Sobre o agravamento dos juros na Itália e Espanha

http://www.quadrodemedalhas.com

O agravamento recente dos juros pagos por Espanha e Itália veio trazer à tona, novamente, a situação absurda que vive a Europa: uma Moeda Única, sem uma única governação económica e financeira e, sobretudo, sem Solidariedade entre os Estados-Membros. Sem eles, a Europa e o “seu” euro estão acabados.

Portugal tem sido muito prejudicado desde 1990, altura em que aderiu à União Monetária que, em 2000, se tornaria no nefasto Euro. Esta moeda cara, feita à medida dos interesses da Alemanha, destruiu boa parte do setor exportador nacional e se nos mantivermos nesta moeda, iremos ser cada vez um protetorado alemão e menos um país independente e soberano.

O agravamento da crise financeira na Espanha e na Itália – em que cada um destes países precisa mais de 400 mil milhões de euros cada – recorda que ter uma Moeda Única sem uma Governação Única é impossível. E cuidado com a “solução” que se começa a cozinhar nos bastidores: a imposição por meios não-democráticos de um “ministério das Finanças” europeu e do fim da capacidade soberana mais fundamental (além da Defesa): a de cobrar impostos.

O euro nao vai resistir à crise espanhola e italiana. A opção de saída unilateral do euro é assim prematura. Esperemos o seu colapso, preparemos e façamos o nosso “trabalho de casa”, saneando as nossas finanças, parando com este vício da dívida (que nos faz pedir emprestado 1.3. mil milhões por mês para pagar salários e pensões) e restauremos o nosso setor produtivo.

Portugal tem assim duas opções pós-Euro: ou adere a um novo “euro” dos países periféricos (que a UE pode querer criar) ou recupera a sua soberania monetária. A recuperar a sua soberania (opção que favoreço) tal deve acontecer recriando o Escudo em torno do padrão ouro, por forma a rentabilizar as nossas reservas (ainda as sétimas do mundo) e atribuir a esta nova moeda um valor fiduciário correspondente às nossas reservas em ouro. Portugal pode assim tornar a ser pioneiro, saindo do Euro e regressando ao padrão-ouro dar o exemplo ao resto do mundo.

Mas Portugal pode ir ainda mais longe. Pode aproveitar esse impulso regenerador e criar no mesmo momento um “Moeda  CPLP”, ligada umbilicalmente ao padrão-ouro, físico (como o Franco CFA) ou virtual (como era o “ECU” europeu), mas contendo e relacionando-se com as reservas em ouro de todos os países da CPLP.

Categories: Economia, Política Internacional | 9 comentários

Navegação de artigos

9 thoughts on “Sobre o agravamento dos juros na Itália e Espanha

  1. Não terá o general Loureiro dos Santos(no seu artigo de ontem)ao comentar que toda esta indecisão na resolução da crise pode bem ser uma estratégia dos alemães(com Merkel) para tomar conta da europa que sobrar da crise??

  2. sim, pois pode ser.
    Mas para isso Merkel teria que ter fibra. E não tem.
    Não passa de uma palonça que está sempre a dizer e a desdizer.
    Até que faria sentido (essa tese), se estivéssemos perante líderes incompetentes, o que não é claramente o caso…

  3. Conforme eu disse a tempos passados, mt outros países membros da UE pediriam ajuda, calma, ainda tem outros , ei-los aêh…Sds.

  4. Odin

    “O agravamento recente dos juros pagos por Espanha e Itália veio trazer à tona, novamente, a situação absurda que vive a Europa: uma Moeda Única, sem uma única governação económica e financeira e, sobretudo, sem Solidariedade entre os Estados-Membros. Sem eles, a Europa e o “seu” euro estão acabados.”
    – O sonho europeu realmente vai acabar ?! Que pena!!! 😦
    “…O euro nao vai resistir à crise espanhola e italiana. A opção de saída unilateral do euro é assim prematura… Portugal tem assim duas opções pós-Euro: ou adere a um novo “euro” dos países periféricos (que a UE pode querer criar) ou recupera a sua soberania monetária. A recuperar a sua soberania (opção que favoreço) tal deve acontecer recriando o Escudo em torno do padrão ouro, por forma a rentabilizar as nossas reservas (ainda as sétimas do mundo) e atribuir a esta nova moeda um valor fiduciário correspondente às nossas reservas em ouro. Portugal pode assim tornar a ser pioneiro, saindo do Euro e regressando ao padrão-ouro dar o exemplo ao resto do mundo.”
    Sair do Euro para aderir a um outro Euro????????? Se for para sair, então é melhor voltar a ter a sua própria moeda nacional. Todos esses que tiveram problema com o Euro, que voltem a ter soberania monetária.
    “Mas Portugal pode ir ainda mais longe. Pode aproveitar esse impulso regenerador e criar no mesmo momento um “Moeda CPLP”, ligada umbilicalmente ao padrão-ouro, físico (como o Franco CFA) ou virtual (como era o “ECU” europeu), mas contendo e relacionando-se com as reservas em ouro de todos os países da CPLP.”
    – Moeda CPLP? E qual seria o nome? Mas já após a saída do Euro? E quanto a posição dos demais países da CPLP?

    • Bem, o nome viria depois… Para ja ‘e fazer a sementeira e ver o que brota dela.
      Vivemos tempos radicais que exigem solucoes radicais (e de visao) e um “escudo cplp” seria certamente uma delas para a recuperacao dessa essencial soberania monetaria que perdemos desde 1990 para a Alemanha.

    • Parece que sim, que o fizeram, juntamente com mais dois paises. Mas deve ser uma medida temporaria e mais “punitiva” do que estrategica… E sobretudo sao medidas isoladas, quando se impunha uma medida global em toda a Europa, EUA e economias emergentes!

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Create a free website or blog at WordPress.com.

Eleitores de Portugal (Associação Cívica)

Associação dedicada à divulgação e promoção da participação eleitoral e política dos cidadãos

Vizinhos em Lisboa

A Vizinhos em Lisboa tem em vista a representação e defesa dos interesses dos moradores residentes nas áreas, freguesias, bairros do concelho de Lisboa nas áreas de planeamento, urbanismo, valorização do património edificado, mobilidade, equipamentos, bem-estar, educação, defesa do património, ambiente e qualidade de vida.

Vizinhos do Areeiro

Núcleo do Areeiro da associação Vizinhos em Lisboa: Movimento de Vizinhos de causas locais e cidadania activa

Vizinhos do Bairro de São Miguel

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos

TRAVÃO ao Alojamento Local

O Alojamento Local, o Uniplaces e a Gentrificação de Lisboa e Porto estão a destruir as cidades

Não aos Serviços de Valor Acrescentado nas Facturas de Comunicações !

Movimento informal de cidadãos contra os abusos dos SVA em facturas de operadores de comunicações

Vizinhos de Alvalade

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos de Alvalade

anExplica

PEDAÇOS DE SABER

Subscrição Pública

Plataforma independente de participação cívica

Rede Vida

Just another WordPress.com weblog

Vizinhos do Areeiro

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos do Areeiro

MDP: Movimento pela Democratização dos Partidos Políticos

Movimento apartidário e transpartidário de reforma da democracia interna nos partidos políticos portugueses

Operadores Marítimo-Turísticos de Cascais

Actividade dos Operadores Marítimo Turísticos de Cascais

MaisLisboa

Núcleo MaisDemocracia.org na Área Metropolitana de Lisboa

THE UNIVERSAL LANGUAGE UNITES AND CREATES EQUALITY

A new world with universal laws to own and to govern all with a universal language, a common civilsation and e-democratic culture.

looking beyond borders

foreign policy and global economy

%d bloggers like this: