Papandreou quer forçar uma saída do Euro e da União Europeia?

George Papandreou (mirror.co.uk)

George Papandreou (mirror.co.uk)

Quando o primeiro-ministro grego George Papandreou anunciou a intenção de realizar o Referendo sobre o plano de recuperação europeu em finais deste ano ou janeiro de 2012 deixou estupefactos os líderes europeus.

De facto, tal decisão, tomada aparentemente sem sequer dar conhecimento da mesma ao seu Partido e aos ministros do seu governo é muito estranha e lançou os mercados no pânico, já que estes (como todos os que acompanham o que se passa na sociedade grega) acreditam que os gregos nunca votarão favoravelmente um tão duro pacote de austeridade.

Que jogada então é a de Papandreou? Porque coloca em risco todo o árduo (mas insuficiente) fruto de todas as negociações europeias de final de outubro? Pura insensatez? Estupidez? Ou haverá um plano?

Será que Papandreou acredita agora que a Grécia nem consegue pagar os 50% de divida externa que não foram perdoados e que ao forçar um referendo chumbado quer levar o seu país à bancarrota total e à saída do Euro? Alguns dizem que recebeu instruções (e até dinheiro…) para afundar ainda mais a cotação relativa do Euro frente ao Dolar…

Uma coisa é certa: o monstro dual Sarkomerkel está furioso e os finlandeses, pela boca do seu ministro das Finanças (que juntamente com holandeses e austríacos são os cães de fila do G2 europeu) já fizeram saber isso mesmo: referendo chumbado= expulsão do euro.

Fonte:
http://www.jn.pt/PaginaInicial/Economia/Interior.aspx?content_id=2094005

Categories: Economia, Europa e União Europeia, Política Internacional, Política Nacional, Portugal | Etiquetas: | 7 comentários

Navegação de artigos

7 thoughts on “Papandreou quer forçar uma saída do Euro e da União Europeia?

  1. Fred

    Acho que alguém forçou muito a coleira, tanto que trocaram de cachorro.

    abraço

  2. O “engraçado” desta situação é a facilidade como as Instituições Internacionais (supostamente comprometidas com a democracia) agora fazem uma guerra cerrada a que a população escolha o seu próprio caminho. Quer haja ou não referendo agora não há é dúvida que os gregos não vão implementar (a classe política pode aprovar legalmente mas isso não quer dizer nada no campo do real) mais uma vírgula do que vier de Bruxelas ou Washington.

    • Acho que Papandreou comportou-se de uma forma uma estranha não informando os “parceiros” europeus a quem estendeu a mão de que ao chegar a Atenas queria organizar um referendo. Essa uma outra questão, de básica lealdade.
      Por conceito, defendo referendos por toda a Europa, onde se aferisse a vontade popular em manter esta europa.
      Tenho a certeza de que muitos votariam pelo fim da UE… a começar pelo RU, onde tal referendo quase levou a uma crise política grave, recentemente.

      • E qual foi a lealdade que os “parceiros europeus” mostraram para com a Grécia? Além de tomarem conta de algumas indústrias, desmantelarem o Estado e quase a apagarem como potência regional? Quando se invocam coisas como a lealdade e a honra (quase primordiais) é preciso 1) saber a gravidade do que se invoca e 2) compreender que são fenómenos mútuos…

  3. Fred

    sim, foi por ai mesmo, mas não acho que foi de todo modo tão mal assim, conseguiu 50% de desconto, puta descontão.
    Ganhou tempo para arrumar a casa, mesmo que seja sob nova administração.

    Só vão calotear metade agora, ( calotear será que esse verbo existe?).

    Eu caloteava, tu caloteavas, ele caloteava 🙂

    Abraço

    • é verdade. Por aí já ganharam… o problema é que a sua economia não tem condições, sequer, para pagar os 50% que faltam!
      não sem se alterarem radicalmente os contextos económicos, e sobretudo, a forma como a Europa deixa que a China arrase com as suas indústrias!

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Site no WordPress.com.

Eleitores de Portugal (Associação Cívica)

Associação dedicada à divulgação e promoção da participação eleitoral e política dos cidadãos

Vizinhos em Lisboa

A Vizinhos em Lisboa tem em vista a representação e defesa dos interesses dos moradores residentes nas áreas, freguesias, bairros do concelho de Lisboa nas áreas de planeamento, urbanismo, valorização do património edificado, mobilidade, equipamentos, bem-estar, educação, defesa do património, ambiente e qualidade de vida.

Vizinhos do Areeiro

Núcleo do Areeiro da associação Vizinhos em Lisboa: Movimento de Vizinhos de causas locais e cidadania activa

Vizinhos do Bairro de São Miguel

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos

TRAVÃO ao Alojamento Local

O Alojamento Local, o Uniplaces e a Gentrificação de Lisboa e Porto estão a destruir as cidades

Não aos Serviços de Valor Acrescentado nas Facturas de Comunicações !

Movimento informal de cidadãos contra os abusos dos SVA em facturas de operadores de comunicações

Vizinhos de Alvalade

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos de Alvalade

anExplica

aprender e aprendendo

Subscrição Pública

Plataforma independente de participação cívica

Rede Vida

Just another WordPress.com weblog

Vizinhos do Areeiro

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos do Areeiro

MDP: Movimento pela Democratização dos Partidos Políticos

Movimento apartidário e transpartidário de reforma da democracia interna nos partidos políticos portugueses

Operadores Marítimo-Turísticos de Cascais

Actividade dos Operadores Marítimo Turísticos de Cascais

MaisLisboa

Núcleo MaisDemocracia.org na Área Metropolitana de Lisboa

THE UNIVERSAL LANGUAGE UNITES AND CREATES EQUALITY

A new world with universal laws to own and to govern all with a universal language, a common civilsation and e-democratic culture.

looking beyond borders

foreign policy and global economy

O Futuro é a Liberdade

Discussões sobre Software Livre e Sociedade

%d bloggers like this: