Daily Archives: 2011/02/27

António Nogueira Leite: “Durante 20 anos fizemos tudo ao contrário na ilusão de que já éramos ricos”

António Nogueira Leite (http://www.sabado.pt)

António Nogueira Leite (www.sabado.pt)

“Durante 20 anos fizemos tudo ao contrário na ilusão de que já éramos ricos (fomo-nos sentindo ricos, vivendo sempre acima das nossas posses, todos os anos desde 1994): engordámos a Função Pública (a partir da súbita e extrema generosidade do ano de 1991), tornámos-nos um país de proprietários endividados (aceleradamente, após 1992), fomos criando um sistema de pensões insustentável e particularmente injusto para as gerações mais novas.”

 

> na década de 90 o afluxo generoso e sem controlo de financiamentos europeus, seguido (e acumulado) da adoção do euro em 2000 criou a falsa sensação de riqueza. Primeiro pela injeção de milhões de euros em fundos estruturais que cedo irromperam em cascata por toda a sociedade lusa. Anos depois era o Euro – com o crédito barato – que reforçava ainda mais essa ilusória sensação de riqueza. Quer pelos Fundos Europeus, quer pelo Euro, os portugueses habituaram-se a viver muito acima das suas posses. Não porque fossem estúpidos ou desleixados enquanto Povo (como sugerem os país do norte), mas porque este afluxo de capital barato não foi devidamente regulado por vários e sucessivos Governos e, sobretudo, por um Banco de Portugal laxista e incompetente.

“enchendo o país de infra-estruturas subutilizadas ou simplesmente inúteis, promovidas por políticos incompetentes para gáudio de populações embrutecidas e de empreiteiros gananciosos.”

> Em comparação com a maioria dos países mais desenvolvidos do continente europeu, Portugal tem uma rede viária extraordinariamente desenvolvida. Esta sobredesenvolvimento resultou da concessão de financiamentos europeus que beneficiaram diretamente influentes empresas de construção civil e os grandes partidos da partidocracia nacional que durante décadas beneficiaram direta ou indiretamente dos seus “abnegados” donativos e de ofertas de posições nos Conselhos de Administrações. Portugal, em consequência de uma malfadada estratégia de Tercialização da Economia (de que o atual Presidente da República foi o maior mentor) esvaziou-se de indústria, agricultura e pescas e encheu-se de Elefantes Brancos e Auto-estradas. Os responsáveis estão hoje à vista de todos, nos partidos e grandes empresas públicas e privadas. São eles os grandes responsáveis por este desvio doentio da nossa Economia para fora das atividades produtivas e da abertura desbragada de fronteiras a importações de todo o tipo e feitio.

“O país vive nas vésperas do embate final com o concreto, ou seja com a impossibilidade de financiamento externo (que já não é autónomo desde, pelo menos 2009, não o esqueçam) num momento de verdadeiro estupor coletivo.”

> Os espantosos indíces de consumo registados no Natal de 2010 refletem uma sociedade doente, em que ainda não se impôs a consciência coletiva de que vivemos hoje o fim de uma era. Durante décadas, a evaporacao de grande parte do nosso tecido produtivo foi mascarada pelo credito barato. Obviamente, tal louca espiral teria alguma vez que tocar no tecto. E bateu.

“Os portugueses na sua maioria, comportam-se como se tudo se mantivesse na mesma (com excepção da metade de milhão que constitui o primeiro contingente de baixas do regime) e vão lamuriando contra a maldade do Governo que lhes corta salários ou benesses mesmo quando convencidos que qualquer alternativa verdadeira lhes cortará salários e benesses”.

