Correlação entre o aumento do PIB em resultado da exploração dos seus recursos naturais e os testes PISA

“Foi publicado um estudo da OCDE que mede a correlação entre a performance dos testes PISA e o aumento do PIB em resultado da exploração dos seus recursos naturais.
O resultado é absolutamente revelador,  pois,  de acordo com este estudo,  “verifica-se que existe uma relação significativa negativa entre as riquezas naturais extraídas e as competências e conhecimentos adquiridos nas escolas” – Dito de outra forma,  quanto maior é a extração de recursos naturais,  mais baixos são os níveis de conhecimentos adquiridos nas escolas.  Neste sentido,  também Israel (como Taiwan) constitui um paradigma,  dado que,  apesar de ser um país pobre em recursos naturais,  tem uma das mais inovadoras economias do mundo e a sua população goza de padrões de vida muito superiores aos dos seus vizinhos ricos em petróleo. Os altos resultados do PISA em Singapura,  Finlândia, Coreia do Sul, Japão e Hong Kong e os baixos resultados do PISA em testes no Qatar,  Cazaquistão,  Arábia Saudita,  Kuwait e Omã provam que os livros são bastantes mais profícuos que os recursos naturais no desenvolvimento das nações.
Por conseguinte,  é na aposta de um ensino exigente e de qualidade,  com professores fortemente motivados,  que está a resposta à saída da crise do nosso país. Por isso,  causa estupefação os cortes radicais e incompreensíveis,  de alguns anos a esta parte,  no ensino,  e,  especial nas universidades.
(…)
Acresce que a minha perplexidade não tem limites quando membros do executivo aconselham os nossos filhos,  jovens talentosos,  muitos deles altamente qualificados,  que constitui,  a verdadeira riqueza deste país, a emigrarem,  agravando o desequilíbrio demográfico e aumentando a pressão sobre o sistema de segurança social. “

Domingos Ferreira
Publico 28 de março de 2012

Desde logo,  ressalta aqui a ausência de Portugal de uma lista onde – pela escassez de recursos naturais – devia constar e,  especial destaque… com efeito, poucos países de média escala do globo se encontram menos providos de riquezas naturais que Portugal… e contudo,  algo no nosso sistema educativo se encontra tão quebrado e disfuncional que impede que os nossos estudantes obtenham melhores resultados.

O problema que nos repele dos lugares cimeiros dos testes PISA é conhecido e está bem identificado: não é a falta de recursos (a despesa por aluno é superior à alemã, assim como o quadro remuneratório), mas a sua utilização. Em particular,  não existe no sistema público de ensino nacional uma meritocracia aplicada nas duas vertentes principais da educação: os alunos e os professores.

Décadas de teorias educativas facilitistas aumentaram a posição estatística o país em algumas tabelas comparativas,  mas nada fizeram para melhorar realmente a qualidade do ensino e as competências e capacitações dos nossos alunos.  O sistema não tem simplesmente mecanismos de prémio de mérito: não existem prémios pecuniários ou em materiais de estudo nem para os melhores alunos,  nem para as suas famílias. Sobretudo,  não existem estímulos ao esforços, capacidades e méritos dos melhores professores. Em particular,  o seu vencimento não está suficientemente ligado ao rendimento escolar dos seus alunos (medido em testes independentes) para estimular os piores e premiar os melhores.

Categories: Educação, Política Internacional, Portugal, Sociedade, Sociedade Portuguesa | Deixe um comentário

Navegação de artigos

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Create a free website or blog at WordPress.com.

Eleitores de Portugal (Associação Cívica)

Associação dedicada à divulgação e promoção da participação eleitoral e política dos cidadãos

Vizinhos em Lisboa

A Vizinhos em Lisboa tem em vista a representação e defesa dos interesses dos moradores residentes nas áreas, freguesias, bairros do concelho de Lisboa nas áreas de planeamento, urbanismo, valorização do património edificado, mobilidade, equipamentos, bem-estar, educação, defesa do património, ambiente e qualidade de vida.

Vizinhos do Areeiro

Núcleo do Areeiro da associação Vizinhos em Lisboa: Movimento de Vizinhos de causas locais e cidadania activa

Vizinhos do Bairro de São Miguel

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos

TRAVÃO ao Alojamento Local

O Alojamento Local, o Uniplaces e a Gentrificação de Lisboa e Porto estão a destruir as cidades

Não aos Serviços de Valor Acrescentado nas Facturas de Comunicações !

Movimento informal de cidadãos contra os abusos dos SVA em facturas de operadores de comunicações

Vizinhos de Alvalade

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos de Alvalade

anExplica

aprender e aprendendo

Subscrição Pública

Plataforma independente de participação cívica

Rede Vida

Just another WordPress.com weblog

Vizinhos do Areeiro

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos do Areeiro

MDP: Movimento pela Democratização dos Partidos Políticos

Movimento apartidário e transpartidário de reforma da democracia interna nos partidos políticos portugueses

Operadores Marítimo-Turísticos de Cascais

Actividade dos Operadores Marítimo Turísticos de Cascais

MaisLisboa

Núcleo MaisDemocracia.org na Área Metropolitana de Lisboa

THE UNIVERSAL LANGUAGE UNITES AND CREATES EQUALITY

A new world with universal laws to own and to govern all with a universal language, a common civilsation and e-democratic culture.

looking beyond borders

foreign policy and global economy

O Futuro é a Liberdade

Discussões sobre Software Livre e Sociedade

%d bloggers like this: