Elisa Ferreira: “Não houve em 2008 uma opção súbita dos Estados – Portugal inclusive – pelo sobre-endividamento”

Elisa Ferreira (http://www.delegptpse.eu)

Elisa Ferreira (www.delegptpse.eu)

“Não houve em 2008 uma opção súbita dos Estados – Portugal inclusive – pelo sobre-endividamento; este foi consequência de uma crise causada pela intencional desregulação dos mercados financeiros ativamente patrocinada por múltiplos agentes (incluindo políticos e académicos) de um e do outro lado do Atlântico – o filme “Inside Job” merece ser visto para o relembrar: O sobre-endividamento das famílias e das instituições foi a base do modelo financeiro-especulativo e, quando a bolha rebentou, a factura começou por se exprimir nos orçamentos estatais. Como recentemente sublinhou o comissário Joaquin Almunia, 39% e 17% do PIB europeu, respectivamente foram disponibilizados e gastos pelos países da UE em intervenções de salvação do setor financeiro”

» Há aqui uma certa falácia… é verdade que a maioria dos Estados europeus teve realizar injecções massivas de Capital na Banca (Irlanda e Espanha, sobretudo), mas esse não foi o caso de Portugal. De facto, Portugal teve apenas metade desse esforço europeu e se a nossa dívida externa disparou tal deveu-se a 3 outros fatores: um descontrolo da despesa de muitos ministérios (especialmente na Saúde), ao aumento do preço do petróleo (responsável por metade do nosso défice externo) e ao aumento brutal do serviço da dívida.

“As economias reagiram diversamente, tornando visível o que estava latente: as brutais disparidades de competitividade entre Estados Membros que, tal como a teoria da integração sempre previra, não tinham parado de aumentar”

» O euro encontra-se no epicentro da atual crise precisamente porque é uma irracionalidade: uma moeda única para economias imensamente díspares. Esta irracionalidade é a causa pela qual os especuladores assentaram baterias contra os países mais periféricos e com economias menos competitivas. A atual (e incurável) Crise do Euro decorre de a moeda ter sido adotada antes de existir a mínima harmonização dos sistemas fiscais, dos níveis salariais e dos padrões de produção e consumo. Perante um conjunto tão dispare de situações económicas, pretender estabelecer uma “moeda única” só poderia ser um disparate com as consequências que hoje estão à vista de todos: uma periferia hiperconsumista e um centro produtor e credor que agora exige os juros de uma política de décadas de destruição dos setores produtivos em trocas de subsidiarização.

“o tigre celta revelou quanto do seu virtuoso modelo dependia da batota de um irc de 12.5% (…) os ataques especulativos não resultaram tanto de uma dívida ou de um défice excessivo da zona euro (sobretudo comparativamente ao dolar) mas mais da divergência interna crescente entre as economias reais dos países que a compõem, na ausência de políticas ou instrumentos reequilibradores.”

> pode haver “união económica e monetária” sem harmonização das políticas fiscais? O dumping fiscal irlandês atraiu para a Ilha muitos negócios e unidades industriais… os desequilíbrios de competitividade assim criados explicaram em boa medida o crescimento do “tigre celta” (hoje, tornado num gatinho pouco mais que anémico) e não deviam ser permitidos num contexto de união monetária. Se o foram, tal sucedeu porque os dogmas do neoliberalismo se introduziram fortemente nas orientações políticas da Comissão Europeia…

“Sobre a Alemanha, e citando o prestigiado correspondente alemão do Financial Times: “Toda a gente compreende que a integração europeia é a base do sucesso do pais depois da guerra, da sua ascensão ao estatuto de uma das economias mais fortes do mundo e da sua reunificação política. Não é difícil explicar que uma economia fortemente exportadora beneficia do euro e da eliminação das variações na taxa de câmbio.”

> claro que não. A Alemanha tem beneficiado muito do euro. Tem assim muito mais que o dever moral de apoiar os países periféricos que por força de sobre-endividamento criado pelo hiperconsumismo dos seus produtos estão agora em dificuldades. Se não o fizer, arruína a economia dos seus próprios maiores parceiros comerciais (que são, na maioria, intra-europeus) e condena a uma crise a sua própria Economia. Não ajudar, assim, os países periféricos, é mais do que ser ingrato. É ser estúpido.

