Contra as Feiras do Livro “Selvagens”

Um dos espaços culturais mais importantes para qualquer sociedade desenvolvida e socialmente dinâmica são as livrarias independentes. E sublinho aqui bem, e forma veemente, o “independentes”: aquelas livrarias de que existem hoje em Portugal apenas quatro de boa dimensão (sendo a Barata uma delas): livrarias que resistem à voracidade fiscal e ao egoísmo desmedido dos banqueiros e ao império opressivo e bovinizante das “grandes superfícies”.

Pressionadas pelo consumismo imediatista, comercialeiro e simplista da lógica dos “best sellers” imposto pelos grandes Supermercados, com as suas lógicas de “dumping”, as livrarias resistentes continuam a oferecer um leque de obras, autores e editoras que não sendo comercialeiras, são culturalmente muito relevantes. Sem estas livrarias independentes não haverá Cultura, apenas Venda. Nada de novos autores, ensaios políticos, literários, filosóficos, históricos ou científicos. Apenas o último Harry Potter, o “novo” Dan Brown ou qualquer outro modismo de última hora. O deserto cultural decorrente de um país em que todos os livros se vendem nas grandes superfícies será ensurdecedor… e é para aí que caminhamos, a passo ainda mais acelerado, hoje, devido à erupção de um novo fenómeno: o das “Feiras do Livro” itinerantes. Ou melhor, falsamente itinerantes, já que cada vez têm estruturas mais permanentes, montando com estruturas de aço tendas em locais nobres das maiores cidades portuguesas, em flagrante e desleal concorrência (só funcionam durante alguns meses do ano e todos os empregos que geram são sempre precários). Enquanto as livrarias convencionais – que resistem à voragem das Grandes Superfícies – pagam impostos e dão emprego durante todo o ano, as “feiras do livro” aparecem e desaparecem apenas durante alguns meses do ano, com baixos custos operacionais (instalações e rendas). Como as Grandes Superfícies, também as “feiras do livro” apresentam ao público apenas segmentos muito específicos do mercado, concentrando-se nas edições menos vendidas (os chamados “monos”), como elas, saturam o mercado com livros a baixos preços e erodem o mercado…

Urge regular o mercado de “feiras do livros” por forma a proteger (sem pudores) as livrarias tradicionais, importantes e insubstituíveis espaços de cultura e únicas janelas de comercialização para jovens autores e editoras que não conseguem penetrar noutro tipo de espaços comerciais.

Anúncios
Categories: Educação, Política Nacional, Portugal | Deixe um comentário

Navegação de artigos

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Create a free website or blog at WordPress.com.

Eleitores de Portugal (Associação Cívica)

Associação dedicada à divulgação e promoção da participação eleitoral e política dos cidadãos

Vizinhos em Lisboa

A Vizinhos em Lisboa tem em vista a representação e defesa dos interesses dos moradores residentes nas áreas, freguesias, bairros do concelho de Lisboa nas áreas de planeamento, urbanismo, valorização do património edificado, mobilidade, equipamentos, bem-estar, educação, defesa do património, ambiente e qualidade de vida.

Vizinhos do Areeiro

Núcleo do Areeiro da associação Vizinhos em Lisboa: Movimento de Vizinhos de causas locais e cidadania activa

Vizinhos do Bairro de São Miguel

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos

TRAVÃO ao Alojamento Local

O Alojamento Local, o Uniplaces e a Gentrificação de Lisboa e Porto estão a destruir as cidades

Não aos Serviços de Valor Acrescentado nas Facturas de Comunicações !

Movimento informal de cidadãos contra os abusos dos SVA em facturas de operadores de comunicações

Vizinhos de Alvalade

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos de Alvalade

anExplica

aprender e aprendendo

Subscrição Pública

Plataforma independente de participação cívica

Rede Vida

Just another WordPress.com weblog

Vizinhos do Areeiro

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos do Areeiro

MDP: Movimento pela Democratização dos Partidos Políticos

Movimento apartidário e transpartidário de reforma da democracia interna nos partidos políticos portugueses

Operadores Marítimo-Turísticos de Cascais

Actividade dos Operadores Marítimo Turísticos de Cascais

MaisLisboa

Núcleo MaisDemocracia.org na Área Metropolitana de Lisboa

THE UNIVERSAL LANGUAGE UNITES AND CREATES EQUALITY

A new world with universal laws to own and to govern all with a universal language, a common civilsation and e-democratic culture.

looking beyond borders

foreign policy and global economy

O Futuro é a Liberdade

Discussões sobre Software Livre e Sociedade

%d bloggers like this: