Daily Archives: 2011/03/28

Antero de Quental: “Portugal expia, com a amargura deste momento de humilhação e ansiedade, 40 anos de egoísmo, de imprevidência e de relaxamento dos costumes políticos”

Antero de Quental (http://www.iscsp.utl.pt)

Antero de Quental (http://www.iscsp.utl.pt)

“Portugal expia, com a amargura deste momento de humilhação e ansiedade, 40 anos de egoísmo, de imprevidência e de relaxamento dos costumes políticos – 40 anos de paz profunda, que uma sorte raríssima nos concedeu e que só soubemos malbaratar na intriga, na vaidade, no gozo material, em vez de as aproveitarmos no trabalho, na reforma das instituições e no progresso das ideias.”
Antero de Quental em 1890
citado em Revista Nova Águia
Número 6

Quando leio estes textos sobre a situação do país há cem anos atrás, seja antes, seja depois, da implantação da República, fico sempre com uma certa sensação de “Deja Vu”… É como se nada de realmente substancial tivesse mudado no nosso país durante todo este tempo e após não uma, mas três “repúblicas” sucessivas… ao ingovernismo e instabilidade crónicas da Primeira República, seguiu-se a estagnação e o tacanhismo bacoco do Salazarismo e, agora, sob a regência da Terceira, temos o Clientelismo, a Corrupção e o Sacrossanto Rotativismo.

Porque nas mudou – no essencial – o nosso Portugal depois desta experiência secular de republicanismo? Porque os seus agentes da mudança – no essencial – não mudaram… vejam-se os nomes de família dos primeiros republicanos e, até, dos seus opositores monárquicos. Na imensa maioria, as famílias que eram influentes no tempo de Antero de Quental, continuam hoje a serem influentes na Política, na Economia e nas Finanças. São os mesmos. Os mesmos baronetes medíocres da monarquia, os mesmos deputados republicanos, os mesmos intelectuais, os mesmos, em suma.

Um país é aquilo que são as suas elites. Quando estas são incompetentes, incultas, egoístas e desprovidas de qualquer sentido de Bem Comum, de Serviço Comunitário ou de Cidadania, temos um país desigual, injusto e com uma democracia formal e de baixa qualidade. O que somos – enquanto país – é que a nossa elite é.

Este ciclo vicioso pode ser centenário, mas não é eterno… pode ser quebrado, quebrando a influencia ditatorial e exclusivista que esta elite (que no Parlamento assume a forma de Partidocracia) detém sobre a sociedade portuguesa. Apesar do domínio quase total dos meios de comunicação, é possível expulsar esta corja do seu altaneiro poleiro… pela derradeira via que resta aos povos para a renovar: a eleitoral. Assim haja sabedoria, ensejo e capacidade para o fazer, numa sociedade de escravos longamente condicionados para o serem e onde as oportunidades para furar o sistema são particularmente raras.

Antevi em fevereiro de 2010 uma dessas raras janelas de oportunidade na candidatura presidencial do Dr. Fernando Nobre: um Homem verdadeiramente exterior a esta corja que sequestrou a República, sempre disponível para cumprir os maiores sacrifícios e competente, culto e inteligente, como o são muito poucos partidocratas (dulcificados por décadas de segurança e confortos nababianos). A eleição de janeiro de 2011 é assim uma das daquelas raras janelas de oportunidade em que pela via eleitoral algo pode ser efetivamente mudado… assim o saibamos fazer. E o queiramos… o que é duvidoso.

Categories: História, Nova Águia, Política Nacional, Portugal | 3 comentários

Lauro Moreira: “A língua portuguesa é hoje a quinta mais falada do mundo”

Lauro Moreira (http://liberal.sapo.cv)

Lauro Moreira (http://liberal.sapo.cv)

“A língua portuguesa é hoje a quinta mais falada do mundo, o terceiro idioma europeu usado fora do Velho Continente e, finalmente, a nona língua na Internet, sendo portanto identificada como um valioso património cultural, político e mesmo económico.”
Lauro Moreira

Fernando Pessoa acreditava que o Quinto Império seria não um “império” materializado em domínios e territórios reais e concretos mas na língua portuguesa. Apesar deste sonho profético de um dos seus maiores vates, Portugal nunca soube aproveitar o imenso capital que é o de ser a matriz originária de uma língua ímpar, presente em 5 continentes e falada por algumas das mais dinâmicas economias do mundo.

Categories: Brasil, Lusofonia, Movimento Internacional Lusófono | 6 comentários

Site no WordPress.com.

Eleitores de Portugal (Associação Cívica)

Associação dedicada à divulgação e promoção da participação eleitoral e política dos cidadãos

Vizinhos em Lisboa

A Vizinhos em Lisboa tem em vista a representação e defesa dos interesses dos moradores residentes nas áreas, freguesias, bairros do concelho de Lisboa nas áreas de planeamento, urbanismo, valorização do património edificado, mobilidade, equipamentos, bem-estar, educação, defesa do património, ambiente e qualidade de vida.

Vizinhos do Areeiro

Núcleo do Areeiro da associação Vizinhos em Lisboa: Movimento de Vizinhos de causas locais e cidadania activa

Vizinhos do Bairro de São Miguel

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos

TRAVÃO ao Alojamento Local

O Alojamento Local, o Uniplaces e a Gentrificação de Lisboa e Porto estão a destruir as cidades

Não aos Serviços de Valor Acrescentado nas Facturas de Comunicações !

Movimento informal de cidadãos contra os abusos dos SVA em facturas de operadores de comunicações

Vizinhos de Alvalade

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos de Alvalade

anExplica

aprender e aprendendo

Subscrição Pública

Plataforma independente de participação cívica

Rede Vida

Just another WordPress.com weblog

Vizinhos do Areeiro

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos do Areeiro

MDP: Movimento pela Democratização dos Partidos Políticos

Movimento apartidário e transpartidário de reforma da democracia interna nos partidos políticos portugueses

Operadores Marítimo-Turísticos de Cascais

Actividade dos Operadores Marítimo Turísticos de Cascais

MaisLisboa

Núcleo MaisDemocracia.org na Área Metropolitana de Lisboa

THE UNIVERSAL LANGUAGE UNITES AND CREATES EQUALITY

A new world with universal laws to own and to govern all with a universal language, a common civilsation and e-democratic culture.

looking beyond borders

foreign policy and global economy

O Futuro é a Liberdade

Discussões sobre Software Livre e Sociedade