uma formalidade aparente e que o Poder esteja totalmente nas maos das grandes multinacionais e das gigantescas fortunas que estão por detras delas: uma plutocracia em suma, severamente guardada por grandes exercitos de mercenarios.

  2. Thor

    Às vezes chego a pensar que a democracia está ameaçada. 😦 O que acontece é preocupante.

    • Ainda vamos a tempo de mudar a tendência… mas para isso teriam que existir baixos niveis de abstencionismo e altos indices de participacao civica, associativa e partidaria. E nao vemos isso em lado nehum, exceto talvez nos paises nordicos.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Create a free website or blog at WordPress.com.

Eleitores de Portugal (Associação Cívica)

Associação dedicada à divulgação e promoção da participação eleitoral e política dos cidadãos

Vizinhos em Lisboa

A Vizinhos em Lisboa tem em vista a representação e defesa dos interesses dos moradores residentes nas áreas, freguesias, bairros do concelho de Lisboa nas áreas de planeamento, urbanismo, valorização do património edificado, mobilidade, equipamentos, bem-estar, educação, defesa do património, ambiente e qualidade de vida.

Vizinhos do Areeiro

Núcleo do Areeiro da associação Vizinhos em Lisboa: Movimento de Vizinhos de causas locais e cidadania activa

Vizinhos do Bairro de São Miguel

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos

TRAVÃO ao Alojamento Local

O Alojamento Local, o Uniplaces e a Gentrificação de Lisboa e Porto estão a destruir as cidades

Não aos Serviços de Valor Acrescentado nas Facturas de Comunicações !

Movimento informal de cidadãos contra os abusos dos SVA em facturas de operadores de comunicações

Vizinhos de Alvalade

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos de Alvalade

anExplica

aprender e aprendendo

Subscrição Pública

Plataforma independente de participação cívica

Rede Vida

Just another WordPress.com weblog

Vizinhos do Areeiro

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos do Areeiro

MDP: Movimento pela Democratização dos Partidos Políticos

Movimento apartidário e transpartidário de reforma da democracia interna nos partidos políticos portugueses

Operadores Marítimo-Turísticos de Cascais

Actividade dos Operadores Marítimo Turísticos de Cascais

MaisLisboa

Núcleo MaisDemocracia.org na Área Metropolitana de Lisboa

THE UNIVERSAL LANGUAGE UNITES AND CREATES EQUALITY

A new world with universal laws to own and to govern all with a universal language, a common civilsation and e-democratic culture.

looking beyond borders

foreign policy and global economy

O Futuro é a Liberdade

Discussões sobre Software Livre e Sociedade

%d bloggers like this: