Daily Archives: 2011/03/02

Quids S22: Em que arquipélago foi tirada esta fotografia?

1. Todos os quids valem um ponto.

2. Os Quids são lançados pela manhã. Entre as 21:00 e as 24:00 (Hora de Lisboa)

3. As pistas só serão dadas à hora de almoço (12:30-14:30) ou mais cedo, se possível. Contudo, nesse período do dia seguinte podem ser dadas várias pistas, desde que pedidas por um (qualquer) dos participantes.

4. Só há quids entre 2ª e 6ª (incluindo feriados). Salvo imprevisto…

5. Os Quids terminam quando um concorrente chegar aos 20 pontos.

6. A qualquer momento, poderão sair “QuidsExtra” de texto ou de imagens, com as mesmas regras dos demais, mas sem limite de dia ou de hora. Estes quids valerão sempre 3 pontos e correrão até que um nickname novo, num IP novo, chegue aos 100% ou se tendo passado mais de 48 horas, ao participante que recolher melhor classificação.

7. É vivamente desencorajado o uso de vários nicknames para o mesmo concorrente, já que desvirtua o espírito do jogo. Lembrem-se que o IP tudo revela…

Categories: Quids S22 | 19 comentários

Francisco Sarsfield Cabral: O recurso ao FMI/FEEF “pouco ou nada tem resolvido na Grécia e na Irlanda”

Francisco Sarsfield Cabral (https://www.sitiodolivro.pt)

Francisco Sarsfield Cabral (https://www.sitiodolivro.pt)

“A discussão sobre o endividamento externo quase se resume a saber se teremos de (ou, até, se devemos) recorrer ao FEEF – Fundo Europeu de Estabilização Financeira, que traria consigo o FMI – Fundo Monetário Internacional. Ora esse esquema, criado (com atraso) para responder à crise grega, pouco ou nada tem resolvido na Grécia e na Irlanda.
O dinheiro disponibilizado é caro (6% para a Irlanda, por exemplo).”

> Este é um aspecto importante que raras vezes é mencionado: estes empréstimos do FEEF têm – eles próprios – um juro que é mais do dobro daquilo que Portugal (por exemplo) pagava no mercado em 2008. O FEEF não é uma “ajuda” a custo zero ou sem lucro. O FEEF é um negócio e um bom negócio, devido aos juros que pratica.

“E a intervenção do FEEF nao baixou os juros da dívida grega e da irlandesa no mercado secundário – a primeira paga cerca de 11% e a segunda à volta de 9%.”
Além disso, ao impor uma brutal austeridade, a intervenção do FEEF/FMI arrisca um ciclo vicioso: o PIB cai, as receitas fiscais diminuem e a desejada redução do défice orçamental é posta. Mais austeridade poderá levar a um défice crescente, o inverso do pretendido.
Há quem lembre que o FMI já por duas vezes interveio em Portugal e com sucesso. Mas as circunstâncias em 1978 e 1983 eram muito diferentes das actuais. Nessa altura tínhamos moeda própria, o escudo, que de ambas as vezes sofreu uma substancial desvalorização determinada pelo FMI. Agora estamos no Euro.

> Porque emprestar mais, para que o receptor do empréstimo possa pagar juros de empréstimos anteriores nada contribui para resolver na essência o problema da Dívida Externa. Os que os países que recorrem ao FEEF precisam não é de mais empréstimos, é de condições para que possam exportar mais, produzir localmente muito mais e gastarem menos. Isto é feito por outras formas como a saída do Euro, a adopção por parte do Euro de uma gestão cambial mais agressiva que responda ao dumping cambial chinês, o fim do regime de “fronteiras escancaradas” às importações, estímulos à indústria comparáveis aos da agricultura com a PAC, combate às deslocalizações e às fusões e aquisições entre empresas, criação de uma política europeia de Emprego que puna severamente os empregadores que discriminam em função da idade, etc, etc. São medidas assim que faltam. Não o FEEF/FMI.

Francisco Sarsfield Cabral
Sol 4 fevereiro de 2011

Categories: Economia, Política Nacional, Portugal | 2 comentários

Create a free website or blog at WordPress.com.

Eleitores de Portugal (Associação Cívica)

Associação dedicada à divulgação e promoção da participação eleitoral e política dos cidadãos

Vizinhos em Lisboa

A Vizinhos em Lisboa tem em vista a representação e defesa dos interesses dos moradores residentes nas áreas, freguesias, bairros do concelho de Lisboa nas áreas de planeamento, urbanismo, valorização do património edificado, mobilidade, equipamentos, bem-estar, educação, defesa do património, ambiente e qualidade de vida.

Vizinhos do Areeiro

Núcleo do Areeiro da associação Vizinhos em Lisboa: Movimento de Vizinhos de causas locais e cidadania activa

Vizinhos do Bairro de São Miguel

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos

TRAVÃO ao Alojamento Local

O Alojamento Local, o Uniplaces e a Gentrificação de Lisboa e Porto estão a destruir as cidades

Não aos Serviços de Valor Acrescentado nas Facturas de Comunicações !

Movimento informal de cidadãos contra os abusos dos SVA em facturas de operadores de comunicações

Vizinhos de Alvalade

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos de Alvalade

anExplica

PEDAÇOS DE SABER

Subscrição Pública

Plataforma independente de participação cívica

Rede Vida

Just another WordPress.com weblog

Vizinhos do Areeiro

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos do Areeiro

MDP: Movimento pela Democratização dos Partidos Políticos

Movimento apartidário e transpartidário de reforma da democracia interna nos partidos políticos portugueses

Operadores Marítimo-Turísticos de Cascais

Actividade dos Operadores Marítimo Turísticos de Cascais

MaisLisboa

Núcleo MaisDemocracia.org na Área Metropolitana de Lisboa

THE UNIVERSAL LANGUAGE UNITES AND CREATES EQUALITY

A new world with universal laws to own and to govern all with a universal language, a common civilsation and e-democratic culture.

looking beyond borders

foreign policy and global economy