A Economia da Guiné-Bissau

A Guiné Bissau é hoje um dos países mais pobres do mundo. O essencial da sua economia encontra-se no setor primário, assumindo especial importância as culturas do caju (que se tem desenvolvido muito nos últimos anos), sendo atualmente este país lusófono o sexto produtor mundial. A Pesca tem também bastante importância económica, sendo uma fonte importante de divisas e de alimentos para a população local, mas a sua exploração foi arrendada ao Banco Mundial em troca da cedência de combustível durante dois anos para alimentar os geradores que (teoricamente…) fornecem a débil e instável rede pública de eletricidade entre as 7 da manhã e as 7 da noite.

A doca de Bissau – com os seus edifícios da época portuguesa, guarda muito simbólica no portão e imensa atividade comercial de todos os tipos, mas sobretudo de venda de peixe fervilha de atividade, mesmo às sete da noite. Os guineenses consomem muito peixe e carne de duvidosa conservação e vendida em bancas no mercado de Bandim em condições de higiene muito duvidosa…

O amendoim também é produzido em quantidades muito apreciáveis e é exportado em certos números. Assim como a palma e madeiras, que são nomeadamente alvo de grande interesse chinês, tendo havido inclusivamente ofertas para reconstruir o antigo Palácio do Governador Spínola, destruído em 1998 em troca da cessação desses direitos de exploração. Todos estes produtos – em quantidades e qualidades muito diversas podem ser adquiridos no muito povoado e dinâmico mercado de Bandim, o qual de resto está hoje muito melhor porque o tráfego automóvel quase deixou de circular aqui devido às grandes obras que aqui decorrem com recurso a algumas (raras) máquinas escavadoras e a (muita) mão-de-obra humana e quase totalmente desprovida de material além de pás, carrinhos de mão e picaretas.

O principal alimento da Guiné Bissau é o arroz, base de toda a alimentação local, mas produzido em números insuficientes para as necessidades locais, o que torna este país lusófono num dependente crónico das importações deste importante alimento.

O milho, o feijão, a mandioca, a semente de palma e o algodão também são produzidos, mas em quantidades insuficientes para satisfazer as necessidades locais.

A guerra civil de 1998 destruiu quase totalmente as infra-estruturas que já antes eram muito insuficientes. No ano da guerra, o PIB caiu 28%, recuperando apenas parcialmente no ano seguinte.

Nos anos que precederam a guerra de 1998, contudo, a Guiné-Bissau parecia ter boas perspetivas. Um programa ambicioso de reforma do Comércio e a liberalização dos preços ao consumidor dinamizaram a economia local e a iniciativa privada.

A Guiné tem também algumas riquezas mineiras, sobressaindo entre estas o petróleo e os fosfatos, mas os seus elevados custos de exploração têm inviabilizado a sua exploração, isso contudo, pode vir a mudar brevemente se o preço do barril de petróleo continuar a subir.

Alguns números de 1999:
PIB 1.1 mil milhões de dólares
Crescimento per Capita 9.5%
PIB per capita: 900 dólares, sendo um funcionário público médio remunerado em menos de 64 euros mensais
População abaixo da linha da pobreza: 50% (1991)
Desemprego de 50% (2010)
A dívida externa em 1997 ascendia a 921 milhões de dólares.

A eletricidade da Guiné-Bissau tem como única fonte o diesel, sendo a sua produção da responsabilidade da EAGB que procura assegurar o seu fornecimento (de forma intermitente) entre as 7 e as 19. Até 2010, o fornecimento de diesel foi oferecido (40 mil litros) pela Líbia, a partir de 2010 esse combustível passou a ser fornecido pelo Banco Mundial em troca da cedência de áreas piscícolas.

A mortalidade masculina é de 46 anos e a das mulheres 51 com uma taxa de fertilidade de 5.27.

As etnias mais numerosas da Guiné são os Balanta 30%, Fula 20%, Manjaca 14%, Mandinga 13%, Papel 7%. Estima-se que existam menos de 1% de europeus vivendo na Guiné.

Fonte Principal:
http://www.africa.jocum.org.br/bissau/economia/economia_bissau.htm

Anúncios
Categories: Economia, Guiné-Bissau, Lusofonia, Política Internacional | Etiquetas: | Deixe um comentário

Navegação de artigos

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Site no WordPress.com.

Eleitores de Portugal (Associação Cívica)

Associação dedicada à divulgação e promoção da participação eleitoral e política dos cidadãos

Vizinhos em Lisboa

A Vizinhos em Lisboa tem em vista a representação e defesa dos interesses dos moradores residentes nas áreas, freguesias, bairros do concelho de Lisboa nas áreas de planeamento, urbanismo, valorização do património edificado, mobilidade, equipamentos, bem-estar, educação, defesa do património, ambiente e qualidade de vida.

Vizinhos do Areeiro

Núcleo do Areeiro da associação Vizinhos em Lisboa: Movimento de Vizinhos de causas locais e cidadania activa

Vizinhos do Bairro de São Miguel

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos

TRAVÃO ao Alojamento Local

O Alojamento Local, o Uniplaces e a Gentrificação de Lisboa e Porto estão a destruir as cidades

Não aos Serviços de Valor Acrescentado nas Facturas de Comunicações !

Movimento informal de cidadãos contra os abusos dos SVA em facturas de operadores de comunicações

Vizinhos de Alvalade

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos de Alvalade

anExplica

aprender e aprendendo

Subscrição Pública

Plataforma independente de participação cívica

Rede Vida

Just another WordPress.com weblog

Vizinhos do Areeiro

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos do Areeiro

MDP: Movimento pela Democratização dos Partidos Políticos

Movimento apartidário e transpartidário de reforma da democracia interna nos partidos políticos portugueses

Operadores Marítimo-Turísticos de Cascais

Actividade dos Operadores Marítimo Turísticos de Cascais

MaisLisboa

Núcleo MaisDemocracia.org na Área Metropolitana de Lisboa

THE UNIVERSAL LANGUAGE UNITES AND CREATES EQUALITY

A new world with universal laws to own and to govern all with a universal language, a common civilsation and e-democratic culture.

looking beyond borders

foreign policy and global economy

O Futuro é a Liberdade

Discussões sobre Software Livre e Sociedade

%d bloggers like this: