Quando custaria deixar o Euro?

Um estudo da Capital Economics avalia que se a hipótese cada vez mais provável de Portugal, a Grécia e a Irlanda saírem do Euro se concretizasse, isso levaria a uma queda de 1% do PIB da Zona Euro em 2012 e de 2.5% em 2013. O resultado da saída destes países seria assim comparável ao da Recessão “Subprime” de 2008 e 2009.

A saída do Euro levaria também ao regresso às moedas nacionais implicando uma forte desvalorização monetária. No caso português, o Escudo valeria menos 47.2% que o Euro, no grego, a desvalorização seria ainda mais severa, chegando perto dos 60%. Isto implica que as importações seriam muito mais difíceis e que um pais como Portugal (cronicamente dependente das importações de alimentos) iria experimentar uma forte carência alimentar, pelo menos nos primeiros tempos. Exportar seria mais fácil, tendo em conta a diferença cambial que hoje o Euro faz pesar sobre os nossos bens transacionáveis exportáveis, mas essa maior facilidade seria insuficiente para compensar o desequilíbrio da balança de pagamentos, sobretudo o energético (60%) pelo que seria impossível continuar a pagar salários e pensões nos mesmos patamares de atualmente. Com efeito, uma saída do Euro iria levar necessariamente a uma declaração parcial ou total de Bancarrota, com o consequente afastamento dos mercados internacionais de crédito e a impossibilidade de honrar o serviço da divida (em Euros) e que subitamente, com o regresso ao Escudo duplicaria de valor.

Fonte:
Diário de Noticias, 12 dezembro 2011

Categories: Economia, Política Internacional, Política Nacional, Portugal, união europeia | 4 comentários

Navegação de artigos

4 thoughts on “Quando custaria deixar o Euro?

  1. Mais uma razão para estarmos preparados para uma nova moeda, que não teria que ser o Escudo, nem o Real, mas que fosse comum às duas Pátrias e única, como o €uro.

    • Numa fase direta?… Permita-me discordar. Antes de nos abalançarmos (com sucesso) num novo projeto de tal ambicao e espectro temos que nos reorganizar e isso tem que ser feito recuperando a nossa economia, em primeiro lugar regressando à soberania monetaria. Depois disso, é isso que penso: uma moeda comum, comercial e virtual numa primeira fase, real e geral depois.

  2. Enoque

    Quanto custaria deixar o Euro? Para as sociedades portuguesa, grega e irlandesa, seria o mesmo que regressar aos anos 70 do século XX. Além de ter uma moeda desvalorizada (que nem sempre é tão ruim quanto parece), perderia totalmente a confiança dos mercados. E levariam anos, talvez até décadas para se recuperar novamente. A situação ficaria pior do que já está.

    • Os custos a curto prazo seriam tremendos… Estima-se que somente daqui a dez anos poderiamos regressar a pedir dinheiro aos Mercados, ou seja, ou dinheiro viria de outro lado (FMI, com graves custos sociais) ou a Despesa do Estado teria de cair pelo menos 50% (com custos sociais ainda mais graves). O poder de compra cairia abruptamente, talvez até ao nivel de começo da decada de 70. Pelo menos é o que se estima…
      Mas nem tudo seria mau: a bancarrota seria incontornavel e com ela o fim do esgamador servico da divida, o regresso da competitividade externa dos nossos produtos e a reposicao de alguma racionalidade nos nossos padroes de consumo e credito, assim como retorno à soberania monetaria que é uma ferramenta tao importante em epocas de crise.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Create a free website or blog at WordPress.com.

Eleitores de Portugal (Associação Cívica)

Associação dedicada à divulgação e promoção da participação eleitoral e política dos cidadãos

Vizinhos em Lisboa

A Vizinhos em Lisboa tem em vista a representação e defesa dos interesses dos moradores residentes nas áreas, freguesias, bairros do concelho de Lisboa nas áreas de planeamento, urbanismo, valorização do património edificado, mobilidade, equipamentos, bem-estar, educação, defesa do património, ambiente e qualidade de vida.

Vizinhos do Areeiro

Núcleo do Areeiro da associação Vizinhos em Lisboa: Movimento de Vizinhos de causas locais e cidadania activa

Vizinhos do Bairro de São Miguel

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos

TRAVÃO ao Alojamento Local

O Alojamento Local, o Uniplaces e a Gentrificação de Lisboa e Porto estão a destruir as cidades

Não aos Serviços de Valor Acrescentado nas Facturas de Comunicações !

Movimento informal de cidadãos contra os abusos dos SVA em facturas de operadores de comunicações

Vizinhos de Alvalade

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos de Alvalade

anExplica

aprender e aprendendo

Subscrição Pública

Plataforma independente de participação cívica

Rede Vida

Just another WordPress.com weblog

Vizinhos do Areeiro

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos do Areeiro

MDP: Movimento pela Democratização dos Partidos Políticos

Movimento apartidário e transpartidário de reforma da democracia interna nos partidos políticos portugueses

Operadores Marítimo-Turísticos de Cascais

Actividade dos Operadores Marítimo Turísticos de Cascais

MaisLisboa

Núcleo MaisDemocracia.org na Área Metropolitana de Lisboa

THE UNIVERSAL LANGUAGE UNITES AND CREATES EQUALITY

A new world with universal laws to own and to govern all with a universal language, a common civilsation and e-democratic culture.

looking beyond borders

foreign policy and global economy

O Futuro é a Liberdade

Discussões sobre Software Livre e Sociedade

%d bloggers like this: