Ricardo Reis: “Porque somos tão pobres?”

“Apesar de muito progresso nos últimos 50 anos, Portugal ainda é um país pobre. Em 2010, um alemão era em média 62% mais rico do que um português, e até um grego era 10% mais rico do que nós.
A última década agravou este atraso. O nosso PIB per capita cresceu só 2.2%. Para pôr este número em perspetiva, a estagnação económica japonesa entre 1992 e 2002 ficou famosa como a década perdida. Quanto cresceu o Japão durante este período? Mais do dobro do que Portugal nos últimos 10 anos: 5.7%”

> Portugal está em estagnação económica há mais de uma década. Um tão longo período de paralisia económica já devia ter convencido as elites governativas (sobretudo as do bi-partido PS-PSD) de que o modelo económico, baseado na construção de infraestruturas, no predomínio do setor terciário e do imobiliário está esgotado e que não é capaz de produzir os recursos suficientes para manter um país da nossa dimensão. É impossível que o país continue a existir nesta forma e neste formato atual indefinidamente. E não serão nem “contenções orçamentais” nem a destruição do Estado Social que – a prazo – irão resolver algo. Portugal precisa de novos paradigmas, de novos modelos e de novos desígnios nacionais ou arrisca-se a ser para todo o sempre não mais do que um protetorado da Europa do Norte, que se hoje nos empresta dinheiro (a juros elevados) para evitar a bancarrota, amanhã não hesitará a enviar as suas legiões por forma a garantir a boa cobrança desse empréstimo ou a tomada da zona económica exclusiva como garantia dos mesmos.

“Porque somos tão pobres? Não é porque trabalhamos pouco. Em relação à nossa população, mais portugueses trabalham do que gregos ou alemães, e cada um passa muito mais horas no local de trabalho – 26% mais do que os gregos e 8% mais do que alemães.”

> Não é este o mito que os alemães querem fazer passar. Para o alemão, todos os povos do sul são calaceiros e pouco amigos do Trabalho. Mas a realidade desmente esses preconceitos racistas dos germânicos: não só os portugueses trabalham por semana mais horas que os alemães (mais 3), como têm menos dias de férias que os germânicos. A diferença entre Alemanha e Portugal não está no Trabalho, portanto. Está na Produtividade do mesmo… e aí entram em equação um sem número de fatores além do próprio trabalhador.

“Também não é porque investimos pouco ou porque temos equipamentos e infra-estruturas insuficientes. Em relação ao que produzimos, o nível do nosso capital é semelhante ao de outros países europeus.”

> a rede rodoviária portuguesa é muito mais densa que a alemã, por exemplo. E os investimentos públicos no setor dos transportes consideráveis. Graças aos “fundos europeus” comprámos inúmeros bens e serviços (sobretudo a empresas do norte da Europa) para modernizar até ao nível europeu a nossa rede de transportes. E a parte que os Fundos não financiaram fomos buscá-la ao endividamento que hoje ameaça asfixiar-nos… Ficámos com uma grande rede de transportes, mas com ela veio uma grande dívida externa. O investimento (seguindo restritamente as orientações europeias) concentrou-se nas infraestruturas e em troca dele sacrificámos a nossa indústria (cedida à China e à Europa de Leste) e as pescas (sendo os nossos mares rapidamente ocupados com arrastões espanhóis).

“A causa da pobreza portuguesa é fazermos pouco com os meios à nossa disposição. Desta falta de produtividade, destacam-se os dois componentes.
Primeiro, a falta de capital humano. Em 2010, em média, um português passou 7.7 anos na escola, contra os 10.4 anos dos nossos vizinhos espanhóis, e os 12.4 anos dos norte-americanos.”

> e com que rendimento escolar? e em que cursos? Não é somente uma questão de poucos anos no ensino superior, é uma questão de saber se certo tipo de cursos que hoje proliferam (e foram autorizados pelo Ministério) têm razão de ser ou se devem ser reduzidos apenas às quantidades que o Mercado de Trabalho consegue efetivamente absorver. Cursos como “Relações Externas”, “Psicologia”, “Direito”, “Sociologia”, etc devem ser rigorosamente avaliados na sua qualidade, a sua quantidade deve ser avaliada e reduzida até patamares aceitáveis e mestrados absurdos como “engenharia de campos de golfe” ou “mestrado da Paz” simplesmente suprimidos como plenas inutilidades que são.

“Um ano a mais nas nossas escolas produz um aumento de rendimento de 2%. Um ano a mais numa escola espanhola leva a um aumento de 4.5%. E numa escola alemã, 8.3%. Estas diferenças de rentabilidade são bem maiores do que a diferença nos anos de escolaridade.”

> Todos os cursos superiores (públicos e privados) devem ser sujeitos a auditorias externas que avaliem a sua qualidade. Os piores, devem ser encerrados. Os maus professores despedidos. Os maus alunos no ensino público (que chumbem anos seguidos, sem fim) devem ser expulsos, como efetivo desperdício de recursos escassos que são.

“O segundo fator é a má gestão. Um estudo recente mediu as práticas de gestão em 17 países do mundo com base em grandes amostras a empresas. Talvez não surpreenda o leitor que a qualidade da nossa gestão é má. As práticas de gestão portuguesas estão abaixo das mexicanas ou polacas e só acima das brasileiras e das gregas.
Olhando para as categorias individuais, os portugueses dão-se pior nos recursos humanos. Deste estudo fica a impressão que, comparado com outros países, praticamente não existem bons incentivos no local de trabalho em Portugal. Recompensar os melhores funcionários e castigar os piores, incluindo despedi-los, são atos invulgares na indústria portuguesa.”

> Será polémico, de certo, mas há que rever o Código Laboral permitindo que os calaceiros que passam o dia a discutir futebol ou as novelas sejam afastados. O despedimento individual não pode ser o tabu que é nos dias de hoje. Há que encontrar formas de defender os trabalhadores contra abusos e prepotências, mas a ligação entre empenho e comprometimento no Trabalho e Emprego e, sobretudo, níveis de remuneração deve ser firmemente estabelecida.

A forma menos arbitrária de estabelecer Justiça e Incentivos para a produtividade passa – em nosso entender – pela conversão das empresas em cooperativas de produção em que o Capital é parcial ou totalmente detido pelos próprios trabalhadores, os seus gestores (intermédios e de topo) eleitos em assembleia geral e todos aqueles que por manifesta incapacidade ou falta de vontade são incapazes de contribuir a sua parte para o todo coletivo, afastados nessas mesmas assembleias gerais. Estabeleça-se a ligação entre Produtividade e Vencimento, coloquem-se as pessoas a trabalharem para objetivos estendíveis e alcançáveis, tornando-as parte desse processo decisório e executório e teremos um país reestruturado e vencendo o seu grande problema: a incapacidade crónica da maioria dos seus gestores.

Comentário a um artigo de Ricardo Reis
Sol 6 de maio de 2011

Categories: Economia, Política Nacional, Portugal | 3 comentários

Navegação de artigos

3 thoughts on “Ricardo Reis: “Porque somos tão pobres?”

  1. Pingback: Ricardo Reis: “Porque somos tão pobres?” « 25 de Novembro sempre !

  2. Luis Ribeiro

    Ia tudo tão bem até descabar num “conversão das empresas em cooperativas de produção em que o Capital é parcial ou totalmente detido pelos próprios trabalhadores”.

    Isto só seria realizável num mundo imaginável onde não faltam exemplos por esse mundo fora, de tentavas de implementação de sistemas idênticos a este, mas que falham devido a variados motivos, nem que seja, pelo facto das diferentes características do ser humano…

  3. paulo Alves

    Sim , de facto muitos tugas são calões , amigos dos tachos , conheço imensa gente a trabalhar em diversas câmaras municipais , juntas de freguesias e empresas publicas onde só trabalham pouco mais de quatro horas diárias e têm ordenados que a maior parte dos trabalhadores do sector privado não têm ( estes são os que produzem riqueza ) . Neste pais quem trabalha muito recebe pouco ( sector privado ) , e que trabalha pouco e quase nada produz tem optimos ordenados , direitos adequiridos , reformas antecipadas , não é por acaso que hoje assistimos a uma emigração em massa por parte dos trabalhadores do sector privado . A culpa não é dos Alemães , a culpa é dos Portugueses , este povo semeou chico-espertismo agora colhe o que plantou , bancarrota !!!!!

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Site no WordPress.com.

Eleitores de Portugal (Associação Cívica)

Associação dedicada à divulgação e promoção da participação eleitoral e política dos cidadãos

Vizinhos em Lisboa

A Vizinhos em Lisboa tem em vista a representação e defesa dos interesses dos moradores residentes nas áreas, freguesias, bairros do concelho de Lisboa nas áreas de planeamento, urbanismo, valorização do património edificado, mobilidade, equipamentos, bem-estar, educação, defesa do património, ambiente e qualidade de vida.

Vizinhos do Areeiro

Núcleo do Areeiro da associação Vizinhos em Lisboa: Movimento de Vizinhos de causas locais e cidadania activa

Vizinhos do Bairro de São Miguel

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos

TRAVÃO ao Alojamento Local

O Alojamento Local, o Uniplaces e a Gentrificação de Lisboa e Porto estão a destruir as cidades

Não aos Serviços de Valor Acrescentado nas Facturas de Comunicações !

Movimento informal de cidadãos contra os abusos dos SVA em facturas de operadores de comunicações

Vizinhos de Alvalade

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos de Alvalade

anExplica

PEDAÇOS DE SABER

Subscrição Pública

Plataforma independente de participação cívica

Rede Vida

Just another WordPress.com weblog

Vizinhos do Areeiro

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos do Areeiro

MDP: Movimento pela Democratização dos Partidos Políticos

Movimento apartidário e transpartidário de reforma da democracia interna nos partidos políticos portugueses

Operadores Marítimo-Turísticos de Cascais

Actividade dos Operadores Marítimo Turísticos de Cascais

MaisLisboa

Núcleo MaisDemocracia.org na Área Metropolitana de Lisboa

THE UNIVERSAL LANGUAGE UNITES AND CREATES EQUALITY

A new world with universal laws to own and to govern all with a universal language, a common civilsation and e-democratic culture.

looking beyond borders

foreign policy and global economy

%d bloggers like this: