Sobre as candidaturas independentes à Assembleia da República

Assembleia da República (http://www.abola.pt)

Assembleia da República (http://www.abola.pt)

“As candidaturas independentes não constituem em si mesmas, uma garantia de abertura e diálogo com a sociedade (no meu tempo de deputado já não era assim, como tristemente conclui).”

> não, de facto, de per si, não produzem essa garantia. Mas os deputados independentes do tempo de Vicente Jorge Silva não eram realmente independentes. Eram (e são) pessoas eleitas dentro de listas partidárias e que assumem sempre algum tipo de compromisso com o Partido em cujas listas são eleitas conformando-se a um conjunto de limites a que têm que aderir na Campanha e que devem respeitar se desejarem ser reeleitos.

“Podem até resultar num aproveitamento oportunista de disponibilidades suspeitas e de clientelismos enviesados. Mas a independência e a liberdade de espírito são o único penhor de uma vida democrática mais sadia, introduzindo ar fresco na atmosfera bafienta das instituições paralisadas pelo servilismo da mediocridade.”

> Qualquer expressão de uma intervenção política ou cívica pode ser aproveitada para fins pessoais ou egoístas. Isso não é diferente no mundo político nem na vida parlamentar. A eleição de um deputado independente (inserido em listas partidárias) pode assim representar apenas a expressão de um ego particularmente dilatado ou de uma vaidade que no processo não deixará de inflar-se ainda mais. Mas tal tipo de personagem não será eleita pelos cidadãos se se apresentar às eleições em seu estrito nome individual e não inserido numa lista de um dado grande partido, sendo aqui eleito de forma mais ou menos automática em função do voto útil de qualquer eleitorado fiel a um determinado partido político.

“A perspetiva de um Parlamento onde tenderão a prevalecer, mais do que nunca, os alinhamentos tribais e acríticos dos partidos é o pior panorama que nos pode ser oferecido na mais negra conjuntura de sempre do nosso regime democrático”.

> A eleição de deputados, que se apresentem a eleições em listas independentes, uninominais e em círculos nacionais representaria assim uma importante reforma na qualidade da nossa vida parlamentar e na da nossa democracia, porque permitiria que pessoas de comprovados méritos e completamente independentes de qualquer fidelidade aparelhística ou partidária pudessem exercer todas as suas qualidades e potencialidades num Parlamento que assim seria revigorado e dinamizado saindo do doentio torpor atual que explica de forma tão cabal como é que Portugal pôde chegar à maior crise dos últimos cem anos.

São estas as razoes que levaram o MIL: Movimento Internacional Lusófono a promover ESTA petição.

Vicente Jorge Silva
6 de maio de 2011

Anúncios
Categories: Política Nacional, Portugal | Deixe um comentário

Navegação de artigos

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Create a free website or blog at WordPress.com.

Eleitores de Portugal (Associação Cívica)

Associação dedicada à divulgação e promoção da participação eleitoral e política dos cidadãos

Vizinhos em Lisboa

A Vizinhos em Lisboa tem em vista a representação e defesa dos interesses dos moradores residentes nas áreas, freguesias, bairros do concelho de Lisboa nas áreas de planeamento, urbanismo, valorização do património edificado, mobilidade, equipamentos, bem-estar, educação, defesa do património, ambiente e qualidade de vida.

Vizinhos do Areeiro

Núcleo do Areeiro da associação Vizinhos em Lisboa: Movimento de Vizinhos de causas locais e cidadania activa

Vizinhos do Bairro de São Miguel

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos

TRAVÃO ao Alojamento Local

O Alojamento Local, o Uniplaces e a Gentrificação de Lisboa e Porto estão a destruir as cidades

Não aos Serviços de Valor Acrescentado nas Facturas de Comunicações !

Movimento informal de cidadãos contra os abusos dos SVA em facturas de operadores de comunicações

Vizinhos de Alvalade

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos de Alvalade

anExplica

aprender e aprendendo

Subscrição Pública

Plataforma independente de participação cívica

Rede Vida

Just another WordPress.com weblog

Vizinhos do Areeiro

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos do Areeiro

MDP: Movimento pela Democratização dos Partidos Políticos

Movimento apartidário e transpartidário de reforma da democracia interna nos partidos políticos portugueses

Operadores Marítimo-Turísticos de Cascais

Actividade dos Operadores Marítimo Turísticos de Cascais

MaisLisboa

Núcleo MaisDemocracia.org na Área Metropolitana de Lisboa

THE UNIVERSAL LANGUAGE UNITES AND CREATES EQUALITY

A new world with universal laws to own and to govern all with a universal language, a common civilsation and e-democratic culture.

looking beyond borders

foreign policy and global economy

O Futuro é a Liberdade

Discussões sobre Software Livre e Sociedade

%d bloggers like this: