Daily Archives: 2011/01/25

Quids S22: Quem construiu esta casa?

1. Todos os quids valem um ponto.

2. Os Quids são lançados pela manhã. Entre as 21:00 e as 24:00 (Hora de Lisboa)

3. As pistas só serão dadas à hora de almoço (12:30-14:30) ou mais cedo, se possível. Contudo, nesse período do dia seguinte podem ser dadas várias pistas, desde que pedidas por um (qualquer) dos participantes.

4. Só há quids entre 2ª e 6ª (incluindo feriados). Salvo imprevisto…

5. Os Quids terminam quando um concorrente chegar aos 20 pontos.

6. A qualquer momento, poderão sair “QuidsExtra” de texto ou de imagens, com as mesmas regras dos demais, mas sem limite de dia ou de hora. Estes quids valerão sempre 3 pontos e correrão até que um nickname novo, num IP novo, chegue aos 100% ou se tendo passado mais de 48 horas, ao participante que recolher melhor classificação.

7. É vivamente desencorajado o uso de vários nicknames para o mesmo concorrente, já que desvirtua o espírito do jogo. Lembrem-se que o IP tudo revela…

 

Categories: Quids S22 | 9 comentários

“A dívida pública em 2011 será a mais elevada desde 1850”

“A dívida pública em 2011 será a mais elevada desde 1850. Vai bater o anterior máximo registado na última década do século XIX, quando o país foi forçado a declarar bancarrota parcial.”
Jornal Sol 12 de dezembro de 2010
João Paulo Madeira

A questão então é saber quando é que isto vai acontecer… não é mais saber se vamos ou não entrar em bancarrota, é saber quando. A dívida externa subiu de forma extraordinária sobretudo a partir de 2005. Mas já antes (e a partir do Cavaquismo) assumia dimensões preocupantes. Este fenómeno é assim a herança plena da partidocracia PS-PSD-CDS que nos tem governado em Rotativismo nas últimas décadas. Quando entrarmos em Bancarrota (já não escrevo “se”) os portugueses devem esquecer a sua tradicional “falta de memória política” e responsabilizar nas urnas os responsáveis pela situação terminal em que Portugal se encontra hoje. Temos já eleições em janeiro de 2011 e interrogo-me: Os responsáveis por este estado de coisas que se apresentam ao sufrágio (Cavaco e Alegre) serão punidos por aquilo que fizeram (Cavaco) ou deixaram fazer (Alegre), ou pelo contrário, os portugueses irão comportar-se como um bando de carneiros?

Categories: Economia, Política Nacional, Portugal | Deixe um comentário

“Em três anos, norte-americanos e europeus injetaram um valor recorde de 1860 mil milhões de euros nas suas economias”

Banco Central Europeu (http://www.indiabuzzing.com)

Banco Central Europeu (http://www.indiabuzzing.com)

“Em três anos, norte-americanos e europeus injetaram um valor recorde de 1860 mil milhões de euros nas suas economias, mais do que o PIB do Reino Unido e 10 vezes o PIB português. Ainda que seja consensual entre especialistas que há excesso de liquidez no mercado, a verdade é que as pessoas não sentem mais dinheiro no “bolso”, porque o dinheiro injetado pelos bancos centrais não está a chegar à economia real.
(…)
“A base monetária tem vindo a crescer em ritmos elevados: em 3 anos, aumentou 32% nos EUA, e 27% na área do Euro. Chegou-se a excesso de liquidez devido às preocupações com o crescimento mundial e o desemprego. (…) A insistência das autoridades nesta estratégia mostra que estão sem instrumentos para pôr as economias a crescer.” (…) a banca devia esforçar-se para orientar recursos para as PMEs pois as grandes têm mais facilidade de acesso lá fora. (…) os empréstimos para compra de casa”

Jornal Sol 10 de dezembro de 2010

O grande problema de todas estas monstruosas, constantes e aparentemente infindáveis injeções de capital é que não estão a chegar à economia. No essencial, têm servido apenas para tapar buracos deixados pelos desvairos dos investimentos opacos feito durante dez anos e muito pouco deste dinheiro derramado sobre o sistema financeiro chegou de facto à economia real.

Os governos erraram ao salvarem os Bancos falidos. Para salvarem da falência os seus donos, accionistas e gestores, os políticos (financiados por estas gentes…) entregaram dinheiros públicos aos banqueiros, mandaram imprimir mais dinheiro (arriscando inflação) e ordenaram aos Bancos Centrais que descessem as taxas de juro até valores simbólicos. A dimensão da derrama e a sua evidente incapacidade para deter a progressão da crise deviam já ter feito inflectir a Recessão. Se não o fez já, não o fará. Importa pois para a economia real novas injeções de Capital para o Emprego e para a Produção e não mais para um Sistema Financeiro fechado sobre si mesmo e que prefere gastar esse novo Capital em novos investimentos opacos, em depósitos milionários ou em especulações sobre produtos, encarecendo-os e provocando vagas de fome.

Os Governos devem deixar que os Bancos Falidos fechem as portas, aplicando os recursos que gastam ao tentar salvá-los para devolver os depósitos aos seus depositantes e assim punindo os accionistas e gestores que deixaram as suas empresas chegarem a esta situação. E aplicar os recursos remanescentes em estímulos que cheguem mesmo à economia real, usando sem pudor a figura da nacionalização (ainda que temporária) de empresas situadas em situação difícil, mas cuja existência seja estratégica para uma economia nacional.

Categories: Economia, Política Internacional, Política Nacional, Portugal | 1 Comentário

Site no WordPress.com.

Eleitores de Portugal (Associação Cívica)

Associação dedicada à divulgação e promoção da participação eleitoral e política dos cidadãos

Vizinhos em Lisboa

A Vizinhos em Lisboa tem em vista a representação e defesa dos interesses dos moradores residentes nas áreas, freguesias, bairros do concelho de Lisboa nas áreas de planeamento, urbanismo, valorização do património edificado, mobilidade, equipamentos, bem-estar, educação, defesa do património, ambiente e qualidade de vida.

Vizinhos do Areeiro

Núcleo do Areeiro da associação Vizinhos em Lisboa: Movimento de Vizinhos de causas locais e cidadania activa

Vizinhos do Bairro de São Miguel

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos

TRAVÃO ao Alojamento Local

O Alojamento Local, o Uniplaces e a Gentrificação de Lisboa e Porto estão a destruir as cidades

Não aos Serviços de Valor Acrescentado nas Facturas de Comunicações !

Movimento informal de cidadãos contra os abusos dos SVA em facturas de operadores de comunicações

Vizinhos de Alvalade

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos de Alvalade

anExplica

PEDAÇOS DE SABER

Subscrição Pública

Plataforma independente de participação cívica

Rede Vida

Just another WordPress.com weblog

Vizinhos do Areeiro

Movimento informal, inorgânico e não-partidário (nem autárquico independente) de Vizinhos do Areeiro

MDP: Movimento pela Democratização dos Partidos Políticos

Movimento apartidário e transpartidário de reforma da democracia interna nos partidos políticos portugueses

Operadores Marítimo-Turísticos de Cascais

Actividade dos Operadores Marítimo Turísticos de Cascais

MaisLisboa

Núcleo MaisDemocracia.org na Área Metropolitana de Lisboa

THE UNIVERSAL LANGUAGE UNITES AND CREATES EQUALITY

A new world with universal laws to own and to govern all with a universal language, a common civilsation and e-democratic culture.

looking beyond borders

foreign policy and global economy