Daily Archives: 2011/11/17

O Irão terá conseguido já obter toda a tecnologia necessária para fabricar uma Bomba Nuclear

Um relatório da “Agência Internacional de Energia Atómica” (AIEA), indica que o Irão terá já conseguido cumprir todos os requisitos essenciais ao processo de fabricação de um engenho nuclear.

Segundo a AIEA, o sucesso iraniano deve muito ao auxilio de um cientista nuclear russo, que terá passado aos seus colegas iranianos as informações que lhes permitiram construir os detonadores de elevada precisão que são necessários para desencadear uma reação em cadeia e, assim, detonar uma bomba nuclear de fissão. Ter-se-á tratado de Viacheslav Danilenko, que entre 1990 e 1995 esteve no Irão. A Agência indica também que o Irão contou com o auxilio de especialistas vindos do Paquistão e da Coreia do Norte. A confirmar-se, isto indica que o Irão, apesar do discurso público, continuou a trabalhar numa arma atómica e que intensificou esse trabalho depois de 2003 mantendo-o sempre sob a capa de varias instituições civis.

A notícia surge num momento em que se multiplicam as noticias sobre a preparação de um ataque aéreo israelita às instalações nucleares do Irão. Não pode tratar-se de uma coincidência… Ou partes deste relatório foram conhecidas por Israel antes da sua divulgação publica, desencadeando assim um movimento de urgência por parte do executivo israelita contra um país que há muito elegeu Israel como o seu alvo principal, ou o próprio relatório foi forjado ou manipulado pelos serviços secretos de Israel para justificar tal iminente operação… Talvez saibamos a resposta daqui a algum tempo. Ou não.

Fonte:
http://www.publico.pt/Mundo/irao-esta-a-beira-da-sua-capacidade-nuclear-diz-aiea-1519806

Categories: Ciência e Tecnologia, Política Internacional | Etiquetas: | 10 comentários

Afinal, a venda de 60 Dassault Rafale para os Emiratos Árabes Unidos não está tão segura como isso…

Até ao momento – e com o adiamento do F-X2 brasileiro – a encomenda externa do Rafale mais provável era a dos Emiratos Árabes Unidos. Os franceses tinham como certa – até às umas semanas atrás – a venda de 60 Rafale. Mas em 16 de novembro soube-se que os Emiratos pensavam que o preço proposto pela Dassault “pouco competitivo e impossível de corrigir”.

Os termos financeiros do acordo estão a ser debatidos desde 2008, mas tornou-se claro que os árabes estavam a perder a paciência quando pediram ao eterno rival do Rafale, o Eurofighter Typhoon, uma proposta concorrente.

Será que apesar de toda a influencia política e diplomática jogada dos EAU pela França a Dassault vai acabar por perder a sua primeira exportação do Rafale? Pelas palavras do príncipe regente, não: “A Dassault parece incapaz de perceber que toda a pressão política e diplomática do mundo não pode vencer termos comerciais pouco competitivos e impossíveis de trabalhar”. Outras fontes locais referiram que a Dassault estava a tratar de toda esta questão com “arrogância”… se depois disto, a França não perder esta primeira exportação do Rafale, então é porque os porcos voam e as galinhas têm dentes.

Fonte:
http://www.aviationweek.com/aw/generic/story_channel.jsp?channel=defense&id=news/awx/2011/11/16/awx_11_16_2011_p0-395135.xml

Categories: DefenseNewsPt, Política Internacional | Etiquetas: | Deixe um comentário

Sobre o impacto da China nos preços globais de alimentos

“Se a China, em virtude de uma seca prolongada, for obrigada a aumentar as suas importações alimentares, os preços dispararão nos mercados mundiais para além do suportável. Não só muitos regimes cairão, como a violência e a desordem acompanharão o aumento exponencial da fome em muitas regiões e países.”

> Com efeito, o aumento da população chinesa não tem sido acompanhado por um correspondente aumento da produção alimentar local. A maioria dos solos estão esgotados por décadas de produção intensiva e desregrada. Com efeito, a China depende hoje de importações alimentares de uma forma que a torna um importante ponto de desequilibro no mercado mundial de alimentos. Como nas deslocalizações, nas Alterações Climáticas, nos Direitos Humanos, na ocupação colonial do Tibete e na depredação dos recursos naturais em África, a China posiciona-se hoje como a maior ameaça global que o planeta hoje enfrenta.