O euro é uma moeda artificial. Foi forjada a partir de uma determinação política, para erguer uma União Europeia a partir de um alicerce económico. Não poderia jamais acomodar realidades económicas muito diversas, que tinham todo um mundo de riqueza, produtividade e rendimentos separando-os… Para colocar todos os membros da União Europeia num único saco de gatos, tentou conciliar-se o inconciliável. Colocados perante tamanho imperativo, os pequenos e periféricos julgaram-se subitamente ricos e entraram numa espiral de endividamento crescente e explosivo – a prazo – que hoje os coloca à beira da Bancarrota. Os país com economias onde o setor produtivo era mais forte (como a Alemanha e França) passaram pelo Euro com relativo à vontade, porque continuaram a exportar para os países periféricos, mas estes entraram num aumento de dívida descontrolado.

A prazo, não se antevê outra solução senão a saída dos países periféricos do Euro ou o seu próprio fim, caso um país da dimensão de Espanha entre em Bancarrota ou um dos grandes países (França, Alemanha ou Itália) decida sair do sistema monetário comum. E numa Europa sem líderes, sem estratégia comum nem uma verdadeira “alma europeia” ou um sentido de “pátria comum” esse destino é inadiável e inevitável…

Fonte:
Elisa Ferreira
Sol 23 de dezembro

Categories: Economia, Política Internacional, Política Nacional, Portugal | 1 Comentário

Navegação de artigos

One thought on “Elisa Ferreira: “Não houve em 2008 uma opção súbita dos Estados – Portugal inclusive – pelo sobre-endividamento”

  1. pedronunesnomundo

    é de um gigantesco descaramento vir ESTA DAMA pronunciar-se sobre o disparo babaca do endividamento nos áureos ‘Anos Guterres’… para dizer que não aconteceu!!

    pelo menos que escolhesse pecados mais transversais, ou de outras eras, mas perorar EXACTAMENTE sobre este tema NESTE contexto dá vontade de lhe fazer duas vezes o que os portuenses lhe fizeram quando se candidatou à Câmara

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Create a free website or blog at WordPress.com.

Eleitores de Portugal (Associação Cívica)

Associação dedicada à divulgação e promoção da participação eleitoral e política dos cidadãos

Vizinhos em Lisboa

A Vizinhos em Lisboa tem em vista a representação e defesa dos interesses dos moradores residentes nas áreas, freguesias, bairros do concelho de Lisboa nas áreas de planeamento, urbanismo, valorização do património edificado, mobilidade, equipamentos, bem-estar, educação, defesa do património, ambiente e qualidade de vida.

Vizinhos do Areeiro

Núcleo do Areeiro da associação Vizinhos em Lisboa: Movimento de Vizinhos de causas locais e cidadania activa

Vizinhos do Bairro de São Miguel

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos

TRAVÃO ao Alojamento Local

O Alojamento Local, o Uniplaces e a Gentrificação de Lisboa e Porto estão a destruir as cidades

Não aos Serviços de Valor Acrescentado nas Facturas de Comunicações !

Movimento informal de cidadãos contra os abusos dos SVA em facturas de operadores de comunicações

Vizinhos de Alvalade

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos de Alvalade

anExplica

aprender e aprendendo

Subscrição Pública

Plataforma independente de participação cívica

Rede Vida

Just another WordPress.com weblog

Vizinhos do Areeiro

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos do Areeiro

MDP: Movimento pela Democratização dos Partidos Políticos

Movimento apartidário e transpartidário de reforma da democracia interna nos partidos políticos portugueses

Operadores Marítimo-Turísticos de Cascais

Actividade dos Operadores Marítimo Turísticos de Cascais

MaisLisboa

Núcleo MaisDemocracia.org na Área Metropolitana de Lisboa

THE UNIVERSAL LANGUAGE UNITES AND CREATES EQUALITY

A new world with universal laws to own and to govern all with a universal language, a common civilsation and e-democratic culture.

looking beyond borders

foreign policy and global economy

O Futuro é a Liberdade

Discussões sobre Software Livre e Sociedade

%d bloggers like this: