Sistema Monetário Europeu (SME)

O Sistema Monetário Europeu, ou SME, foi fundado através de um acordo assinado em 1979 pela maioria dos países que então compunham a CEE. O objetivo era o de ligar as respetivas moedas por forma a remover as causas de grandes flutuações de taxas de cambio entre elas.

O Acordo de 1979 tinha 3 pontos essenciais:
1. O ECU (European Currency Unit), uma espécie de cabaz monetário, que as ligava por forma a que nenhuma pudesse variar mais de 2.25 por cento em relação a qualquer uma das outras.
2. Um Mecanismo de Taxas de Cambio (MTC)
3. O Fundo Europeu de Cooperação Monetária (criado em 1972)

Em 1 de janeiro de 1999 foi lançado o SME2 e terminava o ECU sendo substituído pelo Euro. A partir de então, a flutuação máxima da taxa de cambio deixava de poder exceder os 15 por cento.

Portugal no SME:

1987 a 1990, Crawling Peg:

Neste período, ocorre uma desvalorização constante do escudo de 3 por cento ao ano. Assim se tenta manter a competitividade da oferta produtiva do pais frente à concorrência externa.

1990, Shadowing:

A adesão ao MTC (Mecanismo das Taxas de Cambio) ocorre através da definição de um objetivo unilateral para manter o cambio do Escudo dentro de uma banda muito estreita de cinco moedas do SME (Marco, Peseta, Franco, Libra e Lira).

O Banco de Portugal acaba com a acomodação dos diferenciais de inflação face ao exterior o que implica o termo da sustentação da competitividade através da desvalorização constante da taxa de cambio. Desta forma o BdP prepara a adesão ao MTC e avalia ate que ponto é que pode controlar o cambio do Escudo.

1992, Entrada no MTC

No momento da adesão ao MTC, a inflação anual era de 10.2 por cento. O elevado diferencial das taxas de juro de então face ao resto da Europa e a liberalização da circulação de Capitais provoca o aumento súbito do afluxo de capitais externos e a valorização do Escudo. Pouco depois, o Escudo era já a moeda mais forte (mais perto do limite máximo de flutuação) do MTC.

A adesão ao MTC faz parte de uma estratégia de Cavaco Silva de combate à inflação.

Efeitos Positivos:
.Transacções
.Investimento
.Eficiência dos Mercados

Efeitos Negativos:
.Fim do instrumento da taxa de cambio como sustentador da competitividade
.Fim da autonomia monetária, que já era relativa devido à política de não acomodação face à evolução de um conjunto de moedas europeias.

Pouco depois, é decidida a liberalização integral dos movimentos de capitais com o exterior. A autonomia monetária reduz-se então à margem de flutuação do Escudo no MTC.

1992, Crise no SME

A Libra desvaloriza-se e deixa o MTC. A peseta sofre o mesmo processo, mas de forma mais suave e persiste no MTC.

Causas da crise do SME de 1992:
.O Não da Dinamarca ao Tratado de Maastricht levaram a ataques especulativos contra as moedas mais fracas do SME
.A Reunificação da Alemanha o que cria altas taxas de juro para travar a inflação
.A Recessão na Europa, deveria levar a baixas taxas de juro como estímulo ao crescimento, mas tal não conviria à Alemanha.

Os especuladores atacam a moeda da Finlândia e fazem-na sair do ECU. Atacam depois a Libra e a Lira. A Espanha para aumentar a competitividade externa das suas exportações recusa aumentar a taxa de juro. A Alemanha poderia compensar aumentar a massa monetária de Marcos, mas recusa. Rapidamente, o Escudo e a Peseta colam-se ao limite mínimo da banda de flutuação.

A Coroa sueca sai do Ecu, para se defender de ataques especulativos. O Escudo desvaloriza 6 por cento antecipando esses ataques, mas a desvalorização da Peseta reduz a competitividade dos produtos portugueses frente a Espanha, o maior parceiro comercial luso. Em 1993, o Escudo desvaloriza face à Peseta. Pouco depois, dá-se o alargamento das Bandas de Flutuação para mais ou menos 15 por cento. Isto ocorre depois de ataques ao Franco, à coroa dinamarquesa, franco belga, escudo e peseta. Este alargamento responde aos ataques especulativos.

A partir de 1993, torna-se claro que os Bancos Centrais já não conseguem defender as suas moedas apenas pelas reservas de divisas e que as taxas de juro são uma arma mais adequada. Em Portugal, o ministro das finanças, Eduardo Cartroga defende a preservação da estabilidade cambial porque:
A. Favorece a estabilidade dos fluxos comerciais com o estrangeiro
B. Favorece as estratégias empresariais de longo e médio prazo
C. Defende o poder de compra e o valor do património interno
D. Combate a inflação
E. Baixa os custos de financiamento das empresas

Categories: Economia, Economia Politica | Deixe um comentário

Navegação de artigos

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Site no WordPress.com.

Eleitores de Portugal (Associação Cívica)

Associação dedicada à divulgação e promoção da participação eleitoral e política dos cidadãos

Vizinhos em Lisboa

A Vizinhos em Lisboa tem em vista a representação e defesa dos interesses dos moradores residentes nas áreas, freguesias, bairros do concelho de Lisboa nas áreas de planeamento, urbanismo, valorização do património edificado, mobilidade, equipamentos, bem-estar, educação, defesa do património, ambiente e qualidade de vida.

Vizinhos do Areeiro

Núcleo do Areeiro da associação Vizinhos em Lisboa: Movimento de Vizinhos de causas locais e cidadania activa

Vizinhos do Bairro de São Miguel

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos

TRAVÃO ao Alojamento Local

O Alojamento Local, o Uniplaces e a Gentrificação de Lisboa e Porto estão a destruir as cidades

Não aos Serviços de Valor Acrescentado nas Facturas de Comunicações !

Movimento informal de cidadãos contra os abusos dos SVA em facturas de operadores de comunicações

Vizinhos de Alvalade

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos de Alvalade

anExplica

PEDAÇOS DE SABER

Subscrição Pública

Plataforma independente de participação cívica

Rede Vida

Just another WordPress.com weblog

Vizinhos do Areeiro

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos do Areeiro

MDP: Movimento pela Democratização dos Partidos Políticos

Movimento apartidário e transpartidário de reforma da democracia interna nos partidos políticos portugueses

Operadores Marítimo-Turísticos de Cascais

Actividade dos Operadores Marítimo Turísticos de Cascais

MaisLisboa

Núcleo MaisDemocracia.org na Área Metropolitana de Lisboa

THE UNIVERSAL LANGUAGE UNITES AND CREATES EQUALITY

A new world with universal laws to own and to govern all with a universal language, a common civilsation and e-democratic culture.

looking beyond borders

foreign policy and global economy

<span>%d</span> bloggers like this: