Daily Archives: 2011/08/23

O Brasil está a combater a triangulação de produtos chineses

No Brasil, a Receita Federal vai realizar uma campanha de fiscalização de todos os produtos têxteis importados para o Brasil. A operação, intitulada muito adequadamente “Operações Panos Quentes 3”, todas as mercadorias serão inspeccionadas tendo em vista identificar operações de triangulação (em que um produto com origem na China passa por outro país antes de chegar ao Brasil) assim como fraudes na origem das mercadorias. Os fiscais terão especial atenção com produtos têxteis, mas calçado, brinquedos e produtos de borracha estarão também na mira.

Desta forma, o Brasil toma ação contra um tipo de operação que os empresários chineses (com cúmplices locais) executam um pouco por todo o mundo, com relativa impunidade, por forma a iludirem a origem dos produtos com que inundam o globo, destruindo (frequentemente com “dumping”) as industrias locais.

Fonte:
http://www1.folha.uol.com.br/mercado/962330-receita-endurece-regras-para-importacao-de-texteis.shtml

Categories: Brasil, Economia | 12 comentários

D. Duarte: “Se não acreditarmos no nosso dever espiritual, se pensarmos que a nossa função no mundo é apenas a de sermos um pequeno país europeu com dinheiro suficiente para todos os confortos da vida, teremos uma vida sem perspetivas e sem futuro”

“Se não acreditarmos no nosso dever espiritual, se pensarmos que a nossa função no mundo é apenas a de sermos um pequeno país europeu com dinheiro suficiente para todos os confortos da vida, teremos uma vida sem perspetivas e sem futuro. Mas se acreditarmos que o nosso país tem um dever, uma missão, a missão de cooperar com os restantes países lusófonos – Angola, Moçambique, Timor, Brasil – de modo a criarmos uma fraternidade que amplie a nossa dimensão espiritual, então… Existem muitos portugueses a trabalhar em África, não pelo dinheiro mas porque acreditam que têm de estar ali. Precisamos de acreditar em algo maior do que a vida de todos os dias”.

> os portugueses não são um povo comum. Os dinamarqueses, alemães ou suecos podem contentar-se com vidas monótonas e repetitivas, temperadas apenas com doses massivas de álcool ou com férias em resorts turísticos sempre iguais. Mas os portugueses são diferentes. Para um português pleno nada é mais importante que a aventura e se deixámos marca no mundo foi essa, a de aventureirismo que caraterizou a nossa presença no mundo, enquanto que os outros imperialismos europeus se preocupavam em explorar e em retirar das suas possessões o maior rendimento possível. Com excepção do Brasil, Portugal não colonizou as suas colónias, e esteve sempre mais “estando” do que “ficando” numa doce inebries onde o espírito de Conquista, de Cruzada ou de Missão foi sempre o predominante.

“A nossa visão não é a de uma Europa a olhar para dentro de si mesma, para o seu umbigo, mas a de uma Europa que olha para fora. Tal como a Inglaterra, estamos divididos entre uma visão continental da Europa e uma visão atlântica.”

> Portugal, quando em 1986, julgou encerrado o capítulo universalista da sua História a favor de um “regresso à Europa” (como se já lá tivesse estado alguma vez…). Errado. Não, está fechada. Está apenas por abrir… Como o MIL: Movimento Internacional Lusófono se encarregará de demonstrar, nos próximos anos.

Comentário a uma entrevista de Dom Duarte Nuno de Bragança

Categories: Movimento Internacional Lusófono, Política Nacional, Portugal | 28 comentários

O Brasil está a “limpar” as favelas preparando os grandes eventos internacionais que se avizinham

Favelas do Rio de Janeiro (www.sempretops.com)

Favelas do Rio de Janeiro (www.sempretops.com)

O Brasil tem a intenção de “limpar” as favelas que rodeiam o Rio de Janeiro como forma de aumentar a segurança do Campeonato de Futebol de 2014 e dos Jogos Olímpicos de 2016.

As favelas do Rio de Janeiro servem de residência a mais de um milhão dos seis milhões de habitantes dessa grande metrópole brasileira, o que dá uma boa medida da escala do desafio que se oferece às autoridades brasileiras.

A estratégia passa por três tipos de medidas para acabarem com o controlo das favelas por parte dos gangs de narcotraficantes:
1. Ocupação física das favelas com polícias e militares do exército através do estabelecimento de bases permanentes nas favelas e pela formação de “unidades de pacificação” que se interponham entre os residentes das favelas e os gangs de criminosos.
2. Dilma Rousseff anunciou em junho de 2011 um “plano estratégico” de controlo de fronteiras com os seus vizinhos por forma a travar o contrabando. No cumprimento deste plano o governo de Brasília vai aumentar dramaticamente o número de militares nas fronteiras e nas regiões produtoras de petróleo e munidas de portos internacionais. Neste âmbito ainda, Brasília vai instalar um novo sistema integrado de radar para vigilância de fronteira.

O Brasil, contudo, tem em curso um intenso programa de redução de despesa pública que atrasou muitos programas de reequipamento militar para 2012 (como o F-X2) e que deverá impactar também este programa de reforço de fronteiras.

Fonte:
http://www.spacewar.com/reports/Brazil_seeks_firmer_grip_on_favelas_999.html

Categories: Brasil, Política Internacional | 45 comentários

Comentário ao artigo “Lusofonia: Cultura ou Ideologia?” de Lourenço Rosário (Moçambique)

“Quando em 1988, Itamar Franco se reuniu com os seus homólogos em São Luís do Maranhão, o encontro não se designou Lusófono, mas sim dos Países de Língua Portuguesa. Assim, também as bases para a constituição de uma comunidade constituída por esses Países também não adotou o nome de Comunidade Lusófona, mas sim Comunidade dos Países de Língua Portuguesa, CPLP. Este é o primeiro ponto que coloco à reflexão e discussão. Por que razão é que do ponto de vista oficial, na diplomacia e na cooperação multilateral, jamais o termo lusófono foi adotado? E por que razão é que a nível do discurso político, sobretudo na relação entre o olhar de vários segmentos da sociedade portuguesa, este termo tem vindo a ser consagrado como sendo o de maior utilidade”

> O termo “lusofonia” introduziu-se no discurso político, económico e comum da sociedade portuguesa do século XXI. É praticamente impossível abrir ou jornal ou assistir a um programa noticioso na televisão sem que a palavra “lusofonia” seja lida ou escutada. O termo entrou claramente na moda. Politicamente neutro, economicamente imparcial, socialmente e culturalmente muito relevante, a palavra “lusofonia” designa hoje um conjunto de países geograficamente descontínuos unidos entre si mais por proximidades linguísticas, históricas e culturais do que económicas, sociais ou políticas. Neste contexto, “lusofonia” é algo de profundamente diverso de “anglofonia” ou “francofonia”, termos neocoloniais onde o fator económico, militar e político são dominantes.

“Marcelo Rebelo de Sousa esteve recentemente em Moçambique, no âmbito de cooperação académica entre as universidades portuguesas e moçambicanas. Ele escandalizou meio mundo ao, pela primeira vez, assumir a postura muitas vezes pronunciada em surdina de que havia que resgatar o lado bom do colonialismo, fazendo justiça àqueles que, embora servidores do sistema, conseguiram dar-lhe um rosto humano.”

> Tido geralmente como um fenómeno completamente negativo, com efeito, o colonialismo (e em particular, o colonialismo português) foi algo de muito mais profundo e complexo do que as leituras feitas na época de descolonização pareciam fazer transparecer. Especialmente no caso português e apesar de toda a carga negativa e dada a especificidade da presença portuguesa em África não se traduziu numa exploração massiva de recursos, nem no saque sistemático que carateriza a maioria dos outros colonialismos europeus. Isto deveu-se ao cruzamento de vários fatores:
a. Demografia: Portugal nunca teve a escala populacional, nem o crescimento demográfico que lhe permitisse enviar excedentes humanos para as colónias, como fizeram os holandeses com a África do Sul, os franceses com o Quebec, os ingleses com os EUA, Austrália e Nova Zelândia. Com excepção única do Brasil, Portugal não “colonizou” (no sentido restrito, enviando “colonos” em massa) nenhuma das suas colónias.
B. A escassez de recursos financeiros e logo, militares do país nunca lhe permitiu manter nos territórios sobre os quais tinha direitos administrativos uma exploração sistemática de recursos. O contributo económico das colónias (com excepção de Angola na década de 70) foi sempre diminuto para o todo da economia nacional.
C. Como Portugal sai apressadamente das suas colónias africanas e depois de uma longa e dura tripla guerra colonial não teve nem tempo, nem disposição anímica para deixar atrás de si a rede de dependências neocoloniais que ainda hoje potencias como a França ou o Reino Unido deixaram em África.
Estas condições tornam o colonialismo português e, sobretudo, o o seu legado em algo de substancialmente diferente do que foi o colonialismo europeu em África.

“O destino dos portugueses é plasmar o seu ser nos quatro cantos do mundo. A história, em parte, confirma isso, na medida em que, a partir do século XV, Portugal tornou-se numa grande potência mundial, presente em todos os continentes, fazendo-se respeitar e fazendo com que a sua língua se tornasse na língua franca nos meandros da economia, do comércio e da diplomacia. Mesmo com o enfraquecimento do estado português e consequente desaparecimento desse poderio real, os portugueses interiorizaram esse desígnio de grandeza histórica que lhe não permite ser contido naquele pequeno rectângulo que constitui o seu território.”

> E é por isso que a adesão à União Europeia (então, CEE) não se traduziu no “salto em frente” que se esperava. Houve, desde 1986, uma melhoria significativa de muitos indicadores de desenvolvimento, mas nada que fosse correspondente à escala dos fundos estruturais derramados sobre Portugal nem que permitisse reduzir o hiato económico entre os países do norte e Portugal: com excepcao de alguns anos na década de 90, desde a integração, Portugal cresceu sempre a um ritmo médio anual de 2.5%, inferior ao da maioria dos seus parceiros do norte, que, de resto partiam já de um patamar muito mais elevado. De facto, e curiosamente, as décadas de maior crescimento em Portugal correspondem às que medeiam entre 1930 e 1970, onde a economia terá crescido mais de 30%, apesar dos custos humanos e económicos de manter o segundo maior exército ao sul da Saará em três frentes de guerra muito ativas.

“O primeiro grande golpe sobre o mito do império é dado no início da década de 60, com a saída pouco gloriosa de Portugal dos territórios e colónias da Índia. A rendição militar bateu fundo no orgulho histórico dos heróis do mar, nobre povo e nação valente. Mais do que o Ultimato Inglês dos anos 90 do século XIX, a perda de Goa, Damão e Diu constituía a primeira machadada na herança sonhada, criada e deixada por Dom João II. Quero lembrar aqui, que pouco tempo antes e não por mera coincidência, Gilberto Freyre fora hóspede convidado de Salazar, naqueles territórios, onde foi buscar mais subsídios para consubstanciar as suas teorias lusotropicalistas, ido de Cabo verde.”

> A teimosia de Salazar em deixar os territórios da União Indiana de uma forma negociada e que assegurasse a preservação da herança portuguesa no território pela via de um referendo que permitisse que a população local escolhesse entre autonomia, independência, integração na União Indiana ou continuação do domínio português condenou a Índia Portuguesa ao fim.
É certo que o regime do Estado Novo não estava realmente perante uma plena escolha: a preservação do império era parte da matriz identitária do regime e o exemplo da cedência – ainda que negociada – de uma das suas parcelas seria uma motivação para que outras colónias seguissem o mesmo caminho. Organizar e seguir um referendo livre e independente em Goa seria também muito problemático para um regime que ao fim ao cabo, não era democrático, nem na metropole e muito menos nas suas colónias… Os resultados até poderiam favorecer uma autonomia alargada ou a continuação no estatuto atual, dada a intensidade da presença portuguesa no território (especialmente religiosa e administrativa), mas um tal exemplo poderia ser depois ser seguido em Moçambique ou em Angola, onde o desfecho não seria certamente tão favorável aos interesses de Lisboa…

“Uma das grandes discussões que ainda divide os integrantes das estruturas do Instituto Internacional de Língua Portuguesa, com sede em Cabo Verde, reside precisamente no facto de os representantes portugueses com a neutralidade cúmplice dos brasileiros considerarem que aquela instituição deve velar essencialmente os interesses e defesa da língua portuguesa, denominador comum dos países nele representados. Os africanos procuram lembrar aos seus parceiros que o panorama linguístico dos três países africanos continentais e Timor Leste é de diversidade linguística.” (…) “O impasse tem praticamente paralisado o IILP que não consegue encontrar saídas e os poucos projectos alternativos não avançam por falta de vigor.”

> A Lusofonia e a CPLP têm que trilhar o seu caminho na senda da originalidade e inovação. O IILP não deve, não pode ser uma pura emanação dos interesses da industria cultural portuguesa ou brasileira. Por isso, não pode ser um instrumento de um “imperialismo cultural lusófono” em que o português seja um agente de opressão ou imposição linguística e cultural. A língua de Camões não é uma língua morta, como o latim, e incorpora no seu seio muitos elementos alheios. Em África e no Brasil, em particular, as variantes locais do português incorporam vários vocábulos de línguas locais e isso enriquece a língua – no seu todo – tornando-a dinâmica, adaptável e viva. O IILP tem que incluir no seu programa operativo e de investigação não somente a promoção e o desenvolvimento da língua portuguesa, mas também o das línguas nacionais de todos os Estados da CPLP, incluindo o mirandês, em Portugal e a variante galega do português. Assim, enriquecerá a língua cuja defesa é a sua missão principal, não as tolerando (termo sempre pejorativo) mas promovendo-as e estimulando a sua coexistência ao lado do português.

Categories: Brasil, Economia, Lusofonia, Movimento Internacional Lusófono, Política Nacional, Portugal | 115 comentários

Create a free website or blog at WordPress.com.

Eleitores de Portugal (Associação Cívica)

Associação dedicada à divulgação e promoção da participação eleitoral e política dos cidadãos

Vizinhos em Lisboa

A Vizinhos em Lisboa tem em vista a representação e defesa dos interesses dos moradores residentes nas áreas, freguesias, bairros do concelho de Lisboa nas áreas de planeamento, urbanismo, valorização do património edificado, mobilidade, equipamentos, bem-estar, educação, defesa do património, ambiente e qualidade de vida.

Vizinhos do Areeiro

Núcleo do Areeiro da associação Vizinhos em Lisboa: Movimento de Vizinhos de causas locais e cidadania activa

Vizinhos do Bairro de São Miguel

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos

TRAVÃO ao Alojamento Local

O Alojamento Local, o Uniplaces e a Gentrificação de Lisboa e Porto estão a destruir as cidades

Não aos Serviços de Valor Acrescentado nas Facturas de Comunicações !

Movimento informal de cidadãos contra os abusos dos SVA em facturas de operadores de comunicações

Vizinhos de Alvalade

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos de Alvalade

anExplica

aprender e aprendendo

Subscrição Pública

Plataforma independente de participação cívica

Rede Vida

Just another WordPress.com weblog

Vizinhos do Areeiro

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos do Areeiro

MDP: Movimento pela Democratização dos Partidos Políticos

Movimento apartidário e transpartidário de reforma da democracia interna nos partidos políticos portugueses

Operadores Marítimo-Turísticos de Cascais

Actividade dos Operadores Marítimo Turísticos de Cascais

MaisLisboa

Núcleo MaisDemocracia.org na Área Metropolitana de Lisboa

THE UNIVERSAL LANGUAGE UNITES AND CREATES EQUALITY

A new world with universal laws to own and to govern all with a universal language, a common civilsation and e-democratic culture.

looking beyond borders

foreign policy and global economy

O Futuro é a Liberdade

Discussões sobre Software Livre e Sociedade