Daily Archives: 2012/06/17

“Misturadas a necessidade dos mais afetados pela crise e a ganância da natureza humana, parecia ter sido uma armadilha para mostrar o lado pior de cada um de nós”

“A promoção do Pingo Doce de um de maio não foi uma corrida aos saldos para comprar fatos ou vestidos fora de moda (…) da forma e na data em que foi montada colocou multidões a disputar caixas de ovos, pacotes de leite, carne, peixe e uma ou outra garrafa de vinho bom ou uísque de marca. Misturadas a necessidade dos mais afetados pela crise e a ganância da natureza humana, parecia ter sido uma armadilha para mostrar o lado pior de cada um de nós. Isto tem uma distância enorme, mas também muito curta para uma cena na África da morte quando uma multidão esfomeada se lança um saco de arroz. (…) gostaria de saber junto de todos os envolvidos o seguinte: é mesmo este o país que querem? Um país onde as pessoas passam a ir para as compras como quem vai para um campo de batalha? Um país de miséria humana?”

Pedro Tadeu
Diário de Notícias, 8 de maio de 2012

Com efeito, o dia um de maio demonstrou que a linha entre a barbárie e a civilização é muito mais fina do que julga, especialmente em momentos de crise económica, social e moral, como aqueles que hoje atravessamos. Nos últimos meses Portugal e os portugueses conheceram um decréscimo sensível dos seus padrões e níveis de vida: financeiros e morais: o rendimento disponível caiu de forma brutal, pela via do aumento ávido da carga fiscal e da pura e dura redução de salários (pela via dos despedimentos ou da supressão de subsídios). Mas mais que este empobrecimento individual e familiar, pesou coletivamente uma dissolução moral profunda: hoje o país está moralmente doente.

Os corruptos foram sistematicamente ilibados de todas as acusações que sob eles pendiam: Isaltinos e Felgueiras saíram dos tribunais rindo e cantando sendo eleitos e reeleitos por um povo boçal que acredita que “eles” quando roubam mas fazem roubam sempre aos “outros” mas nunca a ele próprio. De permeio, corruptos lograram nem sequer serem incomodados pelos tribunais (Sócrates pelo Freeport) ou, pior, serem ilibados e ainda se deram ao luxo de processar os que se atreveram a expor a sua corrupção (Domingos Névoa contra Sá Fernandes).

Num país moralmente doente, fenómenos como a corrida louca às prateleiras cuidadosamente planeada e executada pelo Pingo Doce é normal. Além do mais, cumpre um objetivo: prova às elites e ao próprio povo que se deixa assim manipular de forma tão boçal e primária que a massa maior da população continua a ser ígnara e facilmente manipulável e que o seu poder imperial sobre a sociedade não pode ser ainda (nem nunca) desafiado

Anúncios
Categories: Economia, Política Nacional, Portugal | 2 comentários

Dalila Pereira da Costa: A Rússia e a teoria da tripolaridade da Europa

Dalilda Pereira da Costa (novaaguia.blogspot.com)

Dalilda Pereira da Costa (novaaguia.blogspot.com)

“Na Europa, só um outro seu país, e justamente na sua outra extremidade, a oriental – assim, como criados em polos opostos de simetria equilibrada – a Rússia, deterá tal vontade e poder de messianismo. E de valorização última, sagrada, da história: como justificadora e salvadora.”

Dalila Pereira da Costa
A Nau e o Graal

A Europa não o sabe. Mas ela é de facto uma entidade oscilante que cintila entre um equilíbrio tripolar: Rússia, Portugal e Grécia. Ao contrario do que creem os eurocratas de Bruxelas ou os Neoimperialistas de Berlim o “centro” da Europa não reside nem em Berlim, nem em Paris nem (muito menos) na parasitária e ridícula Bruxelas. O “centro” da Europa são os seus tripolos. É deles que emana a energia que dinamizou o continente que deu ao mundo realizações tão notáveis como a democracia, a ciência ou os direitos humanos.

O centro europeu oscila ora na direção de Portugal e então a Europa é mundialista, vira-se para o exterior e abre-se ao Outro. Quando o centro oscila na direção da Grécia, a Europa é racional, criativa e democrática. Quando oscila para a Rússia, é imperial, “romana”, continental, sonhadora e ambiciosa.

A Europa não é o seu centro. É a sua periferia.

Categories: Europa e União Europeia, Política Nacional, Portugal | 18 comentários

Site no WordPress.com.

Eleitores de Portugal (Associação Cívica)

Associação dedicada à divulgação e promoção da participação eleitoral e política dos cidadãos

Vizinhos em Lisboa

A Vizinhos em Lisboa tem em vista a representação e defesa dos interesses dos moradores residentes nas áreas, freguesias, bairros do concelho de Lisboa nas áreas de planeamento, urbanismo, valorização do património edificado, mobilidade, equipamentos, bem-estar, educação, defesa do património, ambiente e qualidade de vida.

Vizinhos do Areeiro

Núcleo do Areeiro da associação Vizinhos em Lisboa: Movimento de Vizinhos de causas locais e cidadania activa

Vizinhos do Bairro de São Miguel

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos

TRAVÃO ao Alojamento Local

O Alojamento Local, o Uniplaces e a Gentrificação de Lisboa e Porto estão a destruir as cidades

Não aos Serviços de Valor Acrescentado nas Facturas de Comunicações !

Movimento informal de cidadãos contra os abusos dos SVA em facturas de operadores de comunicações

Vizinhos de Alvalade

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos de Alvalade

anExplica

aprender e aprendendo

Subscrição Pública

Plataforma independente de participação cívica

Rede Vida

Just another WordPress.com weblog

Vizinhos do Areeiro

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos do Areeiro

MDP: Movimento pela Democratização dos Partidos Políticos

Movimento apartidário e transpartidário de reforma da democracia interna nos partidos políticos portugueses

Operadores Marítimo-Turísticos de Cascais

Actividade dos Operadores Marítimo Turísticos de Cascais

MaisLisboa

Núcleo MaisDemocracia.org na Área Metropolitana de Lisboa

THE UNIVERSAL LANGUAGE UNITES AND CREATES EQUALITY

A new world with universal laws to own and to govern all with a universal language, a common civilsation and e-democratic culture.

looking beyond borders

foreign policy and global economy

O Futuro é a Liberdade

Discussões sobre Software Livre e Sociedade