“Entre 2007 e 2008, apesar da produção alimentar mundial ter aumentado 5%, o número de pessoas cronicamente subalimentadas aumentou 150 milhões.”

> Se Malthus provou estar errado, por causa da capacidade das ciência em multiplicar até valores inimagináveis para os nossos antepassados o rendimento dos campos, a verdade é que o crescimento da produção não tem acompanhado o crescimento da população. Esta diferença, aliás, já esteve na base nas recentes revoltas no norte de África e resulta em grande medida de uma desproporção na distribuição já que a  maioria da produção agrícola é desviada para os países ocidentais e de uma percentagem tremenda de desperdícios. Ainda há não muito tempo, um estudo realizado no Reino Unido revelava que 60% dos alimentos adquiridos pelas famílias britânica ía diretamente para o lixo, sem chegar a ser consumido… No resto da Europa, a percentagem não será certamente muito diferente.

“Sabemos que o aumento do rendimento das classes médias dos países emergentes levou a uma nova dieta, mais rica em carne, e por isso mais exigente em cereais para rações, e terrenos para pastagens. Sabemos que o uso do milho americano para fabricar biocombustíveis, fez disparar os preços nos mercados importadores. Sabemos que o elevado preço do petróleo aumenta os custos de produção.”

> o aumento do consumo de carne na Índia e na China (e a manutenção de níveis elevados de consumo no Ocidente) estão a pressionar a produção de cereais devido às rações exigidas pela pecuária industrial. Se a desregulação dos Mercados persistir, será de esperar uma sanha renovada dos Especuladores contra os preços dos alimentos e assistiremos em 2012 a uma alta sem precedentes dos preços dos alimentos. As consequências serão terríveis: os países africanos (sobretudo no Corno de África) que já atravessam hoje uma situação de extrema gravidade serão estarão ainda em pior situação. Não há muito que possa ser feito para travar o aumento do consumo chinês. Mas muito pode (e deve) ser feito para regular o Mercado das Commodities e proibir a especulação com alimentos. Esperemos que os políticos saiam assim do seu torpor e façam alguma coisa a este propósito. Sentados.

Fonte:
Jornal de Letras; Viriato Soromenho Marques
5 a 18 de outubro de 2011

Categories: China, Economia, Política Internacional | 13 comentários

Create a free website or blog at WordPress.com.

Eleitores de Portugal (Associação Cívica)

Associação dedicada à divulgação e promoção da participação eleitoral e política dos cidadãos

Vizinhos em Lisboa

A Vizinhos em Lisboa tem em vista a representação e defesa dos interesses dos moradores residentes nas áreas, freguesias, bairros do concelho de Lisboa nas áreas de planeamento, urbanismo, valorização do património edificado, mobilidade, equipamentos, bem-estar, educação, defesa do património, ambiente e qualidade de vida.

Vizinhos do Areeiro

Núcleo do Areeiro da associação Vizinhos em Lisboa: Movimento de Vizinhos de causas locais e cidadania activa

Vizinhos do Bairro de São Miguel

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos

TRAVÃO ao Alojamento Local

O Alojamento Local, o Uniplaces e a Gentrificação de Lisboa e Porto estão a destruir as cidades

Não aos Serviços de Valor Acrescentado nas Facturas de Comunicações !

Movimento informal de cidadãos contra os abusos dos SVA em facturas de operadores de comunicações

Vizinhos de Alvalade

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos de Alvalade

anExplica

aprender e aprendendo

Subscrição Pública

Plataforma independente de participação cívica

Rede Vida

Just another WordPress.com weblog

Vizinhos do Areeiro

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos do Areeiro

MDP: Movimento pela Democratização dos Partidos Políticos

Movimento apartidário e transpartidário de reforma da democracia interna nos partidos políticos portugueses

Operadores Marítimo-Turísticos de Cascais

Actividade dos Operadores Marítimo Turísticos de Cascais

MaisLisboa

Núcleo MaisDemocracia.org na Área Metropolitana de Lisboa

THE UNIVERSAL LANGUAGE UNITES AND CREATES EQUALITY

A new world with universal laws to own and to govern all with a universal language, a common civilsation and e-democratic culture.

looking beyond borders

foreign policy and global economy

O Futuro é a Liberdade

Discussões sobre Software Livre e Sociedade