Três Propostas para um Salto Quântico da Democracia Portuguesa

1. Propor a utilização do voto eletrónico a partir do cartão de cidadão com o devido leitor como forma de participar em sufrágios e referendos nacionais e municipais a partir de casa. Sendo a população portuguesa das mais ligadas à Internet da Europa e havendo já hoje a obrigação de entrega das declarações fiscais pela Internet, a Democracia Eletrónica poderia funcionar como uma forma de combater os crescentes índices de abstencionismo que se registam em Portugal, eleição após eleição, numa espiral crescente e potencialmente explosiva a prazo.

2. Revisão do quadro dos poderes e competências presidenciais: Depois das ultimas revisões constitucionais as competências do Presidente da Republica foram reduzidas a pouco mais que um conjunto de formalidades. Além da conhecida “Bomba Atómica” (a dissolução da Assembleia da República) nada mais resta à mais alta figura do Estado, eleita uninominalmente pela maioria dos cidadãos. Tal esvaziamento funcional desprestigia a função, corrói a credibilidade da democracia e anula a missão de equilíbrio e monitorização que a Presidência devia assumir.
Devem ser re-equacionadas as funções presidenciais: ou o Presidente da Republica passa a ser eleito indiretamente pelo parlamento (como acontece, por exemplo, em Itália) ou se reforçam os poderes presidenciais.

3. Consulta Pública:
A. Todas os projetos de Lei devem incluir obrigatoriamente um período de Consulta Publica com uma duração nunca inferior a sete dias úteis.
B. Os períodos de consulta pública consistirão no recebimento de representantes de associações da sociedade civil com uma significativa e representativa massa associativa. Existirá uma obrigação por parte do Legislador em incorporar – ainda que parcialmente – o resultado destas consultas no novo elemento legislativo.
C. Usando a plataforma de registo de utilizadores já existente em www.governo.pt os cidadãos devem ter a possibilidade de exporem a sua posição, positiva ou negativa sobre a iniciativa legislativa. O resultado não seria vinculativo, mas informativo e tido na devida conta para a finalização do processo legislativo.

Categories: Política Nacional, Portugal | 2 comentários

Navegação de artigos

2 thoughts on “Três Propostas para um Salto Quântico da Democracia Portuguesa

  1. Enoque

    Clavis Prophetarum
    “1. Propor a utilização do voto eletrónico a partir do cartão de cidadão com o devido leitor como forma de participar em sufrágios e referendos nacionais e municipais a partir de casa…”
    – Excelente idéia, desde que haja um regulador honesto e imparcial do sistema de voto eletrônico. E não só para Portugal, mas para qualquer país do mundo.

    “2. Revisão do quadro dos poderes e competências presidenciais: Depois das ultimas revisões constitucionais as competências do Presidente da Republica foram reduzidas a pouco mais que um conjunto de formalidades. Além da conhecida “Bomba Atómica” (a dissolução da Assembleia da República) nada mais resta à mais alta figura do Estado, eleita uninominalmente pela maioria dos cidadãos. Tal esvaziamento funcional desprestigia a função, corrói a credibilidade da democracia e anula a missão de equilíbrio e monitorização que a Presidência devia assumir.
    Devem ser re-equacionadas as funções presidenciais: ou o Presidente da Republica passa a ser eleito indiretamente pelo parlamento (como acontece, por exemplo, em Itália) ou se reforçam os poderes presidenciais.”
    – Na Alemanha e na Itália, o Presidente da República é eleito pelo Parlamento. No caso alemão, há os delegados estaduais também. No passado, a não muito tempo atrás, eu era favorável a adoção do modelo parlamentarista alemão para o Brasil, porque observando outros países, notei que o Parlamentarismo é mais eficiente e também mais eficaz que o Presidencialismo. É mais fácil remover um primeiro-ministro (ou chanceler no caso alemão) indesejável do poder do que um presidente segundo o regime presidencialista. O problema de implantar o sistema parlamentarista no Brasil é que há muitos casos de corrupção, então há muitos políticos facilmente corruptíveis.
    Mas no caso de Portugal, a sugestão que eu dou é que seja reformado o sistema eleitoral, a forma de eleger os deputados para a Assembleia da República. Porque o Parlamentarismo funcionou bem no período pós-Salazarismo. O que tem que acabar é esse negócio de votar em legenda partidária. O eleitor tem que ter o direito de escolher quem é a pessoa que vai ocupar a cadeira da Assembleia da República para representá-lo, e também o recall político, o poder de cassar o mandato do deputado que elegeu em caso de infração grave das leis, ou de abusos.
    Fazer o presidente da República que tem a “bomba atômica” ser eleito pela Assembleia da República, não considero seguro, porque o Chefe de Estado não será imparcial. Eu acho melhor deixar o presidente permanecer sendo eleito pelo voto popular direto, sufrágio universal, e que passe a ser apartidário, independente, mas que só possa se candidatar as personalidades eméritas, como acontece na Alemanha e na Itália, se eu não me engano.
    Ou adotar o modelo semi-presidencialista francês.
    Mas quais as atribuições ou competências você quer que o presidente da República Portuguesa tenha? Seria na área de negócios estrangeiros, relações internacionais?
    “. Consulta Pública:
    A. Todas os projetos de Lei devem incluir obrigatoriamente um período de Consulta Publica com uma duração nunca inferior a sete dias úteis…”
    – Boa proposta!

    • “- Excelente idéia, desde que haja um regulador honesto e imparcial do sistema de voto eletrônico. E não só para Portugal, mas para qualquer país do mundo.”
      – de facto, ha que regular e monitorizar com muito cuidado… Para que não se permita que um hacker ou uma grande multinacional falseie resultados e faça eleger o “seu” candidato!

      “- Na Alemanha e na Itália, o Presidente da República é eleito pelo Parlamento. No caso alemão, há os delegados estaduais também. No passado, a não muito tempo atrás, eu era favorável a adoção do modelo parlamentarista alemão para o Brasil, porque observando outros países, notei que o Parlamentarismo é mais eficiente e também mais eficaz que o Presidencialismo. É mais fácil remover um primeiro-ministro (ou chanceler no caso alemão) indesejável do poder do que um presidente segundo o regime presidencialista. O problema de implantar o sistema parlamentarista no Brasil é que há muitos casos de corrupção, então há muitos políticos facilmente corruptíveis.
      Mas no caso de Portugal, a sugestão que eu dou é que seja reformado o sistema eleitoral, a forma de eleger os deputados para a Assembleia da República. Porque o Parlamentarismo funcionou bem no período pós-Salazarismo. O que tem que acabar é esse negócio de votar em legenda partidária. O eleitor tem que ter o direito de escolher quem é a pessoa que vai ocupar a cadeira da Assembleia da República para representá-lo, e também o recall político, o poder de cassar o mandato do deputado que elegeu em caso de infração grave das leis, ou de abusos.”

      – sendo esse exatamente o cerne da proposta MIL de eleição de “deputados independentes”…

      “Fazer o presidente da República que tem a “bomba atômica” ser eleito pela Assembleia da República, não considero seguro, porque o Chefe de Estado não será imparcial. Eu acho melhor deixar o presidente permanecer sendo eleito pelo voto popular direto, sufrágio universal, e que passe a ser apartidário,”

      – teóricamente, ele é… Na pratica, nem tanto!

      “Mas quais as atribuições ou competências você quer que o presidente da República Portuguesa tenha? Seria na área de negócios estrangeiros, relações internacionais?”

      – mais efetivo. Defendo um modelo mais “francês”, em que os partidos mandam menos que o Presidente e (muito) menos que Municípios (o que ja não é o “modelo francês…”)

      “. Consulta Pública:
      A. Todas os projetos de Lei devem incluir obrigatoriamente um período de Consulta Publica com uma duração nunca inferior a sete dias úteis…”
      – Boa proposta!”
      – a ver se pega… Ja a apresentei a um grande partido português e a pessoas com ligações no sistema… Que a acolheram bem. Duvido que tenha ecos, mas ei-las aqui e brevemente irei pública-las em revistas onde colaboro.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Create a free website or blog at WordPress.com.

Eleitores de Portugal (Associação Cívica)

Associação dedicada à divulgação e promoção da participação eleitoral e política dos cidadãos

Vizinhos em Lisboa

A Vizinhos em Lisboa tem em vista a representação e defesa dos interesses dos moradores residentes nas áreas, freguesias, bairros do concelho de Lisboa nas áreas de planeamento, urbanismo, valorização do património edificado, mobilidade, equipamentos, bem-estar, educação, defesa do património, ambiente e qualidade de vida.

Vizinhos do Areeiro

Núcleo do Areeiro da associação Vizinhos em Lisboa: Movimento de Vizinhos de causas locais e cidadania activa

Vizinhos do Bairro de São Miguel

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos

TRAVÃO ao Alojamento Local

O Alojamento Local, o Uniplaces e a Gentrificação de Lisboa e Porto estão a destruir as cidades

Não aos Serviços de Valor Acrescentado nas Facturas de Comunicações !

Movimento informal de cidadãos contra os abusos dos SVA em facturas de operadores de comunicações

Vizinhos de Alvalade

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos de Alvalade

anExplica

PEDAÇOS DE SABER

Subscrição Pública

Plataforma independente de participação cívica

Rede Vida

Just another WordPress.com weblog

Vizinhos do Areeiro

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos do Areeiro

MDP: Movimento pela Democratização dos Partidos Políticos

Movimento apartidário e transpartidário de reforma da democracia interna nos partidos políticos portugueses

Operadores Marítimo-Turísticos de Cascais

Actividade dos Operadores Marítimo Turísticos de Cascais

MaisLisboa

Núcleo MaisDemocracia.org na Área Metropolitana de Lisboa

THE UNIVERSAL LANGUAGE UNITES AND CREATES EQUALITY

A new world with universal laws to own and to govern all with a universal language, a common civilsation and e-democratic culture.

looking beyond borders

foreign policy and global economy

<span>%d</span> bloggers like this: