Daily Archives: 2011/03/02

Quids S22: Em que arquipélago foi tirada esta fotografia?

1. Todos os quids valem um ponto.

2. Os Quids são lançados pela manhã. Entre as 21:00 e as 24:00 (Hora de Lisboa)

3. As pistas só serão dadas à hora de almoço (12:30-14:30) ou mais cedo, se possível. Contudo, nesse período do dia seguinte podem ser dadas várias pistas, desde que pedidas por um (qualquer) dos participantes.

4. Só há quids entre 2ª e 6ª (incluindo feriados). Salvo imprevisto…

5. Os Quids terminam quando um concorrente chegar aos 20 pontos.

6. A qualquer momento, poderão sair “QuidsExtra” de texto ou de imagens, com as mesmas regras dos demais, mas sem limite de dia ou de hora. Estes quids valerão sempre 3 pontos e correrão até que um nickname novo, num IP novo, chegue aos 100% ou se tendo passado mais de 48 horas, ao participante que recolher melhor classificação.

7. É vivamente desencorajado o uso de vários nicknames para o mesmo concorrente, já que desvirtua o espírito do jogo. Lembrem-se que o IP tudo revela…

Anúncios
Categories: Quids S22 | 19 comentários

Francisco Sarsfield Cabral: O recurso ao FMI/FEEF “pouco ou nada tem resolvido na Grécia e na Irlanda”

Francisco Sarsfield Cabral (https://www.sitiodolivro.pt)

Francisco Sarsfield Cabral (https://www.sitiodolivro.pt)

“A discussão sobre o endividamento externo quase se resume a saber se teremos de (ou, até, se devemos) recorrer ao FEEF – Fundo Europeu de Estabilização Financeira, que traria consigo o FMI – Fundo Monetário Internacional. Ora esse esquema, criado (com atraso) para responder à crise grega, pouco ou nada tem resolvido na Grécia e na Irlanda.
O dinheiro disponibilizado é caro (6% para a Irlanda, por exemplo).”

> Este é um aspecto importante que raras vezes é mencionado: estes empréstimos do FEEF têm – eles próprios – um juro que é mais do dobro daquilo que Portugal (por exemplo) pagava no mercado em 2008. O FEEF não é uma “ajuda” a custo zero ou sem lucro. O FEEF é um negócio e um bom negócio, devido aos juros que pratica.

“E a intervenção do FEEF nao baixou os juros da dívida grega e da irlandesa no mercado secundário – a primeira paga cerca de 11% e a segunda à volta de 9%.”
Além disso, ao impor uma brutal austeridade, a intervenção do FEEF/FMI arrisca um ciclo vicioso: o PIB cai, as receitas fiscais diminuem e a desejada redução do défice orçamental é posta. Mais austeridade poderá levar a um défice crescente, o inverso do pretendido.
Há quem lembre que o FMI já por duas vezes interveio em Portugal e com sucesso. Mas as circunstâncias em 1978 e 1983 eram muito diferentes das actuais. Nessa altura tínhamos moeda própria, o escudo, que de ambas as vezes sofreu uma substancial desvalorização determinada pelo FMI. Agora estamos no Euro.

> Porque emprestar mais, para que o receptor do empréstimo possa pagar juros de empréstimos anteriores nada contribui para resolver na essência o problema da Dívida Externa. Os que os países que recorrem ao FEEF precisam não é de mais empréstimos, é de condições para que possam exportar mais, produzir localmente muito mais e gastarem menos. Isto é feito por outras formas como a saída do Euro, a adopção por parte do Euro de uma gestão cambial mais agressiva que responda ao dumping cambial chinês, o fim do regime de “fronteiras escancaradas” às importações, estímulos à indústria comparáveis aos da agricultura com a PAC, combate às deslocalizações e às fusões e aquisições entre empresas, criação de uma política europeia de Emprego que puna severamente os empregadores que discriminam em função da idade, etc, etc. São medidas assim que faltam. Não o FEEF/FMI.

Francisco Sarsfield Cabral
Sol 4 fevereiro de 2011

Categories: Economia, Política Nacional, Portugal | 2 comentários

Site no WordPress.com.

Eleitores de Portugal (Associação Cívica)

Associação dedicada à divulgação e promoção da participação eleitoral e política dos cidadãos

Vizinhos em Lisboa

A Vizinhos em Lisboa tem em vista a representação e defesa dos interesses dos moradores residentes nas áreas, freguesias, bairros do concelho de Lisboa nas áreas de planeamento, urbanismo, valorização do património edificado, mobilidade, equipamentos, bem-estar, educação, defesa do património, ambiente e qualidade de vida.

Vizinhos do Areeiro

Núcleo do Areeiro da associação Vizinhos em Lisboa: Movimento de Vizinhos de causas locais e cidadania activa

Vizinhos do Bairro de São Miguel

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos

TRAVÃO ao Alojamento Local

O Alojamento Local, o Uniplaces e a Gentrificação de Lisboa e Porto estão a destruir as cidades

Não aos Serviços de Valor Acrescentado nas Facturas de Comunicações !

Movimento informal de cidadãos contra os abusos dos SVA em facturas de operadores de comunicações

Vizinhos de Alvalade

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos de Alvalade

anExplica

aprender e aprendendo

Subscrição Pública

Plataforma independente de participação cívica

Rede Vida

Just another WordPress.com weblog

Vizinhos do Areeiro

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos do Areeiro

MDP: Movimento pela Democratização dos Partidos Políticos

Movimento apartidário e transpartidário de reforma da democracia interna nos partidos políticos portugueses

Operadores Marítimo-Turísticos de Cascais

Actividade dos Operadores Marítimo Turísticos de Cascais

MaisLisboa

Núcleo MaisDemocracia.org na Área Metropolitana de Lisboa

THE UNIVERSAL LANGUAGE UNITES AND CREATES EQUALITY

A new world with universal laws to own and to govern all with a universal language, a common civilsation and e-democratic culture.

looking beyond borders

foreign policy and global economy

O Futuro é a Liberdade

Discussões sobre Software Livre e Sociedade