António Lobo Antunes: “Um oficial cubano mais tarde dizia-me isso, que éramos grandes soldados. Então compreendi porque é que fomos nós que fomos à Índia”

António Lobo Antunes (http://bahiaempauta.com.br)

António Lobo Antunes (bahiaempauta.com.br)

“É preciso falar com os nossos soldados (na Guerra do Ultramar), que eram de uma coragem extraordinária. Os rapazes são extraordinários. Tropas de elite, por exemplo, os páras, todos pequeninos, magrinhos, aparentemente inofensivos, mas de uma coragem extraordinária. Um oficial cubano mais tarde dizia-me isso, que éramos grandes soldados. Então compreendi porque é que fomos nós que fomos à Índia.
Como era o soldado português em combate?
Era como os oficiais: obedeciam a quem respeitavam. Daí haver pelotões muito melhores que outros, porque havia oficiais mais corajosos que outros e com mais capacidade de decisão debaixo de fogo. E ai eram extraordinários. Eu só tenho a dizer bem do Exército Português. Os nossos oficiais, os que conheci, que eram poucos, portaram-se com imensa dignidade.”
Entrevista a António Lobo Antunes
Sol 4 de fevereiro de 2011

A imensidade da tarefa que consistiu em travar um conflito de contra-insurreição em três frentes diferentes (Guiné, Angola e Moçambique) distantes 3400 km de Lisboa, no caso da mais próxima e distantes, depois uma das outras, 4000 km e 1000 km é uma tarefa aparentemente impossível para aquela que era – quando o conflito estalou em 1961 e até 1975, quando terminou – uma das nações economicamente menos desenvolvidas da Europa.

Quando a Guerra do Ultramar começou as forças armadas portuguesas não tinham nem treino, nem equipamento, e muito menos forças locais suficientes que permitissem antecipar algo que não fosse um desfecho rápido, fulminante inteiramente favorável para as forças que, em África, se opunham ao colonialismo português. Mas não foi isso que sucedeu. Quando se deu a Revolução de Abril, havia um impasse na Guiné-Bissau, uma vitória clara em Angola e um desequilíbrio favorável a Portugal em Moçambique. De facto, o Exército tinha deixado, desde 1973, aos políticos amplas condições para que negociassem independências honrosas ou autonomias muito alargadas com os representantes dos movimentos independentistas africanos. Condicionados pela natureza anti-democrática do regime, os políticos desperdiçaram todas as vidas e membros deixados em África pelos militares e tornaram inútil todo o seu – muito notável – esforço…

Anúncios
Categories: História, Portugal | 1 Comentário

Navegação de artigos

One thought on “António Lobo Antunes: “Um oficial cubano mais tarde dizia-me isso, que éramos grandes soldados. Então compreendi porque é que fomos nós que fomos à Índia”

  1. pedronunesnomundo

    gostei muito deste post

    é sobre um assunto – inexplicavelmente – ainda tabuizado na nossa sociedade, o que impede este País de, como nobremente fizeste, louvar o esforço extremo de quem um dia aceitou pôr a sua saúde e a sua vida ao serviço dos interesses da Nação
    um exemplo, como diz o Ti’ Cavaco, que nos dias de hoje devia ser muitíssimo mais inspirador que digno de repulsa

    parabéns

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Create a free website or blog at WordPress.com.

Eleitores de Portugal (Associação Cívica)

Associação dedicada à divulgação e promoção da participação eleitoral e política dos cidadãos

Vizinhos em Lisboa

A Vizinhos em Lisboa tem em vista a representação e defesa dos interesses dos moradores residentes nas áreas, freguesias, bairros do concelho de Lisboa nas áreas de planeamento, urbanismo, valorização do património edificado, mobilidade, equipamentos, bem-estar, educação, defesa do património, ambiente e qualidade de vida.

Vizinhos do Areeiro

Núcleo do Areeiro da associação Vizinhos em Lisboa: Movimento de Vizinhos de causas locais e cidadania activa

Vizinhos do Bairro de São Miguel

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos

TRAVÃO ao Alojamento Local

O Alojamento Local, o Uniplaces e a Gentrificação de Lisboa e Porto estão a destruir as cidades

Não aos Serviços de Valor Acrescentado nas Facturas de Comunicações !

Movimento informal de cidadãos contra os abusos dos SVA em facturas de operadores de comunicações

Vizinhos de Alvalade

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos de Alvalade

anExplica

aprender e aprendendo

Subscrição Pública

Plataforma independente de participação cívica

Rede Vida

Just another WordPress.com weblog

Vizinhos do Areeiro

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos do Areeiro

MDP: Movimento pela Democratização dos Partidos Políticos

Movimento apartidário e transpartidário de reforma da democracia interna nos partidos políticos portugueses

Operadores Marítimo-Turísticos de Cascais

Actividade dos Operadores Marítimo Turísticos de Cascais

MaisLisboa

Núcleo MaisDemocracia.org na Área Metropolitana de Lisboa

THE UNIVERSAL LANGUAGE UNITES AND CREATES EQUALITY

A new world with universal laws to own and to govern all with a universal language, a common civilsation and e-democratic culture.

looking beyond borders

foreign policy and global economy

O Futuro é a Liberdade

Discussões sobre Software Livre e Sociedade

%d bloggers like this: