A Guerra Civil na Líbia e consequências para o programa de modernização das forças armadas sírias

Guerra civil na Líbia (http://i.huffpost.com)

Guerra civil na Líbia (http://i.huffpost.com)

Agora que a guerra civil na Líbia está a caminho de uma resolução e que a importância dos ataques aéreos da França e do Reino Unido (não confundir com a NATO) mostraram a importância dos meios aéreos para reverter uma situação militar desfavorável, a Síria está a tentar reforçar a sua defesa aérea.

A Síria contactou o seu grande aliado e defensor no Conselho de Segurança da ONU, a Rússia, para que esta lhe vendesse mísseis anti-aéreos S-300 Favorit (considerados por muitos como o melhor sistema de defesa aérea da atualidade), para além de Terra-Ar Buk de médio alcance e sistemas Tor, de curto raio de ação.

Nos últimos anos, a Síria adquiriu caças MiG-29M e sistemas anti-aéreos Pantsir S1E e Buk-M2E. Tem também em curso negociações para a aquisição de aviões MiG-29SMT, treinadores Yak-130 e mísseis táticos Iskander, para além de dois submarinos Amur 1650. Brevemente irá também entregar mísseis anti-navio SS-N-36 à Síria.

Este cenário mostra bem o interesse russo em apoiar o regime de Assad e em calar a repressão violenta que este exerce contra o seu próprio povo… Um interesse que se torna agora particularmente gritante já que a Líbia deixou de ser um cliente russo e que o Irão ainda está sob embargo, o que torna a Síria ainda mais importante para as exportações russas.

Fonte:
http://www.defencetalk.com/syria-may-buy-more-russian-air-defense-systems-36961/#ixzz1XpYuh400

Categories: DefenseNewsPt | Etiquetas: , | 6 comentários

Navegação de artigos

6 thoughts on “A Guerra Civil na Líbia e consequências para o programa de modernização das forças armadas sírias

  1. fada do bosque

    Entretanto a NATO poderá continuar a vender também para a guerra civil da Líbia, que não terá mais fim… como disse já, será o “Iraque europeu”. É um negócio da China para os ocidentais.
    http://rt.com/news/libya-civilian-casualties-nato-789/
    Que seria da Síria se os russos não lhes vendessem armas? Já lá estavam os da NATO, não? 👿

    • A guerra civil na Libia tem os dias contados… Kadafi ‘e obcecado qb para lutar ate ao fim, mas o cerne dos seus apoiantes eram mercenarios africanos que na falta do ordenado ja o abandonaram… Restam-lhe algumas centenas de fanaticos, que com tempo serao vencidos e abandonarao o pais.
      Nao sao as armas russas (que a Libia tambem tinha) que dissuadem a nato na siria: ‘e o apoio diplomatico russo e chines.

  2. fada do bosque

    Depois de deixar barcos de emigrantes afundarem-se sem nada fazer para os salvar, a NATO matou ontem mais 354 cidadãos líbios, num ataque a um hotel na cidade de Sirte.
    Promover a paz fazendo a guerra e praticando crimes hediondos, é um belo cartão de visita para promover as regras da democracia ocidental.

    • Sim, no que concerne aos refugiados houve grandes erros. Incompreensiveis e puniveis por Lei, mesmo.
      Nao estou a par dessas mortes, se sucederam (temos sempre que contar com o factor “propaganda”) foram mais um facto lamentavel nesta guerra…

  3. Fred

    Acho muito difícil um ataque a Síria, nada lá interessa a ninguém, financeiramente claro, se ainda houvesse um pouco de óleo para exportação ou urânio, talvez assim algum “libertador democrata” surgisse.

    Vai ficar do jeitinho que está.

    • Ate que o povo de mesmo a volta… Na decada de 80 o regime conseguiu esmagar uma revolta identica a esta mas muito menos mediatica… Mas diz a Historia que a prazo estes regimes – quando enfrentam este tipo de contestacao – acabam sempre por cair.
      Veremos.
      Mas concordo. Se cair, cai sem ajuda significativa do exterior.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Site no WordPress.com.

Eleitores de Portugal (Associação Cívica)

Associação dedicada à divulgação e promoção da participação eleitoral e política dos cidadãos

Vizinhos em Lisboa

A Vizinhos em Lisboa tem em vista a representação e defesa dos interesses dos moradores residentes nas áreas, freguesias, bairros do concelho de Lisboa nas áreas de planeamento, urbanismo, valorização do património edificado, mobilidade, equipamentos, bem-estar, educação, defesa do património, ambiente e qualidade de vida.

Vizinhos do Areeiro

Núcleo do Areeiro da associação Vizinhos em Lisboa: Movimento de Vizinhos de causas locais e cidadania activa

Vizinhos do Bairro de São Miguel

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos

TRAVÃO ao Alojamento Local

O Alojamento Local, o Uniplaces e a Gentrificação de Lisboa e Porto estão a destruir as cidades

Não aos Serviços de Valor Acrescentado nas Facturas de Comunicações !

Movimento informal de cidadãos contra os abusos dos SVA em facturas de operadores de comunicações

Vizinhos de Alvalade

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos de Alvalade

anExplica

PEDAÇOS DE SABER

Subscrição Pública

Plataforma independente de participação cívica

Rede Vida

Just another WordPress.com weblog

Vizinhos do Areeiro

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos do Areeiro

MDP: Movimento pela Democratização dos Partidos Políticos

Movimento apartidário e transpartidário de reforma da democracia interna nos partidos políticos portugueses

Operadores Marítimo-Turísticos de Cascais

Actividade dos Operadores Marítimo Turísticos de Cascais

MaisLisboa

Núcleo MaisDemocracia.org na Área Metropolitana de Lisboa

THE UNIVERSAL LANGUAGE UNITES AND CREATES EQUALITY

A new world with universal laws to own and to govern all with a universal language, a common civilsation and e-democratic culture.

looking beyond borders

foreign policy and global economy

%d bloggers like this: