Portugal tem que tornar a ter uma marinha mercante

Portugal tem hoje uma das marinhas mercantes mais insignificantes da Europa. Outrora uma das maiores potencias navais, (a quinta até ao século XIX), após a descolonização, Portugal perdeu o essencial da sua capacidade de transporte marítimo própria e hoje terá menos de 13 cargueiros de pequena e média dimensão.

É assim encorajador, ouvir a nova ministra da Agricultura e do Mar, Assunção Cristas, declarar que “o Governo vai revitalizar a marinha mercante em Portugal e promover um registo aligeirado para estes navios.” E que essa revitalização era uma “uma preocupação central da política do Governo”, lamentando o “facto de Portugal ter abandonado e perdido o interesse por esta área da atividade económica”.

Portugal tem realizado um investimento significativo nas últimas décadas no porto europeu de águas mais profundas da Europa, Sines, e recentemente foram assinados vários contratos que tornam Sines num dos eixos da ligação marítima entre o Brasil e a Ásia e a Europa. Sines é, contudo, prejudicada pelo estatuto periférico de Portugal em relação aos mercados do centro e norte da Europa, algo que pode ser compensado quer através da construção de uma linha de TGV de mercadorias que ligasse este porto à rede de TGV espanhola (sem as loucuras de novas travessias do Tejo ou do transporte de passageiros) quer através do investimento na construção de uma marinha mercante de pequeno e médio porte de transporte das mercadorias descarregadas em Sines pelos demais países europeus e construída nos estaleiros nacionais, como os de Peniche ou de Viana do Castelo. O Governo tem assim que simplificar o registo de navios, mas não se pode deixar ficar por aqui, devendo incentivar (fiscalmente e com linhas de crédito) a construção naval mercante nacional e o desenvolvimento do porto de Sines e da sua ligação ferroviária ao norte da Europa.

A estratégia de aposta no Mar está correta. Falta agora mais ambição e meios. E esperar que os nossos “amigos” europeus não a boicotem…

Fonte:
http://sol.sapo.pt/inicio/Politica/Interior.aspx?content_id=25080

Anúncios
Categories: Economia, Política Nacional, Portugal | 1 Comentário

Navegação de artigos

One thought on “Portugal tem que tornar a ter uma marinha mercante

  1. Pondo as coisas de forma simples: não há um chavo para investir numa marinha mercante e tudo o que a ela está associado e não temos comércio que justificasse esse volume. Não temos as instalações apropriadas para renovar uma frota a esse nível. Ou o pessoal qualificado para usar a dita frota e gerir os portos e instalações necessários.

    O que nos leva a: isto são declarações de circunstância como todos os governos fazem sobre os sectores primários e secundários, especialmente vindo de uma área populista que vive da aparência de ter algum nacionalismo. Está ao mesmo nível das afirmações de repovoamento e dinamização económica do interior.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Create a free website or blog at WordPress.com.

Eleitores de Portugal (Associação Cívica)

Associação dedicada à divulgação e promoção da participação eleitoral e política dos cidadãos

Vizinhos em Lisboa

A Vizinhos em Lisboa tem em vista a representação e defesa dos interesses dos moradores residentes nas áreas, freguesias, bairros do concelho de Lisboa nas áreas de planeamento, urbanismo, valorização do património edificado, mobilidade, equipamentos, bem-estar, educação, defesa do património, ambiente e qualidade de vida.

Vizinhos do Areeiro

Núcleo do Areeiro da associação Vizinhos em Lisboa: Movimento de Vizinhos de causas locais e cidadania activa

Vizinhos do Bairro de São Miguel

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos

TRAVÃO ao Alojamento Local

O Alojamento Local, o Uniplaces e a Gentrificação de Lisboa e Porto estão a destruir as cidades

Não aos Serviços de Valor Acrescentado nas Facturas de Comunicações !

Movimento informal de cidadãos contra os abusos dos SVA em facturas de operadores de comunicações

Vizinhos de Alvalade

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos de Alvalade

anExplica

aprender e aprendendo

Subscrição Pública

Plataforma independente de participação cívica

Rede Vida

Just another WordPress.com weblog

Vizinhos do Areeiro

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos do Areeiro

MDP: Movimento pela Democratização dos Partidos Políticos

Movimento apartidário e transpartidário de reforma da democracia interna nos partidos políticos portugueses

Operadores Marítimo-Turísticos de Cascais

Actividade dos Operadores Marítimo Turísticos de Cascais

MaisLisboa

Núcleo MaisDemocracia.org na Área Metropolitana de Lisboa

THE UNIVERSAL LANGUAGE UNITES AND CREATES EQUALITY

A new world with universal laws to own and to govern all with a universal language, a common civilsation and e-democratic culture.

looking beyond borders

foreign policy and global economy

O Futuro é a Liberdade

Discussões sobre Software Livre e Sociedade

%d bloggers like this: