A Sociedade da Guiné-Bissau

A música da Guiné-Bissau é marcada atualmente pelo chamado “Gumbe”.  Em termos religiosos a religião dominante ainda hoje no país é o animismo, com mais de 50% de população.

Existem vários tipos de “animismo”, mas em todas o culto dos antepassados e das forças da natureza e da sua manipulação através da feitiçaria, são pontos constantes.

O Islão é hoje a religião em grande expansão na Guiné-Bissau com os seus 45%. Seguem-se os 5% de cristaos, um escasso número quando comparamos com a continuidade de mais de 500 anos da presença portuguesa e com a existência de várias missões católicas (como a de Bicege ou a de Bissora), soa a escasso.

De facto, existe um grande sincretismo religioso na Guiné-Bissau, especialmente no interior, com o cruzamento de várias praticas religiosas na religiosidade de cada comunidade, não sendo raro encontrar elementos das várias religiões no mundo religioso rural guineense.

A posse da propriedade está nas mãos das famílias e nelas, herda o primeiro filho. Os restantes não recebem qualquer parcela do terreno dos país, mas é-lhes permitida a construção de tabancas em torno da tabanca (cabana) dos seus pais, formando assim uma família extensa geralmente muito unida e solidária que acolhe os mais fracos, idosos e doentes e funciona como para-quedas social tornando assim a sociedade guineense virtualmente numa sociedade sem “Sem Abrigos”.

O Carnaval é o ponto focal para toda a sociedade guineense durante toda uma semana. Toda a atividade económica para durante toda uma semana e é praticamente impossível fazer então qualquer tipo de negócio. O desfile congrega todas as 23 etnias do país e é o evento cultural de maior importância e é organizado por bairros, assumindo estes – quase sempre – a representação de uma etnia.

Fontes:
http://www.gumbe.com
http://www.flickr.com/photos/gumbe

Categories: Guiné-Bissau, Lusofonia | 4 comentários

Navegação de artigos

4 thoughts on “A Sociedade da Guiné-Bissau

  1. pedronunesnomundo

    olha, bem giro!
    assim também fomos um bocadito contigo 😉

    *questão: ‘sociedade sem “Sem Abrigos”’ = ‘sociedade só com Com Abrigos’? ou por vezes didícil de distinguir?…*

  2. Otus scops

    – “A posse da propriedade está nas mãos das famílias e nelas, herda o primeiro filho.”
    em Portugal também era assim até D. Luís I ter extinto a Lei do Morgadio por Carta de Lei de 19 de Maio de 1863.
    – “a sociedade guineense virtualmente numa sociedade sem “Sem Abrigos””
    a solidariedade africana a funcionar – está na matriz cultural deles.
    tal como exercícios de domínio (vulgo exploração e escravatura).
    – “5% de cristaos, um escasso número quando comparamos com a continuidade de mais de 500 anos da presença portuguesa e com a existência de várias missões católicas”
    soa a escasso??? não me parece… antes da chegada dos portugueses já a Guiné era terra do Islão. não existe nenhum país previamente islâmico que tenha sido convertido ao cristianismo (o contrário começo a ter dúvidas…).
    portanto parabéns às Missões que tem lutado durante 5 séculos contra essas hegemonias religiosas.

    p.s. – as crianças são das melhores coisas do mundo, lindo momento ver a alegria deles a dançar! 🙂

  3. de nada, amigos… encontram mais videos no http://www.youtube.com/user/QuintusMovV
    penso que temos muito a aprender com as sociedades africanas: solidariedade, prazer de viver, integração dos doentes e mais velhos, etc
    quanto ao cristianismo, é de facto estranho que havendo tantas (e tão bem organizadas) missões na Guiné, existam tão poucos cristãos… especialmente porque o islão nada mais faz além de construir mesquitas (dizem os próprios guineenses)
    Brevemente, aparecerá aqui mais material sobre a Guiné-Bissau e uma pequena crónica da minha viagem..

  4. Otus scops

    “penso que temos muito a aprender com as sociedades africanas”
    eu não penso, eu tenho a certeza!!!
    das minhas estadias em África testemunhei isso mesmo, ainda tem o sentido de família presente e vivem de acordo com os ritmos da Natureza, com mais consciência do certo e do errado, arranjam tempo para tudo, sem grandes obsessões materiais, tem filhos e gostam de os fazer, apreciam o convívio entre familiares e amigos. o temos muito que(re)aprender com eles, pelo menos os portugueses…

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Create a free website or blog at WordPress.com.

Eleitores de Portugal (Associação Cívica)

Associação dedicada à divulgação e promoção da participação eleitoral e política dos cidadãos

Vizinhos em Lisboa

A Vizinhos em Lisboa tem em vista a representação e defesa dos interesses dos moradores residentes nas áreas, freguesias, bairros do concelho de Lisboa nas áreas de planeamento, urbanismo, valorização do património edificado, mobilidade, equipamentos, bem-estar, educação, defesa do património, ambiente e qualidade de vida.

Vizinhos do Areeiro

Núcleo do Areeiro da associação Vizinhos em Lisboa: Movimento de Vizinhos de causas locais e cidadania activa

Vizinhos do Bairro de São Miguel

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos

TRAVÃO ao Alojamento Local

O Alojamento Local, o Uniplaces e a Gentrificação de Lisboa e Porto estão a destruir as cidades

Não aos Serviços de Valor Acrescentado nas Facturas de Comunicações !

Movimento informal de cidadãos contra os abusos dos SVA em facturas de operadores de comunicações

Vizinhos de Alvalade

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos de Alvalade

anExplica

PEDAÇOS DE SABER

Subscrição Pública

Plataforma independente de participação cívica

Rede Vida

Just another WordPress.com weblog

Vizinhos do Areeiro

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos do Areeiro

MDP: Movimento pela Democratização dos Partidos Políticos

Movimento apartidário e transpartidário de reforma da democracia interna nos partidos políticos portugueses

Operadores Marítimo-Turísticos de Cascais

Actividade dos Operadores Marítimo Turísticos de Cascais

MaisLisboa

Núcleo MaisDemocracia.org na Área Metropolitana de Lisboa

THE UNIVERSAL LANGUAGE UNITES AND CREATES EQUALITY

A new world with universal laws to own and to govern all with a universal language, a common civilsation and e-democratic culture.

looking beyond borders

foreign policy and global economy

<span>%d</span> bloggers like this: