Daily Archives: 2011/11/03

Cavaco, o Nababo

Recentemente, Cavaco invetivou todos os portugueses a aceitarem os sacrifícios que se avizinham. Enfim, todos, todos, não. Na sua última visita turística (perdão, “de Estado” na nomenclatura presidencial), o presidente fez-se acompanhado por um batalhão de parasitas da sua inútil e despesista côrte: assessores, escritores de discursos, fotografo, mordomo, cavaca, etc, etc. No total, Cavaco fez com que pagássemos a viagem a 23 nababos e aviões CN295 da Força Aérea. Mais recentemente, tornou a repetir o insulto a todos os portugueses desempregados, que perderam subsídios e que vem a sanha fiscal do Estado cair sobre eles com apetite renovado viajando com a mesma comitiva de inúteis ate à Cimeira Ibero-americana no Paraguai. Cada um destes aduladores presidenciais custou 7500 euros ao empobrecido Erário Público…. Isto para “representar” Portugal (Paulo Portas também lá estará, logo Cavaco é redundante) e deixar um discurso vago e generalista, como sempre. Esta é a Presidência que consome 16 milhões de euros/ano, ou seja, 44 mil euros/dia e que é mais dispendiosa que a própria monarquia castelhana, mesmo tendo em conta que a dimensão da economia espanhola é cerca de 4 vezes a portuguesa!

Este fausto babilónico tem que acabar, especialmente nos muito exigentes anos que se avizinham ou o fosso entre governantes e governados irá aprofundar-se ainda mais e as populações terão todas as justificações morais para se revoltam contra estes predadores de impostos.

Fonte:
http://www.jn.pt/PaginaInicial/Economia/Interior.aspx?content_id=2085208

Anúncios
Categories: Política Nacional, Portugal | Deixe um comentário

Agostinho da Silva: “Estes amam o povo, mas não desejariam, por interesse do próprio amor que saísse do passo em que se encontra” e “Há também os que adoram o povo e combatem por ele mas pouco mais o julgam que o meio”

Agostinho da Silva (http://ebicuba.drealentejo.pt)

Agostinho da Silva (ebicuba.drealentejo.pt)

“Estes amam o povo, mas não desejariam, por interesse do próprio amor que saísse do passo em que se encontra; deleitam-se com a ingenuidade da arte popular, com o imperfeito pensamento, as superstições e as lendas, veem-se generosos e sensíveis quando se debruçam sobre a classe inferior. (…) Há também os que adoram o povo e combatem por ele mas pouco mais o julgam que o meio; a meta a atingir é o domínio do mesmo povo por que parecem sacrificar-se; bate-lhes no peito um coração de altos senhores; se vieram parar a este lado da batalha foi porque os acidentes os repeliram das trincheiras opostas”.
Agostinho da Silva, O Império do Espírito Santo entre os Homens

Agostinho da Silva alude aqui à tradicional dicotomia esquerda-direita. Aparentemente divergentes, na verdade estes extremos do espectro político convencional refletem a mesma posição para com o “povo”: encaram-no como uma massa amorfa (as “amibas que sobrevivem” noutro texto agostiniano) que pode ser usado como pretexto para a condução de uma agenda própria e egoísta.

A reforma da participação cívica e política dos cidadãos no Estado deve assim passar por dois contornamentos essenciais a esta malsana dicotomia que está por detrás deste “rotativismo democrático” que nos tem regido desde 1975: A reforma a partir de dentro ou a reforma a partir do exterior.

A reforma a partir de dentro:
Os cidadãos devem invadir os partidos políticos, exigindo a partir dos seus órgãos e eleições internas a democratização interna dos mesmos, destruindo o poder dos “aparelhos” e Interesses de cujos benefícios os grandes partidos se tornaram em centrais de distribuição, imorais e sem ideologia. Importa restaurar a credibilidade dos Partidos reaproximando-os dos cidadãos e afastando-os dos aparelhos profissionais.

Reforma a partir do exterior:
Se não for possível reformar os partidos existentes restam apenas aos cidadãos duas formas de mudar um jogo que atualmente comporta cada vez menos democracia e mais plutocracia ou aristocracia viciosa: agir a partir de fora do Sistema. A este propósito, a candidatura presidencial de Fernando Nobre foi um bom sinal: os milhares de voluntários abnegados que agregou um pouco por todo o país e os mais de 500 mil votos que cativou expressaram um forte desejo cidadão de renovar o Sistema a partir de um “outsider“. É certo, contudo, que o que se passou depois desiludiu a maioria dos apoiantes dessa “candidatura da cidadania”, mas isso não tira nenhum mérito a uma expressão de liberdade e responsabilidade cívica que teve lugar – sem precedentes – nestas eleições presidenciais.

O sistema democrático tem que se renovar. Quebrar este marasmo e apatia abstencionista e tornar a convencer os cidadãos que o seu voto conta e muda alguma coisa. Além de formal, tem que se tornar efetivo. A democracia pode ser renovada a partir de movimentos cívicos, associações, grupos mais ou menos anónimos, comunidades locais, bem para além da formatação clássica de um “partido”. Despertemos a Sociedade Civil, livre das cadeias impostas por um sistema cristalizado e elitista e fortemente alicerçado numa comunidade livre, exigente e intensamente atuante.

Categories: Agostinho da Silva, Economia, Política Nacional, Portugal | 2 comentários

Site no WordPress.com.

Eleitores de Portugal (Associação Cívica)

Associação dedicada à divulgação e promoção da participação eleitoral e política dos cidadãos

Vizinhos em Lisboa

A Vizinhos em Lisboa tem em vista a representação e defesa dos interesses dos moradores residentes nas áreas, freguesias, bairros do concelho de Lisboa nas áreas de planeamento, urbanismo, valorização do património edificado, mobilidade, equipamentos, bem-estar, educação, defesa do património, ambiente e qualidade de vida.

Vizinhos do Areeiro

Núcleo do Areeiro da associação Vizinhos em Lisboa: Movimento de Vizinhos de causas locais e cidadania activa

Vizinhos do Bairro de São Miguel

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos

TRAVÃO ao Alojamento Local

O Alojamento Local, o Uniplaces e a Gentrificação de Lisboa e Porto estão a destruir as cidades

Não aos Serviços de Valor Acrescentado nas Facturas de Comunicações !

Movimento informal de cidadãos contra os abusos dos SVA em facturas de operadores de comunicações

Vizinhos de Alvalade

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos de Alvalade

anExplica

aprender e aprendendo

Subscrição Pública

Plataforma independente de participação cívica

Rede Vida

Just another WordPress.com weblog

Vizinhos do Areeiro

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos do Areeiro

MDP: Movimento pela Democratização dos Partidos Políticos

Movimento apartidário e transpartidário de reforma da democracia interna nos partidos políticos portugueses

Operadores Marítimo-Turísticos de Cascais

Actividade dos Operadores Marítimo Turísticos de Cascais

MaisLisboa

Núcleo MaisDemocracia.org na Área Metropolitana de Lisboa

THE UNIVERSAL LANGUAGE UNITES AND CREATES EQUALITY

A new world with universal laws to own and to govern all with a universal language, a common civilsation and e-democratic culture.

looking beyond borders

foreign policy and global economy

O Futuro é a Liberdade

Discussões sobre Software Livre e Sociedade