Com efeito, até agora o essencial desta crise tem recaído sobre o exército cada vez mais numeroso dos desempregados (a caminho dos 700 mil em 2012) ou dos jovens licenciados ou mestrados sem Emprego nem perspetivas de futuro fora da casa dos pais ou da emigração. Mas à medida que o desemprego toca mais e mais famílias a almofada de segurança que os país ainda davam aos seus filhos da geração “Nem-Nem” (Nem emprego, Nem estudam) vai-se esfumar à medida que as falências se forem acumulando e todos os empregados com mais de 40 anos sejam vassourados como pó para fora da vida ativa e sejam atirados para o crónico balde do Desemprego permanente. O cerco aperta-se: de um lado os jovens sem perspetivas de futuro. Do outro, os seus pais que perdem o Emprego sem perspetivas de o recuperar. De permeio, a função pública começa agora a sofrer também com os cortes salariais e os aumentos dos impostos. É toda uma sociedade que começa a pagar os desvairos das últimas décadas. De forma desigual, uns mais que outros… Mas todos caminham inexoravelmente para um abismo do desespero que cedo ou tarde levará a uma revolta popular e isto apesar de todas as tradições de pacatez e passividade dos portugueses.

Fonte:
António Nogueira Leite
Sol 23 de dezembro de 2010

Categories: Economia, Política Nacional, Portugal | 1 Comentário

A China deverá ter operacional o antigo porta-aviões soviético Varyag dentro de 2 anos

Varyag no estaleiro chinês (http://www.freewebs.com)

Varyag no estaleiro chinês (http://www.freewebs.com)

Segundo uma investigação do Congresso dos EUA a China deverá ter operacional o antigo porta-aviões soviético Varyag dentro de 2 anos. O navio deverá assumir as funções de “navio escola” preparando uma nova geração de técnicos, pilotos e oficiais para a frota de porta-aviões que a China se prepara para lançar ao mar afirmando assim o seu novo papel de superpotência global.

A frota de porta-aviões chinesa será composta unicamente por navios a propulsão nuclear que estariam já em construção (segundo um artigo de um jornal de Hong Kong) no recentemente alargado estaleiro de Jiangnan, não muito longe de Xangai. É aqui que ex-russo Varyag se encontra em reconstrução e onde a construção desta frota nuclear de porta-aviões já decorre antecipando a entrada da China no restrito grupo dos países capaz de projetar o seu poder aéreo a longas distâncias e alavancando assim a entrada definitiva do país como uma Superpotência global.

Fonte:
http://defense-update.com/wp/20110102_varyag_in_china.html

Categories: China, DefenseNewsPt | 3 comentários

Create a free website or blog at WordPress.com.

Eleitores de Portugal (Associação Cívica)

Associação dedicada à divulgação e promoção da participação eleitoral e política dos cidadãos

Vizinhos em Lisboa

A Vizinhos em Lisboa tem em vista a representação e defesa dos interesses dos moradores residentes nas áreas, freguesias, bairros do concelho de Lisboa nas áreas de planeamento, urbanismo, valorização do património edificado, mobilidade, equipamentos, bem-estar, educação, defesa do património, ambiente e qualidade de vida.

Vizinhos do Areeiro

Núcleo do Areeiro da associação Vizinhos em Lisboa: Movimento de Vizinhos de causas locais e cidadania activa

Vizinhos do Bairro de São Miguel

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos

TRAVÃO ao Alojamento Local

O Alojamento Local, o Uniplaces e a Gentrificação de Lisboa e Porto estão a destruir as cidades

Não aos Serviços de Valor Acrescentado nas Facturas de Comunicações !

Movimento informal de cidadãos contra os abusos dos SVA em facturas de operadores de comunicações

Vizinhos de Alvalade

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos de Alvalade

anExplica

aprender e aprendendo

Subscrição Pública

Plataforma independente de participação cívica

Rede Vida

Just another WordPress.com weblog

Vizinhos do Areeiro

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos do Areeiro

MDP: Movimento pela Democratização dos Partidos Políticos

Movimento apartidário e transpartidário de reforma da democracia interna nos partidos políticos portugueses

Operadores Marítimo-Turísticos de Cascais

Actividade dos Operadores Marítimo Turísticos de Cascais

MaisLisboa

Núcleo MaisDemocracia.org na Área Metropolitana de Lisboa

THE UNIVERSAL LANGUAGE UNITES AND CREATES EQUALITY

A new world with universal laws to own and to govern all with a universal language, a common civilsation and e-democratic culture.

looking beyond borders

foreign policy and global economy

O Futuro é a Liberdade

Discussões sobre Software Livre e Sociedade