Resposta a Riquepqd sobre uma União Portugal-Brasil

Este comentário de Riquepqd deriva de um artigo publicado recentemente no Finantial Times num muito pejorativo para com Portugal (algo que infelizmente esta longe de ser uma raridade na imprensa britânica). No essencial, o FT alega que Portugal devia tornar-se numa província brasileira, ao que Riquepqd responde:

“retiraríamos o termo província, que tem uma conotação pejorativo neste tipo de discussão, substituiríamos por Estado.”
– Obviamente, o termo “província” tem no articulado britânico uma intenção meramente insultuosa… Pretende tornar o milenar Portugal num apêndice de um outro pais, classificando como secundário, desprezível e irrelevante, como uma pulga que qualquer nação no mundo consegue esmagar. Desenganem-se os britânicos… A lista de invasores que tentaram absorver Portugal ‘e inumera e todos tem algo em comum: falharam. Portugal não ‘e um “estado falhado” e nunca será. O mesmo não se poderá dizer do Reino Unido quando as suas “colónias insulares” começarem a sair (a começar pela Escócia)…

Riquepqd prefere a aproximação politica entre Portugal e Brasil seguindo o primeiro um formato de “Estado”. ‘E verdade que o estatuto de “Estado” garante a essa entidade um maior grau de autonomia e auto governo que uma “província” (especialmente num estado relativamente muito centralizado como o brasileiro). Um Estado deve ter um elevado padrão de auto-governo e um amplo leque de competências, recursos e finalidades. De facto, na minha Visão os “Estados” devem ser confederados e não federados, mas o essencial das competências que tradicionalmente lhe são atribuídas devem ser delegadas a nível autárquico (descentralização municipalista), pelo que seria a este patamar (e não ao nível do Estado) que residiria o essencial do exercício da cidadania e do poder politico, o desvalorizaria a polémica Estado-Provincia, em grande medida…

“Segundo, hoje Portugal é um “federado” entre estrangeiros, quase sem voz e com graves problemas económicos na União Europeia.”
– Sendo esse estatuto menor e inferior obtido pelos europeus (liderados por uma alemanha que parece ter esquecido já as lições do expansionismo germânico do século XX) sem que tivesse havido um só referendo onde os cidadãos de Portugal tivessem expresso a sua vontade soberana em transferir a mesma para fora do seu pais. Nunca houve em Portugal um “referendo europeu” que legitimasse a deriva “federalista” (de facto, “centralista”) nem a submissão dos países mais pequenos aos maiores e mais ricos.

“Na federação brasileira, por sua importância histórica, política e geográfica, teria papel de destaque em todos os campos, principalmente no político, assim como fazem São Paulo e Rio de Janeiro.”
– De facto, o modelo que advogo (e advogamos no MIL) ‘e diverso: não ‘e uma absorção pura e simples na já existente federação brasileira, mas a formação de uma união lusitana, em que Portugal, Brasil e os demais paises lusofonos estariam ao mesmo nível (o modelo atual de funcionamento da CPLP), sendo este o único capaz de calar os criticos que apregoam “novos imperialismos” resultantes do papel “imperial” histórico português ou demográfico e económico atual do Brasil. Seria uma confederação de Estados independentes, intensamente descentralizada a nível municipal e profundamente diferente (no que concerne ao exercício da democracia) dos atuais modelos de Estado que hoje conhecemos, portanto.

“Terceiro, Brasil e Portugal teriam grandes vantagens em se tornar ao lado da França e Reino Unido, uma nação transcontinental. Com Portugal, o Brasil consolidaria papel entre os protagonistas do mundo, e com o Brasil, Portugal voltaria a ter no mundo o papel relevante que sempre teve.”
– De facto. Seríamos uma autêntica superpotencia mundial: com um pé na região mais desenvolvida do mundo (a Europa) e outro numa das potencias com mais potencial (o Brasil). Complementados com Angola e os seus numerosos recursos naturais, formaríamos um triângulo inigualável no mundo e ímpar na Historia.

“Quarto, a sufocada economia portuguesa voltaria a ter gigantescas esperanças de recuperação, já que ganhariam novos 190 milhões de consumidores, com aumento sem precedentes do mercado consumidor, aumentariam as vendas, os empregos, o PIB e etc.”
– e o Brasil beneficiaria igualmente dos bons (porque os há) ensinamentos portugueses no processo de unificação europeia, da mao de obra qualificada portuguesa, das suas ligações únicas na África lusofona e na comunidade migrante portuguesa dispersa pelo mundo, do avançado estado de desenvolvimento da Ciência e da industria tecnológica portuguesa, entre muitas outras vantagens.

“Quinto, o crescimento económico no Brasil estaria garantido durante alguns anos, já que está ameaçado por falta de mão de obra qualificada, porque não faltaria mão de obra qualificada oriunda de Portugal. E de quebra reduziria a níveis mínimos o desemprego em Portugal.”
– Ora bem. Um excelente exemplo de como a aproximação poderia beneficiar ambas as partes; falta de Emprego de um lado, procura do mesmo do outro.

“Sexto, a dívida soberana portuguesa seria liquidada, porque é inexpressiva em relação as reservas do tesouro brasileiro, com isto, todo o PIB português voltaria a ser investido em melhorias para o povo português, ao invés de ter parte sendo usada para pagar os juros da dívida, com isto Portugal também não precisaria se submeter aos desmandos do FMI ou das arrogância dos seus “irmãos” europeus.”
– Sendo ainda mais importante que fossem criadas condições para que Portugal não continuasse neste ritmo suicidario de endividamento constante e crónico. O Brasil poderia facilmente absorver a Divida portuguesa, mas essa absorção teria que ser submetida a referendo, por forma a não minar um relacionamento que não poderia (re)começar com equivocos latentes ou silenciosos…

“Sétimo, Portugal tem índices sociais melhores que os do Brasil, com isto o Brasil poderia aprender quais as experiências positivas portuguesas para melhorar a qualidade de vida dos brasileiros e erradicar de vez a miséria.”
– Decerto. Poderia aprender com a boa experiência do municipalismo português (muito atrasado ainda no Brasil), com a experiência das Renováveis e da Banda Larga, da promoção da investigação cientifica e do dinamismo das tecnológicas, etc…

“Oitavo, O preço dos alimentos em Portugal reduziria exponencialmente, já que deixaria de importar a impostos altos boa parte do que consome. Já que o Brasil exporta alimentos, e sendo Portugal um federado do Brasil, acabariam as importações, seria uma compra dentro do próprio país”
– Correto. Não haveria taxas aduaneiras, o que beneficiaria a todos, mas tal teria que ser feito de forma a – primeiro – preservar a agricultura portuguesa e a – segundo – ate a promover, nas áreas onde ela ‘e realmente competitiva.

“Nono, um novo BRIC europeu ocidental seria muito mais influente no mundo, com isto a cultura luso-brasileira seria muito mais divulgada no mundo.”
– Não seria um BRIC, mas um ULRIC (União LusofonaRIC)… Uma potencia única no mundo, em extensão continental (quatro continentes!), com centenas de milhões de falantes na mesma língua e… Exemplar no que concerne a democracia e liberdade (ainda que houvesse necessidade de corrigir certos desvios que hoje existem em Angola)

“Décimo, essa é a que eu mais gosto, a selecção brasileira + o Cristiano Ronaldo!
Imagine só um ataque formado por Neymar e C. Ronaldo? Seríamos imbatíveis novamente.”
– 🙂 não ligo muito a futebol, e o Ronaldo não deve ser eterno, hem!

Anúncios
Categories: Brasil, Lusofonia, Movimento Internacional Lusófono, Política Internacional, Política Nacional, Portugal | 90 comentários

Navegação de artigos

90 thoughts on “Resposta a Riquepqd sobre uma União Portugal-Brasil

  1. HSMW

    CPLP. Nem mais nem menos.

  2. riquepqd

    Obrigado pela resposta, achei suas idéias muito interessantes, também é um bom modelo.

  3. riquepqd

    Para que a galera saiba a íntegra do texto que recebeu a resposta acima (post), coloquei abaixo o texto que escrevi no post “Sobre a “proposta” do Financial Times para que o Brasil anexasse Portugal”:

    A forma pejorativa e irônica com que o FT falou sobre o tema, é digna de repugnância, e causou aversão nos portugueses a esta idéia, e também indignou os brasileiros.

    Mas analisando a idéia despidos de qualquer nacionalismo, seria uma ótima idéia para ambos os países.

    Primeiro retiraríamos o termo província, que tem uma conotação pejorativa neste tipo de discussão, substituiríamos por Estado.

    Província :
    1. Nome de cada uma das partes que formam a divisão territorial de certos Estados.
    2. Qualquer parte de uma nação que não seja a capital e a sua área contígua; interior.

    Estado:
    1. Nação considerada como entidade que tem governo e administração particulares.
    2. Governo político do povo constituído em nação.

    Segundo, hoje Portugal é um “federado” entre estrangeiros, quase sem voz e com graves problemas econômicos na União Européia.

    Na federação brasileira, por sua importância histórica, política e geográfica, teria papel de destaque em todos os campos, principalmente no político, assim como fazem São Paulo e Rio de Janeiro.

    Terceiro, Brasil e Portugal teriam grandes vantagens em se tornar ao lado da França e Reino Unido, uma nação transcontinental. Com Portugal, o Brasil consolidaria papel entre os protagonistas do mundo, e com o Brasil, Portugal voltaria a ter no mundo o papel relevante que sempre teve.

    Quarto, a sufocada economia portuguesa voltaria a ter gigantescas esperanças de recuperação, já que ganhariam novos 190 milhões de consumidores, com aumento sem precedentes do mercado consumidor, aumentariam as vendas, os empregos, o PIB e etc.

    Quinto, o crescimento econômico no Brasil estaria garantido durante alguns anos, já que está ameaçado por falta de mão de obra qualificada, porque não faltaria mão de obra qualificada oriunda de Portugal. E de quebra reduziria a níveis mínimos o desemprego em Portugal.

    Sexto, a dívida soberana portuguesa seria liquidada, porque é inexpressiva em relação as reservas do tesouro brasileiro, com isto, todo o PIB português voltaria a ser investido em melhorias para o povo português, ao invés de ter parte sendo usada para pagar os juros da dívida, com isto Portugal também não precisaria se submeter aos desmandos do FMI ou das arrogâncias dos seus “irmãos” europeus.

    Sétimo, Portugal tem índices sociais melhores que os do Brasil, com isto o Brasil poderia aprender quais as experiências positivas portuguesas para melhorar a qualidade de vida dos brasileiros e erradicar de vez a miséria.

    Oitavo, O preço dos alimentos em Portugal reduziria exponencialmente, já que deixaria de importar a impostos altos boa parte do que consome. Já que o Brasil exporta alimentos, e sendo Portugal um federado do Brasil, acabariam as importações, seria uma compra dentro do próprio país.

    Nono, um novo BRIC europeu ocidental seria muito mais influente no mundo, com isto a cultura luso-brasileira seria muito mais divulgada no mundo.

    Décimo, essa é a que eu mais gosto, a seleção brasileira + o Cristiano Ronaldo!
    Imagine só um ataque formado por Neymar e C. Ronaldo? Seríamos imbatíveis novamente.

    Bricadeiras a parte, a idéia de união entre dois países de tamanhos tão antagônicos em todos os sentidos, é muito mais viável de se concretizar desta forma, ainda bem que o Brasil é uma república federativa, porque desta forma:

    De maneira alguma os portugueses perderiam sua nacionalidade, não deixariam de ser portugueses, apenas passariam a ser também brasileiros, porque em uma república federativa, todos os cidadãos tem seus Estados de origem, sua cultura típica, portugueses continuariam a ser portugueses assim como paulistas, fluminenses, mineiros, gaúchos, catarinenses, roraimenses e etc tem sua identidade cultural, regional.

    Se a marca de um povo é sua cultura, analisando o povo brasileiro, devido ao tamanho continental do Brasil, podemos dizer que existem várias “nações” dentro da nação brasileira.

    Gaúchos e catarinenses são praticamente estrangeiros, nordestinos tem uma cultura tão peculiar dos demais, que chegam a ser discriminados em outras regiões, as pessoas não toleram as diferenças, e mesmo dentro do nordeste, há diferenças culturais, como na Bahia, que tem uma cultura muitíssimo diferente dos demais Estados nordestinos.

    Na região centro-oeste, goianos são totalmente diferentes dos mato-grossenses, onde há maior homogeneidade é na região norte, que por sua vez tem para os demais brasileiros, uma cultura amazônica que mais parece a de um país estrangeiro.

    Mineiros tem um modo de vida diferente de todos os demais brasileiros, apesar de sua importância na nação, atualmente não brigam pelo poder.

    (acrescento as milhares de “nações” indígenas brasileiras)

    Já São Paulo e Rio de Janeiro é um clássico, fazem média, mas a verdade é que as elites se odeiam, os povos se aturam, os políticos se detestam, inclusive estes estados já entraram em conflito armado na História do Brasil, na Revolução Constitucionalista de 1932.

    Historicamente:
    Rio de Janeiro teve o poder político e o cultural sobre a nação;
    Já São Paulo teve o poder econômico;

    Sempre que Brasil é Brasil houve rivalidade entre eles, é quase um EUA x Rússia dentro do Brasil, um Inglaterra x Alemanha, Brasil x Argentina, Portugal x Espanha.

    Então se temos nacionalidades, ou digo, diferenças culturais tão grandes dentro da federação de Estados Brasileira, porque não o Estado pai, a nação mãe se unir a esta federação novamente, como se fosse o antigo Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarves?

    Vale frisar que todos os Estados brasileiros possuem seus chefes do poder executivo, e seus poderes legislativo e judiciário, assim como suas capitais.(acrescento as suas próprias bandeiras)

    Por isso Portugal continuaria a ter Lisboa como capital, (sua prória bandeira) e seu povo a escolher seus representantes no poder legislativo português, assim como seus chefes de governo em Portugal e também passariam a escolher os representantes de Portugal no legislativo federal e também o presidente da Federação.

  4. Pingback: Resposta a Riquepqd sobre uma União Portugal-Brasil « Quintus | Info Brasil

  5. Otus scops

    antes de tudo mais, quero dizer que estou cheio de ciúmes do Riquepqd que teve direito a um artigo em homenagem a uns comentários que fez.
    eu que aqui ando há tanto tempo, nada…
    tudo que é brasileiro merece a atenção especial do CP…
    vou reduzir-me à minha importância e ficar-me pelos Quids… 😀 😀 😀

    “Obviamente, o termo “província” tem no articulado britânico uma intenção meramente insultuosa… ”
    obviamente que não. isso é preconceito ou falta de atenção ao artigo, é um mero exercício de raciocínio – com muita pertinência diga-se – dito num contexto económico e financeiro. na continuidade do raciocínio deles preconizam a mesma solução para eles com a Índia, o que revela muita coisa menos insultos.

    “A lista de invasores que tentaram absorver Portugal ‘e inumera e todos tem algo em comum: falharam.”
    o passado demonstra isso, no futuro não sei.

    “Portugal não ‘e um “estado falhado” e nunca será. O mesmo não se poderá dizer do Reino Unido quando as suas “colónias insulares” começarem a sair (a começar pela Escócia)…”
    nenhum é um estado falhado. o Reino Unido é um grande estado composto de várias nações. o que vai suceder é maior autonomia administrativa e política, mas no global continuarão muito unidos, não tem outro caminho.
    quanto a Portugal, lá por ser pequeno e endividado “até ao pescoço”, por culpa própria E por culpa do exterior TAMBÉM isso não faz de nós um estado falhado, nem de longe nem de perto! que exagero!

    “‘E verdade que o estatuto de “Estado” garante a essa entidade um maior grau de autonomia e auto governo que uma “província””
    é uma frase inútil e redundante, mas quem é que no seu perfeito juízo iria abdicar de quase 900 anos de História para se tornar numa província???

    “os “Estados” devem ser confederados e não federados, mas o essencial das competências que tradicionalmente lhe são atribuídas devem ser delegadas a nível autárquico (descentralização municipalista)”
    bastante de acordo!

    ““Segundo, hoje Portugal é um “federado” entre estrangeiros, quase sem voz e com graves problemas económicos na União Europeia.””
    infelizmente é bem verdade, mas sobretudo por culpa própria. mas atenção, Portugal, Grécia e Irlanda estão a ser usados como bodes expiatórios, a situação é explosiva em toda a União, vai haver um efeito dominó se não for muita coisa mudada, por isso estou tranquilo, com saudades do futuro.
    costumo dizer que países da nossa dimensão (populacional e de área) como Dinamarca, a Holanda, a própria Bélgica cheia de problemas, a Suécia, a Finlândia, a Rep. Checa, a Hungria, a Áustria não tem problemas de maior com a UE. e nunca tiveram colónias nas Américas, África ou Ásia (exceptuando a Holanda)… porque será, digam lá??? esta coisa de varrer o lixo para debaixo do tapete tem de terminar, senão nunca “vamos lá”…

    “…em que Portugal, Brasil e os demais paises lusofonos estariam ao mesmo nível.. ”
    estes tiques Portugal-Brasil e restantes são um denominador comum em ti CP, é indisfarçável… e quando lá juntas Angola até me arrepia, restauras em toda a sua opulência o famigerado Comércio Triangular.
    e a questão “do mesmo nível” é uma conversa tipo “acreditar no Pai Natal e nos Gnomos”. como é que os 150.000 são tomenses estariam ao nível dos 190.000.000 de brasileiros??? explica lá isso??? é pura fantasia.

    “Com Portugal, o Brasil consolidaria papel entre os protagonistas do mundo, e com o Brasil, Portugal voltaria a ter no mundo o papel relevante que sempre teve.
    De facto. Seríamos uma autêntica superpotencia mundial: com um pé na região mais desenvolvida do mundo (a Europa) e outro numa das potencias com mais potencial (o Brasil). ”
    este tipo de argumentário é anedótico mas pode levar as pessoas a acreditar nele e isso é bastante contraproducente…
    comparar o Brasil a uma super-potência é um dos maiores logros que que há, com Portugal então passam a ser 2 logros… EU NÃO QUERO SER SUPER-POTÊNCIA!!!

    ““Quarto, a sufocada economia portuguesa voltaria a ter gigantescas esperanças de recuperação, já que ganhariam novos 190 milhões de consumidores, ..,”
    realmente podia ajudar, aliás, não há nada que impeça na realidade. os holandeses, franceses, alemães, etc, não precisam de ser lusófonos para investirem “forte e feio” no Brasil, mas parece que os portugueses são um bicho sensível e necessitam de uniões lusófonas e sei lá o quê mais para irem para o Brasil fazer pela vida… que ilusão!!!
    depois há que desmistificar esse mito da grandiosidade do Brasil, podem ser 190 milhões de consumidores(há quem diga que já são mais) mas:
    – a MÉDIA do PIB per capita é muito inferior à da UE, logo o potencial do mercado comparando com os 500 milhões de europeus muito mais endinheirados é nitidamente inferior
    – os gostos e graus de exigência do consumidor europeu são mais alinhados com a nosso perfil de produção e comercialização
    contudo advogo o aprofundamento das relações comerciais entre ambos os países, e quanto mais rápido melhor

    “…Portugal também não precisaria se submeter aos desmandos do FMI ou das arrogância dos seus “irmãos” europeus.””
    continuamos a bater na tecla da irmandade… é um erro de génese neste discurso, não há amizades, há interesses!!!
    e eles podem ser arrogantes (nem sempre o foram), mas devemos-lhes muito!
    mas eu não detecto assim tanta arrogância, podem dizer-me onde em concreto???

    “…Brasil poderia aprender quais as experiências positivas portuguesas para melhorar a qualidade de vida dos brasileiros e erradicar de vez a miséria.””
    se isso fosse possível apoiaria incondicionalmente qualquer tipo de união ou aliança, seria a mais nobre missão que alguma vez prestaríamos ao mundo.
    as desigualdades e exploração “do próximo” em conjunto com a conservação da Natureza são as minhas utopias existenciais.

    ““Oitavo, O preço dos alimentos em Portugal reduziria exponencialmente, já que deixaria de importar a impostos altos boa parte do que consome.”
    já provei noutro sítio que isto não é bem assim. quanto às preocupações do CP com a nossa agricultura, obviamente que perfilho integralmente delas.

    “…a cultura luso-brasileira seria muito mais divulgada no mundo.”
    o que é “a cultura luso-brasileira”??? serão os nossos ranchos a dançar samba ou aquelas mulheres esculturais brasileiras a dançar o vira??? (desde que usassem os fatos das escolas de samba ia adorar…) 😉

    teoria BRIC: isso é uma classificação inventada para definir 4 países grandes que TINHAM coincidentemente trajectórias económicas parecidas, mas para além disso pouco ou nada os une, bem pelo contrário. não são uma identidade.

    “…Seríamos imbatíveis novamente.””
    aí está uma frase que revela muito da ideia subjacente à mentalidade neo-colonial de muitos brasileiros: a absorção de Portugal pelo Brasil.
    Portugal nunca foi imbatível no futebol, ao contrário do Brasil por diversas vezes, o que significaria que a nova selecção (seria Brasigal ou Portusil???) ficaria com os jogadores lusos incorporados na CBF. Portugal seria imbatível , então, pela primeira vez…
    termino para apenas dizer, que o estado Reino Unido (tantas vezes enxovalhado por este site) tem 4 selecções nacionais de futebol…

    • Bem, has de conceder que por norma tento nao deixar nenhum comentario no Quintus sem leitura nem comentario, algo que contudo, ‘e sempre mais dificil quanto estes sao extensos! 😉

      Respondendo:
      “ou falta de atenção ao artigo, é um mero exercício de raciocínio – com muita pertinência diga-se – dito num contexto económico e financeiro.”
      – nao ‘e exercicio nenhum, ‘e um texto escrito com uma intencao muito clara e concreta: diminuir Portugal e os portugueses.

      “A lista de invasores que tentaram absorver Portugal ‘e inumera e todos tem algo em comum: falharam.”
      o passado demonstra isso, no futuro não sei.”
      – sei eu. Asseguro-te pessoalmente que nunca deixarei este pais tornar-se numa colonia norte-europeia ou alema. A europa de hoje nao ‘e mais que a Franca de Napoleao ou a Espanha dos Filipes. E os portugueses seguem sendo aquilo que sempre foram: portugueses, que nao se governam, mas que tambem nao se deixam governar…

      “nenhum é um estado falhado. o Reino Unido é um grande estado composto de várias nações. o que vai suceder é maior autonomia administrativa e política, mas no global continuarão muito unidos, não tem outro caminho.”
      – a situacao financeira do Reino Unido ‘e ainda mais grave que a portuguesa (embora esteja fora do foco dos especuladores). Nao ‘e um “estado falhado”? Entao veras para onde se virara a atencao dos Mercados logo que os perifericos estejam arrumados.

      “quanto a Portugal, lá por ser pequeno e endividado “até ao pescoço”, por culpa própria E por culpa do exterior TAMBÉM isso não faz de nós um estado falhado, nem de longe nem de perto! que exagero!”
      – Nao. Nao somos um Estado Falhado. Somos um Estado com um modelo de desenvolvimento (centralista, estatista, tercializado e europeu) falhado, o que ‘e completamente diferente.

      “os “Estados” devem ser confederados e não federados, mas o essencial das competências que tradicionalmente lhe são atribuídas devem ser delegadas a nível autárquico (descentralização municipalista)”
      bastante de acordo!
      – ena pa, uma raridade! Estamos de acordo 😉

      ““Segundo, hoje Portugal é um “federado” entre estrangeiros, quase sem voz e com graves problemas económicos na União Europeia.””
      infelizmente é bem verdade, mas sobretudo por culpa própria. mas atenção, Portugal, Grécia e Irlanda estão a ser usados como bodes expiatórios, a situação é explosiva em toda a União, vai haver um efeito dominó se não for muita coisa mudada, por isso estou tranquilo, com saudades do futuro.”
      – O efeito domino ‘e inevitavel, a partir da tambem inevitavel reestruturacao da divida grega.

      “…em que Portugal, Brasil e os demais paises lusofonos estariam ao mesmo nível.. ”
      estes tiques Portugal-Brasil e restantes são um denominador comum em ti CP, é indisfarçável… e quando lá juntas Angola até me arrepia, restauras em toda a sua opulência o famigerado Comércio Triangular.”
      – Angola nao sera o que ‘e muito mais tempo: tenho plena conviccao que com a crescente retorna dos migrantes que expericiaram a democracia na europa isso vai forcar o regime a democratizar-se. Veras.

      “e a questão “do mesmo nível” é uma conversa tipo “acreditar no Pai Natal e nos Gnomos”. como é que os 150.000 são tomenses estariam ao nível dos 190.000.000 de brasileiros??? explica lá isso??? é pura fantasia.”
      – fantasia ou utopia? E como se fazem todos os grandes avancos da Humanidade, nao ‘e pela utopia, pelo sonho que propela e motiva as gentes a melhorar a sua vida quotidiana?

      “Com Portugal, o Brasil consolidaria papel entre os protagonistas do mundo, e com o Brasil, Portugal voltaria a ter no mundo o papel relevante que sempre teve.
      De facto. Seríamos uma autêntica superpotencia mundial: com um pé na região mais desenvolvida do mundo (a Europa) e outro numa das potencias com mais potencial (o Brasil). ”
      este tipo de argumentário é anedótico mas pode levar as pessoas a acreditar nele e isso é bastante contraproducente…
      comparar o Brasil a uma super-potência é um dos maiores logros que que há, com Portugal então passam a ser 2 logros… EU NÃO QUERO SER SUPER-POTÊNCIA!!!”
      – nem eu quero ser um “micro-pais”. Nem esse ‘e o designio historico de Portugal nem a fibra que o forjou.

    • Riquepqd

      “…quero dizer que estou cheio de ciúmes do Riquepqd…”

      Rsrsrsr, dessa eu gostei.

      “…a MÉDIA do PIB per capita é muito inferior à da UE, logo o potencial do mercado comparando com os 500 milhões de europeus muito mais endinheirados é nitidamente inferior…”

      Mas os 500 milhões de europeus NÃO tem como prioridade fazer compras de produtos portugueses, a prioridade deles é qualquer país da UE, o que vender mais barato, em contra-partida, em uma união Brasil-Portugal, a prioridade de compra dos 190 milhões de brasileiros seria justamente Portugal, para recuperar a economia do novo Estado, e certamente a qualidade dos produtos portugueses ganharia mercado facilmente no Brasil.

      “…quem é que no seu perfeito juízo iria abdicar de quase 900 anos de História para se tornar numa província???…”
      Conforme escrevi acima, se tornar um Estado federado ao Brasil está muito longe de se tornar uma província, mas a maneira com que Portugal se encontra atualmente na UE, devido a sua pouca expressividade politica nas decisões da UE, é quase que ser uma provincia.

      E o Brasil é obra de portugueses, e os brasileiros descendentes de portugueses, por isso, não estariam abdicando de 900 anos de História, estariam enchendo ainda mais de glória esta História, porque qual o outro país europeu que conseguiu se unir novamente as terras coloniais perdidas?

      Atualmente na UE, são 10 milhões de portugueses x 81 milhões de alemães x 60 milhões de britânicos x 65 milhões de franceses x 60 milhões de italianos x 46 milhões de espanhois e etc, todos estrangeiros!

      Pode-se dizer a grosso modo, que todo brasileiro é descendente de português, por isso se unindo a Federação Brasileira, não seriam 10 milhões de portugueses x 190 milhões de brasileiros!

      Seria algo como 10 milhões de portugueses + 16 milhões de fluminenses + 3 milhões de alagoanos + 3 milhões de amazonenses + 700 mil acreanos + 10 milhões de gaúchos + 6 milhões de catarinenses + 14 milhões de bahianos + 8 milhões de pernambucanos + 40 milhões de paulistas + 3 milhões de piauienses + 450 mil roraimenses e etc.

      Todos dividindo laços de sangue com os portugueses!

      “…não detecto assim tanta arrogância, podem dizer-me onde em concreto???”

      Quando o FT sugere que Portugal se torne uma província do Brasil; (pra mim foi arrogante)
      Quando politicos alemães sugerem que Portugal saia da UE;
      Quando a UE propoe a permanência de apenas alguns idiomas em seus documentos oficiais, e entre estes idiomas não está o português.

      “…o que é “a cultura luso-brasileira”???”

      Evidente que cada país tem sua cultura própria, mas a nossa língua é uma cultura comum, e foi a ela que me referi a cultura luso-brasileira. Portugal expandiu o idioma pelo mundo, e o Brasil é o maior baluarte da lusofonia na atualidade.

      Por exemplo, quando se assisti um filme desconhecido de lingua inglesa, que não mostre paisagens ou culturas tipicas, fica muito dificil saber se aquele filme é estadunidense, ingles ou até australiano, porque eles tem uma cultura anglofona comum, e até um estilo de vida parecidos.

      Por isso, para os habitantes de países não lusofonos, as vezes não é tão claro saber se determinada obra é brasileira ou portuguesa, porque toda obra em portugues, seja filme, novela, seriado, mini-serie, musica, livro, é lusofona antes de ser brasileira ou portuguesa, ou dos demais países lusofonos.

      E até mesmo as culturas dos dois países (desta vez separadas) seriam mais divulgadas.

      “…Portugal nunca foi imbatível no futebol, ao contrário do Brasil por diversas vezes, o que significaria que a nova selecção (seria Brasigal ou Portusil???) ficaria com os jogadores lusos incorporados na CBF. Portugal seria imbatível , então, pela primeira vez…”

      Como imbatível, eu estava me referindo somente ao Brasil mesmo. HEHEHE, com os jogadores brasileiros + o Cristiano Ronaldo na seleção luso-brasileira, e jogando no Brasil em 2014, ninguem tirava esta taça da gente. Poderiamos até colocar algum simbolo portugues na camisa amarela, talvez o escudo da FPF ou a cara do Eusébio, HEHEHE. E quem sabe Portugal poderia fazer a partida de abertura da copa.

      • Otus scops

        Riquepqd

        “em uma união Brasil-Portugal, a prioridade de compra dos 190 milhões de brasileiros seria justamente Portugal,”
        “mi engana qui eu gossto…” 🙂
        vós no Brasil tendes fortes rivalidades, há pessoal no Rio de Janeiro que acha que o petróleo do pré-sal deve ser para gastar no estado e não para redistribuir pelo país, quanto mais os brasileiros terem uma atitude concertada em comprar-nos produtos para nos ajudarem… mas gostei da atitude e da intenção.
        mas a questão não é essa, claro que o Brasil é um mercado com um enorme potencial, é uma questão da capacidade dos patrões portugueses que são rascas. se não conseguiram navegar e penetrar no oceano económico UE (obviamente que existem algumas honrosas excepções) vão salvar-se no mar Brasil??? não me parece. e nossa recuperação tem de ser em primeiro lugar política, organizacional, é isto que ando para aqui a martelar. o CP é que é um sonhador perigoso, diaboliza a UE (errado na maioria das vezes) e sonha em nos dissolver no Brasil (errado a 100%). a salvação de Portugal é interna, não podem ser estas permanentes fugas para a frente, primeiro é UE depois é a CPLP, depois não sei o que será, Marte??? os pinguins da Antárctida???

        (este foi muito atrasado, estava em memória)

        • Um “sonhador perigoso”?!!! Nao estás a exagerar nem nada? Eu discordo de ti nessa tua defesa teimosa desse cadaver adiado que ‘e a uniao europeia, mas nao acho que sejas perigoso… Mas percebo uma coisa: o que dizes ‘e apenas a antecamara do que vem ai: se os germanos conseguirem mesmo impor a sua “federacao” quem se exprimir contra eles sera considerado “perigoso” e recambiado para um qualquer Stalag.
          E estar do lado de Portugal nao ‘e estar do lado da Alemana, pais que se se conhece (mal) a si mesmo.

  6. Riquepqd

    ‘…não ligo muito a futebol…’

    Mas pelo bem da lusofonia, bem que você poderia escrever um dia sobre o Club de Regatas Vasco da Gama, que é um esplendor de portugalidade no Brasil.

    Em visita ao Brasil, para ser homenageado pelo clube brasileiro, Luis Filipe Vieira, presidente do clube português Benfica se disse:

    “…honrado pela homenagem recebida de um “clube português no Brasil “. “Tenho a honra de ser sócio do Vasco da Gama, cujo escudo com a caravela transporta a história milenar de meu país…”

    E afinal de contas, o futebol é uma paixão dos dois países, e poderia servir de argumento para uma maior aproximação cultural.

    Clube fundado no Rio de Janeiro em 1898 por jovens colonos portugueses, e atualmente é um dos maiores clubes de futebol do Brasil.

    O nome é uma justa homenagem a um grande navegador português.

    Leva semanalmente através da TV, da internet e do rádio, o nome e as tradições de Portugal a todo o Brasil.

    É conhecido como o clube dos portugueses, porque com exceção dos portugueses moradores do Estado de São Paulo, todos os portugueses radicados no Brasil, assim como seus descendentes são torcedores do Vasco da Gama. (os de São Paulo torcem pela Portuguesa de Desportos, clube de médio tamanho).

    Sua sede fica no bairro de São Cristóvão, próximo à Quinta da Boa Vista, ex residencia oficial da Família Real Portuguesa, seu estádio também é visinho ao bairro de Benfica, o nome não é por acaso, este é um dos maiores redutos portugueses no Rio de Janeiro, cidade com a maior colônia portuguesa no Brasil.

    O clube tem 15 Milhões de torcedores que se interessam por Portugal e sua cultura devido a torcerem pelo Vasco, principalmente a culinária. No Rio de Janeiro é muito comum se reunirem para assistir a jogos do Vasco degustando culinária portuguesa, e quando há portugueses entre eles, até ouvindo música portuguesa.

    Abaixo vou mostrar alguns dados da grandeza do Vasco da Gama, para que vocês portugueses possam se orgulhar. Mas para que vocês possam ter a real noção, vou mostrar outros números para evidenciar a grande copetitividade do futebol brasileiro.

    O futebol brasileiro é certamente o mais competitivo do mundo, comparando com países da Europa onde o futebol também é muito desenvolvido, cada país europeu tem no máximo quatro grandes clubes, aqueles que começam os campeonatos nacionais com reais chances de vencer:

    Na Espanha: Real Madrid e Barcelona
    Na Itália: Milan, Inter, Roma e Juventus;
    Na Inglaterra: Manchester, Chelsea e Liverpool
    Na Argentina: Boca Juniors e River Plate
    Em Portugal: Porto, Benfica e Sporting.

    Já no Brasil temos 12 ou 13 clubes que começam o campeonato brasileiro com chances reais de vencer.

    Talvez isto aconteça pelo tamanho do país, mal comparando com a Europa, é como se cada Estado fosse um país e tivesse seu grande clube, ou até mais de um, talvez isto explique a alta competitividade.

    Por exemplo em Portugal, nos ultimos vinte anos tivemos quatro campeões diferentes, e no Brasil tivemos onze no mesmo período.

    Na Espanha, nos ultimos dez, tivemos apenas três campeões diferentes, já no Brasil tivemos sete.

    Abaixo informarei alguns dados que mostram a grandeza deste clube, mesmo em um futebol tão competitivo como o Brasileiro:

    2º Maior torcida do Brasil fora de seu Estado de origem (Com isto é o segundo clube com maior influência nacional).

    5º Maior torcida do Brasil em números absolutos, com 15 milhões de torcedores (fica atrás de três clubes paulistas devido ao tamanho da população de São Paulo em relaçao à do Rio de Janeiro, entretanto tem mais torcida que eles fora de seu Estado de origem).

    3º Maior campeão do Estado do Rio de Janeiro com 22 títulos (o maior campeão tem 32).

    5º maior campeão brasileiro empatado com o Corinthians em 4 títulos (O maiores vencedores tem apenas 8 títulos).

    Está entre os sete clubes brasileiros que já foram campeões da Taça Libertadores da América (equivalente na América a Liga dos Campeões da Europa).
    Conquistou um título, e o maior vencedor brasileiro tem três.

    Seis clubes brasileiros já foram campeões mundiais de clubes, o Vasco conquistou dois vice-campeonatos.

    Revelou um dos cinco maiores craques da História do futebel brasileiro, Romário, e também foi o clube pelo qual ele marcou seu milésimo gol. (Apesar de já ter afirmado ser flamenguista)

    Seu maior ídolo e atual presidente é Roberto Dinamite, craque brasileiro que disputou as copas de 78 e 82, e maior goleador da História do Campeonato Brasileiro.

    Seus maiores ídolos recentes são Edmundo e Juninho pernambucano, craques brasileiros que também disputaram copas do mundo.

    Clavis, desculpe se te enchi com um assunto que pouco te interessa, mas acho que este clube é extremamente importante para uma união cultural entre Brasil e Portugal.
    Se eu fosse portugues, teria muito orgulho do Vasco da Gama, um gigante luso-brasileiro no país do futebol.

    Não sou torcedor do Vasco, escrevi estas palavras por justiça ao que representa este clube para uma UL, como seu próprio hino sugeri, ele “…é um traço de união Brasil Portugal…”.

    Obs: Sou torcedor do Flamengo, seu maior rival.

    • Riquepqd

      E ainda acescento que o clube estampa no peito a cruz de malta, que também estampava as armaduras dos cavaleiros templários por ocasião das cruzadas.

      Devido a tradição católica de Portugal, este é mais um traço de cultura lusitana neste clube.

      • Riquepqd

        CP, sei que você acha o futebol uma besteira, mas não se comoveu nem um pouquinho com a História deste clube simbioticamente ligada a História da “recente” imigração portuguesa ao Brasil?;-)

        • Ahb…. Basicamente: nao. Acho o futebol mesmo um tremendo desperdicio de tempo e dinheiro. Ainda que torça pela selecao, claro! (Que fazer, a bandeira, o hino…)

          • Otus scops

            eu sou Vascão até à morte!

            ainda para mais é o maior clube de remo do Brasil, o meu desporto!!!

            • Ah. Estao a falar do vasco da gama. Ok.

              • riquepqd

                CP e Otus,

                Mais uma vez, eu e o Otus estamos lados opostos, sou flamenguista! 😉

                “…Acho o futebol mesmo um tremendo desperdicio…”

                Mas é inegavel que o conhececimento dos vascaínos(tirando o que ensinam na escola) sobre Portugal, é fruto da estima que eles tem pelo clube, gostam da cultura portuguesa, e muitos aqui no RJ até procuram aprender mais sobre Portugal e seus costumes por causa disso.

                Neste caso, o futebol coloca um pequeno tijolinho motivador para uma futura UL. Afinal de contas, são pelo menos 15 milhões de brasileiros fanáticos pelo vasco, e totalmente simpáticos à Portugal. 😉

                • Pois eu sei… Mas que fazer, o populismo, a corrupcao, a fama desajustada dos jogadores da Bola e, sobretudo, o tornar da Bola num opio do povo tiram-me do serio…

                • Otus scops

                  Riquepqd

                  aquela Cruz de Malta ao peito enche-me de força!
                  o Gigante da Colina é o clube com mais carisma, pela idiossincrasia que transporta. clube de gente fina.
                  o Mengão é do povão…

                  🙂

  7. Guga

    Concordo em grande parte com o dito pelo Otus Scops, e devo ainda acrescentar algo: Não vejo tão grande vantagem para o Brasil com o advogado pelo artigo… Conforme bem mencionado pelo Otus, qualquer nação disposta a isso, pode investir no Brasil, e não apenas Portugal, pela suposta irmandade entre os povos.
    Toda minha família é de origem portuguesa, acredito que devemos manter laços culturais eternos com Portugal, mas não consegui discernir grandes vantagens para o Brasil com a suposta união lusófona.
    Para Portugal ok, as vantagens são bem palpáveis, absorção da dívida portuguesa, expansão do mercado consumidor português, etc. E para nós?!
    O modelo municipalista pode ser adotado no Brasil? Onde alguns municípios (vide Altamira por exemplo),são territorialmente bem maiores que Portugal?! Isso são abstrações, sem nenhuma característica prática, gosto do conteúdo geopolítico do artigo, mas discordo quase completamente de seu conteúdo.
    De qualquer forma, obrigado pelo espaço e um grande abraço para nossos amigos d’além mar.

  8. Sim pela CPLP , + só .sds.

  9. Odin

    Clavis Prophetarum :
    Pois eu sei… Mas que fazer, o populismo, a corrupcao, a fama desajustada dos jogadores da Bola e, sobretudo, o tornar da Bola num opio do povo tiram-me do serio…

    CP, você tem razão. Eu lhe entendo. Mas tem o outro lado da moeda. A humanidade necessita do desporto, e da forma como o futebol é valorizado, para extravasar a sua agressividade. Você provavelmente sabe que, em tempos de guerra, os césares romanos suspendiam os espetáculos e as lutas de gladiadores nas arenas para que os recrutas do exército romano concentrassem agressividade para as batalhas. Sabia disso?

    • Por acaso, ate nao… Mas sabia do que aconteceu com a revolta Nike, provocada por uma “guerra civil” entre duas claques de apoiantes nos jogos do coliseu em Bizancio e que quase destruiu essa cidade mesmo no auge do seu poder e com o seu maior imperador de sempre: Justiniano.
      A revolta Nike ‘e um aviso que a Historia nos da sobre todo o Mal que pode rodear os fenomenos do Desporto quando sao extrapolados e se tornam mais socialmente mais importantes do que deviam.

  10. Riquepqd

    Otus

    “…o Gigante da Colina é o clube com mais carisma, pela idiossincrasia que transporta. clube de gente fina.”

    Nem tanto, o clube das elites cariocas é o Fluminense, o Vasco é no RJ o clube da classe média branca, dos emigrantes nordestinos e dos portugueses e seus descendentes.

    “…o Mengão é do povão…”

    De fato e de verdade. 😀

  11. Riquepqd

    Em Portugal eu sou Benfica, cresci no Rio de Janeiro no bairro de Benfica, onde há uma grande concentração de portugueses por metro quadrado, então não tenho como torcer por outro time lá na terrinha. 😉

    Agora o Odin deve ser palmeirense, 😉 fala tu Odin, acertei?

  12. Odin

    • Riquepqd

      Quando o Otus ver esta proposta partindo de um renomado publicitário português, ele vai morrer…

      Ele tem o costume de chamar o CP de eurofobo, mas ele tem um q de lusofonofóbico. Rsrsrs, será que é assim que escreve? 🙂

    • Riquepqd

      Odin

      Esse Mourinho é um fanfarrão! (e ainda bem que desta vez tem legenda 🙂 )

      Se ele não está nem aí para o futebol português, quem dirá saber alguma coisa do futebol brasileiro.

      Certa vez ele disse que não tinha interesse em dirigir a seleção portuguesa porque isto era coisa de velho, e que o time dele era muito melhor que a maioria das seleções. 😡 (o que é verdade, mas por favor, que falta de patriotismo!)

      Quanto ao Animatunes, hilário. Há Há Há Há Há Há 😆

      Mudando de assunto, que adeptas portuguesas lindas heim!? 😛

      É até ridículo fazer a comparação por ser obvio, mas como as portuguesas se parecem com as brasileiras brancas, parecem demais, se estivessem de verde e amarelo, ninguém aqui diria que eram portuguesas. E não estou dizendo por causa da beleza, é pela semelhança de traços mesmo. 😛

      CP, quanto à proposta do publicitário português, em Portugal se federar ao Brasil, merecia um post, não? 😀

      Se o britânico FT mereceu um pouco de suas palavras, porque não o publicitário português? Nem que fosse para rebatê-las.

      Eu já havia lido sobre isso e achei interessante, ele diz que o samba é um fado da praia. 8)

      Ele me pareceu ter feito seriamente a proposta, e até com alguns bons argumentos.

      A proposta que penso ser a ideal de UL, é aquela que eu escrevi no post “O Património Lusófono enriquece o espólio cultural da Humanidade”, uma espécie de confederação lusófona, mas esta proposta do publicitário também me agrada, não é qualquer intenção de colonialismo, vide o que eu já escrevi neste post, mas esta minha segunda opção é a que eu considero a menos difícil de sair do papel.

      Como eu faço para poder incluir vídeos, fotos e aquelas “aspas” maneiras que o Odin inseri quando quer ilustrar os comentários dos demais? Há alguma página com instruções?

  13. Joaquim.R.Ferreira

    Li as opiniões acima extrovertidas por opinadores vários e a verdade é que fiquei com as minhas ideias muito baralhadas.
    Mas uma coisa eu sei. Não estamos bem na união europeia, porque nos exploram agora com os juros da nossa dívida e foi recentemente afirmado por político alemão, que a alemanha está ganhando muito na cobrança.
    Depois, a espanha, tal qual se mantém dominada pelo imperialismo castelhano teremos de nos manter em alerta constante para contrariar as ideias colonialistas que eles exercem sobre nós e espreitam, por todos os meios, através de propostas desonestas de nos quererem sujeitar ao centraliismo madrileno e castelhano. Veja-se o caso do TGV em que eles querem que passe por madrid.
    Os castelhanos fazem- me lembrar aquela velha história chinesa que se conta e que é: o criado chinês anda 20 anos a servir o patrão à mesa e com a faca debaixo da bandeja à espera do melhor momento para o matar. E, o paralelismo que existe entre esta história e a mente dos castelhanos é real e dura desde a nossa independência de castela em 1143.
    Temos um caso com os castelhanos sobre o qual eles nos negam a entrega do território oliventino, que nos roubaram traiçoeiramente em 1801, e que se obrigaram a devolver-nos pelo tratado de Viena de Àustria de 1815 e por eles subscrito em 1817. Por aqui se vê a sua atitude desonesta e não séria em manter cativo aquele concelho e a localidade de talega, que eles, castelhanos, separaram, administrativamente, do concelhop de olivença.
    Muito cuidado com os vizinhos castelhanos.
    As vossa ideias são interessantes e carecem de muita discussão e aprofundamento.
    Um abração.

    • riquepqd

      Existe um ditado aqui no Brasil que diz “Antes só do que mau acompanhado”, que cabe à Portugal.

      Mas poderíamos criar outro, antes unido ao Brasil do que à Espanha! 😉

      • Dito… Ainda que continue a preferir primeiro arrumar a casa (restaurando a moeda e o setor produtivo) e depois partir para uma confederacao ou com o Brasil ou com Cabo Verde. Os demais paises lusofonos viriam por arrastamento… Galiza inclusive!

        • riquepqd

          “…restaurando a moeda e o setor produtivo…”

          Se federando ao Brasil ou se confederando com o Brasil seria um grande passo para restaurar a moeda e principalmente o setor produtivo de Portugal, já que não iria
          faltar mercado consumidor.

          Pô CP, me explica aí como eu faço para inserir aqui fotos, vídeos e aquelas “aspas” maneiras que o Odin inseri, tem alguma página de instruções.

          • ‘E verdade: seria um mercado maior e em maior crescimento que a Europa alguma vez foi. Ha riscos (como houve com a integracao europeia), mas podem ser prevenidos com uma licao bem aprendida. Por exemplo, acho que nenhum pais deve abdicar do seu setor produtivo (como exigiu a UE de nos) e que o essencial dos produtos consumidos localmente devem ser produzidos localmente, as importacoes/exportacoes devem cobrir lacunas, nao ser o motor unico das economias…

  14. Odin

    Riquepqd :Odin
    Esse Mourinho é um fanfarrão! (e ainda bem que desta vez tem legenda )
    Se ele não está nem aí para o futebol português, quem dirá saber alguma coisa do futebol brasileiro.
    Certa vez ele disse que não tinha interesse em dirigir a seleção portuguesa porque isto era coisa de velho, e que o time dele era muito melhor que a maioria das seleções. (o que é verdade, mas por favor, que falta de patriotismo!)
    Quanto ao Animatunes, hilário. Há Há Há Há Há Há
    Mudando de assunto, que adeptas portuguesas lindas heim!?
    É até ridículo fazer a comparação por ser obvio, mas como as portuguesas se parecem com as brasileiras brancas, parecem demais, se estivessem de verde e amarelo, ninguém aqui diria que eram portuguesas. E não estou dizendo por causa da beleza, é pela semelhança de traços mesmo.
    P>

    Mas o Mourinho é o melhor técnico de futebol do mundo.
    O animatunes na verdade, é um escárnio ao jogador brasileiro, e não aos portugueses.
    Quanto as torcedoras/adeptas, eu já gosto de usar a palavra “Tuguinhas”. E se a seleção de Portugal se classificar para a copa de 2014, provavelmente elas vão encher os estádios do Brasil. Você viu o nível da semelhança de fenótipo. Como podem as brasileiras brancas serem bonitas e as portuguesas não,se a genética é muito parecida?

    • riquepqd

      Eu sei que ele é o melhor do mundo, mas mesmo assim é um chato! E deve ser o melhor do mundo nisso também.

      E quanto ao Animatunes, eu percebi que era um escárnio ao Felipe Melo. E é por isso que ri tanto.

      E quanto as tuguinhas, que venham todas, são lindas, as brasileiras tem de quem puxar o fenótipo, esta conversa de bigode é história. 😉

      • Essa coisa do bigode ‘e um mito brasileiro… As mulheres idosas do interior de Portugal talvez ainda – algumas – o tenham, mas no Alentejo isso nem sequer era rega (quando la andei. Jovem). E mulheres belas, temos, claro e em barda, mas com fenotipos diferentes: desde logo, sem o vosso sangue amerindio…

        • riquepqd

          “…‘e um mito brasileiro…”

          Disto eu tenho certeza, só serve pra zoar com os amigos tugas que resolveram viver aqui 😉

          “…sem o vosso sangue amerindio…”

          Não captei a mensagem… Está querendo dizer que as mulheres ameríndias tem menos pelos que as demais… Isto é obvio demais, não entendi?

          • Nao, so quis dizer que o cruzamento de racas em Portugal ‘e um fenomeno que tambem ocorre no Brasil, mas ai, com uma diferenca: a presenca de uma grande percentagem de sangue amerindio, rarissimo em Portugal.

    • Bem… O mourinho ‘e o mourinho… Nao seria o mesmo sem aquele traco de arrogancia e presuncao e, provavelmente, tambem nao seria tao bom treinador e lider de equipas como ‘e!
      Detesto o futebol (e tudo o que tras) mas seriamos hoje a Alemanha se tivessemos tido dez anos de “mourinhos” primeiros-ministros e nao aqueles imprestaveis… Ou de “lulas”, digo alias, e tambem…

  15. Odin

    riquepqd :
    Pô CP, me explica aí como eu faço para inserir aqui fotos, vídeos e aquelas “aspas” maneiras que o Odin inseri, tem alguma página de instruções.

    Quanto as aspas, clica em “Citação”, que está ao lado de “Responder”.

  16. Riquepqd

    rel=nofollow>Odin :Quanto as aspas, clica em “Citação”, que está ao lado de “Responder”.

    Teste.

  17. Riquepqd

    Odin :

    riquepqd :Pô CP, me explica aí como eu faço para inserir aqui fotos, vídeos e aquelas “aspas” maneiras que o Odin inseri, tem alguma página de instruções.

    Quanto as aspas, clica em “Citação”, que está ao lado de “Responder”.

    Vou ver se agora vai.

  18. Riquepqd

    Odin :

    Odin :Quanto as aspas, clica em “Citação”, que está ao lado de “Responder”.

    Acho que agora aprendi, e quanto aos vídeos e fotos, é em citação também?

  19. riquepqd

    CP, Desculpe por poluir seu blog, mas tô tentando incluir um vídeo maneiro sobre a união entre Brasil e Portugal…

    Parece que não estou conseguindo, coloquei o tal “embed antigo” mas não vai nem amarrado.

    Odin me ajuda.

  20. riquepqd

    Pô CP, desisto, se der para apagar a popuição eu agradeço.

    Coloquei os códigos embebed novo e depois antigo e não ficou do jeito que o Odin inseri os vídeos, será que há algum problema no WordPress ou é mais provavel que o problema é comigo.

    Odin dá uma dica aí 😉

  21. Ok! 🙂
    Já percebi! 😉

    vamos lá tentar eu…

    • Otus scops

      este vídeo é horrível, a música é do mais cafona que há e toda ela é brasileira… poupem-me!!!
      👿

      diz muito do tipo de união Brasil-Portugal (eu prefiro Portugal-Brasil, os mais velhos tem de ter o respeito), hegemonia brasileira sobre Portugal.

      e a iconografia futeboleira como símbolos de afirmação nacionalista é um pavor, não me revejo em “cristianos ronaldos^”, nem em Federações Portuguesas de Futebol, antro de máfias instaladas.

      concordo com o “Irmãos e amigos por natureza”.

  22. Ok, então é assim

    vais ao youtube e sobre a janela do vídeo clicas no botão direito do rato.
    aqui escolhes “copy embed code”

    abres um comentário no quintus e fazes Paste

    e zás, quando clicares em “publicar comentário” ei-lo que aparece!

  23. riquepqd

  24. riquepqd

    CP, quando clico com o botão direito, aparecem várias opções menos esta, ? Então o que eu fiz:

    1º Cliquei abaixo da janela do vídeo em compartilhar
    2º Cliquei em incorporar
    3º Neste momento, aparece o código embed começado com< iframe, copiei e colei aqui e não deu certo.
    4º Escolhi a opção "usar código de incorporação antigo", aí aparece outro embed começadopor <object, copiei e colei aqui e também não foi?

    Desisto…

  25. riquepqd

    src=”http://www.youtube.com/embed/xnxcogspvZg?rel=0″

  26. riquepqd

  27. riquepqd

    Nem fazendo igualzinho ao vídeo do link abaixo deu certo…

    • riquepqd

      FOI!!!!!!!!! HÁHÁHÁ, quando eu já tinha desistido e colocado o link apenas para vocês verem, mas sem intenção de que ele aparecesse aqui! 😉 Hilário.

  28. riquepqd

    CP, não me queira mal, sou viciado no Quintus e agora vou pesquisar na net para saber como incluir fotos…

  29. Luís

    Olá a toda gente,

    Estive algum tempo fora do debate aqui no forum. Longos foram os duelos entre eu e o Otus Scops, a propósito da União Lusófona.
    Sobre esta ideia do FT….não concordo com anexação Brasil-Portugal, mas apoio sim uma união gradual entre os diversos estados lusófonos, transformar a CPLP numa “UE” lusófona, e que vise como objetivo final uma união federal ou confederal. Poderia começar entre Portugal e Brasil. A UE começou tb forma gradual desde da primitiva Comunidade do Carvão e do Aço, e depois CEE, com sucessivas adesões de países membros. O aprofundamento da CEE e posteriormente UE, deu mais eficácia à organização, fez que a sua ação fosse sentida no dia a dia social, económico e politico dos cidadãos europeus. Assim poderia acontecer na CPLP, se houver vontade política. Assim eu desejo.

    Sou contra qualquer espécie de arrogância ou presunção dos brasileiros sobre portugueses, e vice versa, ainda por mais ambos têm telhados de vidro. Temos muito que aprender entre uns e outros. O Brasil irá ganhar muito com uma união com Portugal e o contrário tb é verdade. O mesmo digo em relação aos restantes estados lusófonos.

  30. Luís

    Otus,
    Assim como aconteceu a reforma ortográfica de 1911, que eliminou muitas consoantes mudas que tu hoje NÃO escreves, este acordo eliminou as restantes, que na geração dos teus filhos ou netos será, encarada com maior naturalidade.
    Paciência, pá…..nem Jesus Cristo agradou a todos….

    • Luis

      pensava que essa questão de 1911 estava ultrapassada.
      se foi errado então o sinal de inteligência seria não repetir o erro e até haver um retrocesso orthográphico.
      mas não foi bem assim:
      As principais alterações introduzidas foram:
      1. Eliminação de todos os dígrafos de origem grega com substituição por grafemas simples: th (substituído por t), ph (substituído por f), ch (com valor de [k], substituído por c ou qu de acordo com o contexto) e rh (substituído por r ou rr de acordo com o contexto);
      2. Eliminação de y (substituído por i);
      3. Redução das consoantes dobradas (ou geminadas) a singelas, com exceção de rr e ss mediais de origem latina, que têm valores específicos em português;
      4. Eliminação de algumas “consoantes mudas” em final de sílaba gráfica, quando não influíam na pronúncia da vogal que as precedia;
      5. Introdução de numerosa acentuação gráfica, nomeadamente nas palavras proparoxítonas.

      o ponto 4 é assim “anno-ano, appellido-apelido” não foi a eliminação etimológica das consoantes mudas como é agora.

      mas lá estás tu a desfocar o assunto, este (des)AO90 é um acto colonial do Brasil sobre a restante CPLP, é um acto político e a questão principal é essa, não me venhas com argumentos ortográficos ou linguísticos porque esses está visto que nunca existiram.
      e como português entristece-me ver-te a ti e ao CP cederem ao Brasil desta maneira.
      estamos de cócoras…
      que se danem os filhinhos e os netinhos, então e eu não conto??? 🙂
      além demais é um legado vergonhoso que lhes deixamos.

      abraço

  31. Odin

    Na próxima reforma da Língua Portuguesa.
    -Os brasileiros passarão a chamar o terno, a veste social, de fato;
    -Os brasileiros adotarão no seu vocabulário as interjeições como “pá”, “ena”, “chiça”;
    -Os brasileiros mudarão a ortografia de certas palavras: ouro passará a ser oiro, dourado passará a ser doirado, estouro passará a ser estoiro, o verbo ouvir conjugado na 1ª pessoa do singular deixará de ser “eu ouço” para ser “eu oiço”.
    -Os brasileiros passarão a pronunciar e escrever “cuecas” ao invés de “cueca”, e “calcinhas” em vez de “calcinha”, e que a palavra “cuecas” também se aplicará a roupa íntima feminina debaixo .
    -Passarão também a chamar os pedágios de portagens, os celulares passarão a ser chamados telemóveis, a sigla da doença AIDS passará a ser SIDA (que na minha opinião é a sigla correta), adotaremos NATO como sinônimo de OTAN, Galícia voltará a ser Galiza (que é como os brasileiros deviam chamar a região noroeste espanhola), serão adotados palavras como “giro/gira”, “fixe”, “porreiro/porreira”, “miúdo/miúda”, “puto” como sinônimo de menino, de forma que a língua falada no Brasil se aproxime da de Portugal. 😉

    • Por acaso os “oi”, por ca nao sao praticamente adotados…
      Do resto, ‘e terminologia regional! Alguns desses termos nao sao usados em muitas regioes do nosso belo pais!

      • Odin

        “Por acaso os “oi”, por ca nao sao praticamente adotados…”
        >Aí a forma de cumprimentar é o “olá”, que ainda é usada por aqui também!
        A proposta para a próxima reforma é para o Otus scops poder ver o Brasil ceder em
        quase tudo… rsrsrsrsrsrs. :
        Acredito que o Corujão ainda não foi ter com o Passos Coelho para propôr a suspensão da adoção da nova ortografia por aí.
        CP, até os anos 50, 60 ou 70 do século XX, a maioria da população era praticamente analfabeta. Era uma minoria que sabia ler e escrever. Então, no século XIX ou começo do século XX, por exemplo, fazer uma reforma ortográfica não ia mudar a vida da maioria em nada. Mas hoje, quase a totalidade da população é alfabetizada, pelo menos em Portugal e no Brasil, então uma reforma como essa, no meu ponto de vista, tem que se consultar a opinião da população num referendo antes.

        • Digo o “oi” de “oiro” e isso… Essa alternativa silabica esta muito em desuso por ca…
          A reforma ortografica que se segue (e tem que haver) na minha perspetiva tera que ser paritaria e completamente unificada (sem excepcoes)… Mas isso ‘e uma grande conversa…

  32. Luís

    O comentário do Odin, revela que realmente há um grande desconhecimento da lingua portuguesa usada em Portugal, por parte dos brasileiros, que pensam erradamente que as nossas gírias são palavras formais, e que muitas palavras são só exclusivas do Brasil. O português foi “inventado” em Portugal, portanto…….excetuando as girias brasileiras, as restantes palavras sabemos-las todas.

    Quando estive no Brasil, fiquei desconcertado quando perguntaram-me ” como se diz agasalho em Portugal ?” e eu respondi….”agasalho”, e depois perguntou como se diz “fila”, e eu respondi “fila” e perguntou-me novamente ” não é bicha ? “, e respondi-lhe, ” tb se diz, mas é gíria, formalmente se diz fila” e depois eu perguntei-lhe em termos de brincadeira ” sabes como se diz meia em Portugal ? ” ele disse-me que não sabia” e eu respondi ” 6″, e o brasileiro respondeu-me como fosse algo do outro mundo ” é mesmo ?!”…..enfim…..sem comentários……
    Gosto muito Brasil, mas choca-me o egocentrismo de muitos brasileiros. Um sintoma dos habitantes de países enormes.

    • Odin

      Para o Luís
      Primeiro, olá! Quem bom vê-lo de novo.
      Segundo, não! O comentário do Odin é uma brincadeira, uma gozação sobre a mania do Otus scops de insistir em reclamar do AO de 1990. Ele é um dos milhares ou milhões de cidadãos portugueses que não aceitam a nova ortografia, então, é com os governantes de Portugal que ele devia reclamar, se quer algum resultado. Levar um abaixo-assinado. Eu sei que as expressões que citei, como “giro/gira”, “fixe”… são gírias, e “estoiro”, “oiço” são regionalismos. E as escolhi justamente porque a intenção era fazer uma brincadeira.
      Terceiro, realmente é verdade que entre os brasileiros há um enorme desconhecimento da língua coloquial falada em Portugal. No Brasil, muito pouco se conhece sobre Portugal. Aqui não temos acesso às novelas portuguesas da TVI e da SIC como vocês têm acesso às novelas brasileiras da Globo e da Record. Salvo TV à cabo no caso da SIC e RTP, e internet no caso das três. O que eu conheço sobre o vosso modo de falar, é pela internet. Graças a Deus que a internet veio a existir. Porque a desvantagem dos brasileiros é imensa. Muitos brasileiros teimam em querer acreditar em mitos como “que o Brasil e Portugal já não falam a mesma língua”, “a culpa do não-desenvolvimento do Brasil é não ter sido colonizado pela Inglaterra ou pela Holanda”. E quanto ao egocentrismo, é algo individual. O coletivo e egocentrismo é etnocentrismo. E o etnocentrismo não é um mal só de brasileiros. É também de norte-americanos, de europeus (eurocentrismo), de russos, de israelitas, de chineses, de japoneses, de indianos, de alguns povos europeus individuais, como os ingleses, os franceses, os alemães… no caso dos brasileiros é até recente. Conheço o meu povo. Se este país vier a se tornar uma potência econômica mundial e um país desenvolvido, o povo daqui vai passar a ser mais arrogante ainda do que o povo dos Estados Unidos e da França são. Não no sentido de que o Brasil vai passar a ser belicoso e a entrar em guerra com países mais fracos. Mas é o fenômeno do “novo rico”, que foi pobre a vida toda, foi subserviente a vida toda, e quando consegue uma posição de poder, se torna alguém que esnoba os outros, se esquece do seu passado sofrido e quer se sentir melhor do que os outros, quer se vingar, que pisar nos outros. Os brasileiros que sempre foram muito receptivos aos estrangeiros, sempre sobrevalorizaram o que é importado, o que é estrangeiro, vai se tornar xenófobo, crítico intolerante ao que é de origem estrangeira e sobrevalorizar o que é nacional. Se você pensa que os brasileiros de hoje se acham, espere para ver no futuro. Quem viver, verá. Já eu entendo que povo nenhum neste planeta tem razão para tanta arrogância. Mas sou minoria.

      • fada do bosque

        Sabe uma coisa Odin? Eu costumo perceber pela escrita se se trata de um brasileiro, mas com o Odin não consigo notar mínimamente essa diferença!! O que quer dizer que fala o português na perfeição! 😉 Alé de que tem uma cultura geral que faz favor!… 🙂
        Um beijinho Deus de Ásgard.

        • Odin

          Fada do bosque,
          É de tanto conviver com Portugueses pela internet, pá! 😉
          Quanto a cultura, é devido a convivência virtual com o Clavis Prophetarum e o Otus scops. 🙂
          Outro beijinho, fadinha tuguinha minhotinha do meu coração.

      • De facto, mesmo antes… Logo que ‘e declarada a abertura do comercio nos portos brasileiros, Portugal embora permaneca ainda durante alguma decadas formalmente como potencia administrante ve trasnferido o centro economico da economia brasileira de Lisboa para Londres… Apos a independencia brasileira, o processo aprofunda-se, claro, mas comecara muito antes, praticamente no mesmo dia em que a familia real embarca para o Brasil…

      • Odin

        Caro Miguel Martins de Menezes,
        Sim. Em termos econômicos, o Brasil passou a ser uma colônia britânica, e após a II Guerra Mundial, uma colônia econômica norte-americana. E sim, foi o Reino Unido quem verdadeiramente provocou a Guerra do Paraguai, por exemplo, e guerras entre o Brasil e a Argentina, no século XIX.

    • O Brasil tem vivido nas ultimas decadas sob um certo tipo de isolacionismo social e politico. Isso nota-se particularmente quer nos media quer na musica: a Portugal chegam muitas noticias e musica do Brasil, mas o inverso nao acontece…
      A situacao esta a mudar, mas lentamente e acompanhando a recenter abertura do pais ao mundo e a saida de um numero crescente de turistas e migrantes.

  33. Odin

    CP
    No caso de Portugal, eu acho que é um exagero esse fechamento quase hermético à cultura tuga por parte do Brasil. Além do luso-brasileiro Roberto Leal, há bandas musicais portuguesas muito boas, como GNR, Sebenta, Pluto, Moonspell* (para quem gosta de Metal)…
    Aquele seu conhecido membro do MIL, que você pôs em contato comigo, nós conversamos por telefone uma vez, e ele disse algo que eu concordo. O Brasil tem que aprender a ser Brasil. Tem que parar de imitar culturalmente os EUA, e outros países e ser simplesmente Brasil. Mas não precisa de extremos, ser absolutamente fechado só ao que é nacional. E a troca de conhecimento entre os aspectos culturais dos países lusófonos, é um dos primeiros passos para a UL. Os brasileiros precisam conhecer mais sobre os outros povos de língua portuguesa.
    Riquepqd, veja se você consegue entender o que eles falam! Eu consigo. 😉


  34. Tendo em conta a sintonia, convido-o a visitar o site do MIL http://www.movimentolusofono.org e a aderir ao movimento, apos consulta da declaracao de principios e objetivos.

  35. Odin

    Miguel Martins de Menezes,
    “PROJECTO PORTUGAL E UELP – UNIÃO DE ESTADOS DE LÍNGUA PORTUGUESA”
    >Sim senhor, é interessante.

    “Este projecto foi divulgado aqui por razões alheias à minha estratégia inicial. Pensei que seria errado o momento para o revelar, mas vejo que eu estava enganado!”
    >Na verdade, eu tenho encontrado principalmente entre os portugueses, muitos indivíduos opinando em favor da saída da UE e algum tipo de aliança com a CPLP. Até o Dom Duarte, pretendente do trono português, apóia a união lusófona. Em menor quantidade, encontrei pela internet brasileiros que apóiam a idéia. Já achei até galegos. Mas, cidadãos dos Palop e do Timor, eu não encontrei ainda. Eu vou ser o mais sincero possível. Acho que ainda existem muitos preconceitos principalmente entre brasileiros e portugueses que devem acabar. Acho que a maioria dos portugueses e a maioria dos brasileiros, pelo menos desta geração, não vão aceitar. Agora, a partir da próxima geração, pode ser que dê certo. E eu acredito que os três primeiros países que se união serão Brasil, Cabo Verde e Portugal. E se na ocasião futura, caso a Espanha venha a se desmembrar e a Galiza se tornar independente, também vai estar entre os primeiros a ingressar na união.

    “Portugal tem uma solução geográfica estratégica debaixo do seu nariz, algo tão visível que Portugal não consegue ver…”
    >É verdade. Eu que estou de fora, consigo ver.

    “A solução para Portugal encontra-se na sua própria frente: o Mar. Não apenas como fonte de recursos naturais, o que também é importante, mas como causa de todo o planeamento estratégico do país.Portugal é, pela sua localização geográfica, a porta natural da entrada da Europa.”
    >Exatamente. A vocação de Portugal é o comércio com outros continentes, as navegações comerciais. E hoje em dia existe também o transporte aéreo, apesar de não invalidar o marítimo. Não é que Portugal tenha que virar totalmente as costas para a Europa. Portugal deve usar a sua natural posição estratégica e ser um elo comercial entre a Europa e os outros continentes, como a América Latina, a África, a Ásia e Oceania. E no continente europeu há países que seriam aliados comerciais interessantes, como a Noruega, por exemplo.

    “Se Portugal privatizar companhias como a TAP e a banca, não estará a vender os anéis mas sim a cortar os dedos…”
    >Eu acho que o Estado tem que ter a sua participação na economia, ainda que mínima. Porque se o Estado deixar o mercado à deriva, o mercado vira “selva”.
    E além de tudo o que você propõe, o que você acha da seguinte proposta?
    http://www1.ionline.pt/conteudo/52127-agencia-espacial-luso-brasileira-porque-nao
    No geral, o que você acha de levar a sua proposta à Assembleia da República em Lisboa? E depois ao Congresso Nacional em Brasília?

  36. Odin

    Prezado Miguel Martins de Menezes,

    “Este documento nasceu em Roterdão à seis anos atrás…”
    >Então é anterior a crise financeira, que começou em 2008.

    “Depois guardei-o e ficou amarelecendo até que um amigo meu (Pedro Álvaro) pediu-me inúmeras vezes(sempre que me via abordava o assunto), para o trazer a público. Sempre hesitei em fazê-lo pois não me reconheço como um político e sempre temi o meu envolvimento na política.”
    >Eu quase entrei na política aqui no Brasil. Desisti porque não agüento, não suporto a corrupção grande no meio político. No meu caso, é que eu não gosto da forma como o sistema funciona.

    “O mesmo individuo que usou parte deste documento numa conferência, revelou-o a importantes figuras públicas, tendo-me deixado completamente enervado, pois eu sabia que a sua divulgação nos termos em que estava sendo feita, iria prejudicar não apenas a ideia na sua concepção, mas também os próprios objectivos nela descritos.”
    >E você ficou enervado com toda razão. E também é verdade que, se a pessoa que apresentar ao público uma proposta como a sua não souber explicá-la muito bem, com a devida clareza, corre o risco de descrédito. Um projeto assim tem que ser debatido nos detalhes. Tem que ficar claro ao público de que NÃO se trata de uma proposta neocolonialista nem por parte de Portugal e nem por parte do Brasil.

    “Tratava-se de uma matéria muito sensível e merecedora de um tratamento diferente devido ao facto de nela estarem contidas estratégias que , a serem divulgadas, poderiam prejudicar o interesse nacional.”
    >Poderiam prejudicar sim. Um exemplo, a Espanha poderia querer adotar a idéia, sair antes de Portugal e começar a se aproximar mais do Brasil, dos Palop, de alguns países árabes e da Austrália para se sobrepor à Portugal. Esse tipo de proposta tem que se ter cuidado.

    “Foi nesse momento que em desespero de causa decidi leva-la ao conhecimento do governo actual na pessoa do Exmo. Ministro das Finanças Dr. Álvaro Pereira, a quem foi remetido um email pedindo para me receber numa reunião onde eu me dispunha a divulgar a estratégia subjacente à sua concepção. Infelizmente o governo nem sequer respondeu, o mesmo governo que pedia a participação e contributo dos cidadãos!… Desde esse dia que vi “atirarem no escuro” dando relevância ao porto de Sines e às ligações ferroviárias Sines/Europa como eu a concebi no meu pré-projecto. Contudo, o que eu via era algo que me chocava pela mais completa ausência de planeamento. Tudo isso foi elaborado “em cima do joelho” um mês após o email que foi enviado para o governo.”
    >O governo não respondeu, mas de certa forma adotou a idéia, ou parte dela. Sabe, muitos políticos de Portugal e do Brasil até que têm alguma semelhança. Adotam idéias de outros autores e falam que são deles mesmos.

    “Depois de ter constatado o que se passava decidi divulgar a toda a oposição e tornar o documento público, percebi que fazendo-o, impediria o seu uso com finalidades que não fossem outras senão aquelas que defendem o interesse nacional. Hoje esta ideia é do conhecimento público!”
    >Sim, para que haja um equilíbrio, com a oposição ciente do que se passa, o governo terá mais dificuldades de cometer abusos em relação ao projeto.

    “O poder estratégico de Portugal é muito superior ao que a globalidade dos seus cidadãos pensam, jamais a Inglaterra (onde vivi 6 anos), e o Finantial Times, usariam de ironia ou de sarcasmo com Portugal se não soubessem o poder que o nosso país possui nas suas mãos.”
    >Sim, a posição estratégica do território português, no extremo-oeste da Europa, próximo à África, e voltado para o Atlântico, dá a Portugal uma vantagem enorme sobre países como a Alemanha, a Itália, a Finlândia e países do Leste Europeu e do Mediterrâneo, por exemplo.

    Mais uma vez estou convencido de que a Democracia Representativa é uma farsa, uma falsa democracia. Os parlamentares e os governantes não representam o povo como um todo, representam interesses econômicos somente.

    • O mal dos politicos ‘e raramente ouvem os povos, especialmente se agimos individualmente… Juntos, em grupo e em unissono, conseguimos sempre algo mais.

  37. Odin

    Prezado amigo Miguel Martins de Menezes,
    “Eu pessoalmente acho(referindo-me ao “Link” da agência espacial Luso-Brasileira), que o potencial de Portugal e do Brasil (veja o caso das OGMA-Oficinas Gerais de Material Aeronáutico de Alverca do Ribatejo e da Embraer – a 2ª maior construtora de aviões do planeta – ficando mesmo acima da Airbus em aviões produzidos) é enorme.”
    >Se essas empresas de aeronáutica realmente quiserem, chegam lá sim.
    “Mas não quero esquecer aqui os recursos de outros países Lusófonos como Angola, Moçambique, Timor e todos os outros.”
    >Os autores da idéia são os dois investigadores da Universidade do Minho, e a proposta deles foi uma agência espacial para Brasil e Portugal. Mas eu mesmo e o MIL (Movimento Internacional Lusófono) representado muito bem aqui pela pessoa do Clavis Prophetarum, preferimos uma Agência Espacial para todos os países da CPLP, tal como a ESA que já é uma agência espacial multinacional existente.
    http://movimentolusofono.wordpress.com/2011/06/06/agencia-espacial-e-agencia-oceanica-luso-brasileiras-ou-para-toda-a-cplp/
    “Muitas pessoas pensam que o Brasil iria “Colonizar Portugal”, criando uma situação de dependência que alienaria a nossa independência. Isto é um absurdo completo”
    >O Brasil não vai colonizar país nenhum neste mundo! Colonialismo propriamente é coisa do passado! O Art. 4.º da Constituição Federal brasileira impede tal atrevimento. Se houver algum tipo de união da lusofonia, e Portugal começar a se sentir prejudicado e pedir para sair, o Brasil vai simplesmente respeitar a decisão de Portugal. E dos demais também. O governo brasileiro não iria querer fazer figura de demônio diante do mundo não.
    http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constitui%C3%A7ao.htm
    Se o amigo não se importar, só mais duas perguntas. Qual a visão do amigo a respeito da Galiza? Pergunto exatamente se o amigo é a favor da independência da Galiza, e se o amigo apoiava uma futura união entre a Galiza e Portugal? E o que o amigo acha da questão de Olivença?

    Um abraço ao amigo Miguel!

  38. Sou membro do “grupo de amigos de Olivenca”, mas nao tenho duvidas; depois de decadas de colonizacao, hoje poucos oliventinos se sentem portugueses e querem regressar a Portugal. Nao vejo solucao facil para o problema, mas nao creio que devamos simplesmente ceder e deixar Espanha absorver simplesmente solo patrio.
    A Galiza ‘e diferente: ‘e tambem verdade que poucos galegos falam hoje galego (os jovens urbanitas, sobretudo) e que ainda menos sao reintegracionistas (defendendo a aproximacao ‘a grafia portuguesa e a comunhao com a lusofonia), mas devemos solidariedade a eles, tanto mais porque ao longo da Historia, por motivos varios, nunca lhes demos a assistencia necessaria.

  39. Odin

    Eu já sei que a Galiza é culturalmente e linguisticamente muito mais ligada a Madrid do que a Catalunha e o País Basco são. Mas eu acredito que, se a Espanha entrar em colapso econômico, perder a sua prosperidade conquistada com a sua entrada na UE, não sei qual dos dois vai ser o primeiro, mas a Catalunha e o País Basco vão querer a independência sim. E se a Espanha perder a Catalunha e o País Basco, vai empobrecer muito, e os jovens galegos urbanistas tão castelhanizados, que nem sabem falar galego, rapidinho vão se lembrar de suas origens galaicas, vão se interessar pelo idioma dos seus ancestrais, a Galiza vai passar a olhar Portugal no sul, e talvez até para o Brasil também, como uma mulher apaixonada olha para o homem por quem está caidinha, e vai querer a sua independência também. O que move os países é o dinheiro, o capital. Basta a Espanha se desmembrar e Portugal ficar melhor do que a Espanha, que a Galiza vai encontrar um pretexto histórico e cultural para se integrar a Portugal, caso não prospere sozinha. Ou se a sua proposta da UELP se realizar, a Galiza vai pedir adesão. O segredo está no enfraquecimento da Espanha (de Castela especificamente).

  40. Juca Fernandes

    Sobre uma união Luso Brasileira:

    Sou brasileiro e já morei em Portugal. Baseado nesta experiência acredito que uma união entre os dois países é bem possível desde que seja gradual.

    Temos as mesmas raízes culturais, e por isso acredito que é para o povo português e o povo brasileiro se aceitarem com muito mais facilidade do que Portugal com a UE ou o Brasil com seus vizinhos de origem espanhola(Argentina, Paraguai e Uruguai) .

    Temos, entre Brasil e Portugal, a língua em comum, a história, grande parte dos costumes e tradições. São países que caminham juntos, apesar da separação de 1822.

    Acredito, baseado no que vi, que Portugal perde seu tempo com a UE que o coloca em posição quase vassala, ao contrário de sua histórica relação com o Brasil quase sempre extremamente proveitosa para ambos os lados.

    A dificuldade singular que vislumbro nesta união é o orgulho pungente de ambos os lados, mas acredito que, feita da maneira certa, tal união concretizada tornaria-se em algo incrível para todos, a curto, médio e longo prazo.

    Amo o Brasil assim como amo Portugal, e me dói o coração ver este maravilhoso povo passar pelas humilhações e pelo desprezo que tem passado.

    Aos irmãos lusitanos meu grande abraço.

    Juca Fernandes
    Produtor e Diretor de TV

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Site no WordPress.com.

Eleitores de Portugal (Associação Cívica)

Associação dedicada à divulgação e promoção da participação eleitoral e política dos cidadãos

Vizinhos em Lisboa

A Vizinhos em Lisboa tem em vista a representação e defesa dos interesses dos moradores residentes nas áreas, freguesias, bairros do concelho de Lisboa nas áreas de planeamento, urbanismo, valorização do património edificado, mobilidade, equipamentos, bem-estar, educação, defesa do património, ambiente e qualidade de vida.

Vizinhos do Areeiro

Núcleo do Areeiro da associação Vizinhos em Lisboa: Movimento de Vizinhos de causas locais e cidadania activa

Vizinhos do Bairro de São Miguel

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos

TRAVÃO ao Alojamento Local

O Alojamento Local, o Uniplaces e a Gentrificação de Lisboa e Porto estão a destruir as cidades

Não aos Serviços de Valor Acrescentado nas Facturas de Comunicações !

Movimento informal de cidadãos contra os abusos dos SVA em facturas de operadores de comunicações

Vizinhos de Alvalade

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos de Alvalade

anExplica

aprender e aprendendo

Subscrição Pública

Plataforma independente de participação cívica

Rede Vida

Just another WordPress.com weblog

Vizinhos do Areeiro

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos do Areeiro

MDP: Movimento pela Democratização dos Partidos Políticos

Movimento apartidário e transpartidário de reforma da democracia interna nos partidos políticos portugueses

Operadores Marítimo-Turísticos de Cascais

Actividade dos Operadores Marítimo Turísticos de Cascais

MaisLisboa

Núcleo MaisDemocracia.org na Área Metropolitana de Lisboa

THE UNIVERSAL LANGUAGE UNITES AND CREATES EQUALITY

A new world with universal laws to own and to govern all with a universal language, a common civilsation and e-democratic culture.

looking beyond borders

foreign policy and global economy

O Futuro é a Liberdade

Discussões sobre Software Livre e Sociedade

%d bloggers like this: