O relatório da “Global Commission on Drug Policy” e liberalização do consumo e comercialização de Drogas

É por demais evidente que a longa, tortuosa, custosa e trágica “guerra contra o narco-tráfico” foi perdida. Perante tal constatação, os Governos de todo o mundo deviam começar a trabalhar na legalização das drogas leves. Essa é a minha convicção pessoal e a de uma comissão que produziu a mesma conclusão e que inclui vários antigos chefes de Estado e o antigo secretário-geral da ONU, Kofi Anan, entre varias outras personalidades.

A “Global Commission on Drug Policy” menciona os terríveis efeitos na criminalidade e nas sociedades do comércio clandestino de drogas e o facto de nunca num país este combate ter sido vencido, havendo apenas interregnos seguidos de transferências de sedes do narcotráfico, como sucede atualmente entre a Colômbia e o Peru.

Segundo o texto do relatório que sumariza as suas conclusões: “os líderes políticos e as figuras públicas devem agir corajosamente por forma a articular publicamente o que muitos afirmam em privado: que as provas demonstram de forma esmagadora que as estratégias repressivas não vão resolver o problema das drogas, e que a guerra contra as drogas não foi vencida e nao pode, nunca, ser vencida”.

Se a nível global – e teria que ser assim – vários ou pelo menos vários países limítrofes acordassem entre si na liberalização total do consumo e venda de drogas, o incrivelmente rico e poderoso submundo do narcotráfico seria destruído de uma só assentada e seria forçado a transferir os gigantescos capitais de que dispõe (muitas máfias da droga têm mais recursos do que os seus próprios governos) para a economia real. A legalização do comércio e do consumo faria com que de um dia para o outro, os preços e os lucros do narcotráfico se eclipsassem e taxando-os, os Estados recuperariam os recursos que depois poderiam investir em redes de recuperação de tóxico-dependentes e em campanhas informativas divulgando os malefícios do consumo de drogas.

A legalização radical do comércio e consumo de drogas não resolveria o problema do consumo, de certo. Mas esse problema (o verdadeiro, aqui) não se resolve pela repressão policial, mas criando sociedades mais justas e que abram mais oportunidades aos jovens para expressarem as suas capacidades… O fim da repressão não curaria milagrosamente nenhum tóxico-dependente, mas tira-lo-ía do mundo do crime (pela drástica queda dos preços das drogas) e daria aos Estados recursos (libertados da guerra contra a droga e da redução da criminalidade) para procurar curar muito mais pessoas das dependências. Baixaria também para níveis inéditos na História os níveis de criminalidade, já que se sabe que mais de 60% de toda a criminalidade radica precisamente no narco-tráfico ou em atividades ou necessidades a ele ligadas. Razões bastantes, para apoiar esta recomendação do “Global Commission on Drug Policy”.

Fonte:
http://www.msnbc.msn.com/id/43248071/ns/us_news-crime_and_courts/

Categories: Política Internacional, Política Nacional, Portugal, Saúde, Sociedade, Sociedade Portuguesa | 4 comentários

Navegação de artigos

4 thoughts on “O relatório da “Global Commission on Drug Policy” e liberalização do consumo e comercialização de Drogas

  1. HSMW

    Concordo e entregue a privados.
    Tal como acontece na Holanda. A erva e pólenes são vendidos as miores de idade, em locais autorizados, em quantidades limitadas, com imposto sobre este tipo de produtos.

    Nuns locais pode-se comprar e fumar mas é proibido o consumo de bebidas alcoólicas! Noutras bebe-se e fuma-se mas não se vende. Não rua não se pode fumar drogas nem beber álcool!
    Tudo tem um local próprio. Aqui o Bairro Alto seria um lugar apropriado.
    Mais receita para o Estado, menos mercado paralelo e o fim de muito traficante.

    Apesar de nunca ter ligado a drogas, nem durante a adolescência, estive uns dias em Amesterdão e deu para ver como o holandeses lidaram inteligentemente com este problema.

  2. parceiro… continuo a achar toda esta discussão uma enorme bagunça

    a ‘liberalização total do consumo e venda de drogas’ faz tanto sentido como – ou ainda menos que – ‘a liberalização total da compra e venda de órgãos’. exactissimamente sob as mesmas razões, ainda que suscitando reacções de análise diferentes

    vir proclamar em ‘relatório’ que ‘as estratégias repressivas não vão resolver o problema das drogas’, julgo que apenas confirma a enorme descascadela de pevides que vai numa ONU muito mais esbanjadora que proveitosa […o que é tristemente lamentável]
    nunca ouvi ninguém dizer que ‘as estratégias repressivas’ iam ‘resolver o problema das drogas’ !?
    …aliás, da mesma forma, dizes – e bem – que as liberalizações também não têm a presunção de vir a ‘resolver’ nada
    como em muitas outras lepras da sociedade, o droguismo só se estanca na fonte. e se não for aí, não o será nunca. não se vai lá com planos reactivos, sejam elas quais forem

    só há um critério para o estabelecimento da ‘repressão’ de um Estado face a qualquer comportamento: a unânime condenação social do dito e a absoluta recusa da GREI em compactuar com ele
    podia argumentar que se deixássemos totalmente de penalizar a violência doméstica, podia ser que todos aqueles machões que acham que afinfar nas companheiras é que é de homem, e que são perseguidos e noticiados ao mundo, passassem de repente a achar que sendo uma coisa considerada mundana e insignificante… não valesse a pena a selvaria
    …podia argumentá-lo publicamente, não sei se com um mínimo de propriedade. mas tenho a certeza que teria logo um coro de gente a explicar-me como um Estado não pode ser simultaneamente conivente e cúmplice em comportamentos de fronteira. simultaneamente censor dos seus efeitos e directo beneficiário dos seus proveitos. não faz sentido
    e a resposta de um Estado ao estado das coisas consumadas é materialmente distinta do investimento nas estratégias para impedir que esse estado se auto-alimente e auto-replique eternamente

    e dentro das soluções míticas, aparece frequentemente ‘o preço’
    …quando se a baixa do preço das drogas fosse solução, devia estar toda a gente neste momento aos pulos e não está. pelo contrário
    http://diario.iol.pt/geral/cocaina-precos-droga-nacoes-unidas-comercio-agencia-financeira/1262579-5238.html

    a política ‘portuguesa’, aos olhos de muitos, não passam de ‘inovadoras’. sem ser portadora de nenhuma loucura de resultados práticos
    http://www.abola.pt/mundos/ver.aspx?id=271144
    apenas as doenças correlativas estão a ser mais bem tratadas do que eram antes da ‘discriminalização’, e mesmo assim, com uma DÉCADA de experiência, o resultado apresentado está longe de ser famoso, ou se calhar sequer tão famoso como o de países menos ‘liberalizacionalicistas’

    continuo a achar que há uma grande bagunça na discussão deste tema, confundindo-se causas, circunstâncias, consequências, factos, opiniões, ciências, fés… o que só ajuda a descentrar energias da sua resolução. aqui e por todo o lado

    • Mas a grande questao, Pedro, ‘e a de saber se a politica de repressao e combate seguida nos ultimos cinquenta anos produziu efeitos.
      E ‘e impossivel dizer que sim. Sempre que se conseguiram “vitorias” elas foram locais e logo o polvo se transferiu para um estado fronteiro (ver Colombia/Peru).
      Perante o fracasso da repressao e ilegalidade ha que ver mais alem e sem fazer julgamentos aprioristicos.
      Se a repressao e a ilegalizacao nao funcionam, a opcao evidente ‘e o polo oposto: tolerancia e legalizacao.
      Uma ja se sabe que nao funciona. A outra nao (e o caso holandes nao ‘e exemplo, pq estao rodeados de paises onde a droga esta ilegalizada).
      Uma tal mudanca tao radical, teria que ser feita (como o fim dos offshores…) A uma escala regional ou mesmo global, para ter efeitos…

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Create a free website or blog at WordPress.com.

Eleitores de Portugal (Associação Cívica)

Associação dedicada à divulgação e promoção da participação eleitoral e política dos cidadãos

Vizinhos em Lisboa

A Vizinhos em Lisboa tem em vista a representação e defesa dos interesses dos moradores residentes nas áreas, freguesias, bairros do concelho de Lisboa nas áreas de planeamento, urbanismo, valorização do património edificado, mobilidade, equipamentos, bem-estar, educação, defesa do património, ambiente e qualidade de vida.

Vizinhos do Areeiro

Núcleo do Areeiro da associação Vizinhos em Lisboa: Movimento de Vizinhos de causas locais e cidadania activa

Vizinhos do Bairro de São Miguel

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos

TRAVÃO ao Alojamento Local

O Alojamento Local, o Uniplaces e a Gentrificação de Lisboa e Porto estão a destruir as cidades

Não aos Serviços de Valor Acrescentado nas Facturas de Comunicações !

Movimento informal de cidadãos contra os abusos dos SVA em facturas de operadores de comunicações

Vizinhos de Alvalade

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos de Alvalade

anExplica

PEDAÇOS DE SABER

Subscrição Pública

Plataforma independente de participação cívica

Rede Vida

Just another WordPress.com weblog

Vizinhos do Areeiro

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos do Areeiro

MDP: Movimento pela Democratização dos Partidos Políticos

Movimento apartidário e transpartidário de reforma da democracia interna nos partidos políticos portugueses

Operadores Marítimo-Turísticos de Cascais

Actividade dos Operadores Marítimo Turísticos de Cascais

MaisLisboa

Núcleo MaisDemocracia.org na Área Metropolitana de Lisboa

THE UNIVERSAL LANGUAGE UNITES AND CREATES EQUALITY

A new world with universal laws to own and to govern all with a universal language, a common civilsation and e-democratic culture.

looking beyond borders

foreign policy and global economy

<span>%d</span> bloggers like this: